CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - PE­DRO GUI­MA­RÃES ANA DE CAR­VA­LHO ÂNGELO COS­TA AFON­SO KANGA

Evo­lu­ção das tec­no­lo­gi­as

Es­cre­vo pa­ra aler­tar aos usuá­ri­os so­bre as van­ta­gens e des­van­ta­gens do uso das re­des so­ci­ais, nu­ma al­tu­ra em que o aces­so à in­ter­net se mul­ti­pli­ca a to­do o gás. Vá­ri­os es­pe­ci­a­lis­tas em to­do o mun­do acon­se­lham ao uso re­gra­do das tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção, so­bre­tu­do no aces­so às re­des so­ci­ais.

Diz o si­te que “A era di­gi­tal, ou tec­no­ló­gi­ca, es­tá a mu­dar o es­ti­lo de vi­da, com­por­ta­men­tos, re­la­ci­o­na­men­tos fa­mi­li­a­res e so­ci­ais e a saúde. De acor­do com es­pe­ci­a­lis­tas, to­da a gen­te ex­pos­ta, por mui­to tem­po, às tec­no­lo­gi­as po­de­rá ter pro­ble­mas de saúde, apren­di­za­gem, es­que­ci­men­to e de re­la­ci­o­na­men­to. Psi­có­lo­gos, mé­di­cos e a Po­lí­cia Na­ci­o­nal ana­li­sam o aces­so e uso das tec­no­lo­gi­as em du­as pers­pec­ti­vas, a po­si­ti­va e a ne­ga­ti­va”. Con­cor­do que de­ve­mos mu­dar a ma­nei­ra co­mo usa­mos as re­des so­ci­ais, por­que cres­ce o co­me­ti­men­to de cri­mes, ten­do co­mo meio as re­des so­ci­ais. Os cri­mes in­for­má­ti­cos amon­to­am-se e fe­liz­men­te a Po­lí­cia Na­ci­o­nal acom­pa­nha to­da es­sa evo­lu­ção.

In­for­ma­ção es­ta­tís­ti­ca

Li há di­as que um es­tu­do re­ve­la que 2,63 mi­lhões dos 3,88 mi­lhões de ha­bi­tan­tes le­ram pe­lo me­nos um jor­nal ou uma re­vis­ta nos úl­ti­mos seis me­ses. Saí­do num si­te da in­ter­net, tra­ta-se de um es­tu­do im­por­tan­te na me­di­da em que se for es­ten­di­da a mui­tas ou­tras es­fe­ras po­de ser mui­to útil na trans­mis­são de da­dos e in­for­ma­ções so­bre a so­ci­e­da­de. É ver­da­de que o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE) de­sem­pe­nha tam­bém es­tas atri­bui­ções que ser­vem em gran­de me­di­da pa­ra que as ins­ti­tui­ções do país to­mem as de­ci­sões mais acer­ta­das.

Afi­nal, a in­for­ma­ção es­ta­tís­ti­ca é de im­por­tân­cia es­tra­té­gi­ca pa­ra o pro­ces­so de to­ma­da de de­ci­são, nu­ma al­tu­ra em que a go­ver­na­ção pro­cu­ra apro­xi­mar-se mais do po­vo. Lem­bro-me das pa­la­vras do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, du­ran­te a in­ter­ven­ção no VII con­gres­so or­di­ná­rio do MPLA, par­ti­do no po­der, se­gun­do as quais é pre­ci­so que a go­ver­na­ção não se dis­tan­cie das po­pu­la­ções en­quan­to des­ti­na­tá­ri­as dos bens e ser­vi­ços as­se­gu­ra­dos pe­lo Exe­cu­ti­vo, os seus ór­gãos e par­cei­ros.

Es­pe­ro que to­das as ini­ci­a­ti­vas que vi­sam a re­co­lha de da­dos e in­for­ma­ções es­ta­tís­ti­cas so­bre a po­pu­la­ção con­tri­bu­am pa­ra a cri­a­ção de uma ba­se de da­dos que per­mi­ta aos ser­vi­do­res pú­bli­cos e pri­va­dos me­lhor co­nhe­ce­rem as idi­os­sin­cra­si­as das po­pu­la­ções.

Se­gu­ro agrí­co­la

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do do Or­ça­men­to, Aia-Eza da Sil­va, de­fen­deu há di­as a im­ple­men­ta­ção ur­gen­te do se­gu­ro agrí­co­la no país, uma re­a­li­da­de que po­de de­sem­pe­nhar um pa­pel fun­da­men­tal no sec­tor.

Em­bo­ra não pa­re­ça, a ac­ti­vi­da­de agrí­co­la en­vol­ve mui­tos ris­cos que pre­ci­sam de ser acau­te­la­dos por via de um se­gu­ro. Es­pe­ro que es­te se­gu­ro se­ja aces­sí­vel e dis­po­ní­vel em to­das as co­mu­ni­da­des agrí­co­las e em to­do o país e que as fa­mí­li­as que li­dam com a ter­ra te­nham con­di­ções de aces­so ao re­fe­ri­do se­gu­ro.

Na mi­nha opi­nião, es­te se­gu­ro sur­ge nu­ma boa al­tu­ra, por­que as­sim os agri­cul­to­res con­se­guem man­ter a pe­re­ni­da­de das ac­ti­vi­da­des agrí­co­las.

Acre­di­to igual­men­te que as­sim fi­ca­rá mais fá­cil fa­zer a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, aten­den­do que os agri­cul­to­res fi­cam mais des­can­sa­dos, tra­ba­lhan­do com o se­gu­ro. Es­ta ini­ci­a­ti­va é tam­bém um rep­to às se­gu­ra­do­ras que, ha­bi­tu­a­das ao mer­ca­do ur­ba­no, de­vem pas­sar a olhar pa­ra o meio ru­ral co­mo des­ti­no dos seus in­ves­ti­men­tos. Os agri­cul­to­res agra­de­cem e o país cres­ce ca­da vez mais pa­ra dis­tri­buir me­lhor.

Ma­ka dos mo­to­quei­ros

A es­tra­da da Sam­ba con­ti­nua a ser de­vas­sa­da por uma sé­rie de mo­to­quei­ros, na sua mai­o­ria jo­vens ir­res­pon­sá­veis, que co­lo­cam di­a­ri­a­men­te em ris­co a sua vi­da de uma for­ma de­plo­rá­vel.

Sem res­pei­ta­rem mi­ni­ma­men­te as mais ele­men­ta­res re­gras de trân­si­to fa­zem um au­tên­ti­co zi­gue za­gue por en­tre os car­ros, não sen­do ra­ras as ve­zes em que che­gam mes­mo a par­tir al­guns re­tro­vi­so­res.

A po­lí­cia, que por ali es­tá em gran­de nú­me­ro vê-se im­po­ten­te pa­ra ac­tu­ar por­que eles an­dam mui­to rá­pi­do e fo­gem com fa­ci­li­da­de.

ARMANDO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.