Saúde mais pró­xi­ma

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Um dos pi­la­res pa­ra a cons­tru­ção de uma so­ci­e­da­de li­vre, jus­ta, de­mo­crá­ti­ca, so­li­dá­ria, de paz, de igual­da­de e de pro­gres­so so­ci­al pas­sa ne­ces­sa­ri­a­men­te pe­la exis­tên­cia de um sec­tor da Saúde bom, fun­ci­o­nal e pró­xi­mo das po­pu­la­ções. O que so­mos co­mo pes­so­as, de­di­ca­das às fa­mí­li­as, às co­mu­ni­da­des e ao Es­ta­do de­pen­de em lar­ga me­di­da da nos­sa saúde, uma pre­o­cu­pa­ção que es­te­ve, es­tá e estará sem­pre em pri­mei­ro lu­gar. Es­ta re­a­li­da­de tor­na com­ple­xo ge­rir um sec­tor que li­da di­rec­ta­men­te com a saúde das pes­so­as, mas pos­sí­vel so­bre­tu­do quan­do há ta­re­fas de­li­ne­a­das, me­tas, acom­pa­nha­men­to, cor­rec­ções, in­de­pen­den­te­men­te das li­mi­ta­ções im­pos­tas pe­la na­tu­re­za hu­ma­na fa­lí­vel. Sa­be­mos to­dos que as exi­gên­ci­as e ne­ces­si­da­des ao ní­vel da Saúde se mo­di­fi­cam ra­pi­da­men­te.

Os re­cur­sos sem­pre li­mi­ta­dos pa­ra ne­ces­si­da­des ili­mi­ta­das, o de­sa­fio pa­ra le­var os ser­vi­ços de saúde ali on­de são ur­gen­tes e vi­tais, a cres­cen­te de­man­da por téc­ni­cos, en­tre ou­tros fac­to­res, de­fi­nem hoje o sec­tor da saúde em to­do o país. Mais do que pôr em cau­sa os es­for­ços con­sen­ti­dos por téc­ni­cos da Saúde a to­dos os ní­veis pa­ra que es­te im­por­tan­te ser­vi­ço não fal­te às po­pu­la­ções, pre­ci­sa­mos de re­co­nhe­cer a de­di­ca­ção e o pro­fis­si­o­na­lis­mo mes­mo nas con­di­ções em que é exer­ci­da a pro­fis­são.

Ao lon­go de vá­ri­os anos, o sec­tor da saúde vi­veu pro­ble­mas e en­fren­tou de­sa­fi­os que, co­mo re­co­nhe­ce­mos to­dos, per­sis­tem e re­no­vam-se a ca­da dia. Não te­mos ain­da um sis­te­ma de saúde com ba­se nas me­tas su­pe­ri­or­men­te tra­ça­das, mas não há dú­vi­das de que fo­ram ul­tra­pas­sa­das nu­me­ro­sas eta­pas. Há lar­gos es­for­ços no sen­ti­do de as­se­gu­rar a for­ma­ção con­tí­nua no sec­tor por par­te das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, nu­ma al­tu­ra em que es­tá em mar­cha um am­bi­ci­o­so pro­gra­ma de Re­for­ma do Sec­tor da Saúde.

Tra­ta-se de uma ini­ci­a­ti­va do Exe­cu­ti­vo, anun­ci­a­da re­cen­te­men­te pe­lo mi­nis­tro da Saúde, Luís Sam­bo, que vi­sa não ape­nas adequá-la aos de­sa­fi­os ac­tu­ais, mas po­ten­ci­ar ou­tros com­po­nen­tes im­por­tan­tes. Agre­gar ao sec­tor as­pec­tos co­mo a mo­der­na ges­tão hos­pi­ta­lar, a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, além dos es­for­ços já ex­pe­ri­men­ta­dos de mu­ni­ci­pa­li­za­ção da saúde, cons­ti­tu­em avan­ços sig­ni­fi­ca­ti­vos que de­vem ser ex­plo­ra­dos. As ins­ti­tui­ções do Es­ta­do acom­pa­nham os de­sa­fi­os pre­sen­tes en­fren­ta­dos pe­lo sec­tor e mos­tra­ram-se sem­pre dis­po­ní­veis e aber­tas pa­ra to­das as con­tri­bui­ções no sen­ti­do de me­lho­ri­as.

Acre­di­ta­mos que to­do o pro­ces­so que vai cul­mi­nar com a ela­bo­ra­ção do pro­gra­ma de Re­for­ma do Sec­tor da Saúde pas­sa pe­la aus­cul­ta­ção, re­co­lha de es­tu­dos, re­co­men­da­ções pa­ra, co­mo se pre­ten­de, for­ta­le­cer o sec­tor du­ran­te o quinqué­nio 2018-2022. No fun­do, o que se pre­ten­de com a re­for­ma é ga­ran­tir um fun­ci­o­na­men­to nor­mal e pe­re­ne das uni­da­des de saúde, pa­ra me­lho­rar o aten­di­men­to à po­pu­la­ção. Pa­ra is­so, as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do pre­ten­dem con­tar com o pa­pel ac­ti­vo dos seus par­cei­ros, par­ti­cu­lar­men­te os sin­di­ca­tos, na con­tri­bui­ção pa­ra me­lho­ria do pro­gra­ma de Re­for­ma do Sec­tor da Saúde.

Acre­di­ta­mos que o pro­ces­so de re­for­ma de­ve con­tar, so­bre­tu­do no ac­to de ava­li­a­ção do di­ag­nós­ti­co dos prin­ci­pais de­sa­fi­os, com o con­tri­bu­to de to­dos por­que me­lho­rar o sec­tor diz res­pei­to a to­dos. Nes­te mo­men­to, o mai­or cal­ca­nhar de Aqui­les é o aten­di­men­to ao pú­bli­co, um de­sa­fio que de­ve ser ul­tra­pas­sa­do à luz das re­for­mas que se pre­ten­dem pa­ra que, no mé­dio pra­zo, se­ja­mos bem su­ce­di­dos na ex­ten­são e uni­ver­sa­li­za­ção da as­sis­tên­cia mé­di­ca e me­di­ca­men­to­sa a to­dos. O es­ti­lo de vi­da pro­por­ci­o­na­do pe­las co­mo­di­da­des dos tem­pos mo­der­nos, que ten­dem a trans­for­mar as pes­so­as, ca­da vez mais, em se­den­tá­ri­as e com pe­so aci­ma do re­co­men­da­do, mul­ti­pli­ca de­sa­fi­os.

Ao la­do dos es­for­ços pa­ra re­for­mar o sec­tor, não há dú­vi­das de que pre­ci­sa­mos to­dos, em mai­or ou me­nor me­di­da, de re­pen­sar os nos­sos es­ti­los de vi­da, in­cor­po­ran­do ati­tu­des e com­por­ta­men­tos fa­vo­rá­veis à saúde. Não é sem ra­zão que en­fer­mi­da­des co­mo a di­a­be­tes e a hi­per­ten­são, ape­nas pa­ra men­ci­o­nar es­tas, ten­dem a tor­nar-se pro­ble­mas de saúde pú­bli­ca. E aten­den­do aos ní­veis de na­ta­li­da­de em to­do o país, o cres­ci­men­to e en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção, ur­ge dar res­pos­ta aos de­sa­fi­os ao ní­vel da saúde en­fren­ta­dos por um ca­da vez mais cres­cen­te seg­men­to da po­pu­la­ção.

Co­mo dis­se o car­di­o­lo­gis­ta Má­rio Fer­nan­des, pre­si­den­te da So­ci­e­da­de An­go­la­na de Do­en­ças Car­di­o­vas­cu­la­res, “o com­por­ta­men­to de al­guns in­di­ví­du­os cria con­di­ções pa­ra o sur­gi­men­to des­sas do­en­ças”.

In­sis­ti­mos que, nu­ma al­tu­ra em que se gi­za o pro­gra­ma de Re­for­ma do Sec­tor da Saúde, é pre­ci­so que, ao la­do des­tes es­for­ços, ca­da an­go­la­no adop­te um es­ti­lo de vi­da sau­dá­vel pa­ra seu bem, da fa­mí­lia, da co­mu­ni­da­de, da em­pre­sa e do país. Quan­to mais sau­dá­veis for­mos e, par­tin­do do prin­cí­pio das nos­sas ocu­pa­ções, mais pro­du­ti­vos se­re­mos num mo­men­to em que a es­tra­té­gia pa­ra sair­mos do ac­tu­al ci­clo de di­fi­cul­da­des pas­sa pe­la cri­a­ção de ri­que­za. Ape­nas com saúde po­de­mos efec­ti­var es­te de­si­de­ra­to, ra­zão pe­la qual de­ve­mos to­dos apoi­ar o Exe­cu­ti­vo nes­ta im­por­tan­te ini­ci­a­ti­va de Re­for­ma do Sec­tor da Saúde, pa­ra que as fa­mí­li­as e as pes­so­as sin­tam mais pró­xi­mos os ser­vi­ços de saúde, mais ac­tu­an­te o pa­pel de mé­di­cos, en­fer­mei­ros e pes­so­al de apoio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.