Reconciliação na­ci­o­nal es­tá nas mãos do po­vo

Co­lom­bi­a­nos po­dem pôr fim ao con­fli­to ar­ma­do com as FARC de­pois de meio sé­cu­lo de lu­ta

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ELEAZAR VAN-DÚ­NEM |*

Os co­lom­bi­a­nos vo­tam, ama­nhã, num re­fe­ren­do, se apro­vam ou não o acor­do de paz as­si­na­do, se­gun­da-fei­ra, en­tre o Go­ver­no e a ex-guer­ri­lha das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (FARC), cu­ja en­tra­da em vi­gor de­pen­de do aval do po­vo.

O po­vo co­lom­bi­a­no es­tá di­an­te de uma de­ci­são his­tó­ri­ca.

Após 52 anos de guer­ra com as For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia, que fi­ze­ram 340 mil mor­tes e 6,5 mi­lhões de des­lo­ca­dos in­ter­nos, tem a pos­si­bi­li­da­de de pôr fim ao con­fli­to ar­ma­do.

O re­fe­ren­do vai le­gi­ti­mar - ou não, em ca­so de der­ro­ta do “sim” as ne­go­ci­a­ções de paz em Ha­va­na.

Os mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al têm no­ti­ci­a­do que a vi­tó­ria do “sim” pa­re­ce es­tar bem en­ca­mi­nha­da. Es­ta in­for­ma­ção é cor­ro­bo­ra­da por uma son­da­gem da em­pre­sa Da­tex­co, que in­clui ques­ti­o­ná­ri­os fei­tos após a ce­ri­mó­nia de se­gun­da-fei­ra e re­fe­re que a mai­o­ria (55 por cen­to) diz que pre­ten­de vo­tar a fa­vor do acor­do e são ca­da vez me­nos (36,6) os que se lhe opõem.

Se­gun­do o jor­nal El País, des­de que a cam­pa­nha pa­ra o re­fe­ren­do foi ini­ci­a­da, os de­trac­to­res do acor­do de paz têm per­di­do ter­re­no e o en­con­tro de Car­ta­ge­na con­tri­buiu pa­ra jun­tar mais apoi­os.

Um sec­tor in­flu­en­te na Colôm­bia, li­de­ra­do pe­lo an­ti­go Pre­si­den­te Ál­va­ro Uri­be (2002-2010), opõe-se ao acor­do por con­si­de­rar que “dei­xa cri­mes das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia sem pu­ni­ção”, faz cam­pa­nha pe­lo “não” e, no dia da as­si­na­tu­ra do acor­do, con­cen­trou-se na ci­da­de co­lo­ni­al do nor­te do país, ape­sar de a Po­lí­cia ter proi­bi­do pro­tes­tos.

Es­te gru­po tem rei­te­ra­do que não cri­ti­ca o ob­jec­ti­vo final do acor­do – o fim do con­fli­to – mas al­gu­mas das su­as con­di­ções, so­bre­tu­do as que di­zem res­pei­to ao ti­po de con­de­na­ção apli­ca­da aos guer­ri­lhei­ros res­pon­sá­veis por cri­mes.

Da­da a im­por­tân­cia do even­to, até o Exér­ci­to de Li­ber­ta­ção Na­ci­o­nal, ou­tra guer­ri­lha co­lom­bi­a­na, anun­ci­ou a sus­pen­são das ac­ções ofen­si­vas en­tre 30 de Se­tem­bro e 5 de Ou­tu­bro pa­ra per­mi­tir aos co­lom­bi­a­nos vo­ta­rem à von­ta­de no re­fe­ren­do, ges­to já agra­de­ci­do pe­lo Pre­si­den­te Ju­an Ma­nu­el Santos.

Paz à dis­tân­cia de um vo­to

O acor­do pre­vê a cri­a­ção de um tri­bu­nal es­pe­ci­al, com juí­zes co­lom­bi­a­nos e es­tran­gei­ros, que já tem 32 mil ca­sos aber­tos, mas só co­me­ça a tra­ba­lhar após a en­tra­da em vi­gor do acor­do de paz.

Os guer­ri­lhei­ros das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia que con­fes­sa­rem os seus cri­mes e co­o­pe­ra­rem com a jus­ti­ça vão ser al­vo de pe­nas em “con­di­ções es­pe­ci­ais”, não es­pe­ci­fi­ca­das, du­ran­te pe­río­dos má­xi­mos de oi­to anos, que não en­vol­vem pri­sões.

O acor­do de paz es­ta­be­le­ce que o Go­ver­no e a an­ti­ga guer­ri­lha de­vem dis­po­ni­bi­li­zar ter­ras, di­nhei­ro e ser­vi­ços às zo­nas mais des­fa­vo­re­ci­das pa­ra aju­dar a po­pu­la­ção.

As For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia de­vem-se trans­for­mar num par­ti­do po­lí­ti­co com 10 man­da­tos no Con­gres­so (Par­la­men­to), que tem 268 as­sen­tos, e os seus se­te mil com­ba­ten­tes de­vem en­tre­gar as ar­mas em 180 di­as e in­te­grar

Pre­si­den­te Ju­an Ma­nu­el Santos cho­rou de ale­gria de­pois de as­si­nar o his­tó­ri­co acor­do de paz com as FARC cu­ja en­tra­da em vi­gor põe fim ao mais lon­go con­fli­to no He­mis­fé­rio Oci­den­tal

uma das 28 zo­nas de de­sar­ma­men­to cri­a­das pe­la ONU. Ain­da no âm­bi­to do acor­do, as For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia con­cor­da­ram em pa­rar com a pro­du­ção de co­caí­na nas áre­as que con­tro­lam e aju­dar o Go­ver­no co­lom­bi­a­no na guer­ra con­tra o fla­ge­lo da dro­ga.

Em con­tra­par­ti­da, o Go­ver­no de Bo­go­tá com­pro­me­te-se a aju­dar os agri­cul­to­res da an­ti­ga guer­ri­lha a mu­da­rem o seu mo­do de sub­sis­tên­cia. Os cri­mes po­lí­ti­cos vão ser am­nis­ti­a­dos, mas os mas­sa­cres, ac­tos de tor­tu­ra e vi­o­lên­cia se­xu­al vão ser al­vo de jus­ti­ça.

Sig­ni­fi­ca­do in­ter­na­ci­o­nal

Tom Ko­e­nigs, en­vi­a­do da Ale­ma­nha pa­ra as ne­go­ci­a­ções de paz na Colôm­bia, afir­ma que ape­sar de ser um as­sun­to in­ter­no, o pro­ces­so de paz en­tre o Go­ver­no co­lom­bi­a­no e as For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia tem um sig­ni­fi­ca­do in­ter­na­ci­o­nal.

“Os re­sul­ta­dos de Ha­va­na mos­tram que mui­to se apren­deu com as ex­pe­ri­ên­ci­as de ou­tros paí­ses, in­clu­si­ve da Ale­ma­nha. A paz não re­pre­sen­ta ape­nas o fim de uma guer­ra, mas tam­bém um pas­so em di­rec­ção à reconciliação, ten­do a ver­da­de e a dig­ni­da­de das ví­ti­mas co­mo fo­co. O que não se con­se­guiu na Ale­ma­nha nos pro­ces­sos con­tra os na­zis­tas, após a II Guer­ra Mun­di­al e tão pou­co após a reu­ni­fi­ca­ção em 1990, é o pon­to de par­ti­da da jus­ti­ça in­te­ri­na co­lom­bi­a­na: a ver­da­de so­bre o ocor­ri­do e a acei­ta­ção da cul­pa pe­los agres­so­res”, re­fe­re.

Os que con­fes­sa­rem, pros­se­guiu Tom Ko­e­nigs, não vão ser con­de­na­dos à pri­são, mas a pe­nas de re­pa­ra­ção de até oi­to anos.

“Olha-se adi­an­te e se co­lo­ca uma con­vi­vên­cia pa­cí­fi­ca e a não rein­ci­dên­cia em pri­mei­ro pla­no, em vez da re­ta­li­a­ção”, su­bli­nha.

O en­vi­a­do da Ale­ma­nha pa­ra as ne­go­ci­a­ções de paz na Colôm­bia re­fe­re que, ao in­vés de o pro­ce­di­men­to com os prin­ci­pais res­pon­sá­veis por cri­mes gra­vís­si­mos de to­dos os la­dos – re­bel­des, mi­li­ta­res, pa­ra­mi­li­ta­res, po­lí­ti­cos e em­pre­sá­ri­os – ter a ver com im­pu­ni­da­de, “tra­ta-se de um ca­mi­nho no­vo e am­bi­ci­o­so pa­ra a ex­pi­a­ção e o res­ta­be­le­ci­men­to da paz na­ci­o­nal”. Ape­sar de re­fe­rir que o re­fe­ren­do “é uma de­ci­são mui­to pes­so­al de ca­da co­lom­bi­a­na e co­lom­bi­a­no”, o es­cri­tor Héc­tor Abad Fa­ci­o­lin­ce su­bli­nha que, pa­ra os ami­gos da Colôm­bia de to­do o mun­do, “um cla­ro sim era um exem­plo im­por­tan­te pa­ra a so­lu­ção de con­fli­tos – gran­des e pe­que­nos – atra­vés de ne­go­ci­a­ções, diá­lo­go e co­o­pe­ra­ção, e não da for­ça ar­ma­da.”

Dia do so­nho

“Bem-vin­dos à de­mo­cra­cia”, fra­se di­ri­gi­da pe­lo Che­fe de Es­ta­do co­lom­bi­a­no Ju­an Ma­nu­el Santos ao lí­der das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia, Ro­dri­go Lon­doño “Ti­mo­chen­ko”, foi a man­che­te na se­gun­da-fei­ra, dia 26, do jor­nal co­lom­bi­a­no El Ti­em­po, cu­jo edi­to­ri­al no­me­ou a efe­mé­ri­de co­mo “o dia so­nha­do.”

No dia da ce­ri­mó­nia de as­si­na­tu­ra do his­tó­ri­co acor­do de paz com as For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia, que põe fim a mais de meio sé­cu­lo de con­fli­to ar­ma­do, o Pre­si­den­te Ju­an Ma­nu­el Santos, que es­te­ve in­can­sá­vel na bus­ca da paz na Colôm­bia, afir­mou que “há me­nos uma guer­ra no mun­do e é a da Colôm­bia.”

“O que as­si­ná­mos hoje vai além de um sim­ples acor­do en­tre um Go­ver­no e uma guer­ri­lha pa­ra pôr fim a um con­fli­to. É uma de­cla­ra­ção do po­vo co­lom­bi­a­no, pe­ran­te o mun­do, pa­ra di­zer que es­ta­mos can­sa­dos de guer­ra e que não acei­ta­mos mais vi­o­lên­cia co­mo for­ma pa­ra de­fen­der idei­as e pa­ra di­zer bem al­to e de for­ma cla­ra: ‘não mais guer­ra’.”, afir­mou, vi­si­vel­men­te emo­ci­o­na­do, o Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no.

O “nú­me­ro um” das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia apro­vei­tou a oca­sião pa­ra pe­dir per­dão às ví­ti­mas. “Em no­me das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia, apre­sen­to as mi­nhas des­cul­pas sin­ce­ras a to­das as ví­ti­mas do con­fli­to, por to­do o so­fri­men­to que po­de­mos ter cau­sa­do du­ran­te es­ta lon­ga guer­ra.” Ro­dri­go Lon­doño “Ti­mo­chen­ko” foi sur­pre­en­di­do pe­la pas­sa­gem de um ca­ça du­ran­te o dis­cur­so, mas man­te­ve a com­pos­tu­ra e sen­ti­do de hu­mor. “Bom, des­ta vez veio sau­dar a paz e não lan­çar bom­bas!”, afir­mou o lí­der das FARC.

Ves­ti­dos com a cor bran­ca da paz, 2.500 con­vi­da­dos par­ti­ci­pa­ram na ce­ri­mó­nia em Car­ta­ge­na das Ín­di­as, com des­ta­que pa­ra o Se­cre­tá­rio-Ge­ral da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das e 15 Che­fes de Es­ta­do da Amé­ri­ca La­ti­na.

De­pois de qua­tro anos de ne­go­ci­a­ções na ca­pi­tal de Cu­ba, Ha­va­na, o Go­ver­no co­lom­bi­a­no e as For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia anun­ci­a­ram em 24 de Agos­to que che­ga­ram a um acor­do de paz de­fi­ni­ti­vo pa­ra o con­fli­to ar­ma­do de mais de 50 anos na Colôm­bia, de­pois de ten­ta­ti­vas fra­cas­sa­das nos go­ver­nos de Be­li­sa­rio Be­tan­cur (1982-1986) , Cé­sar Ga­vi­ria (1990-1994) e An­drés Pas­tra­na (1998-2002).

AFP

AFP

Mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al lo­cais no­ti­ci­am que a gran­de mai­o­ria dos co­lom­bi­a­nos es­tá mais in­cli­na­da a vo­tar “sim” no re­fe­ren­do de ama­nhã

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.