Cri­an­ças ope­ra­das de for­ma gra­tui­ta

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS Mé­di­cos aler­tam que o nú­me­ro de ca­sos de fe­bre reu­má­ti­ca cres­ce no país

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - ALEXA SONHI|

Cer­ca de 1.810 cri­an­ças com cardiopatias congénitas fo­ram ope­ra­das com su­ces­so no Cen­tro Ci­rúr­gi­co da Clí­ni­ca Gi­ras­sol, no âm­bi­to de um acor­do de co­o­pe­ra­ção en­tre a Cruz Ver­me­lha de Por­tu­gal e o Mi­nis­té­rio da Saúde, in­for­mou on­tem, em Lu­an­da, a pre­si­den­te do III Con­gres­so An­go­la­no de Car­di­o­lo­gia e Hi­per­ten­são, que en­cer­ra hoje.

A mé­di­ca Síl­via Lu­tu­cu­ta, que fa­zia pa­ra a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al o ba­lan­ço do se­gun­do dia do con­gres­so, dis­se que no Cen­tro de Ci­rur­gia da Clí­ni­ca Gi­ras­sol, exis­ten­te des­de Mar­ço de 2011, as in­ter­ven­ções ci­rúr­gi­cas a cri­an­ças com car­di­o­pa­tia con­gé­ni­ta são gra­tui­tas, por for­ça do acor­do.

Tam­bém fo­ram ope­ra­dos gra­tui­ta­men­te no cen­tro cer­ca de 70 adul­tos, ví­ti­mas de do­en­ças co­ro­ná­ri­as, no âm­bi­to do acor­do en­tre a Cruz Ver­me­lha de Por­tu­gal e o Mi­nis­té­rio da Saúde. À se­me­lhan­ça da Clí­ni­ca Gi­ras­sol, o Hos­pi­tal Jo­si­na Ma­chel, dis­se a mé­di­ca, é pi­o­nei­ro nas ci­rur­gi­as ao co­ra­ção em An­go­la.

Des­de 2008, ano em que o hos­pi­tal pú­bli­co pas­sou a re­a­li­zar ope­ra­ções ao co­ra­ção, já fo­ram aten­di­dos cer­ca de 1.600 adul­tos com vá­ri­os pro­ble­mas car­día­cos, com des­ta­que pa­ra a in­su­fi­ci­ên­cia val­vu­lar mi­tral reu­má­ti­ca.

Es­se ti­po de in­su­fi­ci­ên­cia le­vou o Hos­pi­tal Jo­si­na Ma­chel a im­plan­tar o pa­ce­ma­ker, dis­po­si­ti­vo com a fun­ção de re­gu­lar e mo­ni­to­ri­zar elec­tro­ni­ca­men­te os ba­ti­men­tos car­día­cos, a 52 pa­ci­en­tes. So­bre o nú­me­ro exac­to de cri­an­ças com car­di­o­pa­tia con­gé­ni­ta, Sil­va Lu­tu­cu­ta dis­se que ain­da não exis­tem da­dos con­cre­tos por mui­tos pais não le­va­rem as su­as cri­an­ças às con­sul­tas, mes­mo no­tan­do al­gu­ma ano­ma­lia.

Fe­bre reu­má­ti­ca em An­go­la

Ou­tra ra­zão in­vo­ca­da pe­la mé­di­ca pa­ra a fal­ta de da­dos con­cre­tos tem a ver com o fac­to de al­guns do­en­tes não se­rem ade­qua­da­men­te acom­pa­nha­dos em al­gu­mas uni­da­des sa­ni­tá­ri­as. A mé­di­ca Síl­via Lu­tu­cu­ta aler­tou que em An­go­la já co­me­ça a cres­cer o nú­me­ro de ca­sos de fe­bre reu­má­ti­ca, tam­bém cha­ma­da de reu­ma­tis­mo in­fec­ci­o­so, uma do­en­ça in­fla­ma­tó­ria que se de­sen­vol­ve após uma in­fec­ção an­te­ri­or pro­vo­ca­da pe­la bac­té­ria do es­trep­to­co­co do gru­po A.

A do­en­ça afec­ta as ar­ti­cu­la­ções, a pe­le e ór­gãos co­mo o co­ra­ção e o cé­re­bro, dis­se a car­di­o­lo­gis­ta Sil­va Lu­tu­cu­ta, pa­ra quem os da­dos so­bre a do­en­ça já co­me­çam a ser mo­ti­vos de pre­o­cu­pa­ção.

“Os pri­mei­ros sin­to­mas da fe­bre reu­má­ti­ca co­me­çam na in­fân­cia e os fac­to­res de ris­co são as amig­da­li­tes de re­pe­ti­ção, a fa­rin­gi­te es­trep­to­có­ci­ca e es­car­la­ti­na”, sa­li­en­tou a car­di­o­lo­gis­ta, afir­man­do que os pais não se aper­ce­bem quan­do os fi­lhos es­tão a so­frer da do­en­ça, e daí que, mais tar­de, já na ida­de adul­ta, co­me­çam as com­pli­ca­ções do co­ra­ção.

So­ci­e­da­de Pan-afri­ca­na

O pre­si­den­te da So­ci­e­da­de Pa­na­fri­ca­na de Car­di­o­lo­gia, Mark An­gel, fri­sou que a fe­bre reu­má­ti­ca ten­de a cres­cer em Áfri­ca por­que al­gu­mas do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res são ne­gli­gen­ci­a­das.

Mar­kel An­gel re­co­nhe­ceu ser co­mum em Áfri­ca as pes­so­as quan­do do­en­tes irem a far­má­ci­as com­prar me­di­ca­ção pa­ra se au­to­me­di­ca­rem.

“Com a fe­bre reu­má­ti­ca não é di­fe­ren­te. Sem ori­en­ta­ção mé­di­ca, há pes­so­as que com­pram an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os e quan­do vão ao hos­pi­tal já é tar­de de­mais.”

Ape­sar de es­tu­dos mos­tra­rem que a pre­va­lên­cia da do­en­ça em Áfri­ca es­tá a di­mi­nuir, o mé­di­co afir­mou ha­ver ca­sos não di­ag­nos­ti­ca­dos co­mo de­vem ser, por em ca­da 100 cri­an­ças três de­sen­vol­ve­rem car­di­tes reu­má­ti­cas, cau­sa­das pe­la fe­bre reu­má­ti­ca.

Mar­kel An­gel aler­tou que exis­tem ou­tros fac­to­res de ris­co que es­ti­mu­lam o apa­re­ci­men­to da fe­bre reu­má­ti­ca, co­mo o his­tó­ri­co fa­mi­li­ar e a fal­ta de sa­ne­a­men­to bá­si­co.

MA­RIA AU­GUS­TA

Por­me­nor do pri­mei­ro dia do Con­gres­so de Car­di­o­lo­gia e Hi­per­ten­são que ter­mi­na hoje

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.