A ori­gem do alu­mí­nio

Jornal de Angola - - LAZER -

O alu­mí­nio é um ele­men­to quí­mi­co de sím­bo­lo Al e nú­me­ro ató­mi­co 13 (tre­ze pró­tons e tre­ze elé­trons ) com mas­sa 27 u. Na tem­pe­ra­tu­ra am­bi­en­te é só­li­do, sen­do o ele­men­to me­tá­li­co mais abun­dan­te da cros­ta ter­res­tre.

Tan­to na Gré­cia co­mo na Ro­ma an­ti­ga em­pre­ga­va-se a pe­dra-ume (do la­tim alū­men ), um sal du­plo de alu­mí­nio e po­tás­sio, co­mo mor­den­te em tin­tu­ra­ria e ads­trin­gen­te em me­di­ci­na, ain­da hoje usa­do.

Ge­ral­men­te é da­do a Fri­e­dri­ch Woh­ler o re­co­nhe­ci­men­to do iso­la­men­to do alu­mí­nio, fac­to que ocor­reu em 1827, ape­sar de o me­tal ter si­do ob­ti­do im­pu­ro al­guns anos an­tes pe­lo fí­si­co e quí­mi­co Hans Ch­ris­ti­an Ors­ted.

Em 1807, Humph­rey Davy propôs o no­me alu­mi­num pa­ra es­te me­tal. Mais tar­de, re­sol­veu tro­car o no­me pa­ra alu­mi­nium por co­e­rên­cia com a mai­o­ria dos ou­tros no­mes la­ti­nos dos ele­men­tos, que usam o su­fi­xo -ium. Des­ta ma­nei­ra, ocor­reu a de­ri­va­ção dos no­mes ac­tu­ais dos ele­men­tos nou­tros idi­o­mas. En­tre­tan­to, nos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, com o tem­po, po­pu­la­ri­zou-se a ou­tra for­ma, hoje ad­mi­ti­da tam­bém pe­la IUPAC (União In­ter­na­ci­o­nal de Quí­mi­ca Pu­ra e Apli­ca­da).

Ape­sar do alu­mí­nio ser um me­tal en­con­tra­do em abun­dân­cia na cros­ta ter­res­tre (8,1 por cen­to) ra­ra­men­te é en­con­tra­do li­vre­men­te.

As su­as apli­ca­ções in­dus­tri­ais são re­la­ti­va­men­te re­cen­tes, sen­do pro­du­zi­do em es­ca­la in­dus­tri­al a par­tir do final do sé­cu­lo XIX.

Quan­do foi des­co­ber­to, ve­ri­fi­cou­se que a sua se­pa­ra­ção das ro­chas que o con­ti­nham era ex­tre­ma­men­te di­fí­cil. Co­mo con­sequên­cia, du­ran­te al­gum tem­po, foi con­si­de­ra­do um me­tal pre­ci­o­so, mais va­li­o­so que o ou­ro. Com o avan­ço dos pro­ces­sos de ex­plo­ra­ção, os pre­ços bai­xa­ram con­ti­nu­a­men­te até co­lap­sa­rem em 1889, de­vi­do à des­co­ber­ta de um mé­to­do sim­ples de ex­tra­ção do me­tal.

Ac­tu­al­men­te, um dos fac­to­res que es­ti­mu­lam o seu uso é a es­ta­bi­li­da­de do seu pre­ço, pro­vo­ca­da prin­ci­pal­men­te pe­la sua re­ci­cla­gem.

Em 1859, Hen­ri Sain­te-Clai­re De­vil­le anun­ci­ou me­lho­ri­as no pro­ces­so de ob­ten­ção, ao subs­ti­tuir o po­tás­sio por só­dio e o clo­re­to sim­ples.

Pos­te­ri­or­men­te, com a in­ven­ção do pro­ces­so Hall-Hé­roult em 1886, a ex­tra­ção do alu­mí­nio a par­tir do mi­ne­ral fi­cou mais sim­ples e ba­ra­ta. Es­te pro­ces­so, jun­ta­men­te com o pro­ces­so Bayer , des­co­ber­to no mes­mo ano, per­mi­ti­ram es­ten­der o uso do alu­mí­nio pa­ra uma mul­ti­pli­ci­da­de de apli­ca­ções até en­tão eco­no­mi­ca­men­te in­viá­veis.

O pro­ces­so Hall-Hé­roult en­vol­veu os tra­ba­lhos in­de­pen­den­tes e pra­ti­ca­men­te si­mul­tâ­ne­os do ame­ri­ca­no Char­les Mar­tin Hall (1886) e do fran­cês Paul Hé­roult (1888), jo­vens ci­en­tis­tas com me­nos de 27 anos na épo­ca da des­co­ber­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.