MPLA quer mais qua­li­da­de nas ins­ti­tui­ções uni­ver­si­tá­ri­as

DE­BA­TE SO­BRE O EN­SI­NO SU­PE­RI­OR JUN­TA ACA­DÉ­MI­COS

Jornal de Angola - - PARTADA - GA­BRI­EL BUNGA e MAZARINO CUNHA |

O vi­ce-pre­si­den­te do MPLA de­fen­deu on­tem a ur­gên­cia de se for­ma­rem qua­dros bem qua­li­fi­ca­dos em to­das as áre­as do sa­ber, prin­ci­pal­men­te nos cur­sos de En­ge­nha­ria, pa­ra a in­dus­tri­a­li­za­ção do país. João Lou­ren­ço, que dis­cur­sa­va na aber­tu­ra da reu­nião com a co­mu­ni­da­de da Se­gun­da Re­gião Aca­dé­mi­ca, que com­pre­en­de Lu­an­da e Ben­go, lem­brou que o país con­ti­nua a ex­por­tar as su­as ri­que­zas em es­ta­do bru­to, pa­ra de­pois im­por­tar os pro­du­tos trans­for­ma­dos a pre­ços exor­bi­tan­tes. João Lou­ren­ço su­bli­nhou que es­se pro­ces­so con­tri­bui pa­ra dar em­pre­go aos ope­rá­ri­os de ou­tros paí­ses em de­tri­men­to dos an­go­la­nos. O vi­ce-pre­si­den­te do par­ti­do mai­o­ri­tá­rio pe­diu uma aten­ção es­pe­ci­al à qua­li­da­de do En­si­no Su­pe­ri­or, nu­ma al­tu­ra em que exis­tem no país 24 ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or pú­bli­cas e 40 pri­va­das, sur­gi­das num es­pa­ço de 14 anos. “Pre­ci­sa­mos de en­con­trar o pon­to de equi­lí­brio en­tre a ne­ces­si­da­de da for­ma­ção mas­si­va de qua­dros de que o país pre­ci­sa, com o ri­gor na qua­li­da­de des­ses mes­mos qua­dros su­pe­ri­o­res”, dis­se. João Lou­ren­ço ape­lou aos mi­li­tan­tes do MPLA li­ga­dos ao En­si­no Su­pe­ri­or em Lu­an­da e Ben­go a es­ti­mu­la­rem o es­pí­ri­to de com­pe­ti­ção e pre­mi­ar o mé­ri­to.

O vi­ce-pre­si­den­te do MPLA de­fen­deu on­tem, em Lu­an­da, a ur­gên­cia de qua­dros bem qua­li­fi­ca­dos em to­das as áre­as do sa­ber, prin­ci­pal­men­te nas en­ge­nha­ri­as, pa­ra in­dus­tri­a­li­zar o país.

João Lou­ren­ço, que dis­cur­sou na aber­tu­ra da reu­nião com a co­mu­ni­da­de aca­dé­mi­ca de Lu­an­da e Ben­go, lem­brou que o país con­ti­nua a ex­por­tar as su­as ri­que­zas em es­ta­do bru­to pa­ra o ex­te­ri­or, pa­ra de­pois com­prar de vol­ta os pro­du­tos trans­for­ma­dos a pre­ços exor­bi­tan­tes. Além dis­so, su­bli­nhou, a ati­tu­de con­tri­bui pa­ra dar em­pre­go aos ope­rá­ri­os de ou­tros paí­ses em de­tri­men­to dos an­go­la­nos.

Di­an­te de mi­lha­res de aca­dé­mi­cos, João Lou­ren­ço pe­diu aten­ção à qua­li­da­de do en­si­no su­pe­ri­or, nu­ma al­tu­ra em que exis­tem 24 ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or pú­bli­cas e 40 pri­va­das, sur­gi­das num es­pa­ço de 14 anos. Até 2002, An­go­la ti­nha ape­nas uma úni­ca uni­ver­si­da­de pú­bli­ca, a Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to, e du­as pri­va­das que, no to­tal, for­ma­ram no mes­mo pe­río­do 62.407 qua­dros.

“Pre­ci­sa­mos de en­con­trar o pon­to de equi­lí­brio en­tre a ne­ces­si­da­de da for­ma­ção mas­si­va de qua­dros que o país pre­ci­sa e o ri­gor na qua­li­da­de des­ses mes­mos qua­dros su­pe­ri­o­res”, dis­se João Lou­ren­ço, pa­ra acres­cen­tar: “De­ve­mos en­co­ra­jar e pro­mo­ver a cul­tu­ra de pre­mi­ar o mé­ri­to no en­si­no, o mé­ri­to no tra­ba­lho e em tu­do o que fa­ze­mos”.

O vi­ce-pre­si­den­te do MPLA dis­se que o cres­ci­men­to que o país vi­ve na cons­tru­ção de es­tra­das, ca­mi­nhos-de-fer­ro, bar­ra­gens hi­dro­e­léc­tri­cas, fá­bri­cas, por­tos e ae­ro­por­tos, hos­pi­tais e fa­zen­das agrí­co­las, de­ve ser acom­pa­nha­do de for­ma­ção de qua­dros que pos­sam ga­ran­tir a con­ti­nui­da­de e ma­nu­ten­ção dos pro­jec­tos. “Ape­sar da mai­or ne­ces­si­da­de que o país tem na for­ma­ção de qua­dros é ne­ces­sá­rio as­se­gu­rar a sua qua­li­da­de a to­dos os ní­veis de en­si­no”, dis­se.

João Lou­ren­ço re­cor­dou que o MPLA sem­pre es­ta­be­le­ceu co­mo pri­o­ri­da­de a edu­ca­ção e o en­si­no nos seus pro­gra­mas de go­ver­na­ção, atra­vés de atri­bui­ção de bol­sas de es­tu­do pa­ra paí­ses co­mo Cu­ba, Rús­sia, Por­tu­gal, Fran­ça, Rei­no Uni­do, Itá­lia, Es­ta­dos Uni­dos, Ni­gé­ria e Mar­ro­cos. “Fo­ram mi­lha­res os qua­dros an­go­la­nos su­pe­ri­o­res an­go­la­nos for­ma­dos em di­fe­ren­tes áre­as do sa­ber nes­ses paí­ses e que hoje con­tri­bu­em pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do nos­so país”, dis­se.

Par­ce­ria pa­ra qua­li­da­de

O pre­si­den­te da as­so­ci­a­ção das uni­ver­si­da­des pri­va­das de An­go­la, Jo­sé Se­me­do, de­fen­de uma par­ce­ria es­tra­té­gi­ca en­tre o Exe­cu­ti­vo, ins­ti­tui­ções de en­si­no, em­pre­sas pú­bli­cas e pri­va­das, ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras, fun­da­ções, ban­cos e as fa­mí­li­as, pa­ra a ele­va­ção e a con­cre­ti­za­ção da qua­li­da­de de en­si­no no país.

Jo­sé Se­me­do lem­brou que ne­nhu­ma ins­ti­tui­ção an­go­la­na cons­ta da lis­ta das 100 me­lho­res uni­ver­si­da­des de Áfri­ca, ao pas­so que Mo­çam­bi­que e Ca­bo Ver­de, que têm a mes­ma ida­de po­lí­ti­ca, apa­re­cem en­tre as me­lho­res do con­ti­nen­te.

“A im­ple­men­ta­ção de um qua­dro ju­rí­di­co-le­gal e uma lei do me­ce­na­to pa­ra o en­si­no su­pe­ri­or po­de, a mé­dio e lon­go pra­zo, mo­der­ni­zar e ele­var a com­pe­tên­cia, a qua­li­da­de e ex­ce­lên­cia dos nos­sos qua­dros”, dis­se Jo­sé Se­me­do, em re­pre­sen­ta­ção das 40 ins­ti­tui­ções pri­va­das do país. Jo­sé Ma­ce­do re­co­nhe­ceu que a qua­li­da­de de en­si­no fei­to nas ins­ti­tui­ções na­ci­o­nais é con­tes­ta­da na so­ci­e­da­de e uma gran­de par­te dos li­cen­ci­a­dos for­ma­dos não pos­sui co­nhe­ci­men­to ci­en­tí­fi­co, téc­ni­co e tec­no­ló­gi­co que per­mi­te a sua in­ser­ção no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal.

In­gres­so de­fi­ci­en­te

A rei­to­ra da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to la­men­tou o fac­to de a ad­mis­são de alu­nos com no­tas in­fe­ri­o­res a dez va­lo­res es­tar a au­men­tar de ano pa­ra ano. Ma­ria Sam­bo re­ve­lou que, no ano pas­sa­do, o nú­me­ro de ad­mi­ti­dos com no­tas in­fe­ri­o­res a dez va­lo­res re­pre­sen­tou 53 por cen­to. Es­te ano, a per­cen­ta­gem su­biu pa­ra 58 por cen­to.

“A ad­mis­são de es­tu­dan­tes pre­vi­si­vel­men­te mal pre­pa­ra­dos, va­lo­ri­zan­do-se a clas­si­fi­ca­ção ob­ti­da no exa­me de aces­so, co­mo úni­co cri­té­rio de se­lec­ção, cons­ti­tui uma ga­ran­tia de de­fi­ci­en­te pres­ta­ção, sal­vo ra­ras ex­cep­ções”, dis­se. A rei­to­ra dis­se que o pro­ces­so de apren­di­za­gem dos es­tu­dan­tes que in­gres­sam com no­tas ne­ga­ti­vas tor­na-se di­fí­cil, ain­da por­que mui­tos dos jo­vens têm con­di­ções eco­nó­mi­cas de­fi­ci­tá­ri­as e há fal­ta de apoio so­ci­al nas ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or.

Ma­ria Sam­bo des­ta­cou ain­da ou­tro as­pec­to: “Não há boa tran­si­ção en­tre o en­si­no se­cun­dá­rio e o en­si­no su­pe­ri­or, não há agên­ci­as que fi­nan­ci­am a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, nem me­ca­nis­mos de ava­li­a­ção da qua­li­da­de do en­si­no su­pe­ri­or”.

Por ou­tro la­do, dis­se a rei­to­ra, a do­cên­cia é pou­co atrac­ti­va, por­que o es­ta­tu­to re­mu­ne­ra­tó­rio não con­diz com o grau de exi­gên­cia e qua­li­fi­ca­ção e com a im­por­tân­cia so­ci­al do do­cen­te uni­ver­si­tá­rio. Ma­ria Sam­bo fa­lou ain­da de ou­tra di­fi­cul­da­de que a Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to en­fren­ta. “A prá­ti­ca da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca é ain­da mui­to dé­bil, há in­su­fi­ci­ên­cia de es­tru­tu­ra de apoio e de re­cur­sos hu­ma­nos pa­ra a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e não há edi­tais, nem fi­nan­ci­a­men­to pú­bli­co sis­te­má­ti­co pa­ra can­di­da­tu­ras do pro­jec­tos de in­ves­ti­ga­ção”, dis­se. A Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to tam­bém tem ca­rên­cia de pes­so­al ad­mi­nis­tra­ti­vo qua­li­fi­ca­do e téc­ni­cos di­fe­ren­ci­a­dos pa­ra a in­ves­ti­ga­ção. Além dis­so, exis­tem do­cen­tes com du­pla efec­ti­vi­da­de. “Tem si­do im­pos­sí­vel ad­mi­tir no­vos do­cen­tes e a pro­mo­ção de do­cen­tes es­tá con­ge­la­da. Es­tas di­fi­cul­da­des abran­gem a car­rei­ra do­cen­te e de in­ves­ti­ga­ção, tor­nan­do-as pou­co atrac­ti­vas”, dis­se, acres­cen­tan­do que des­de 2014 não se re­a­li­za con­cur­so pú­bli­co no en­si­no su­pe­ri­or.

Po­lí­ti­ca de co­nhe­ci­men­to

O se­cre­tá­rio do MPLA pa­ra po­lí­ti­ca Eco­nó­mi­ca e So­ci­al, Ma­nu­el Nu­nes Jú­ni­or, afir­mou que An­go­la ven­cer o atra­so ci­en­tí­fi­co e tec­no­ló­gi­co é uma con­di­ção cru­ci­al pa­ra o pro­gres­so eco­nó­mi­co e so­ci­al e que uma das prin­ci­pais im­pli­ca­ções da glo­ba­li­za­ção é a fa­ci­li­da­de com que a tec­no­lo­gia e as idei­as flu­am en­tre paí­ses.

Ao apre­sen­tar as prin­ci­pais ori­en­ta­ções da Mo­ção de Es­tra­té­gia do pre­si­den­te do MPLA, Jo­sé Edu­ar­do dos Santos, pa­ra a for­ma­ção de qua­dros, Ma­nu­el Nu­nes Jú­ni­or afir­mou que a po­lí­ti­ca do seu par­ti­do so­bre o en­si­no su­pe­ri­or as­sen­ta no co­nhe­ci­men­to e na cri­a­ção de no­vas idei­as. A cha­ve do cres­ci­men­to e pros­pe­ri­da­de das na­ções, dis­se o po­lí­ti­co e pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, são as idei­as e o co­nhe­ci­men­to e não são os ob­jec­tos. Os ob­jec­tos, re­fe­riu, des­gas­tam-se com o tem­po e per­dem o va­lor.

O eco­no­mis­ta dis­se que a ca­pa­ci­da­de hu­ma­na de pro­du­zir no­vas idei­as e no­vos co­nhe­ci­men­tos é in­fi­ni­ta. “Mui­tos paí­ses não con­se­gui­ram ti­rar van­ta­gem da re­vo­lu­ção in­dus­tri­al e não pros­pe­ra­ram. Tor­na-se ago­ra im­pres­cin­dí­vel ti­rar os be­ne­fí­ci­os da so­ci­e­da­de do co­nhe­ci­men­to que ca­rac­te­ri­za o pre­sen­te pro­ces­so de glo­ba­li­za­ção”, dis­se.

Ma­nu­el Nu­nes Jú­ni­or lem­brou que a di­fe­ren­ça en­tre paí­ses ri­cos e po­bres e em ter­mos do de­sen­vol­vi­men­to são fe­nó­me­nos re­cen­tes. Os paí­ses que con­se­gui­ram ti­rar van­ta­gens da re­vo­lu­ção pros­pe­ra­ram e os ou­tros fi­ca­ram pa­ra trás em ter­mos de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e de pros­pe­ri­da­de. “Es­ta­mos a vi­ver uma no­va re­vo­lu­ção em que a so­ci­e­da­de in­dus­tri­al es­tá a dar lu­gar à so­ci­e­da­de do co­nhe­ci­men­to e An­go­la não po­de fi­car fo­ra des­sa so­ci­e­da­de do co­nhe­ci­men­to. De­ve de­la ti­rar to­das as van­ta­gens”, dis­se.

CON­TREI­RAS PIPAS

Vi­ce-pre­si­den­te do MPLA João Lou­ren­ço du­ran­te o en­con­tro com res­pon­sá­veis e es­tu­dan­tes da Se­gun­da Re­gião Aca­dé­mi­ca

CON­TREI­RAS PI­PA

Aca­dé­mi­cos das pro­vín­ci­as de Lu­an­da e do Ben­go re­flec­ti­ram hoje so­bre a qua­li­da­de da for­ma­ção su­pe­ri­or e os gran­des de­sa­fi­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.