Ces­ta bá­si­ca é con­tra­ban­de­a­da no Lu­vo

Va­lor do dó­lar des­ce e kwanza ga­nha po­der de com­pra nas tran­sa­ções

Jornal de Angola - - PARTADA - JOÃO MA­VIN­GA|

Pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca, cu­ja re­ex­por­ta­ção es­tá proibida, con­ti­nu­am a ser co­mer­ci­a­li­za­dos de for­ma clan­des­ti­na na lo­ca­li­da­de do Lu­vo, em Mban­za Con­go, na fron­tei­ra nor­te, en­tre An­go­la e a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go. Ma­nu­el Di­a­ban­za, que res­pon­de pe­la con­ta­bi­li­da­de do Pos­to Adu­a­nei­ro do Lu­vo, con­fir­mou a con­ti­nui­da­de da ven­da ile­gal de bens de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de no pe­rí­me­tro fron­tei­ri­ço.

Pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca, cu­ja re­ex­por­ta­ção foi proibida, con­ti­nu­am a ser co­mer­ci­a­li­za­dos de for­ma clan­des­ti­na na lo­ca­li­da­de do Lu­vo, em Mban­za Con­go, pro­vín­cia do Zai­re, na fron­tei­ra nor­te en­tre An­go­la e a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC).

Pa­ra afe­rir a no­va re­a­li­da­de, a reportagem do Jor­nal de An­go­la es­te­ve na fron­tei­ra do Lu­vo pa­ra, jun­to das au­to­ri­da­des lo­cais, per­ce­ber co­mo fun­ci­o­nam os ser­vi­ços adu­a­nei­ros. Ma­nu­el Di­a­ban­za, que res­pon­de pe­la con­ta­bi­li­da­de do Pos­to Adu­a­nei­ro da fron­tei­ra do Lu­vo, con­fir­mou a con­ti­nui­da­de da ven­da ile­gal de bens de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de no pe­rí­me­tro fron­tei­ri­ço.

O res­pon­sá­vel afir­mou que o ne­gó­cio se pro­ces­sa com o apoio de al­guns ci­da­dãos na­ci­o­nais que fo­gem ao fis­co.

A proi­bi­ção da ven­da de pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca pa­ra o ex­te­ri­or foi exa­ra­da pe­lo Exe­cu­ti­vo, pa­ra tra­var a re­ex­por­ta­ção de pro­du­tos de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de, no sen­ti­do de man­ter-se as re­ser­vas e pre­ve­nir-se a es­pe­cu­la­ção de pre­ços. O com­ba­te ao con­tra­ban­do de combustíveis na fron­tei­ra do Lu­vo tam­bém pro­duz re­fle­xos po­si­ti­vos no sis­te­ma cam­bi­al.

Ma­nu­el Di­a­ban­za dei­xou cla­ro que, ape­sar de se ve­ri­fi­car fu­ga ao fis­co na re­ex­por­ta­ção de pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca pa­ra a RDC, o cus­to de vi­da ten­de a nor­ma­li­zar, na me­di­da em que o va­lor do dó­lar bai­xou no mer­ca­do pa­ra­le­lo.

“To­das as mer­ca­do­ri­as re­ex­por­ta­das cá na fron­tei­ra pa­ra a RDC pa­gam um por cen­to de emo­lu­men­tos ge­rais, em re­la­ção ao va­lor da fac­tu­ra”, ex­pli­cou o res­pon­sá­vel adu­a­nei­ro. Ape­sar da fu­ga ao fis­co, su­bli­nhou, as tran­sac­ções co­mer­ci­ais ten­dem a me­lho­rar.

Le­on Apaya­ma, ci­da­dão con­go­lês in­ter­pe­la­do pe­lo Jor­nal de An­go­la, re­fe­riu que, em Ja­nei­ro e Fe­ve­rei­ro des­te ano, os seus com­pa­tri­o­tas bap­ti­za­ram o kwanza de “ebo­la”, por ter si­do ví­ti­ma de uma de­pre­ci­a­ção que se igua­la­va à da mo­e­da da RDC, o fran­co con­go­lês.

“O nos­so di­nhei­ro che­gou a es­tar des­va­lo­ri­za­do na mes­ma pro­por­ção a que es­te­ve su­jei­to o kwanza de An­go­la, por is­so, re­cu­sá­va­mos o seu uso e pri­vi­le­giá­va­mos o dó­lar cá no Lu­vo, tan­to nas com­pras co­mo nas ven­das”, dis­se Le­on Apaya­ma em lin­ga­la, idi­o­ma que me­re­ceu uma pron­ta tra­du­ção pe­lo re­pór­ter fo­to­grá­fi­co.

Nes­te mo­men­to, os pre­ços dos prin­ci­pais pro­du­tos de con­su­mo pra­ti­ca­dos no Lu­vo co­nhe­ce­ram uma re­du­ção con­si­de­rá­vel. sa­co de açú­car caiu de 20 mil kwan­zas pa­ra 10.500, o de ar­roz de 25 qui­los, que cus­ta­va 15 mil, es­tá ago­ra no va­lor de 7.500. O sa­co da fu­ba de mi­lho de 25 qui­los cus­ta 5.500 con­tra os 16 mil an­te­ri­o­res.

Ou­tro fac­tor que con­tri­buiu pa­ra a des­va­lo­ri­za­ção do di­nhei­ro con­go­lês foi a ven­da do ci­men­to an­go­la­no na­que­le país vi­zi­nho. Os co­mer­ci­an­tes con­go­le­ses pre­fe­rem o ci­men­to de An­go­la pe­la qua­li­da­de e o pre­ço de ven­da em re­la­ção ao pro­du­zi­do na RDC.

Cem ca­miões por dia

Em­pre­sá­ri­os e co­mer­ci­an­tes na­ci­o­nais trans­por­tam pa­ra o Lu­vo uma mé­dia de 100 ca­miões por dia, a mai­o­ria de­les com mais de 720 sa­cos de ci­men­to ca­da. De­pois de re­sol­vi­dos os pro­ce­di­men­tos adu­a­nei­ros, os an­go­la­nos trans­põem a fron­tei­ra e ven­dem o sa­co a oi­to dó­la­res ca­da, quan­do o ci­men­to do Con­go Cen­tral cus­ta 15.

Por es­te e ou­tros mo­ti­vos, as au­to­ri­da­des con­go­le­sas proi­bi­ram, em Maio úl­ti­mo, a en­tra­da e a ven­da do ci­men­to an­go­la­no na RDC, me­di­da le­van­ta­da 25 di­as de­pois de ace­sas ne­go­ci­a­ções que pro­du­zi­ram re­sul­ta­dos po­si­ti­vos na re­la­ção en­tre as au­to­ri­da­des adu­a­nei­ras de An­go­la e as do Con­go. “A po­pu­la­ção con­go­le­sa re­vol­tou-se, quan­do to­mou co­nhe­ci­men­to de que no mu­ni­cí­pio do Nó­qui es­ta­vam re­ti­dos, em Maio úl­ti­mo, mais de 40 ca­miões de An­go­la car­re­ga­dos com ci­men­to”, lem­brou Pe­dro Ma­tos, fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co.

Na al­tu­ra em que vi­go­rou o blo­queio con­go­lês, na fron­tei­ra do Nó­qui, fi­ca­ram re­ti­dos mais de 40 ca­miões idos de Lu­an­da. O ci­men­to en­ca­re­ceu no Con­go, de­vi­do à pa­ra­li­sa­ção das du­as fá­bri­cas exis­ten­tes na­que­la re­gião, uma em Lu­ka­la e ou­tra em Kim­pes­se.

In­for­ma­ções dão con­ta de que as au­to­ri­da­des da­que­la re­gião fi­ze­ram um in­ves­ti­men­to que per­mi­tiu a re­cu­pe­ra­ção da in­dús­tria ci­men­tei­ra de Kim­pes­se em tem­po opor­tu­no, pa­ra fa­zer fa­ce ao dé­fi­ce de ci­men­to que se as­sis­te um pou­co por to­da a ex­ten­são do ter­ri­tó­rio con­go­lês. “Se on­tem eram os con­go­le­ses que nos abas­te­ci­am em ci­men­to, hoje é o in­ver­so. É An­go­la que as­se­gu­ra o abas­te­ci­men­to do pro­du­to pa­ra o Con­go De­mo­crá­ti­co”, dis­se a ad­mi­nis­tra­do­ra-ad­jun­ta da co­mu­na do Lu­vo, Pau­li­na Tus­sam­ba.

Nes­te mo­men­to, a fá­bri­ca de Kim­pes­se fun­ci­o­na em re­gi­me ex­pe­ri­men­tal, en­quan­to aguar­da o aval das au­to­ri­da­des da­que­le país pa­ra de­fi­nir a da­ta do ar­ran­que efec­ti­vo. Mui­tas vo­zes, so­bre­tu­do co­mer­ci­an­tes da RDC, le­van­tam-se pa­ra con­tes­tar a re­a­ber­tu­ra da fá­bri­ca de ci­men­to do Con­go, por re­ce­a­rem a apli­ca­ção dos pre­ços exor­bi­tan­tes já pra­ti­ca­dos no pas­sa­do, que ron­da­vam os 15 dó­la­res/sa­co.

“An­tes, a po­pu­la­ção con­go­le­sa não con­se­guia cons­truir, por­que se sen­tia ex­plo­ra­da pe­los pre­ços al­tos que vi­go­ra­vam”, dis­se Pe­dro Ma­tos, fun­ci­o­ná­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Lu­vo. “O ci­men­to de An­go­la veio acu­dir a in­fla­ção no sec­tor da cons­tru­ção da RDC”, acres­cen­tou.

Pe­dro Ma­tos re­fe­riu ain­da que de­cor­rem es­tu­dos pa­ra de­fi­nir o pre­ço úni­co do ci­men­to con­go­lês e a da­ta pa­ra a re­a­ber­tu­ra ofi­ci­al do co­mér­cio des­te pro­du­to.

An­go­la ex­por­ta cer­ve­ja

O le­que de pro­du­tos ex­por­ta­dos por An­go­la, a par­tir da fron­tei­ra do Lu­vo, que até Agos­to úl­ti­mo se cin­gia a ma­te­ri­al de cons­tru­ção ci­vil, co­mo ci­men­to, cha­pas de zin­co, fer­ro e pre­gos, en­tre ou­tros, abran­ge ago­ra a in­dús­tria cer­ve­jei­ra e de re­fri­ge­ran­tes, com a en­tra­da em ce­na das mar­cas Cu­ca, No­cal, Ti­gra, 33, Top, Fan­ta e Co­ca-Co­la.A equi­pa de reportagem apu­rou na fron­tei­ra do Lu­vo, 64 qui­ló­me­tros da ci­da­de de Mban­za Con­go, que a cer­ve­ja na­ci­o­nal con­quis­tou par­te subs­tan­ci­al do mer­ca­do con­go­lês pe­la qua- li­da­de do aro­ma. Os pre­ços pra­ti­ca­dos pe­los co­mer­ci­an­tes na­ci­o­nais su­pe­ram as ex­pec­ta­ti­vas do mer­ca­do por es­ta­rem ao al­can­ce do bol­so do ci­da­dão co­mum. Tu­do es­tá fa­ci­li­ta­do, de­vi­do, por ou­tro la­do, à pre­sen­ça de uma de­pen­dên­cia do Ban­co de Co­mér­cio e In­dús­tria (BCI) em fun­ci­o­na­men­to no Lu­vo.

O ge­ren­te da­que­la de­pen­dên­cia do BCI no Lu­vo, Afon­so Vi­cen­te, afir­mou que se ve­ri­fi­cam de­pó­si­tos avul­ta­dos de di­nhei­ro por co­mer­ci­an­tes e pe­la po­pu­la­ção, com o pro­pó­si­to de se­rem le­van­ta­dos em Lu­an­da, on­de ad­qui­rem a mer­ca­do­ria que tra­zem pa­ra a fron­tei­ra. “A po­pu­la­ção evi­ta fi­car com o di­nhei­ro em mãos pa­ra fu­gir aos as­sal­tos”, dis­se.

Três ci­da­dãos con­go­le­ses afir­ma­ram que to­do o Con­go Cen­tral tem pre­fe­rên­cia pe­lo sa­bor da Cu­ca e da No­cal. “O pro­ble­ma é o va­si­lha­me”, dis­se­ram. A pre­fe­rên­cia pe­las mar­cas an­go­la­nas de­ve-se tam­bém aos pre­ços pra­ti­ca­dos. Cus­tam 500 fran­cos con­go­le­ses, o cor­res­pon­den­te a 250 kwan­zas, en­quan­to as da­que­le país co­mo a Skol, Pri­mus, Do­pel e Tur­bo King cus­tam mil fran­cos a uni­da­de.

A cer­ve­jei­ra con­go­le­sa Bra­li­ma, res­pon­sá­vel pe­los pro­du­tos Skol, Do­pel, Pri­mus e Tur­bo King, mos­tra­se pre­o­cu­pa­da com a in­va­são do mer­ca­do da­que­le país pe­las cer­ve­jas de An­go­la, dis­se Le­on Apaya­ma.

No­vos pro­du­tos

An­go­la in­ter­di­tou em Fe­ve­rei­ro úl­ti­mo a cir­cu­la­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção de pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca pa­ra a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go. A me­di­da, que pro­du­ziu re­ac­ções ne­ga­ti­vas na al­tu­ra, re­sul­tou na acei­ta­ção do kwanza nas tran­sac­ções co­mer­ci­ais.

O pro­ces­so de exportação as­sen­ta na po­lí­ti­ca de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia pa­ra se sair da cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra. A me­di­da re­sul­tou tam­bém, na exportação de re­fri­ge­ran­tes na­ci­o­nais, co­mo os su­mos Com­pal e Di­ka Red, dis­se Pe­dro Ma­tos, fre­quen­ta­dor as­sí­duo do Lu­vo.

“Se a mer­ca­do­ria cus­tar 10 mil, co­bra­mos um por cen­to. Ti­ra­mos pro­vei­to por­que a exportação é be­né­fi­ca pa­ra o país. O nos­so ci­men­to tem me­lhor acei­ta­ção no Con­go, pois, as fá­bri­cas que lá exis­tem não co­brem as ne­ces­si­da­des lo­cais”, afir­mou o adu­a­nei­ro Ma­nu­el Di­a­ban­za.

De acor­do com o res­pon­sá­vel, o pro­to­co­lo co­mer­ci­al trans­fron­tei­ri­ço que re­gu­la as tran­sac­ções em pe­que­nos vo­lu­mes cla­ma por uma re­vo­ga­ção, a jul­gar pe­la ac­tu­al re­a­li­da­de fron­tei­ri­ça, que en­vol­ve um mer­ca­do na or­dem de 100 mi­lhões de . Pa­ra ele, é pre­ci­so de­li­ne­ar uma es­tra­té­gia que per­mi­ta me­lho­rar a or­ga­ni­za­ção do mer­ca­do fron­tei­ri­ço den­tro de um qua­dro le­gal, pa­ra que os dois Es­ta­dos re­ti­rem os de­vi­dos be­ne­fí­ci­os fis­cais.

JAIMAGENS

Ape­sar da fu­ga ao fis­co as tran­sac­ções co­mer­ci­ais ten­dem a me­lho­rar en­tre An­go­la e RDC e a proi­bi­ção da ven­da de pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca pa­ra o ex­te­ri­or foi exa­ra­da pe­lo Exe­cu­ti­vo

JOÃO MA­VIN­GA

To­das as mer­ca­do­ri­as re­ex­por­ta­das na fron­tei­ra com a RDC pa­gam um por cen­to de emo­lu­men­tos ge­rais em re­la­ção ao va­lor da fac­tu­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.