Ará­bia Sau­di­ta ame­a­ça re­ta­li­ar

CON­GRES­SO DOS EUA AU­TO­RI­ZA PRO­CES­SOS CON­TRA A ARÁ­BIA SAU­DI­TA Pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma aler­ta pa­ra a fra­gi­li­da­de na pro­tec­ção de di­plo­ma­tas

Jornal de Angola - - PARTADA -

AA­rá­bia Sau­di­ta anun­ci­ou on­tem um pos­sí­vel dis­tan­ci­a­men­to dos Es­ta­dos Uni­dos na co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal, co­mo pri­mei­ra me­di­da con­tra o ve­to do Con­gres­so à de­ci­são do Pre­si­den­te Oba­ma de re­jei­tar a lei pa­ra res­pon­sa­bi­li­zar o Go­ver­no de Ri­a­de por ale­ga­das li­ga­ções aos aten­ta­dos de 11 de Se­tem­bro de 2001. Ri­a­de che­gou mes­mo a con­si­de­rar o ve­to uma pu­nha­la­da pe­las cos­tas.

A Ará­bia Sau­di­ta anun­ci­ou on­tem um pos­sí­vel dis­tan­ci­a­men­to dos Es­ta­dos Uni­dos na co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal, co­mo pri­mei­ra me­di­da con­tra o ve­to do Con­gres­so (Par­la­men­to) à de­ci­são do Pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma de re­jei­tar a lei pa­ra res­pon­sa­bi­li­zar o Go­ver­no de Ri­a­de por ale­ga­das li­ga­ções aos aten­ta­dos de 11 de Se­tem­bro de 2001.

Ri­a­de che­gou mes­mo a con­si­de­rar o ve­to uma pu­nha­la­da pe­las cos­tas. “A vo­ta­ção hos­til do Con­gres­so nor­te-ame­ri­ca­no so­bre os aten­ta­dos do 11 de Se­tem­bro sig­ni­fi­ca a re­du­ção da nos­sa co­o­pe­ra­ção em ma­té­ria de se­gu­ran­ça e na tro­ca re­cí­pro­ca de bens in­dus­tri­ais”, su­bli­nha um co­mu­ni­ca­do do Go­ver­no sau­di­ta.

O Con­gres­so nor­te-ame­ri­ca­no eli­mi­nou, na quar­ta-fei­ra, o ve­to do Pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma a uma lei que per­mi­te que as ví­ti­mas dos ata­ques de 11 de Se­tem­bro de 2001 pro­ces­sem au­to­ri­da­des sau­di­tas.

Com 97 por cen­to de vo­tos a fa­vor e um con­tra, o Se­na­do (Câ­ma­ra Al­ta) pro­nun­ci­ou-se pe­la eli­mi­na­ção do ve­to. Pou­co de­pois, se­guin­do os pas­sos da Câ­ma­ra Al­ta, os re­pre­sen­tan­tes tam­bém eli­mi­na­ram o ve­to pre­si­den­ci­al por 348 vo­tos con­tra 77.

Foi a pri­mei­ra vez que is­so ocor­reu com o Ba­rack Oba­ma, nos seus oi­to anos à fren­te da Ca­sa Bran­ca. “Te­mo que es­ta lei te­nha con­sequên­ci­as es­tra­té­gi­cas ca­tas­tró­fi­cas nas re­la­ções his­tó­ri­cas en­tre Washing­ton e Ri­a­de”, ad­ver­tiu Sal­man al An­sa­ri, pre­si­den­te de um co­mi­té pri­va­do pa­ra a pro­mo­ção das re­la­ções en­tre a Ará­bia Sau­di­ta e os Es­ta­dos Uni­dos (SAPRAC).

A re­la­ção Washing­ton-Ri­a­de, ini­ci­a­da há mais de 70 anos, ba­seia-se em par­ti­cu­lar no in­ter­câm­bio da se­gu­ran­ça nor­te-ame­ri­ca­na por pe­tró­leo sau­di­ta. “A Ará­bia Sau­di­ta foi traí­da com es­ta lei ir­ra­ci­o­nal e ir­re­a­lis­ta”, as­si­na­lou Sal­man al An­sa­ri à agên­cia AFP. “Co­mo se po­de per­se­guir um país que co­la­bo­ra na lu­ta con­tra o ter­ro­ris­mo, do qual é acu­sa­do sem fun­da­men­to?”, ques­ti­o­nou. A ex­cep­ci­o­nal de­mons­tra­ção de uni­da­de bi­par­ti­dá­ria do Con­gres­so nor­te-ame­ri­ca­no im­pli­ca um du­ro gol­pe pa­ra Ba­rack Oba­ma, que lan­çou uma cam­pa­nha con­tra a pro­pos­ta, co­nhe­ci­da co­mo Lei de Jus­ti­ça con­tra os Pa­tro­ci­na­do­res do Ter­ro­ris­mo.

Adop­ta­da em fim de man­da­to na Ca­sa Bran­ca, a me­di­da mos­tra um Pre­si­den­te en­fra­que­ci­do. Ao lon­go de sua Pre­si­dên­cia, Ba­rack Oba­ma emi­tiu 12 ve­tos. Ne­nhum de­les ha­via si­do qu­es­ti­o­na­do até ago­ra, fac­to cu­ri­o­so, con­si­de­ran­do-se a mai­o­ria re­pu­bli­ca­na de lon­ga da­ta no Con­gres­so dos EUA. A Ca­sa Bran­ca ar­gu­men­ta que a ini­ci­a­ti­va mi­na o prin­cí­pio de imu­ni­da­de so­be­ra­na e abre ca­mi­nho pa­ra que os Es­ta­dos Uni­dos se­jam al­vo de pro­ces­sos.

Ba­rack Oba­ma ad­ver­tiu os con­gres­sis­tas so­bre as con­sequên­ci­as de­vas­ta­do­ras des­sa de­ci­são pa­ra o Pen­tá­go­no (Mi­nis­té­rio da De­fe­sa), fun­ci­o­ná­ri­os do Go­ver­no, di­plo­ma­tas e ser­vi­ços de In­te­li­gên­cia.

De acor­do com o Pre­si­den­te, a le­gis­la­ção “não pro­te­ge­ria os ame­ri­ca­nos de ata­ques ter­ro­ris­tas, nem me­lho­ra­ria a efi­cá­cia de nos­sas res­pos­tas a es­ses ata­ques”. As au­to­ri­da­des da Ará­bia Sau­di­ta não es­cla­re­ce­ram se pen­sam ri­pos­tar da mes­ma ma­nei­ra, mas dei­xa­ram em aber­to con­sequên­ci­as po­lí­ti­cas gra­ves nas re­la­ções his­tó­ri­cas com Washing­ton, o que po­de pre­ju­di­car a es­tra­té­gia no com­ba­te ao ter­ro­ris­mo e a vi­são na are­na in­ter­na­ci­o­nal. Do­cu­men­tos con­fi­den­ci­ais tor­na­dos pú­bli­cos mos­tram que, du­ran­te as in­ves­ti­ga­ções, os ser­vi­ços de In­te­li­gên­cia nor­te-ame­ri­ca­nos sus­pei­ta­ram de uma even­tu­al re­la­ção en­tre os ter­ro­ris­tas dos aten­ta­dos de 11 de Se­tem­bro e as au­to­ri­da­des sau­di­tas.

As re­la­ções Washing­ton-Ri­a­de já ha­vi­am es­fri­a­do em 2014-2015 quan­do Oba­ma ini­ci­ou uma aber­tu­ra di­plo­má­ti­ca com Te­e­rão, que foi con­cre­tiz­da com o acor­do nu­cle­ar, pa­ra vi­a­bi­li­zar a ex­plo­ra­ção de urâ­nio pe­lo Irão. As mo­nar­qui­as do Gol­fo Pér­si­co não re­a­gi­ram ain­da ofi­ci­al­men­te à me­di­da dos EUA, ex­cep­to o Bah­rein, mui­to li­ga­do a Ri­a­de, que con­si­de­rou que o Con­gres­so dos Es­ta­dos Uni­dos “lan­çou uma fle­cha con­tra o seu pró­prio país”.

AFP

Ve­to do Con­gres­so nor­te-ame­ri­ca­no à de­ci­são de Ba­rack Oba­ma abre pre­ce­den­te gra­ve nas re­la­ções es­tra­té­gi­cas com a Ará­bia Sau­di­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.