Ni­gé­ria preparada pa­ra o sé­cu­lo XXI

Jornal de Angola - - PARTADA - FAUS­TI­NO HEN­RI­QUE |

A Ni­gé­ria co­me­mo­rou on­tem o seu 56º ani­ver­sá­rio, nu­ma al­tu­ra em que a Ad­mi­nis­tra­ção Buha­ri pre­ten­de pro­mo­ver re­for­mas pa­ra mo­der­ni­zar o país, con­so­li­dar a sua ca­mi­nha­da de­mo­crá­ti­ca, er­ra­di­car o fun­da­men­ta­lis­mo re­li­gi­o­so, re­du­zir as as­si­me­tri­as e to­das as ten­dên­ci­as se­ces­si­o­nis­tas. De­pois de vá­ri­os prog­nós­ti­cos que apon­ta­vam pa­ra a de­sa­gre­ga­ção do país, que há dois anos com­ple­tou cem co­mo ter­ri­tó­rio uno e in­di­vi­sí­vel, os ni­ge­ri­a­nos pa­re­cem mais de­ci­di­dos a man­ter a co­e­são, uni­da­de e o sen­ti­men­to de pá­tria. Dois gran­des de­sa­fi­os afli­gem a pre­si­dên­cia do ge­ne­ral na re­ser­va que há mais de um ano go­ver­na a Ni­gé­ria, Muham­ma­du Buha­ri, co­mo um de­mo­cra­ta que se dis­tan­cia do mo­de­lo de ges­tão dos seus pre­de­ces­so­res pe­la trans­pa­rên­cia, com­pro­mis­so com a lu­ta an­ti-cor­rup­ção e sen­ti­do de Es­ta­do. É ver­da­de que mais de ano de­pois no po­der, os ni­ge­ri­a­nos es­tão ain­da lon­ge de ve­rem gran­des trans­for­ma­ções, mas o ac­tu­al Pre­si­den­te pa­re­ce mais de­ci­di­do a con­cen­trar as su­as for­ças nas ver­da­dei­ras cau­sas do es­ta­do do país. Pro­mo­ver trans­pa­rên­cia, ins­tar os ni­ge­ri­a­nos a op­tar por no­vos pa­ra­dig­mas na pro­cu­ra do seu ga­nha-pão, ga­ran­tir a se­gu­ran­ça e dar uma no­va ima­gem ao país. Com es­tes es­for­ços e me­tas al­can­ça­das os efei­tos não tar­dam a apa­re­cer na me­di­da em que, co­mo acre­di­ta o Che­fe de Es­ta­do ni­ge­ri­a­no, ur­ge res­ga­tar a cre­di­bi­li­da­de da Ni­gé­ria.

No dis­cur­so de ani­ver­sá­rio da in­de­pen­dên­cia do país, Muham­ma­du Buha­ri dis­se, na pri­mei­ra pes­soa, o que pen­sa so­bre as di­fi­cul­da­des que os com­pa­tri­o­tas en­fren­tam, di­zen­do que “eu sei co­mo as coi­sas es­tão com­pli­ca­das, co­mo es­tá di­fí­cil en­fren­tar o dia a dia. Em to­da a mi­nha vi­da adul­ta eu sem­pre ga­nhei um sa­lá­rio e eu sei o que é quan­do o sa­lá­rio sim­ples­men­te não é su­fi­ci­en­te. Sei que o po­vo es­tá a fa­zer sa­cri­fí­ci­os in­crí­veis, mas dei­xe-me di­zer a to­dos os ni­ge­ri­a­nos hoje que eu me can­di­da­tei ao car­go de Pre­si­den­te por qua­tro ve­zes pa­ra ga­nhar e com­pro­var que se po­de go­ver­nar es­ta na­ção com ho­nes­ti­da­de e trans­pa­rên­cia, que se po­de pa­rar o rou­bo dos re­cur­sos da Ni­gé­ria”.

Buha­ri, que re­co­nhe­ceu a ca­mi­nha­da que ain­da tem pe­la fren­te pa­ra fa­zer sor­rir os seus com­pa­tri­o­tas, lem­brou que “a úni­ca ma­nei­ra de ga­ran­tir pros­pe­ri­da­de e abun­dân­cia pa­ra to­dos é por via da boa go­ver­na­ção, re­a­li­da­de com a qual es­tou com­ple­ta­men­te com­pro­me­ti­do”.

Nu­ma al­tu­ra em que o país po­de ce­le­brar ga­nhos sig­ni­fi­ca­ti­vos na imo­bi­li­za­ção do gru­po Bo­ko Ha­ram, que vi­ve pro­ble­mas sé­ri­os de re­or­ga­ni­za­ção e so­freu imen­sas per­das, o Pre­si­den­te Buha­ri enal­te­ceu o pa­pel pa­trió­ti­co de­sem­pe­nha­do pe­los mi­li­ta­res. De fac­to, o Bo­ko Ha­ram es­tá a bra­ços com su­ces­si­vas in­ves­ti­das das for­ças ar­ma­das ni­ge­ri­a­nas e, se­gun­do a im­pren­sa ni­ge­ri­a­na, vi­ve pro­ble­mas de li­de­ran­ça en­vol­ven­do o lí­der, Abu­ba­kar She­kau, e ale­ga­da­men­te um dos fi­lhos do de­fun­to lí­der fun­da­dor, Moham­med Yous­suf.

Há di­as, o che­fe da mi­lí­cia is­lâ­mi­ca que ti­nha si­do da­do ini­ci­al­men­te co­mo fe­ri­do e mor­to, re­a­pa­re­ceu num ví­deo na­qui­lo que mui­tos in­ter­pre­tam co­mo um ges­to de de­ses­pe­ro pa­ra ocul­tar lu­tas in­ter­nas pe­la li­de­ran­ça do gru­po. Se es­te mo­men­to for bem apro­vei­ta­do pe­las for­ças de de­fe­sa e se­gu­ran­ça da Ni­gé­ria pa­ra o gol­pe de mi­se­ri­cór­dia ou, es­tra­te­gi­ca­men­te, abrir es­pa­ço pa­ra di­a­lo­gar com fac­ções re­si­du­ais do gru­po, so­bre­tu­do as que se não re­vêem na li­de­ran­ça de Abu­ba­kar She­kau, me­lhor pa­ra ter­mi­nar a in­sur­rei­ção re­li­gi­o­sa. Mas com o gru­po em re­ti­ra­da, me­lho­rou mui­to a cir­cu­la­ção e a vi­da quo­ti­di­a­na nas re­giões afec­ta­das pe­las ac­ções do gru­po, co­mo adi­an­tou o Pre­si­den­te.

Em­bo­ra o Pre­si­den­te Muham­ma­du Buha­ri te­nha pro­me­ti­do ven­cer a guer­ra con­tra o Bo­ko Ha­ram, aten­den­do à coin­ci­dên­cia, mui­to há ain­da pa­ra ser ul­tra­pas­sa­do por­que, se­gun­do a previsão de mui­tos, vá­ri­os gru­pos po­dem ema­nar de uma even­tu­al der­ro­ta do nú­cleo li­de­ra­do por She­kau.

Muham­ma­du Buha­ri, que de­di­cou boa par­te da sua in­ter­ven­ção pa­ra fa­lar so­bre a cor­rup­ção, de­fen­de que os ni­ge­ri­a­nos de­vem lu­tar pa­ra atin­gir a au­to-su­fi­ci­ên­cia na pro­du­ção de ce­re­ais.

Pro­me­teu es­ta­bi­li­zar a naira, a mo­e­da na­ci­o­nal, pro­mo­ver ini­ci­a­ti­vas pa­ra in­ver­ter o ac­tu­al ci­clo de re­ces­são em que se en­con­tra a eco­no­mia ni­ge­ri­a­na, apos­tan­do so­bre­tu­do na pa­ci­fi­ca­ção da re­gião do Del­ta do Ní­ger, on­de é ex­traí­do o gros­so do pe­tró­leo do país, na ma­nu­ten­ção da se­gu­ran­ça e trans­pa­rên­cia na go­ver­na­ção.

A so­lu­ção pa­ra o Del­ta, se­gun­do a vi­são do lí­der ni­ge­ri­a­no, pas­sa pe­lo o en­ga­ja­men­to com as li­de­ran­ças lo­cais no sen­ti­do da re­so­lu­ção dos prin­ci­pais pro­ble­mas en­fren­ta­dos pe­las co­mu­ni­da­des e gru­pos ar­ma­dos.

No ime­di­a­to, con­gra­tu­lou-se pe­lo fac­to do país dar pas­sos pa­ra su­pe­rar um dos pro­ble­mas cró­ni­cos, o pro­ble­ma do for­ne­ci­men­to de ener­gia, nu­ma al­tu­ra em que o país se re­go­zi­ja por pas­sar dos cer­ca de 3300 Me­gawatts, em 2015, pa­ra 5074 Me­gawatts, a par­tir des­te ano.

Ter­mi­nou o seu dis­cur­so, di­zen­do que, con­tra­ri­a­men­te às pre­vi­sões de que a Ni­gé­ria se en­ca­mi­nha­va pa­ra se trans­for­mar num Es­ta­do fa­lha­do, o país pre­pa­ra-se pa­ra en­fren­tar com su­ces­so o séc. XXI. Pa­ci­ên­cia e co­ra­gem fo­ram as úl­ti­mas pa­la­vras pe­di­das aos seus com­pa­tri­o­tas pa­ra en­fren­tar a ac­tu­al si­tu­a­ção por que pas­sa o país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.