En­si­no Su­pe­ri­or exi­ge qua­li­da­de

Jornal de Angola - - PARTADA - GUILHERMINO AL­BER­TO |

Foi on­tem lan­ça­do o de­ba­te alar­ga­do so­bre a qua­li­da­de do En­si­no Su­pe­ri­or em An­go­la. So­bre o que foi bem fei­to e o que pre­ci­sa de ser me­lho­ra­do, pa­ra que o país dei­xe, em mui­tos ca­sos, de for­mar de­sem­pre­ga­dos e dar a qua­li­da­de ne­ces­sá­ria aos cur­sos mi­nis­tra­dos nas nos­sas ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or, pú­bli­cas e pri­va­das.

O en­con­tro, pro­mo­vi­do pe­lo Se­cre­ta­ri­a­do do Bu­re­au Po­lí­ti­co do MPLA, reu­niu rei­to­res, di­rec­to­res, do­cen­tes, in­ves­ti­ga­do­res e tra­ba­lha­do­res das ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das do En­si­no Su­pe­ri­or da Pri­mei­ra Re­gião Aca­dé­mi­ca, que com­pre­en­de as pro­vín­ci­as de Lu­an­da e Ben­go.

Fi­cou evi­den­te, du­ran­te o en­con­tro, que o nos­so En­si­no Su­pe­ri­or deu pas­sos mui­to rá­pi­dos na di­rec­ção de ins­ta­lar uni­ver­si­da­des e ins­ti­tu­tos po­li­téc­ni­cos um pou­co por to­do o país. Em 2002, ano da paz e do iní­cio da nor­ma­li­za­ção da vi­da em An­go­la, exis­tia uma úni­ca ins­ti­tui­ção pú­bli­ca de en­si­no su­pe­ri­or, a Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to, e du­as ins­ti­tui­ções pri­va­das do mes­mo grau de en­si­no. Em cer­ca de 14 anos de paz, es­ses nú­me­ros pas­sa­ram pa­ra 24 ins­ti­tui­ções pú­bli­cas de en­si­no su­pe­ri­or e 40 pri­va­das, ten­do for­ma­do nes­se pe­río­do 62.407 qua­dros.

Os nú­me­ros apon­tam cla­ra­men­te que hou­ve um gran­de in­ves­ti­men­to na for­ma­ção su­pe­ri­or. Com as de­bi­li­da­des pró­pri­as de um país em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to e aca­ba­do de sair de uma guer­ra que dei­xou mar­cas pro­fun­das no seu te­ci­do hu­ma­no, es­se cres­ci­men­to em quan­ti­da­de nem sem­pre foi acom­pa­nha­do da qua­li­da­de ne­ces­sá­ria pa­ra dar ao país qua­dros qua­li­fi­ca­dos, em­bo­ra ha­ja al­gu­mas ex­cep­ções à re­gra, so­bre­tu­do nas áre­as das ci­ên­ci­as so­ci­ais.

E no en­con­tro de on­tem, João Lou­ren­ço, o vi­ce-pre­si­den­te do MPLA, trou­xe is­so mes­mo à dis­cus­são. Num de­ba­te ra­ci­o­nal e mui­to lon­ge do dis­cur­so ide­o­ló­gi­co, João Lou­ren­ço dei­xou cla­ro que de­pois da for­ma­ção em quan­ti­da­de, o país pre­ci­sa de for­mar com ur­gên­cia qua­dros téc­ni­cos bem qua­li­fi­ca­dos pa­ra ala­van­car a in­dús­tria na­ci­o­nal e trans­for­mar lo­cal­men­te as ma­té­ri­as-pri­mas, que hoje por hoje são ex­por­ta­das em bru­to, pa­ra de­pois se­rem im­por­ta­das a pre­ço de ou­ro, num ci­clo vi­ci­o­so que em­po­bre­ce An­go­la e os an­go­la­nos.

E tam­bém fi­cou cla­ro du­ran­te o en­con­tro que a qua­li­da­de pre­ten­di­da não se com­pa­de­ce com a ad­mis­são no En­si­no Su­pe­ri­or de 58 por cen­to de es­tu­dan­tes com no­tas in­fe­ri­o­res a dez va­lo­res, co­mo acon­te­ce ago­ra e fez ques­tão de su­bli­nhar on­tem a rei­to­ra da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to, Ma­ria Sam­bo.

O país, que não cons­ta na lis­ta com as 100 me­lho­res uni­ver­si­da­des de Áfri­ca, pre­ci­sa ra­pi­da­men­te de re­a­va­li­ar com to­da a fron­ta­li­da­de e de for­ma ra­ci­o­nal o en­si­no que se dá na ba­se e pre­pa­rar me­lhor os can­di­da­tos ao En­si­no Su­pe­ri­or. Is­so pas­sa, se­gu­ra­men­te, por pro­mo­ver o mé­ri­to e a com­pe­ti­ti­vi­da­de em to­dos os es­ca­lões do en­si­no ge­ral. E o pro­fes­sor não po­de con­ti­nu­ar a ser vis­to co­mo o pa­ren­te po­bre do sis­te­ma de en­si­no. Aos me­lho­res, um sa­lá­rio me­lhor. E aos me­lho­res es­tu­dan­tes, o de­vi­do re­co­nhe­ci­men­to. Na­da es­tá per­di­do. An­go­la e os an­go­la­nos es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra ven­cer mais es­te de­sa­fio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.