Re­bel­des em Ale­po es­tão em de­ban­da­da

Jornal de Angola - - PARTADA -

A ope­ra­ção das for­ças go­ver­na­men­tais da Sí­ria pa­ra li­ber­tar a ci­da­de de Ale­po es­tá a le­var os re­bel­des a pro­cu­ra­rem re­fú­gio nas ba­ses do “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” (“EI”), que man­têm equi­pa­men­to mi­li­tar e ho­mens em bair­ros con­si­de­ra­dos crí­ti­cos, de on­de lan­çam ata­ques es­po­rá­di­cos con­tra po­si­ções do Exér­ci­to.

Os re­bel­des co­me­ça­ram a apre­sen­tar si­nais de es­go­ta­men­to pa­ra man­ter os com­ba­tes con­tra as li­nhas das For­ças Ar­ma­das e anun­ci­a­ram que a úni­ca saí­da é jun­ta­rem-se ao “Es­ta­do Is­lâ­mi­co”, pa­ra evi­tar que a ci­da­de se­ja re­cu­pe­ra­da na to­ta­li­da­de pe­lo Go­ver­no.

A de­ci­são dos re­bel­des, se­gun­do a im­pren­sa lo­cal, es­tá a cri­ar di­fi­cul­da­des na ar­ti­cu­la­ção dos mei­os lo­gís­ti­cos pe­los seus apoi­an­tes. A pas­sa­gem pa­ra as fi­lei­ras do “EI” sig­ni­fi­ca uma con­tra­ri­e­da­de nos in­te­res­ses de­fen­di­dos pe­la co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, que têm o “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” co­mo ini­mi­go co­mum.

No mo­men­to em que o Go­ver­no ata­ca a ci­da­de, al­guns re­bel­des mo­de­ra­dos di­zem que o “fra­cas­so” da in­ter­ven­ção da co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal na Sí­ria não lhes dei­xou ou­tra es­co­lha, se­não co­la­bo­ra­rem com gru­pos is­lâ­mi­cos ex­tre­mis­tas.

Em Ale­po, os re­bel­des que com­ba­tem sob a ban­dei­ra do Exér­ci­to Li­vre da Sí­ria es­tão a co­or­de­nar o pla­ne­a­men­to ope­ra­ci­o­nal com a Jaish al-Fa­tah, ali­an­ça de gru­pos is­lâ­mi­cos que in­clui o Jabhat Fa­teh al-Sham, que era o bra­ço sí­rio da Al Qa­e­da até rom­per as re­la­ções em Ju­lho des­te ano.

En­quan­to is­so, na pro­vín­cia pró­xi­ma de Hama, gru­pos per­ten­cen­tes ao Exér­ci­to Li­vre da Sí­ria e ar­ma­dos com mís­seis an­ti-tan­que, es­tão a par­ti­ci­par nu­ma gran­de ofen­si­va com o gru­po Jund al-Aq­sa, ins­pi­ra­do na Al Qa­e­da, que des­vi­ou par­te do po­der de fo­go de Ale­po.

Es­sa não era a es­co­lha pre­fe­ri­da dos re­bel­des do Exér­ci­to Li­vre da Sí­ria. Eles têm di­fe­ren­ças ide­o­ló­gi­cas pro­fun­das com os jiha­dis­tas e che­ga­ram até a com­ba­tê-los al­gu­mas ve­zes. Um lí­der rebelde ve­te­ra­no dis­se que qual­quer ti­po de fu­são po­lí­ti­ca com os ex­tre­mis­tas con­ti­nua fo­ra de ques­tão.

Mas a so­bre­vi­vên­cia é a prin­ci­pal pre­o­cu­pa­ção di­an­te da di­fi­cul­da­de da co­li­ga­ção em im­pe­dir que o Go­ver­no de Da­mas­co e os seus ali­a­dos rus­sos e ira­ni­a­nos le­vem adi­an­te uma cam­pa­nha que ame­a­ça de­vas­tar o bas­tião ur­ba­no mais im­por­tan­te dos re­bel­des no les­te de Ale­po. “Num mo­men­to no qual es­ta­mos a mor­rer, não é ló­gi­co ve­ri­fi­car pri­mei­ro se um gru­po é clas­si­fi­ca­do co­mo ter­ro­ris­ta ou não an­tes de co­o­pe­rar com ele”, dis­se um al­to mem­bro de uma das fac­ções re­bel­des. Po­tên­ci­as oci­den­tais e ini­mi­gos re­gi­o­nais do Go­ver­no da Sí­ria, en­tre eles a Tur­quia e a Ará­bia Sau­di­ta, fi­ze­ram do apoio aos re­bel­des uma “ar­ma po­lí­ti­ca”. Os EUA es­tão cau­te­lo­sos a res­pei­to do grau de apoio da­do a es­tes gru­pos, opon­do-se às re­mes­sas de mís­seis an­ti­aé­re­os, de­vi­do ao te­mor de que pos­sam aca­bar nas mãos do “Es­ta­do Is­lâ­mi­co”.

Ata­ques aé­re­os

Pe­lo me­nos 39 pes­so­as mor­re­ram, ví­ti­mas de bom­bar­de­a­men­tos e dis­pa­ros de fo­gue­tes em vá­ri­as par­tes da Sí­ria, se­gun­do o Ob­ser­va­tó­rio Sí­rio de Di­rei­tos Hu­ma­nos (OSDH). No to­tal, 17 pes­so­as per­de­ram a vi­da pe­la que­da de pro­jéc­teis das for­ças go­ver­na­men­tais e por bom­bar­de­a­men­tos con­tra as po­pu­la­ções de Du­ma, Ar­bin, Ka­fr Bat­na e Yis­rin, na zo­na de Ghou­ta Ori­en­tal, o prin­ci­pal re­du­to rebelde dos ar­re­do­res de Da­mas­co.

Ou­tras 12 pes­so­as mor­re­ram na sequên­cia de ata­ques de aviões da co­li­ga­ção con­tra os bair­ros de Al He­lik e Al Zei­tu­nat, na par­te ori­en­tal de Ale­po. O OSDH não afas­ta a hi­pó­te­se que au­men­te o nú­me­ro de ví­ti­mas mor­tais, por­que há de­sa­pa­re­ci­dos sob os es­com­bros e fe­ri­dos em es­ta­do gra­ve. Aviões da co­li­ga­ção ma­ta­ram pe­lo me­nos dez pes­so­as, en­tre mu­lhe­res e cri­an­ças, no po­vo­a­do de Ba­si­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.