CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Si­tu­a­ção na Sí­ria

A si­tu­a­ção na Sí­ria co­mo­ve a qual­quer um, so­bre­tu­do quan­do ines­pe­ra­da­men­te sur­gem ima­gens de cri­an­ças de ten­ra ida­de que so­bre­vi­vem a ata­ques. As ima­gens cor­rem o mun­do e de­vi­am ser o su­fi­ci­en­te pa­ra os ac­to­res de to­dos os la­dos do con­fli­to ga­nha­rem cons­ci­ên­cia so­bre a ne­ces­si­da­de de se pôr fim à guer­ra.

A di­plo­ma­cia, li­de­ra­da pe­la Rús­sia e pe­los Es­ta­dos Uni­dos, fa­lhou re­cen­te­men­te e a pon­ta do ca­no da es­pin­gar­da pa­re­ce ser a me­lhor op­ção. E a ONU mos­tra-se cla­ra­men­te de mãos ata­das por­que, de­pois de nu­me­ro­sos ape­los ver­bais, nin­guém pa­re­ce in­te­res­sa­do em dar ou­vi­dos. PATRÍCIO DE CAR­VA­LHO | Dan­de

Pro­du­ção ener­gé­ti­ca

Com os pro­jec­tos hi­dro­e­léc­tri­cos ac­tu­ais, jul­go que o país se en­ca­mi­nha pa­ra a au­to-su­fi­ci­ên­cia em ter­mos de pro­du­ção de ener­gia. Com as obras de re­a­bi­li­ta­ção um pou­co pe­los gran­des pro­jec­tos de ge­ra­ção de elec­tri­ci­da­de em to­do o país, não há dú­vi­das de que es­ta­re­mos em me­lho­res con­di­ções de co­lo­car­mos An­go­la na sen­da do de­sen­vol­vi­men­to.

Afi­nal, co­mo es­tá pro­va­do, o de­sen­vol­vi­men­to tam­bém se me­de pe­lo con­su­mo de ener­gia per ca­pi­ta, re­a­li­da­de que pre­ci­sa­mos de mo­di­fi­car pa­ra bem e co­mo­di­da­de das po­pu­la­ções. É ver­da­de que não te­mos ain­da to­dos os pro­ble­mas re­sol­vi­dos a ju­san­te, aten­den­do a que, em­bo­ra os ní­veis de pro­du­ção se­jam bons, a trans­por­ta­ção não é ain­da das me­lho­res. Co­mo fi­cou mais ou me­nos pro­va­do, os gran­des cons­tran­gi­men­tos co­lo­cam­se qua­se sem­pre na trans­por­ta­ção e dis­tri­bui­ção pe­los gran­des cen­tros de con­su­mo. Por cau­sa das for­mas de aqui­si­ção, uso e ges­tão dos es­pa­ços pa­ra a cons­tru­ção, na sua mai­o­ria sem pla­nos de ur­ba­ni­za­ção, as tor­res de trans­por­ta­ção de ener­gia en­con­tram mui­tas di­fi­cul­da­des ao lon­go do seu pre­ten­di­do tra­ça­do.

A quan­ti­da­de de pro­du­ção ener­gé­ti­ca co­me­ça a dei­xar de ser o cal­ca­nhar de Aqui­les, na me­di­da em que o país co­me­ça já a tes­te­mu­nhar es­for­ços no sen­ti­do do cres­ci­men­to da pro­du­ção. Pa­ra ter­mi­nar, gos­ta­ria de ex­pri­mir as mi­nhas mais ca­lo­ro­sas pa­la­vras de sa­tis­fa­ção pe­lo for­ne­ci­men­to inin­ter­rup­to de ener­gia du­ran­te es­tes di­as, fac­to que de­ve ser enal­te­ci­do. FRAN­CIS­CO LO­PES | Cui­to

Cor­ri­da na ONU

A cor­ri­da ao car­go de se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU co­me­ça a aque­cer e a en­trar pa­ra a sua eta­pa de­ci­si­va, nu­ma al­tu­ra em que as aten­ções co­me­çam a cen­trar-se em tor­no do can­di­da­to lu­so. An­tó­nio Gu­ter­res, que já re­ce­beu o apoio de boa par­te dos paí­ses, a jul­gar pe­las per­for­man­ces du­ran­te a vo­ta­ção, alar­ga as pos­si­bi­li­da­des. Tu­do es­tá ain­da em aber­to por­que os cin­co per­ma­nen­tes têm uma pa­la­vra a di­zer na de­fi­ni­ção do su­ces­sor de Ban Ki­mo­on. Gu­ter­res dis­pu­ta com can­di­da­tos de pe­so, que po­dem a qual­quer ins­tan­te “rou­bar” to­das as pos­si­bi­li­da­des da­que­le can­di­da­to ven­cer o plei­to final.

Pen­so que em Ou­tu­bro, al­tu­ra em que a ONU com­ple­ta anos, já sa­be­re­mos quem é o fu­tu­ro “boss” da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das. FER­NAN­DO JUN­QUEI­RA, JR. | Ma­lan­je

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.