Per­se­guir o fu­tu­ro atrás de um car­ro de mão

Jornal de Angola - - PERFIT -

Ora­paz car­re­ga o car­ro de mão com fa­ci­li­da­de. A for­ma co­mo con­duz, com ape­nas um bra­ço, e as ma­no­bras que faz, dei­xam qual­quer pes­soa im­pres­si­o­na­da. O meio de trans­por­te de car­ga ver­de cla­ro, com pneus e jan­tes bran­cas, é a fon­te de ren­di­men­to de Nan­do, 15 anos, que vi­ve no bair­ro Qui­mas­sa­gre e ga­nha a vi­da a des­lo­car car­gas de cli­en­tes que vi­si­tam o Mer­ca­do do 30, em Vi­a­na.

To­dos os di­as, des­de o ano pas­sa­do, o me­nor, cu­ja ca­sa fi­ca pró­xi­ma do mer­ca­do, acor­da an­tes do rai­ar do sol, por vol­ta das 5 ho­ras, pois tem de es­tar na li­nha fér­rea pa­ra es­pe­rar pe­los pri­mei­ros cli­en­tes.

O seu tra­ba­lho con­sis­te em em­pur­rar um car­ro de mão abar­ro­ta­do de com­pras. Por es­te ser­vi­ço, em­bol­sa en­tre 500 e 1.000 kwan­zas, de­pen­den­do da quan­ti­da­de de mer­ca­do­ria e do tem­po gas­to.

O ba­ru­lho, a po­ei­ra e os en­con­trões en­tres pes­so­as fa­zem lem­brar o an­ti­go Roque San­tei­ro, o mer­ca­do que já ti­nha si­do con­si­de­ra­do o mai­or es­pa­ço de ne­gó­ci­os ao ar li­vre em Áfri­ca. No 30, além da azá­fa­ma dos cli­en­tes e dos ven­de­do­res, há música al­ta por to­dos os la­dos, prin­ci­pal­men­te nas ban­ca­das on­de se re­a­li­zam os jo­gos da sor­te.

As zun­guei­ras e as ven­de­do­ras de ban­ca­das não dei­xam os seus cré­di­tos em mãos alhei­as. Ca­da uma tem o seu pró­prio cha­ma­riz, pa­ra atrair os cli­en­tes.

No meio des­se cor­re-cor­re, Nan­do é in­ter­pe­la­do por uma cli­en­te, que quer trans­por­tar com­pras pa­ra o seu car­ro. O tra­ba­lho exi­ge cau­te­las. As pa­ra­gens são cons­tan­tes, por­que o mer­ca­do es­tá cheio de gen­te. “Hoje, sá­ba­do, to­dos os ‘ti­os’ tra­zem aqui as su­as mu­lhe­res pa­ra le­var com­pras, por­que aqui tu­do é mais ba­ra­to”, ex­pli­ca.

De cor­po fran­zi­no, Nan­do diz que o dia es­tá a cor­rer bem. Es­ta é a quar­ta cli­en­te que aten­de, des­de as 7 ho­ras. “As­sim, ain­da pos­so le­var qual­quer coi­sa pa­ra ca­sa”, de­sa­ba­fa.

O sol es­tá abra­sa­dor. O cor­po de Nan­do, su­a­do, re­sis­te ao ca­lor, mas a fa­di­ga e a fo­me in­co­mo­dam. “Sou for­te, ma­no, aguen­to bem a fo­me”, as­se­gu­ra. Com 20 kwan­zas, com­pra uma em­ba­la­gem de plás­ti­co com água a uma zun­guei­ra, pa­ra ma­tar a se­de.

Vol­vi­dos uns mi­nu­tos, as com­pras são co­lo­ca­das na car­ri­nha da cli­en­te, que en­tre­ga uma no­ta de 500 kwan­zas, mas o “ro­bo­tei­ro” re­jei­ta, por con­si­de­rar que não co­bre o ser­vi­ço. Mas, os dois che­gam a um acor­do e Nan­do re­ce­be 700 kwan­zas.

Es­tes ca­sos de dis­cór­dia no que to­ca ao pa­ga­men­to pe­lo ser­vi­ço são mui­to frequentes, mas me­nos gra­ves quan­do en­vol­vem mu­lhe­res. “Os ‘ti­os’ gos­tam de ba­ter e, às ve­zes, vão em­bo­ra sem pa­gar se não qui­ser­mos re­ce­ber o pou­co que dão”, la­men­ta.

Can­sa­do, com os lá­bi­os se­cos e o ros­to pá­li­do, sen­ta-se na par­te tra­sei­ra do car­ro de mão e sol­ta um sus­pi­ro. Nes­te mo­men­to de re­la­xe, Nan­do con­ta que os pais vi­vem no Lu­ban­go e tem cin­co ir­mãos mais ve­lhos. De­pois de con­cluir a ter­cei­ra clas­se, veio pa­ra Lu­an­da.

Ape­sar de es­tar fo­ra do sis­te­ma de en­si­no, acre­di­ta que ain­da po­de re­a­li­zar o so­nho de ser po­lí­cia. En­tre­tan­to, de­se­ja con­ti­nu­ar a es­tu­dar e ar­ran­jar uma ocu­pa­ção me­lhor. Po­rém, es­se so­nho é ape­nas is­so mes­mo, uma vez que os cin­co mil kwan­zas que Nan­do ar­re­ca­da em mé­dia por dia são in­su­fi­ci­en­tes pa­ra le­var uma vi­da sus­ten­tá­vel.

No mer­ca­do do 30 exis­tem ou­tros me­no­res co­mo Nan­do, à se­me­lhan­ça do que acon­te­ce em ou­tros gran­des es­pa­ços co­mer­ci­ais aber­tos de Lu­an­da. Au­gus­to, 16 anos, é ou­tro me­nor que en­con­trou ocu­pa­ção co­mo ro­bo­tei­ro. Pro­ve­ni­en­te da Ma­ta­la, pro­vín­cia da Huí­la, vi­ve com co­le­gas de tra­ba­lho nu­ma ha­bi­ta­ção ar­ren­da­da. Ca­da um pa­ga 12 mil kwan­zas por cin­co me­ses de ren­da.

A in­ten­ção de vir pa­ra Lu­an­da é igual à de Nan­do. Mas a con­cre­ti­za­ção des­te ob­jec­ti­vo es­tá ca­da vez mais dis­tan­te. Há me­nos cli­en­tes no mer­ca­do, de­vi­do à cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra que afec­ta o país, e os aces­só­ri­os do car­ro de mão que usa es­tão a en­ca­re­cer.

Com o pe­so das com­pras, os car­ros pre­ci­sam de ma­nu­ten­ção cons­tan­te. A tro­ca de pneus, sol­da­du­ra dos bra­ços e pe­que­nos re­pa­ros são fei­tos, por nor­ma, em ca­da três me­ses. No tem­po chu­vo­so, por cau­sa das que­das, as re­pa­ra­ções são mai­o­res. “Es­tá a che­gar o nos­so so­fri­men­to”, an­te­vê ao re­fe­rir-se à chu­va.

Ape­sar das di­fi­cul­da­des por que pas­sa, Au­gus­to nun­ca dei­xou de so­nhar. Ele acre­di­ta que da­qui a al­guns anos vai ter for­ma­ção, cons­ti­tuir fa­mí­lia e cons­truir uma ca­sa na ter­ra na­tal. “Nun­ca é tar­de pa­ra es­tu­dar”, jus­ti­fi­ca.

CÉ­SAR ES­TE­VES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.