Vi­vei­ro do Qui­lom­bo es­tá a ne­ces­si­tar de in­ves­ti­men­tos

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A re­a­bi­li­ta­ção do vi­vei­ro do Qui­lom­bo, lo­ca­li­za­do nos ar­re­do­res da ci­da­de de Nda­la­tan­do, ca­pi­tal da pro­vín­cia do Cu­an­za Nor­te, po­de au­men­tar a ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção da em­ble­má­ti­ca ro­sa de porcelana, in­for­mou na sex­ta-fei­ra, em Lu­an­da, o che­fe de sec­ção pa­ra a área téc­ni­ca e fis­ca­li­za­ção do Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal (IDF).

Fa­lan­do à An­gop, Rai­mun­do Ndem­be fri­sou que, se hou­ver in­ves­ti­men­to, o vi­vei­ro do Qui­lom­bo po­de re­cu­pe­rar a con­di­ção de mai­or pó­lo de pro­du­ção de ro­sas de porcelana no país.

Ou­tra pro­vín­cia que tam­bém pos­sui cli­ma e so­lo apro­pri­a­dos pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to des­sa cul­tu­ra é o Uí­ge. As du­as pro­vín­ci­as apre­sen­tam to­das as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as, co­mo o cli­ma e o so­lo re­sis­ten­te às va­ri­a­ções cli­má­ti­cas, su­bli­nhou Rai­mun­do Ndem­bo, que re­ve­lou que na zo­na do Ki­ku­xi, na pro­vín­cia de Lu­an­da, já há cri­a­do­res des­ta es­pé­cie, mas ain­da em pe­que­na es­ca­la.

O cen­tro bo­tâ­ni­co do Qui­lom­bo é uma atrac­ção tu­rís­ti­ca, com um mi­cro­cli­ma ex­cep­ci­o­nal.

O lo­cal tem ser­vi­do de pon­to de con­ví­vio de vá­ri­as or­ga­ni­za­ções co­mu­ni­tá­ri­as e ju­ve­nis e é pro­cu­ra­do pe­las pes­so­as que bus­cam des­fru­tar de um am­bi­en­te tran­qui­lo. Mas is­so, en­tre­tan­to, pre­o­cu­pa os am­bi­en­ta­lis­tas, na me­di­da em que tais ex­cur­sões po­dem pôr em ris­co o equi­lí­brio do ecos­sis­te­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.