Vers­tap­pen mo­ti­va Red Bull

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Des­de que Max Vers­tap­pen tro­cou de lu­gar com Da­ni­il Kvyat no GP de Es­pa­nha, a Red Bull tem em mãos uma das du­plas mais en­tu­si­as­man­tes da Fór­mu­la 1. Jo­vens que, por di­rei­to pró­prio, à cus­ta do seu ta­len­to, con­quis­ta­ram o seu lu­gar na mo­da­li­da­de, tan­to Daniel Ric­car­do co­mo Max Vers­tap­pen têm es­to­fo pa­ra se­rem fu­tu­ros cam­peões do mun­do.

Há três anos com a equi­pa, o aus­tra­li­a­no po­de ga­bar-se de ter su­pe­ra­do o en­tão te­tra­cam­peão do mun­do Se­bas­ti­an Vet­tel, com quem di­vi­diu o “pi­tla­ne” em 2014, e ain­da de ter con­quis­ta­do três triun­fos con­tra ze­ro do ale­mão no úni­co ano em que con­vi­ve­ram em Mil­ton Key­nes. Mas a che­ga­da de Max Vers­tap­pen à equi­pa po­de­ria ame­a­çar o seu es­ta­tu­to na Red Bull, pa­ra mais quan­do o ho­lan­dês de 18 anos ven­ceu a pri­mei­ra cor­ri­da após a sua con­tro­ver­sa mu­dan­ça.

Os re­sul­ta­dos des­de aí re­ve­lam, no en­tan­to, uma his­tó­ria bem di­fe­ren­te, mas Ric­ci­ar­do as­su­me que a pre­sen­ça de Max e a pres­são que es­te trou­xe obri­ga­ram-no a dar um no­vo pas­so na sua con­du­ção.

“Pen­so que dei um pas­so em fren­te na mi­nha car­rei­ra, na mi­nha con­du­ção. Sem­pre sen­ti que con­du­zia no li­mi­te, mas pen­so que a che­ga­da do Max po­ten­ci­ou uma mu­dan­ça. Es­ta­va a ter um bom de­sem­pe­nho em com­pa­ra­ção com o Dany Kvyat, dos tes­tes ao GP da Rús­sia. Mas de­pois o Max jun­tou-se a nós, e pen­so que te­mos da­do um ao ou­tro es­sa mo­ti­va­ção ex­tra. Pen­so que o Max tam­bém me­lho­rou ain­da mais a sua con­du­ção, tal co­mo eu, e é bom sa­ber que te­mos mais um bo­ca­di­nho den­tro de nós à es­pe­ra de ser des­ven­da­do”.

O aus­tra­li­a­no re­ve­lou de­pois que ti­nha cu­ri­o­si­da­de em me­dir-se con­tra o ho­lan­dês: “É sem­pre en­tu­si­as­man­te ter um no­vo co­le­ga de equi­pa. Te­nho a cer­te­za que é um no­vo de­sa­fio e tam­bém uma no­va pes­soa da qual po­des pro­cu­rar apren­der al­gu­ma coi­sa e me­lho­rar os as­pec­tos da tua con­du­ção. Es­sa par­te é ex­ci­tan­te. Mas cla­ro que se ele che­gas­se à equi­pa e me des­se “por­ra­da” du­ran­te 10 cor­ri­das con­se­cu­ti­vas a mi­nha car­rei­ra po­dia ir por água abai­xo. Exis­te sem­pre cu­ri­o­si­da­de, não di­ria ner­vos, mas pres­são e cu­ri­o­si­da­de. Mas pa­ra mim é tam­bém ex­ci­tan­te. Sa­bia o quão con­cei­tu­a­do o Max era. Nun­ca ti­nha vis­to os seus da­dos de cor­ri­da e não sa­bia o que ele iria tra­zer pa­ra a equi­pa, mas sa­bia que ele não ti­nha me­do de ten­tar e en­fren­tar­me. E vi lo­go na pri­mei­ra ses­são de trei­nos li­vres em Bar­ce­lo­na que ele es­ta­va no li­mi­te do car­ro. Pen­sei, “is­to vai ser ex­ci­tan­te…”

O pi­lo­to afir­ma que ser ca­paz de se ba­ter com o ho­lan­dês só po­de­rá fa­zer bem à sua car­rei­ra, tal co­mo ocor­reu quan­do te­ve Se­bas­ti­an Vet­tel na equi­pa: “Quan­do ti­nha o Seb co­mo co­le­ga, sa­bia que se con­se­guis­se ex­trair o me­lhor de­le e ba­ter o te­tra­cam­peão do mun­do, is­so fa­ria bem à mi­nha car­rei­ra. E o mes­mo se con­se­guir fa­zer com o Max, que é o no­vo pu­to aqui do sí­tio. Não te­nho me­do. Ape­nas en­tu­si­as­mo”, con­cluiu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.