Li­ber­ta­ção de re­féns é sau­da­da por Lis­boa

Jornal de Angola - - PARTADA - AN­DRÉ DA COS­TA |

Os Go­ver­nos de Por­tu­gal e de Ca­bo Ver­de en­vi­a­ram men­sa­gens de agra­de­ci­men­to ao Exe­cu­ti­vo e à Po­lí­cia Na­ci­o­nal pe­la ope­ra­ção bem su­ce­di­da de li­ber­ta­ção de dois ci­da­dãos que es­ti­ve­ram se­ques­tra­dos em Lu­an­da. A in­for­ma­ção foi trans­mi­ti­da on­tem pe­lo mi­nis­tro do In­te­ri­or, Ân­ge­lo Tavares, de­pois de re­ce­ber do em­bai­xa­dor por­tu­guês, João Caetano da Sil­va, uma car­ta de agra­de­ci­men­to do mi­nis­tro lu­so dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros.

O em­bai­xa­dor de Por­tu­gal em An­go­la, João Caetano da Sil­va, ma­ni­fes­tou on­tem em Lu­an­da o agra­de­ci­men­to do Go­ver­no lu­so pe­lo re­gas­te do ci­da­dão por­tu­guês An­tó­nio Jo­sé de Sou­sa.

An­tó­nio Jo­sé de Sou­sa, de 50 anos, ad­mi­nis­tra­dor da em­pre­sa SIAP, ti­nha si­do rap­ta­do no dia 20 de Se­tem­bro e man­ti­do em ca­ti­vei­ro du­ran­te três di­as, por um gru­po de ci­da­dãos es­tran­gei­ros que exi­gi­am três mi­lhões de dó­la­res pa­ra sua li­ber­ta­ção.

À saí­da de um en­con­tro com o mi­nis­tro do In­te­ri­or, o em­bai­xa­dor lu­so dis­se que foi por­ta­dor de uma car­ta de agra­de­ci­men­to do Go­ver­no por­tu­guês, as­si­na­da pe­lo mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros a agra­de­cer a ac­ção rá­pi­da e efi­caz da Po­lí­cia Na­ci­o­nal no res­ga­te do ci­da­dão An­tó­nio Jo­sé de Sou­sa.

O agra­de­ci­men­to, se­gun­do o di­plo­ma­ta, en­qua­dra-se no es­pí­ri­to de co­o­pe­ra­ção exis­ten­te en­tre os dois Es­ta­dos e em par­ti­cu­lar en­tre as au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas e o Mi­nis­té­rio do in­te­ri­or. João Caetano da Sil­va apro­vei­tou a oca­sião pa­ra apre­sen­tar ao mi­nis­tro do In­te­ri­or os dois no­vos ofi­ci­ais de li­ga­ção do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na de Por­tu­gal em An­go­la, que che­ga­ram há di­as ao país em mis­são de ser­vi­ço. Tra­ta-se do co­ro­nel An­tó­nio Mi­guel Ca­sa­ca Pron­to, ofi­ci­al de li­ga­ção, e Van Kel­len, re­pre­sen­tan­te do Ser­vi­ço de Es­tran­gei­ros e Fron­tei­ras. Con­si­de­rou ex­ce­len­tes o es­pí­ri­to de co­la­bo­ra­ção exis­ten­te en­tre o Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or e as mis­sões di­plo­má­ti­cas por­tu­gue­sas em An­go­la, co­mo a Em­bai­xa­da e o Con­su­la­do por­tu­guês. Dis­se exis­ti­rem, com frequên­cia, vi­si­tas, de fun­ci­o­ná­ri­os e en­ti­da­des do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or de An­go­la a Por­tu­gal e efec­ti­vos do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na a An­go­la.

Há se­gu­ran­ça em An­go­la

Aos por­tu­gue­ses que vi­vem em An­go­la e aos que pre­ten­dem vi­si­tar o país, o em­bai­xa­dor João Caetano da Sil­va su­bli­nhou que a si­tu­a­ção de se­gu­ran­ça pú­bli­ca é nor­mal, pe­lo que acon­se­lha os por­tu­gue­ses a vi­si­ta­rem o país. Es­sa ga­ran­tia foi da­da pe­lo mi­nis­tro an­go­la­no do In­te­ri­or, que des­ta­cou a re­cen­te vi­si­ta do em­bai­xa­dor por­tu­guês a Ca­bin­da, on­de tam­bém pô­de con­fir­mar o cli­ma de se­gu­ran­ça, con­tra­ri­an­do as­sim in­for­ma­ções in­fun­da­das so­bre a exis­tên­cia de su­pos­tas ac­ções mi­li­ta­res na­que­la pro­vín­cia mais a nor­te do país. Ân­ge­lo Tavares re­fe­riu que a si­tu­a­ção de se­gu­ran­ça pú­bli­ca é cal­ma, ad­mi­tin­do que ape­nas na ca­pi­tal do país se tem re­gis­ta­do, pon­tu­al­men­te, “al­guns cri­mes vi­o­len­tos” que têm ti­do al­gu­ma re­per­cus­são qu­an­do en­vol­vem ci­da­dãos es­tran­gei­ros. Lem­brou que tra­ba­lham em An­go­la vá­ri­os ci­da­dãos es­tran­gei­ros que se mo­vi­men­tam à von­ta­de pe­lo país, vi­si­tan­do zo­nas tu­rís­ti­cas. Su­bli­nhou que as for­ças de de­fe­sa e se­gu­ran­ça vão con­ti­nu­ar a pro­por­ci­o­nar se­gu­ran­ça a to­dos os ci­da­dãos re­si­den­tes no país.

O mi­nis­tro do In­te­ri­or re­ce­beu a car­ta do mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros de Por­tu­gal, bem co­mo um te­le­fo­ne­ma do mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na de Ca­bo Ver­de, a agra­de­cer a pron­ta in­ter­ven­ção das au­to­ri­da­de po­li­ci­ais pe­lo res­ga­te do ci­da­dão ca­bo-ver­di­a­no Ak­bar Ba­dat, de 44 anos, res­ga­ta­do nes­ta ope­ra­ção le­va­da a ca­bo pe­lo Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal.

Se­gun­do Ân­ge­lo Tavares, o agra­de­ci­men­to dos mi­nis­tros da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na de Por­tu­gal e de Ca­bo Ver­de re­pre­sen­tam um in­cen­ti­vo ao tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do em prol da se­gu­ran­ça pú­bli­ca. O mi­nis­tro dis­se ser de­ver do Exe­cu­ti­vo, atra­vés do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, dar res­pos­ta à to­das as si­tu­a­ções que co­lo­cam em ris­co a se­gu­ran­ça pú­bli­ca. “Qu­an­do ti­ve­mos o en­con­tro com os dois ci­da­dãos res­ga­ta­dos, An­tó­nio Jo­sé de Sou­sa da Cruz e Ak­bar Ba­dat, eles ga­ran­ti­ram que vão con­ti­nu­am em An­go­la e dar o seu con­tri­bu­to pa­ra o pro­ces­so de re­cons­tru­ção na­ci­o­nal, e con­vi­ver com os an­go­la­nos que con­si­de­ra­ram ser um po­vo aco­lhe­dor e pa­cí­fi­co”, dis­se.

Res­pos­tas à cri­mi­na­li­da­de

Qu­es­ti­o­na­do so­bre se é pos­sí­vel co­lo­car um fim à cri­mi­na­li­da­de vi­o­len­ta em An­go­la, o mi­nis­tro do In­te­ri­or es­cla­re­ceu que, en­quan­to exis­ti­rem pes­so­as que pra­ti­cam o mal, vão con­ti­nu­ar a sur­gir si­tu­a­ções me­nos bo­as e com­pe­te às au­to­ri­da­des po­li­ci­ais ca­pa­ci­tar os qua­dros tec­ni­ca­men­te, pa­ra dar res­pos­ta a es­tas ques­tões. Os rou­bos e fur­tos de vi­a­tu­ras cons­ti­tu­em gran­de pre­o­cu­pa­ção pa­ra o Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, so­bre­tu­do qu­an­do são co­me­ti­dos com al­gu­ma vi­o­lên­cia, prin­ci­pal­men­te qu­an­do os pro­pri­e­tá­ri­os ofe­re­cem re­sis­tên­cia ou mes­mo qu­an­do exis­te pre­ci­pi­ta­ção por par­te dos as­sal­tan­tes.

O mi­nis­tro dis­se que a Po­lí­cia Na­ci­o­nal tem da­do res­pos­ta gra­du­al às si­tu­a­ções do gé­ne­ro e res­sal­tou a re­cen­te de­ten­ção de in­di­ví­du­os por prá­ti­cas do gé­ne­ro.

DO­MIN­GOS CADÊNCIA

Mi­nis­tro do In­te­ri­or re­ce­beu on­tem o em­bai­xa­dor de Por­tu­gal em An­go­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.