Wi­kiLe­aks ca­da­vez mais con­ver­ti­do

Jornal de Angola - - PARTADA - TOM BARFIELD | AFP

O Wi­kiLe­aks po­de ga­bar-se de ter pro­mo­vi­do o fe­nó­me­no das fu­gas e di­vul­ga­ção de do­cu­men­tos na in­ter­net, mas no seu dé­ci­mo ani­ver­sá­rio de exis­tên­cia tam­bém é cri­ti­ca­do por se dei­xar ma­ni­pu­lar e por fal­ta de dis­cer­ni­men­to nas su­as re­ve­la­ções.

Re­fu­gi­a­do há mais de qua­tro anos na em­bai­xa­da do Equa­dor em Lon­dres pa­ra evi­tar a jus­ti­ça su­e­ca, o seu fun­da­dor, Ju­li­an As­san­ge, as­si­na­la ho­je os 10 anos do re­gis­to do no­me do do­mí­nio, wi­kile­aks.org.

As­san­ge, que ne­ga as acu­sa­ções de es­tu­pro apre­sen­ta­das no país nór­di­co, com­pa­re­ce­rá ao bal­cão da em­bai­xa­da e par­ti­ci­pa­rá nu­ma te­le­con­fe­rên­cia de im­pren­sa re­trans­mi­ti­da em Ber­lim, on­de al­guns fãs se reu­ni­rão.

O “Wi­ki” faz re­fe­rên­cia ao ide­al de aber­tu­ra e de au­to­ges­tão pro­cla­ma­do pe­lo si­te Wi­ki­pe­dia, e “le­aks” sig­ni­fi­ca “va­za­men­tos” em in­glês. A ONG pu­bli­cou nu­ma dé­ca­da mais de dez mi­lhões de do­cu­men­tos for­ne­ci­dos por di­ver­sas fon­tes.

“Ca­ble­ga­te”

As su­as fa­ça­nhas aba­la­ram mais de um go­ver­no, co­me­çan­do pe­lo dos Es­ta­dos Uni­dos. Na sua lis­ta de va­za­men­tos es­tá o fun­ci­o­na­men­to da pri­são de Gu­an­tá­na­mo ou de­ta­lhes so­bre as ope­ra­ções mi­li­ta­res ame­ri­ca­nas no Ira­que e no Afe­ga­nis­tão. E, so­bre­tu­do, a publicação em 2010 de de­ze­nas de mi­lha­res de te­le­gra­mas con­fi­den­ci­ais das mis­sões ame­ri­ca­nas no ex­te­ri­or, que de­ri­vou no “ca­ble­ga­te”.

O Wi­kiLe­aks foi um exem­plo nos úl­ti­mos anos, se­gui­do, em par­ti­cu­lar, pe­lo in­for­má­ti­co Edward Snow­den, que re­ve­lou as ac­ti­vi­da­des de vi­gi­lân­cia da Agên­cia de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal ame­ri­ca­na (NSA) pa­ra es­pi­ar in­clu­si­ve as con­ver­sas de lí­de­res de paí­ses ali­a­dos.

Mais re­cen­te­men­te, os es­cân­da­los de “Lu­xem­bur­go Le­aks” ou “Pa­na­ma Le­aks” em ma­té­ria de pa­raí­sos fis­cais ex­plo­di­ram gra­ças ao tra­ba­lho do Con­sór­cio In­ter­na­ci­o­nal de Jor­na­lis­tas In­ves­ti­ga­ti­vos.

E das mãos do Gre­en­pe­a­ce fo­ram di­vul­ga­dos do­cu­men­tos se­cre­tos das ne­go­ci­a­ções co­mer­ci­ais en­tre a União Eu­ro­peia (UE) e os Es­ta­dos Uni­dos. No en­tan­to, to­dos es­tes ca­sos de­mons­tram não ape­nas que o Wi­kiLe­aks já não de­tém o mo­no­pó­lio, mas que al­guns evi­tam in­clu­si­ve re­a­li­zar va­za­men­tos atra­vés des­te si­te.

Além dis­so, al­guns opo­si­to­res de As­san­ge saí­ram do seu pró­prio cír­cu­lo de co­la­bo­ra­do­res.

Du­ras crí­ti­cas

É o ca­so do in­for­má­ti­co ale­mão Da­ni­el Doms­cheit-Berg, por­ta­voz do Wi­kiLe­aks até que em 2010 deu uma gui­na­da acu­san­do o seu men­tor aus­tra­li­a­no de es­tar “ob­ce­ca­do com o po­der”. “Con­tri­buí­mos pa­ra uma mu­dan­ça cul­tu­ral nor­ma­li­zan­do a fun­ção de va­za­dor”, ex­pli­ca Doms­cheit-Berg à AFP. Mas o Wi­kiLe­aks es­tá a pa­gar pe­la sua re­cu­sa em se­lec­ci­o­nar os do­cu­men­tos e pu­bli­cá-los de for­ma bru­ta, acres­cen­ta.

Nem Snow­den, nem os va­za­do­res do “Lu­xem­bur­go Le­aks” pas­sa­ram pe­la or­ga­ni­za­ção de As­san­ge “e acre­di­to que as pes­so­as que con­tac­tam ma­nu­al­men­te o Wi­kiLe­aks o fa­zem por­que o en­ca­ram co­mo uma fer­ra­men­ta que po­de ser ins­tru­men­ta­li­za­da”, acres­cen­ta.

Snow­den, re­fu­gi­a­do na Rús­sia, ex­pres­sou-se de for­ma pa­re­ci­da em Ju­lho pas­sa­do, qu­an­do o Wi­kiLe­aks re­ve­lou mi­lha­res de e-mails de lí­de­res do Par­ti­do De­mo­cra­ta dos Es­ta­dos Uni­dos.

“A re­jei­ção a qual­quer ti­po de se­lec­ção (de do­cu­men­tos) é um er­ro”, jul­gou Snow­den.

As­san­ge foi acu­sa­do de ser­vir os in­te­res­ses rus­sos e de apoi­ar o re­pu­bli­ca­no Do­nald Trump na sua cor­ri­da em di­re­ção à Ca­sa Bran­ca.

“Não va­mos co­me­çar a fa­zer au­to­cen­su­ra sim­ples­men­te por­que há elei­ções nos Es­ta­dos Uni­dos”, dis­se As­san­ge em de­cla­ra­ções pu­bli­ca­das nes­te fim de se­ma­na pe­lo se­ma­ná­rio ale­mão “Der Spi­e­gel”, de­fen­den­do que tam­bém pu­bli­cou do­cu­men­tos crí­ti­cos a Vla­di­mir Pu­tin. “Os ata­ques tor­nam-nos mais for­tes”, ad­ver­tiu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.