PER­DA DE CON­FI­AN­ÇA NA DI­REC­ÇÃO MI­LI­TAR A im­por­tân­cia de Pi­e­ter Botha e a l Con­sequên­ci­as pes­so­ais, na di­rec­ção po­lí­ti­ca e mi­li­tar do apartheid, pro­vo­ca­das p

Jornal de Angola - - ARQUIVO HISTÓRICO - JO­SÉ RI­BEI­RO|

A 23 de Mar­ço de 1988, P.W. Botha per­de a con­fi­an­ça na di­rec­ção mi­li­tar, en­ca­be­ça­da por Mag­nus Ma­lan, mi­nis­tro da De­fe­sa, Gel­de­nhuys, co­man­dan­te das SADF e Li­e­ben­berg, co­man­dan­te do Exér­ci­to, por lhe te­rem men­ti­do so­bre a ver­da­dei­ra si­tu­a­ção das tro­pas sul-afri­ca­nas no Tri­ân­gu­lo do Tum­po.

Na sequên­cia dis­so to­ma as se­guin­tes de­ci­sões; En­car­re­ga o Di­rec­tor da Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal, Dr. Ber­nard, de pe­ne­trar nos me­an­dros da der­ro­ta das SADF e pres­tar-lhe a re­al in­for­ma­ção do te­a­tro das ope­ra­ções;

– Ad­mi­te a der­ro­ta das SADF e con­vo­ca o Con­se­lho de Es­ta­do pa­ra tra­tar da im­ple­men­ta­ção da Re­so­lu­ção 435/78 so­bre a in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia e li­ber­tar Nel­son Man­de­la;

– São le­va­dos ao Tri­bu­nal Mi­li­tar os co­man­dan­tes im­pli­ca­dos no de­sai­re do Tri­ân­gu­lo do Tum­po, ten­do al­guns si­do ex­pul­sos das SADF e ou­tros des­pro­mo­vi­dos;

– Botha é pes­so­al­men­te afec­ta­do pe­la der­ro­ta do seu exér­ci­to no Tri­ân­gu­lo do Tum­po, por­que so­fre um aci­den­te car­di­o­vas­cu­lar em 1989. O seu es­ta­do de saú­de de­te­ri­o­ra-se pe­lo que é in­ti­ma­do a de­mi­tir-se pe­los mem­bros do seu go­ver­no, a 14 de Agos­to de 1989;

– Botha so­freu mais do que nin­guém se se ti­ver em con­ta o se­guin­te:

– Saiu de Pre­tó­ria, vi­si­tou a Fren­te do Lom­ba, em 1987, pa­ra pre­sen­ci­ar a der­ro­ta da 47ª Bri­ga­da das FAPLA;

– Con­de­co­rou Sa­vim­bi no seu quar­tel-ge­ne­ral, na Jam­ba, co­mo mais um dos co­man­dan­tes das SADF, ges­to de que não há me­mó­ria que te­nha si­do fei­to com qual­quer afri­ca­no, que man­ti­ves­se qual­quer ti­po de re­la­ção com o apartheid;

– Em­pol­ga­do, ine­bri­ou-se de tal mo­do que or­de­nou a des­trui­ção da Agru­pa­ção das FAPLA des­do­bra­da a Les­te do Rio Cui­to, ten­do, pa­ra tan­to, man­da­do em­pre­gar as ar­mas mais mo­der­nas ja­mais uti­li­za­das, até en­tão, pe­las SADF em qual­quer te­a­tro ope­ra­ci­o­nal.

Apartheid co­me­ça a des­mo­ro­nar na Áfri­ca do Sul a par­tir de 1989

Mu­dan­ças po­lí­ti­cas, na Áfri­ca do Sul, fo­ram in­tro­du­zi­das pa­ra o re­co­nhe­ci­men­to do ANC e de ou­tras for­ças po­lí­ti­cas con­trá­ri­as ao Apartheid.

Qu­an­do o con­ser­va­dor pre­si­den­te Pi­e­ter Botha so­freu um AVC em Ja­nei­ro de 1989, a se­gre­ga­ção ra­ci­al já es­ta­va a per­der for­ça na Áfri­ca do Sul ha­via dois anos, pe­la pres­são dos 23 mi­lhões de ne­gros do país (70 por cen­to dos ha­bi­tan­tes), pe­los es­for­ços di­plo­má­ti­cos e pe­las san­ções eco­nó­mi­cas e des­por­ti­vas. Em 1987, ha­via si­do abo­li­da a Lei do Pas­se, pe­la qual o mo­ra­dor de áre­as re­ser­va­das a ne­gros só po­de­ria cir­cu­lar em áre­as de bran­cos mos­tran­do uma au­to­ri­za­ção da po­lí­cia.

De­pois do aci­den­te car­di­o­vas­cu­lar, Botha re­ti­rou-se du­ran­te al­guns me­ses, per­mi­tin­do o sur­gi­men­to de no­vas me­di­das fa­vo­rá­veis à mai­o­ria ne­gra. Em Mar­ço en­trou em vi­gor a lei que per­mi­tia a con­vi­vên­cia de pes­so­as de ra­ças di­fe­ren­tes em de­ter­mi­na­das áre­as; uma co­mis­são de ju­ris­tas cri­a­da pe­lo Par­la­men­to su­la­fri­ca­no re­co­men­dou a ex­ten­são do di­rei­to de vo­to aos ne­gros; e Fre­de­rik De Klerk, che­fe do Par­ti­do Na­ci­o­nal (PN), o mes­mo de Botha, de­fen­deu re­for­mas no apartheid e afir­mou que “a ho­ra pa­ra a gran­de in­da­ba che­gou” (in­da­ba sig­ni­fi­ca reu­nião em zu­lu). Os ne­gros im­pu­se­ram uma con­di­ção pa­ra ne­go­ci­ar: a li­ber­ta­ção de Nel­son Man­de­la, lí­der do ile­gal mas ac­tu­an­te Con­gres­so Na­ci­o­nal Afri­ca­no (CNA), con­de­na­do à pri­são per­pé­tua em 1964.

No Con­gres­so do Par­ti­do Na­ci­o­nal em Ju­nho, foi su­ge­ri­do um pla­no quin­que­nal pa­ra as mu­dan­ças po­lí­ti­cas, que pro­me­ti­am “par­ti­ci­pa­ção de­mo­crá­ti­ca” à po­pu­la­ção ne­gra, dei­xan­do ao mes­mo tem­po in­tac­tos os fun­da­men­tos da se­gre­ga­ção. Nu­ma ati­tu­de sur­pre­en­den­te, no dia 5 de Ju­lho, o pre­si­den­te Botha foi con­ver­sar com Man­de­la na pri­são. A opo­si­ção in­si­nu­ou que se tra­ta­va de uma jo­ga­da po­lí­ti­ca. Di­as de­pois o go­ver­no di­vul­gou um co­mu­ni­ca­do do lí­der ne­gro, em que ele en­fa­ti­za­va que só o en­ten­di­men­to en­tre as au­to­ri­da­des e o ANC tra­ria paz ao país.

De Klerk, mais li­be­ral e prag­má­ti­co que Botha, as­su­miu a pre­si­dên­cia em Agos­to de 1989, ga­ran­tin­do que as elei­ções le­gis­la­ti­vas de Se­tem­bro, um mês de­pois, se­ri­am as úl­ti­mas sem a par­ti­ci­pa­ção dos ne­gros. A pres­são não pa­ra­va: no iní­cio do mês, ne­gros e in­di­a­nos, em ma­ni­fes­ta­ções apoi­a­das por mui­tos bran­cos, con­se­gui­ram que os hos­pi­tais do país pas­sas­sem a aten­der pa­ci­en­tes de qual­quer ra­ça. Lí­de­res ne­gros im­por­tan­tes fo­ram li­ber­ta­dos em Ou­tu­bro e De Klerk aca­bou com a se­gre­ga­ção nas prai­as em No­vem­bro. Só em 11 de Fe­ve­rei­ro do ano se­guin­te, po­rém, o go­ver­no sul-afri­ca­no to­ma­ria a me­di­da mais im­por­tan­te e de­fi­ni­ti­va na­que­le mo­men­to: a li­ber­ta­ção de Nel­son Man­de­la.

En­tra­da de De Klerk na ce­na po­lí­ti­ca sul-afri­ca­na

So­ma­da à cri­se eco­nó­mi­ca e à co­or­de­na­ção da so­ci­e­da­de ci­vil, a lu­ta ar­ma­da foi mui­to in­ten­si­fi­ca­da. O ANC au­men­tou os ata­ques vis­to que o go­ver­no afri­cân­der re­pri­miu vi­o­len­ta­men­te os le­van­ta­men­tos po­pu­la­res.

Nes­ta al­tu­ra sur­ge um in­te­res­san­te es­que­ma ana­lí­ti­co que tra­ça o ca­mi­nho pa­ra as ne­go­ci­a­ções en­tre o Par­ti­do Na­ci­o­nal e o ANC. As va­riá­veis in­ter­de­pen­den­tes pa­ra o pro­ces­so de tran­si­ção po­lí­ti­ca ne­go­ci­a­da são: o au­men­to da re­sis­tên­cia ar­ma­da e da mo­bi­li­za­ção ci­vil, a de­te­ri­o­ra­ção do pa­drão de vi­da dos afri­cân­de­res e o blo­queio in­ter­na­ci­o­nal cres­cen­te.

As di­fi­cul­da­des sul-afri­ca­nas agu­di­za­ram-se em 1988, qu­an­do tro­pas do re­gi­me afri­cân­der fo­ram der­ro­ta­das em An­go­la. O acor­do tri­par­ti­do em De­zem­bro de 1988, en­tre An­go­la, Cu­ba e Áfri­ca do Sul abriu o ca­mi­nho pa­ra a in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia e pa­ra a li­ber­ta­ção de Nel­son Man­de­la. Em 1989, com a con­so­li­da­ção da in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia e a elei­ção de Fre­de­rik Wil­lem de Klerk, as con­di­ções pa­ra a re­con­ci­li­a­ção re­gi­o­nal me­lho­ra­ram con­si­de­ra­vel­men­te.

Su­ces­sor de Botha, F. W. De Klerk, ao as­su­mir o po­der em 1989, pri­o­ri­zou a li­ber­ta­ção dos pri­si­o­nei­ros po­lí­ti­cos e a le­ga­li­za­ção dos par­ti­dos. Em Ou­tu­bro de 1989, o go­ver­no da Áfri­ca do Sul de­ci­diu li­ber­tar se­te pro­e­mi­nen­tes pre­sos po­lí­ti­cos, en­tre eles Wal­ter Si­su­lu. F. W. De Klerk le­ga­li­zou o ANC, o PAC e o SACP e su­pri­miu as res­tri­ções pa­ra a UDF e ou­tros gru­pos in­ter­nos. Em 12 de Fe­ve­rei­ro de 1990, Nel­son Man­de­la foi li­ber­ta­do. O es­ta­do de emer­gên­cia foi sus­pen­so; a le­gis­la­ção ba­se do apartheid, co­mo o Group Are­as Act e a Lei do Pas­se, fo­ram abo­li­das; a Na­mí­bia tor­nou-se in­de­pen­den­te; as ne­go­ci­a­ções com o ANC e Man­de­la fo­ram ofi­ci­a­li­za­das.

Ape­sar des­tas sig­ni­fi­ca­ti­vas mu­dan­ças, o des­man­te­la­men­to da má­qui­na se­gre­ga­ci­o­nis­ta foi uma es­tra­té­gia de F. W. de Klerk pa­ra man­ter a eli­te bran­ca no po­der. O go­ver­no de F. W. De Klerk pro­cu­rou um acor­do com o ANC pa­ra atrair no­va­men­te o ca­pi­tal es­tran­gei­ro e per­mi­tir o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co.

Ape­sar dos con­tra­tem­pos, a Áfri­ca do Sul mo­via-se ine­xo­ra­vel­men­te pa­ra um go­ver­no de mai­o­ria. As di­ver­sas trans­for­ma­ções en­tre 1989 e 1993 so­bre­pu­se­ram-se a qual­quer pla­no de per­pe­tu­a­ção da mi­no­ria bran­ca no po­der.

Nel­son Man­de­la tor­nou-se uma das per­so­na­li­da­des mais so­li­ci­ta­das em to­do o mun­do e a le­gi­ti­mi­da­de da sua li­de­ran­ça foi re­co­nhe­ci­da nu­ma ex­cur­são por 34 paí­ses oci­den­tais, pa­ra com­ba­ter a pu­bli­ci­da­de ne­ga­ti­va en­gen­dra­da pe­la vi­o­lên­cia na Áfri­ca do Sul. A dis­tin­ção de Nel­son Man­de­la e F. W. De Klerk com o Pré­mio No­bel da Paz em 1994 con­tri­buiu pa­ra que as elei­ções no mes­mo ano ga­nhas­sem no­to­ri­e­da­de in­ter­na­ci­o­nal. O plei­to trans­cor­reu de for­ma pa­cí­fi­ca, con­tra­ri­an­do os prog­nós­ti­cos. Man­de­la ven­ceu as elei­ções com 62,65 por cen­to dos vo­tos e ini­ci­ou um go­ver­no de uni­fi­ca­ção na­ci­o­nal, que fi­cou mar­ca­do pe­lo per­dão e pe­la re­con­ci­li­a­ção e tam­bém pe­las di­fi­cul­da­des de re­ver­são das in­jus­ti­ças his­tó­ri­cas.

O fim da Era Botha

Em No­vem­bro de 1985, Man­de­la foi ope­ra­do à prós­ta­ta na Ci­da­de do Ca­bo. O fac­to de se en­con­trar no hos­pi­tal foi con­si­de­ra­do co­mo a al­tu­ra ide­al por par­te do Mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Pri­sões e Po­li­cia, Hen­drik Ja­co­bus Co­et­see, pa­ra co­nhe­cer o lí­der his­tó­ri­co do ANC.Nes­te pri­mei­ro en­con­tro, po­de­mos de­pre­en­der pe­lo re­la­to fei­to por Co­et­see que ele fi­cou cla­ra­men­te fas­ci­na­do pe­la fi­gu­ra de Man­de­la:

“Eu es­ta­va fas­ci­na­do com a ideia de que ti­po de ho­mem ele de­via ser pa­ra ter atraí­do tan­ta aten­ção in­ter­na­ci­o­nal e ter re­ce­bi­do to­dos es­ses tí­tu­los ho­no­rá­ri­os e pré­mi­os. Qu­an­do o co­nhe­ci, ime­di­a­ta­men­te en­ten­di a ra­zão”, dis­se na oca­sião.

Após es­te en­con­tro, ou­tros se se­gui­ram com um gru­po de tra­ba­lho go­ver­na­men­tal a ten­tar con­ven­cer Man­de­la a acei­tar uma sé­rie de prin­cí­pi­os co­mo pré-con­di­ções pa­ra o iní­cio das ne­go­ci­a­ções. Man­de­la con­se­guiu tran­qui­li­zar a li­de­ran­ça doANC, mes­mo no exí­lio, de mo­do a que não hou­ves­sem ma­len­ten­di­dos e se pen­sas­se que ele es­ta­va a ne­go­ci­ar al­gum ti­po de acor­do com o go­ver­no. A pre­o­cu­pa­ção ime­di­a­ta de Man­de­la era a de evi­tar que es­te en­con­tro fos­se vis­to co­mo uma ten­ta­ti­va de que­brar a

UNPHOTO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.