A li­ber­ta­ção de Nel­son Man­de­la s pe­la der­ro­ta das Sadf no Tri­ân­gu­lo do Tum­po – 23 de Mar­ço de 1988

Jornal de Angola - - ARQUIVO HISTÓRICO -

uni­da­de en­tre a ala in­ter­na e a ex­ter­na do ANC.

A ala ex­te­ri­or do ANC, ul­tra­pas­sa­da a des­con­fi­an­ça ini­ci­al, apoi­ou os es­for­ços de Man­de­la des­ti­na­dos a abrir um ca­nal de co­mu­ni­ca­ção com o go­ver­no sul-afri­ca­no, atra­vés do Mi­nis­tro Co­et­see. O pri­mei­ro elo de li­ga­ção es­ta­va cri­a­do.

P. W. Botha au­to­ri­zou Co­et­see a con­ti­nu­ar os con­tac­tos com Man­de­la, em­bo­ra não fos­se mui­to cla­ro quais eram as su­as re­ais in­ten­ções. No fun­do, Botha que­ria e sa­bia que ti­nha que li­ber­tar Man­de­la, só não sa­bia co­mo fa­zê-lo, pois te­mia que tal de­ci­são fos­se in­ter­pre­ta­da co­mo um si­nal de fra­que­za da sua par­te. Es­tes en­con­tros aca­ba­ram por se trans­for­mar num be­co sem saí­da uma vez que o pro­ces­so ne­go­ci­al pro­pri­a­men­te di­to es­ta­va lon­ge de se ini­ci­ar.

Se­gun­do Man­de­la, a si­tu­a­ção foi des­blo­que­a­da de­vi­do à Com­monwe­alth e ao en­vio, em 1986, do Emi­nem Per­sons Group (EPG), uma mis­são de mem­bros da Com­monwe­alth que se des­lo­cou à Áfri­ca do Sul com o in­tui­to de aju­dar a des­blo­que­ar a si­tu­a­ção. O EPG fez uma aná­li­se da si­tu­a­ção do país e propôs uma sé­rie de pas­sos a se­rem da­dos com vis­ta a pro­mo­ver ne­go­ci­a­ções sé­ri­as en­tre as par­tes. As pro­pos­tas do EPG pro­vo­ca­ram uma di­vi­são en­tre os apoi­an­tes do re­gi­me. Pa­ra uns, es­tas pro­pos­tas eram o veí­cu­lo ide­al pa­ra mo­de­rar exi­gên­ci­as e ini­ci­ar um pro­ces­so ne­go­ci­al; pa­ra ou­tros, não se de­via ne­go­ci­ar até que não hou­ves­se um do­mí­nio to­tal so­bre os mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção.

O fim abrup­to da Mis­são do EPG, de­vi­do aos ata­ques sul-afri­ca­nos à Zâm­bia, Zim­babwe e Botswa­na, le­van­ta­ram um co­ro de pro­tes­tos in­ter­na­ci­o­nais: uma vez mais dei­xou o go­ver­no sul-afri­ca­no nu­ma po­si­ção mui­to di­fí­cil. O im­por­tan­te nes­ta mis­são da Com­monwe­alth foi a re­ve­la­ção do de­se­jo da po­pu­la­ção sul-afri­ca­na dum pro­ces­so ne­go­ci­al. Es­ta per­cep­ção, le­vou Man­de­la a to­mar a ini­ci­a­ti­va e a pe­dir um en­con­tro com P.W. Botha. O pe­río­do que an­te­ce­deu es­te en­con­tro foi mar­ca­do por um re­la­xa­men­to das con­di­ções de pri­são de Man­de­la. Em De­zem­bro de 1988, Man­de­la foi trans­fe­ri­do pa­ra a pri­são Vi­e­tor Vers­ter per­to da ci­da­de de Pa­arl, na pro­vín­cia do Ca­bo. Nes­tas no­vas ins­ta­la­ções, Man­de­la ti­nha uma ca­sa, on­de po­dia re­ce­ber vi­si­tas e go­za­va de mai­or li­ber­da­de.

O tão es­pe­ra­do en­con­tro com Botha foi adi­a­do de­vi­do a um aci­den­te car­di­o­vas­cu­lar que es­te so­freu em Ja­nei­ro de 1989. Após a sua re­cu­pe­ra­ção, Botha mos­trou-se dis­pos­to a en­con­trar-se com Man­de­la. O en­con­tro te­ve lu­gar a 5 de Ju­lho de 1989. Nes­ta al­tu­ra, já a Áfri­ca do Sul ti­nha uma li­de­ran­ça bi­cé­fa­la, Botha co­mo Pre­si­den­te do país, mas, de­vi­do ao seu dé­bil es­ta­do de saú­de, a li­de­ran­ça do NP ti­nha fi­ca­do nas mãos do seu Mi­nis­tro da Edu­ca­ção Fre­de­rik Wil­lem De Klerk. Os can­di­da­tos à li­de­ran­ça do par­ti­do ti­nham si­do qua­tro: Ro­e­lof “Pik” Botha, mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros; Ba­rend Du Ples­sis, mi­nis­tro das Fi­nan­ças; Ch­ris Heu­nis, mi­nis­tro dos As­sun­tos Cons­ti­tu­ci­o­nais e Fre­de­rik De Klerk. Os três pri­mei­ros eram con­si­de­ra­dos re­for­mis­tas e o úl­ti­mo con­ser­va­dor. De Klerk aca­bou por ga­nhar a elei­ção, com uma van­ta­gem de oi­to vo­tos so­bre Du Ples­sis.

Com vis­ta a pre­pa­rar es­te en­con­tro, Man­de­la apre­sen­tou pre­vi­a­men­te um do­cu­men­to a P.W. Botha. No do­cu­men­to apre­sen­ta­do, Man­de­la enu­me­rou os prin­ci­pais obs­tá­cu­los às ne­go­ci­a­ções, as quais ti­nham a ver com as exi­gên­ci­as apre­sen­ta­das pe­lo go­ver­no co­mo con­di­ções si­ne qua non pa­ra o iní­cio de um pro­ces­so ne­go­ci­al. As con­di­ções do go­ver­no ti­nham a ver com a ne­ces­si­da­de do ANC re­nun­ci­ar à vi­o­lên­cia; a rup­tu­ra com o SACP e o aban­do­no da exi­gên­cia da re­gra da mai­o­ria, to­das elas ina­cei­tá­veis por par­te do mo­vi­men­to de Man­de­la.

O en­con­tro ser­viu ba­si­ca­men­te pa­ra que os dois ho­mens se co­nhe­ces­sem, mas ne­nhum pas­so na di­rec­ção a even­tu­ais ne­go­ci­a­ções foi da­do. A di­vul­ga­ção des­te en­con­tro pre­o­cu­pou os lí­de­res da UDF e a ala mais ra­di­cal do ANC; am­bos te­mi­am que Man­de­la es­ti­ves­se a ser ma­ni­pu­la­do pe­lo go­ver­no. Es­ta pre­o­cu­pa­ção era par­ti­cu­lar­men­te evi­den­te em al­guns sec­to­res do ANC que, ao con­trá­rio de Man­de­la que de­fen­dia uma so­lu­ção ne­go­ci­a­da, de­fen­di­am o der­ru­be mi­li­tar do re­gi­me do apartheid.

De­vi­do à sua in­tran­si­gên­cia, era no­tó­rio que qual­quer pro­ces­so ne­go­ci­al sé­rio só se­ria pos­sí­vel após o afas­ta­men­to de P.W. Botha. Em Agos­to de 1989, a li­de­ran­ça do NP pres­si­o­nou Botha a de­mi­tir-se. De Klerk con­fron­tou Botha com a ne­ces­si­da­de de es­te se afas­tar. O ar­gu­men­to ofi­ci­al pa­ra o afas­ta­men­to foi a saú­de do Pre­si­den­te, po­rém, na prá­ti­ca, Botha era vis­to co­mo um obs­tá­cu­lo quer à re­for­ma do re­gi­me, quer ao de­se­jo de man­ter a su­pre­ma­cia bran­ca. Du­ran­te me­ses, P.W. Botha mos­trou-se con­trá­rio às re­for­mas pro­pos­tas por De Klerk en­quan­to lí­der do NP. Fa­ce a es­te im­pas­se, De Klerk ob­te­ve o apoio es­ma­ga­dor do par­ti­do, as­sim co­mo dos ou­tros mem­bros do go­ver­no, no sen­ti­do de pres­si­o­nar Botha a re­sig­nar. O cho­que fi­nal deu-se em Agos­to de 1989, qu­an­do to­dos os mem­bros do go­ver­no se des­lo­ca­ram à re­si­dên­cia ofi­ci­al de Botha pa­ra lhe pe­dir que se afas­tas­se. A 14 de Agos­to, P.W. Botha anun­ci­ou ao país atra­vés da te­le­vi­são a sua re­sig­na­ção.

De Klerk, en­quan­to lí­der do NP, con­cor­reu ao car­go de Pre­si­den­te nas elei­ções de 6 de Se­tem­bro de 1989. Du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral, o pro­gra­ma apre­sen­ta­do pe­lo NP já era ex­plí­ci­to em re­la­ção aos ob­jec­ti­vos de De Klerk. En­tre as prin­ci­pais me­di­das, fi­gu­ra­vam o fim da dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al; a cri­a­ção de um no­vo qua­dro cons­ti­tu­ci­o­nal e a cri­a­ção de pon­tos de con­tac­to en­tre os vá­ri­os gru­pos ra­ci­ais. Ape­sar da vi­tó­ria elei­to­ral, o NP viu os ex­tre­mis­tas bran­cos a tor­na­rem-se a prin­ci­pal for­ça da opo­si­ção par­la­men­tar.

Ao as­su­mir a Pre­si­dên­cia, De Klerk te­ve que re­pen­sar o pro­ces­so de apro­xi­ma­ção ao ANC. Vin­do do sec­tor con­ser­va­dor do NP, o no­vo Pre­si­den­te te­ve que li­dar com uma re­a­li­da­de que até há pou­co des­co­nhe­cia. Na ver­da­de, até fi­nais de 1988, De Klerk des­co­nhe­cia a exis­tên­cia de con­tac­tos en­tre o go­ver­no e o ANC. Tal si­tu­a­ção de­veu-se ao fac­to das ne­go­ci­a­ções es­ta­rem a ser con­du­zi­das fo­ra do âm­bi­to go­ver­na­men­tal, o que im­pli­ca­va que ape­nas o cír­cu­lo mais pró­xi­mo de Botha es­ta­va a par das mes­mas e De Klerk não era um de­les.

Só qu­an­do as­su­miu a li­de­ran­ça do NP no Trans­va­al, o que fa­zia de­le a se­gun­da fi­gu­ra den­tro do par­ti­do, é que pas­sou a es­tar ao cor­ren­te da exis­tên­cia dos con­tac­tos com o ANC. Con­tra­ri­an­do a ima­gem de con­ser­va­dor, De Klerk afir­mou que ca­da vez ti­nha mais dú­vi­das so­bre os ide­ais do apartheid:

“Sen­ti pe­so de cons­ci­ên­cia mui­tas ve­zes; e is­to tor­nou-se ca­da vez mais di­fí­cil pa­ra mim, en­quan­to por­ta-voz le­al nu­ma po­si­ção de li­de­ran­ça, de­fen­der uma po­lí­ti­ca que eu acre­di­ta­va, ca­da vez mais, que ti­nha de ser aban­do­na­da” afir­mou.

Es­ta po­si­ção de De Kerk não dei­xa no en­tan­to de ser sur­pre­en­den­te uma vez que pou­cos anos an­tes em 1985, ele pró­prio se opôs às re­for­mas de Botha que vi­sa­ram eli­mi­nar al­guns dos pon­tos mais ra­di­cais do apartheid, co­mo por exem­plo a abo­li­ção do Im­mo­ra­lity Act, que cri­mi­na­li­za­va as re­la­ções se­xu­ais in­te­rét­ni­cas.

De Klerk jus­ti­fi­cou o seu apoio ao apartheid afir­man­do que o mes­mo era An Ho­nou­ra­ble Vi­si­o­nof Jus­ti­ce, o qual iria per­mi­tir o de­sen­vol­vi­men­to se­pa­ra­do pa­ra os vá­ri­os gru­pos ét­ni­cos da Áfri­ca do Sul. Ape­nas qu­an­do se pro­vou que era im­pra­ti­cá­vel é que se tor­nou in­jus­to. Mas tar­de, De Klerk re­co­nhe­ceu pu­bli­ca­men­te o fra­cas­so do apartheid, em­bo­ra não pe­dis­se des­cul­pa pe­lo mes­mo:

“O que co­me­çou com o ide­a­lis­mo da bus­ca da jus­ti­ça trans­for­mou-se no pon­to de par­ti­da de uma po­lí­ti­ca de de­sen­vol­vi­men­to se­pa­ra­do pa­ra al­can­çar a jus­ti­ça pa­ra to­dos os sul-afri­ca­nos e, por­tan­to, te­ve de ser aban­do­na­da e subs­ti­tuí­da pe­la úni­ca po­lí­ti­ca viá­vel ca­paz de fun­ci­o­nar nes­te país”, re­fe­riu.

Mas, ape­sar do seu con­ser­va­do­ris­mo, foi De Klerk que ini­ci­ou o pro­ces­so de tran­si­ção, o que nos le­va a ten­tar iden­ti­fi­car as ra­zões pa­ra uma tal ati­tu­de. Im­buí­do no seu es­pí­ri­to re­li­gi­o­so, De Klerk acei­tou o car­go de Pre­si­den­te co­mo um cha­ma­men­to de Deus. De Klerk era mem­bro da Ge­re­for­me­er­de Ker­kin Sui­dli­ke Afri­ka, ra­mo mais pe­que­no e mais cal­vi­nis­ta da Igre­ja Re­for­ma­da Ho­lan­de­sa. Pa­ra além des­te ra­mo, exis­ti­am mais dois, o Ne­der­duit­se Ge­re­for­me­er­de Kerk e o Ne­der­duits­ch Her­vor­me­de Kerk. Es­tes três ra­mos da Igre­ja Re­for­ma­da Ho­lan­de­sa dis­cor­da­vam te­o­lo­gi­ca­men­te em al­guns pon­tos, po­rém, es­ta­vam uni­das no apoio ao apartheid, pa­ra o qual en­con­tra­ram jus­ti­fi­ca­ção na Bí­blia. Na sua li­nha de in­ter­pre­ta­ção da ide­o­lo­gia cal­vi­nis­ta, os Dop­pers, os mem­bros da Igre­ja a que De Klerk per­ten­cia, acre­di­tam que re­ce­be­ram uma cha­ma­da, a ro­e­ping, de Deus pa­ra de­sem­pe­nha­rem de­ter­mi­na­da ta­re­fa num mo­men­to es­pe­cí­fi­co. De Klerk afir­mou ter sen­ti­do es­sa cha­ma­da e que a sua mis­são se­ria a trans­for­ma­ção do país:

“Eu acre­di­to em Deus e acre­di­ta­va que, na­que­la al­tu­ra, es­ta­va a ser cha­ma­do pa­ra exe­cu­tar uma ta­re­fa es­pe­cí­fi­ca nes­ta no­va si­tu­a­ção”.

Os pri­mei­ros si­nais de mu­dan­ça sur­gi­ram lo­go após a vi­tó­ria elei­to­ral do NP e de De Klerk nas elei­ções de Se­tem­bro de 1989. Ma­ni­fes­ta­ções da UDF fo­ram au­to­ri­za­das e vá­ri­os opo­si­to­res po­lí­ti­cos, en­tre eles Wal­ter Si­su­lu, fo­ram li­ber­ta­dos. Es­ta mu­dan­ça sur­giu num mo­men­to que a pró­pria Igre­ja Re­for­ma­da Ho­lan­de­sa tam­bém se dis­tan­ci­ou do apartheid. Con­ven­ci­do da ne­ces­si­da­de de avan­çar com as ne­go­ci­a­ções, De Klerk pre­ci­sa­va de con­ven­cer os seus co­le­gas de go­ver­no e de par­ti­do. Com es­se pro­pó­si­to em men­te, jun­tou em De­zem­bro de 1989 o seu go­ver­no na re­ser­va de ca­ça de D’Nya­la ao pé da pe­que­na ci­da­de de El­li­ras­no Trans­va­al. Nes­te en­con­tro, a mai­o­ria dos mem­bros do go­ver­no con­cor­dou com a li­ber­ta­ção dos pre­sos po­lí­ti­cos. A le­ga­li­za­ção dos mo­vi­men­tos an­ti-apartheid, no­me­a­da­men­te do SACP, en­fren­tou inú­me­ras re­sis­tên­ci­as, par­ti­cu­lar­men­te vin­das do apa­re­lho mi­li­tar. Pa­ra os mi­li­ta­res, li­de­ra­dos pe­lo mi­nis­tro da De­fe­sa, o ge­ne­ral Mag­nus Ma­lan, até era acei­tá­vel a le­ga­li­za­ção do ANC, mas nun­ca a do SACP. Po­rém, am­bas as or­ga­ni­za­ções es­ta­vam de­ma­si­a­da­men­te li­ga­das pa­ra que se pu­des­se fa­zer uma tal dis­tin­ção. A es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos mem­bros do SACP, no­me­a­da­men­te os seus lí­de­res eram, si­mul­ta­ne­a­men­te, mem­bros do ANC, tor­nan­do-se im­pos­sí­vel le­ga­li­zar ape­nas o ANC.

Na sequên­cia des­tas de­ci­sões, De Klerk en­con­trou-se, pe­la pri­mei­ra vez, com Man­de­la. Tal co­mo já ti­nha acon­te­ci­do an­tes do seu en­con­tro com Botha, Man­de­la pre­pa­rou e apre­sen­tou um do­cu­men­to a De Klerk. Nes­te do­cu­men­to, Man­de­la agra­de­ceu os ges­tos de boa von­ta­de efec­tu­a­dos por De Klerk, no­me­a­da­men­te a li­ber­ta­ção por ra­zões hu­ma­ni­tá­ri­as de vá­ri­os pre­sos po­lí­ti­cos. Pa­ra Man­de­la es­tes ges­tos eram en­ten­di­dos co­mo si­nais da dis­po­ni­bi­li­da­de do re­gi­me pa­ra cri­ar um cli­ma de apro­xi­ma­ção. No sen­ti­do de apro­xi­mar as par­tes, Man­de­la su­ge­riu um pro­ces­so ne­go­ci­al em du­as fa­ses. Uma pri­mei­ra ser­vi­ria pa­ra o go­ver­no e o ANC cri­a­rem as pré­con­di­ções pa­ra as ne­go­ci­a­ções, pa­ra que, nu­ma se­gun­da fa­se, se ini­ci­as­sem as ne­go­ci­a­ções.

Pa­ra o ANC qual­quer pro­ces­so ne­go­ci­al sé­rio com o go­ver­no ti­nha de ser fei­to no cum­pri­men­to do es­ti­pu­la­do na De­cla­ra­ção da OUA de Ha­ra­re de Agos­to de 1989. An­tes do iní­cio de qual­quer pro­ces­so ne­go­ci­al, a OUA de­fen­dia que o go­ver­no sul-afri­ca­no de­ve­ria sa­tis­fa­zer as se­guin­tes exi­gên­ci­as:

Li­ber­ta­ção in­con­di­ci­o­nal de to­dos os pri­si­o­nei­ros po­lí­ti­cos;

Le­van­ta­men­to de to­das as res­tri­ções a mo­vi­men­tos e pes­so­as; Re­ti­ra­da das tro­pas das townships; Fim do Es­ta­do de Emer­gên­cia e to­da a le­gis­la­ção des­ti­na­da a con­di­ci­o­nar a vi­da po­lí­ti­ca;

Fim das exe­cu­ções po­lí­ti­cas. Os me­ses de De­zem­bro e Ja­nei­ro de 1990 fo­ram de­ci­si­vos pa­ra a con­so­li­da­ção da evo­lu­ção do pen­sa­men­to do Pre­si­den­te sul-afri­ca­no.

1. 2. 3. 4. 5.

REUTERS

UNPHOTO

UNPHOTO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.