CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - MAR­GA­RI­DA SI­MÃO | APOLINÁRIO LOU­REN­ÇO| EVA AFON­SO | MÁ­RIO LU­CAS |

Os qua­dros afri­ca­nos

Te­nho co­nhe­ci­men­to de que mui­tos em­pre­sá­ri­os afri­ca­nos que es­ta­vam na diás­po­ra têm re­gres­sa­do ao nos­so con­ti­nen­te pa­ra fa­zer ne­gó­ci­os. Pen­so que es­te re­gres­so vai aju­dar a Áfri­ca a de­sen­vol­ver-se em vá­ri­os do­mí­ni­os da pro­du­ção de bens e ser­vi­ços. Mui­tos des­tes em­pre­sá­ri­os es­tu­da­ram e tra­ba­lha­ram em paí­ses em que há gran­de com­pe­ti­ti­vi­da­de e ga­nha­ram mui­ta ex­pe­ri­ên­cia. Eles que­rem co­lo­car os seus co­nhe­ci­men­tos ad­qui­ri­dos em paí­ses dou­tros con­ti­nen­tes ao ser­vi­ço de Áfri­ca.

Mui­tos em­pre­sá­ri­os afri­ca­nos que vi­ve­ram mui­to tem­po fo­ra de Áfri­ca já per­ce­be­ram que o nos­so con­ti­nen­te ofe­re­ce mui­tas opor­tu­ni­da­des. É po­si­ti­vo que os fi­lhos de Áfri­ca es­te­jam a re­gres­sar ao con­ti­nen­te pa­ra re­a­li­zar va­ri­a­dos ne­gó­ci­os. Mui­tos paí­ses afri­ca­nos fi­ca­rão a ga­nhar com os in­ves­ti­men­tos que os em­pre­sá­ri­os afri­ca­nos que es­ta­vam na diás­po­ra re­a­li­zam no con­ti­nen­te. Eles tra­zem ao con­ti­nen­te a ex­pe­ri­ên­cia e o co­nhe­ci­men­to que mui­tos dos nos­sos paí­ses pre­ci­sam pa­ra o seu cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to. Gos­ta­va que os go­ver­nos de paí­ses afri­ca­nos in­cen­ti­vas­sem o re­gres­so ao con­ti­nen­te de qua­dros al­ta­men­te qua­li­fi­ca­dos pa­ra aju­da­rem na lu­ta con­tra a po­bre­za e o de­sem­pre­go.

É im­por­tan­te que os nos­sos me­lho­res qua­dros que vi­vem na diás­po­ra se­jam in­cen­ti­va­dos a tra­ba­lhar nos seus paí­ses de ori­gem. As su­as al­tas qua­li­fi­ca­ções de­vem ser­vir os paí­ses do con­ti­nen­te. E fe­liz­men­te há inú­me­ros qua­dros afri­ca­nos na diás­po­ra com ele­va­das com­pe­tên­ci­as. Li há tem­pos um ar­ti­go que di­zia que a Áfri­ca gas­ta­va mui­tos mi­lhões de dó­la­res com qua­dros ex­pa­tri­a­dos. Se ca­lhar era pos­sí­vel di­mi­nuir os gas­tos com a con­tra­ta­ção de ex­pa­tri­a­dos, re­cor­ren­do-se a qua­dros afri­ca­nos que em mui­tos ca­sos têm as mes­mas qua­li­fi­ca­ções, ou até mais, que os ex­pa­tri­a­dos que con­tra­ta­mos. É pre­ci­so sa­ber on­de se en­con­tram es­tes afri­ca­nos com al­tas qua­li­fi­ca­ções que, em mui­tos ca­sos, pres­tam ser­vi­ços a pres­ti­gi­a­das em­pre­sas ou a ins­ti­tui­ções in­ter­na­ci­o­nais de di­ver­sa na­tu­re­za.

Du­pla efec­ti­vi­da­de

To­mei co­nhe­ci­men­to de que o Es­ta­do quer aca­bar com a du­pla ou mes­mo tri­pla efec­ti­vi­da­de de ci­da­dãos em ins­ti­tui­ções pú­bli­cas. Se é in­ten­ção di­mi­nuir a des­pe­sa com pes­so­as que tra­ba­lham em du­as ou mais ins­ti­tui­ções pú­bli­cas, era bom que se acau­te­las­se aque­las si­tu­a­ções de va­zio que vai re­sul­tar des­te pro­ces­so de des­pe­di­men­to de tra­ba­lha­do­res com mais de uma efec­ti­vi­da­de no Es­ta­do. Não te­nho o do­mí­nio des­te pro­ces­so, mas era bom que cer­tos ca­sos fos­sem bem ana­li­sa­dos pa­ra se dar o de­vi­do tra­ta­men­to, no in­te­res­se da co­mu­ni­da­de, so­bre­tu­do no que se re­fe­re a sec­to­res co­mo a edu­ca­ção e o en­si­no.

A me­ren­da es­co­lar

Gos­ta­va que o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do de 2017 con­tem­plas­se ver­bas pa­ra a dis­tri­bui­ção de me­ren­da es­co­lar em to­das as es­co­las pri­má­ri­as do país. En­quan­to hou­ver ain­da mui­tas fa­mí­li­as com bai­xos ren­di­men­tos, era bom que o Es­ta­do as­su­mis­se a res­pon­sa­bi­li­da­de de ga­ran­tir me­ren­da es­co­lar às cri­an­ças do en­si­no pri­má­rio. Se as cri­an­ças do en­si­no pri­má­rio pu­de­rem ter pe­lo me­nos um lan­che por dia, is­so po­de­ria di­mi­nuir o ín­di­ce de de­sis­tên­cia da es­co­la e con­tri­bui­ria par­ta um me­lhor de­sem­pe­nho dos alu­nos.

No pas­sa­do já se fez dis­tri­bui­ção de me­ren­da es­co­lar, mas por ra­zões que des­co­nhe­ço, o pro­ces­so não te­ve con­ti­nui­da­de. Que o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção crie os me­ca­nis­mos ade­qua­dos pa­ra ter­mos no país uma dis­tri­bui­ção efi­ci­en­te de me­ren­da pe­los alu­nos das es­co­las pri­má­ri­as pú­bli­cas. Te­mos mui­tos alu­nos que per­ten­cem a fa­mí­li­as po­bres que não têm di­nhei­ro su­fi­ci­en­te pa­ra dar, por exem­plo, lo­go pe­la ma­nhã, uma re­fei­ção aos seus edu­can­dos que vão pa­ra a es­co­la.

Fim do ano lec­ti­vo

Gos­ta­va de acon­se­lhar nes­te es­pa­ço os pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção que se des­lo­cas­sem às es­co­las (do en­si­no de ba­se) dos seus fi­lhos ou edu­can­dos pa­ra sa­be­rem do seu de­sem­pe­nho es­co­lar, nes­te úl­ti­mo tri­mes­tre do ano lec­ti­vo. Que os pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção con­ver­sem com os pro­fes­so­res dos seus fi­lhos, a fim de sa­be­rem da sua si­tu­a­ção es­co­lar, em vá­ri­as ver­ten­tes. O ide­al era que o acom­pa­nha­men­to por par­te dos pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção fos­se fei­to du­ran­te to­do o ano lec­ti­vo.

AR­MAN­DO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.