O aler­ta da épo­ca chu­vo­sa

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Diz-se que a chu­va é obra da na­tu­re­za e con­tra ou pe­ran­te ela o ho­mem de­ve ape­nas adap­tar-se, pro­cu­ran­do sem­pre ma­xi­mi­zar as van­ta­gens de­cor­ren­tes do fe­nó­me­no.

Não se po­de ne­gar que, das zo­nas ur­ba­nas às ru­rais, so­bre­tu­do nes­tas úl­ti­mas, as chu­vas pro­por­ci­o­nam nu­me­ro­sas van­ta­gens pa­ra as fa­mí­li­as, pa­ra as plan­tas, pa­ra os ani­mais e pa­ra a pró­pria ter­ra.

De­sem­pe­nham um pa­pel sem igual, sen­do a vin­da da épo­ca das chu­vas mo­ti­vo de ce­le­bra­ção em mui­tas co­mu­ni­da­des ru­rais. Tra­ta-se de uma es­ta­ção que ocor­re anu­al­men­te e, mais do que as fre­quen­tes re­cla­ma­ções, to­dos nos de­ve­mos pre­pa­rar pa­ra mi­ni­mi­zar­mos os seus efei­tos. Pe­lo me­nos o tem­po de an­te­ce­dên­cia per­mi­te que se fa­ça is­so e o fac­to de não cho­ver ne­ces­sa­ri­a­men­te em to­da a épo­ca das chu­vas, mui­to me­nos com igual in­ten­si­da­de, cons­ti­tui uma ou­tra van­ta­gem.

Em­bo­ra a épo­ca das chu­vas te­nha, ofi­ci­al­men­te, co­me­ça­do a 15 de Agos­to, de uma ma­nei­ra ge­ral não se ve­ri­fi­cam um pou­co por to­do o país o re­gis­to de chu­vas de gran­de in­ten­si­da­de. Fei­tas as con­tas, es­ta­mos há cer­ca de seis me­ses sem pre­ci­pi­ta­ções nor­mais, mui­to me­nos aci­ma das pre­vi­sões, fac­to que com­pro­va que hou­ve tem­po ra­zoá­vel pa­ra uma even­tu­al pre­pa­ra­ção con­tra os efei­tos da­no­sos do fe­nó­me­no.

É ver­da­de que mui­tas ins­ti­tui­ções, pú­bli­cas e pri­va­das, e pes­so­as sin­gu­la­res cri­a­ram já os seus pla­nos de con­tin­gên­ci­as pa­ra li­dar com a vin­dou­ra épo­ca de chu­vas cu­jos pi­cos su­ce­dem, re­gra ge­ral nos me­ses de No­vem­bro, Mar­ço e Abril. Mas nun­ca é de­mais re­for­çar a ne­ces­si­da­de vi­tal de re­a­va­li­a­ção dos pla­nos de con­tin­gên­ci­as por par­te das ins­ti­tui­ções tais co­mo Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Pro­tec­ção e Ci­vil e Bom­bei­ros (SNPCB), Mi­nis­té­rio da Saú­de, ape­nas pa­ra men­ci­o­nar es­tas. A si­tu­a­ção plu­vi­o­mé­tri­ca em to­do o país, em épo­cas va­ri­a­da ou di­ver­sa, não é a mes­ma, ra­zão pe­la qual tais ins­ti­tui­ções de­vem pres­tar mai­or aten­ção ali on­de as pre­vi­sões apon­tam pa­ra si­tu­a­ções aci­ma do nor­mal.

Acre­di­ta­mos que as di­rec­ções pro­vin­ci­ais do SNPCB es­tão de man­gas ar­re­ga­ça­das pa­ra en­fren­tar os de­sa­fi­os da épo­ca das chu­vas, re­o­ri­en­tar as po­pu­la­ções no sen­ti­do da ob­ser­vân­cia de re­gras pa­ra a ocu­pa­ção dos so­los, en­tre ou­tras ac­ções no qua­dro das su­as atri­bui­ções. Da par­te das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, não fal­ta o em­pe­nho e acom­pa­nha­men­to pa­ra que o fe­nó­me­no das chu­vas te­nha os seus efei­tos mi­ti­ga­dos nas lo­ca­li­da­des em que os es­tra­gos ten­dem a ser mai­o­res.

Aten­den­do ao po­ten­ci­al pa­ra a dis­se­mi­na­ção das cha­ma­das do­en­ças sa­zo­nais, por con­sequên­cia das chu­vas, va­mos a tem­po de mo­bi­li­zar sec­to­res da so­ci­e­da­des co­mo as ope­ra­do­ras de lim­pe­za, as co­mis­sões de bair­ro no sen­ti­do de mu­dan­ça na re­co­lha e ar­ru­ma­ção do li­xo. O Mi­nis­té­rio da Saú­de vê as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des acres­ci­das nes­ta fa­se, nu­ma al­tu­ra em que pre­ci­sa­mos de ace­le­rar a cam­pa­nha de va­ci­na­ção con­tra a fe­bre ama­re­la em to­do o país e to­mar me­di­das apro­pri­a­das pa­ra pre­ve­nir e com­ba­ter as do­en­ças ca­rac­te­rís­ti­cas da fa­se das chu­vas.

O Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­te­o­ro­lo­gia e Ge­o­fí­si­ca (INAMET) tu­do faz pa­ra que o país te­nha mei­os pa­ra an­te­ci­pa­da­men­te fa­mi­li­a­ri­zar-se com as pre­vi­sões me­te­o­ro­ló­gi­cas e to­mar de­ci­sões em fun­ção das mes­mas.

A ins­ta­la­ção de es­ta­ções me­te­o­ro­ló­gi­cas um pou­co por to­das as lo­ca­li­da­des do país e a ex­ten­são dos seus ser­vi­ços vai aju­dar mui­to na pre­ven­ção con­tra os efei­tos e na me­lhor pre­vi­são na ma­te­ri­a­li­za­ção de de­ter­mi­na­das ac­ti­vi­da­des.

É pre­ci­so que as ac­ti­vi­da­des en­sai­a­das pe­lo INAMET e os fins que as mes­mas vi­sam se­jam da­dos a co­nhe­cer às po­pu­la­ções, ins­ti­tui­ções e pes­so­as, par­ti­cu­lar­men­te aque­las que de­pen­dem das con­di­ções cli­má­ti­cas pa­ra o de­sem­pe­nho das su­as ac­ti­vi­da­des.

Em­bo­ra es­te­ja­mos ain­da lon­ge da pre­ten­di­da ex­ce­lên­cia na pre­ci­são, com re­du­ção sig­ni­fi­ca­ti­va da mar­gem de er­ro, dos da­dos so­bre as con­di­ções me­te­o­ro­ló­gi­cas, é tem­po de nor­ma­li­zar o co­nhe­ci­men­to e con­sul­ta re­gu­la­res so­bre es­ses da­dos.

No cam­po, on­de os agri­cul­to­res são, mui­tas ve­zes, con­fron­ta­dos com per­das de co­lhei­ta por ac­ção das chu­vas aci­ma do nor­mal, o pla­ne­a­men­to agrí­co­la po­de con­tar mui­to com as pre­vi­sões me­te­o­ro­ló­gi­cas.

Se for­mos ca­pa­zes de mo­bi­li­zar to­dos os sec­to­res da so­ci­e­da­de não ape­nas pa­ra es­tar­mos pre­pa­ra­dos pa­ra as chu­vas, mas igual­men­te pa­ra mi­ti­gar­mos con­si­de­ra­vel­men­te os efei­tos das chu­vas, saí­mos to­dos a ga­nhar.

Pe­la fren­te fi­ca o de­sa­fio pa­ra as ins­ti­tui­ções, pa­ra as fa­mí­li­as e pa­ra as pes­so­as no sen­ti­do da cri­a­ção de con­di­ções con­tin­gên­ci­as pa­ra en­fren­tar o ci­clo em que nos en­con­tra­mos des­de o dia 15 de Agos­to.

Não pre­ci­sa­mos de es­pe­rar pe­la que­da das chu­vas pa­ra ga­nhar­mos cons­ci­ên­cia do pe­ri­go na ocu­pa­ção de um de­ter­mi­na­do es­pa­ço, na ho­ra de ma­te­ri­a­li­zar­mos o tra­ba­lho agrí­co­la.

Pre­ci­sa­mos de fa­zer as lei­tu­ras cor­rec­tas das pre­vi­sões me­te­o­ro­ló­gi­cas pu­bli­ca­das re­gu­lar­men­te pe­lo INAMET por­que, co­mo dis­se o seu di­rec­tor, “é um ac­to de aler­ta pa­ra o país pre­pa­rar-se me­lhor nes­te pe­río­do”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.