Con­gres­so ame­ri­ca­no mos­tra ar­re­pen­di­men­to

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JAIRO MEJÍA | EFE

Os le­gis­la­do­res ame­ri­ca­nos sa­bem o que vo­tam ou a an­gús­tia pe­la re­e­lei­ção nu­bla o seu jul­ga­men­to? Es­ta é a per­gun­ta que pai­ra no ar após a apro­va­ção de uma le­gis­la­ção que con­sa­gra o prin­cí­pio de jus­ti­ça uni­ver­sal e da qual os con­gres­sis­tas se ar­re­pen­de­ram pou­cos mi­nu­tos de­pois.

Con­cre­ta­men­te, fo­ram 30 mi­nu­tos o que de­mo­ra­ram se­na­do­res e con­gres­sis­tas ame­ri­ca­nos pa­ra pas­sar das ce­le­bra­ções - pa­ra con­se­guir uma mai­o­ria bi­par­ti­dá­ria não vis­ta em anos pa­ra re­vo­gar um ve­to pre­si­den­ci­al - pa­ra ex­pres­sar as su­as dú­vi­das pe­la cha­ma­da Lei de Jus­ti­ça con­tra Pa­tro­ci­na­do­res do Ter­ro­ris­mo, que per­mi­te pro­ces­sar a Ará­bia Sau­di­ta em tri­bu­nais ame­ri­ca­nos.

O lí­der dos re­pu­bli­ca­nos no Se­na­do, Mit­ch McCon­nell, saiu aos cor­re­do­res do Ca­pi­tó­lio pa­ra la­men­tar as “ra­mi­fi­ca­ções” da lei que ti­nha vo­ta­do ho­ras an­tes, en­quan­to o pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos Re­pre­sen­tan­tes, Paul Ryan, pro­me­tia às ví­ti­mas o seu “dia nos tri­bu­nais”, mas com uma lei que ga­ran­ta que os mi­li­ta­res ame­ri­ca­nos não se­rão inun­da­dos com pro­ces­sos por to­do o mun­do.

A lei, que era de­ba­ti­da no con­tur­ba­do pe­río­do elei­to­ral, ti­nha si­do pro­du­to do le­van­ta­men­to do se­gre­do so­bre 28 pá­gi­nas do re­la­tó­rio dos aten­ta­dos de 11 de Se­tem­bro de 2001 que de­mons­tra­va co­ne­xões in­di­rec­tas com mem­bros da fa­mí­lia re­al sau­di­ta e a re­de de fi­nan­ci­a­men­to dos ter­ro­ris­tas en­vol­vi­dos.

A le­gis­la­ção per­mi­te pro­ces­sar pe­la pri­mei­ra vez em tri­bu­nais ame­ri­ca­nos um país que não é con­si­de­ra­do pa­tro­ci­na­dor do ter­ro­ris­mo pe­la Ca­sa Bran­ca. O que era um as­sun­to que sem­pre co­bra ju­ros po­lí­ti­cos nos Es­ta­dos Uni­dos - aju­dar as fa­mí­li­as das ví­ti­mas dos bru­tais aten­ta­dos do 11 de Se­tem­bro – trans­for­mou-se na pri­mei­ra vez que os Es­ta­dos Uni­dos am­pa­ram a pos­si­bi­li­da­de de pro­ces­sar fun­ci­o­ná­ri­os de um país es­tran­gei­ro num ou­tro país, um prin­cí­pio co­nhe­ci­do co­mo jus­ti­ça uni­ver­sal, e ao qual Washing­ton sem­pre se opôs in­sis­ten­te­men­te.

A tra­mi­ta­ção fez his­tó­ria tam­bém por­que foi a pri­mei­ra vez nos qua­se oi­to anos de man­da­to de Ba­rack Oba­ma que o Con­gres­so­con­se­guiu vo­tos su­fi­ci­en­tes pa­ra in­va­li­dar o po­der de ve­to do pre­si­den­te, que es­ta­va há me­ses a avi­sar que com es­ta lei se­ri­am am­pa­ra­dos, por re­ci­pro­ci­da­de, pro­ces­sos con­tra mi­li­ta­res ou fun­ci­o­ná­ri­os ame­ri­ca­nos no mun­do to­do. Ima­gi­ne­mos que a Sí­ria de­ci­da pro­ces­sar os EUA por apoi­ar os re­bel­des mo­de­ra­dos, que Da­mas­co con­si­de­ra ter­ro­ris­tas. Is­so não im­por­ta­ria mui­to por­que há pou­cos in­te­res­ses ame­ri­ca­nos ex­pos­tos na Sí­ria, mas as con­sequên­ci­as se­ri­am im­pre­vi­sí­veis se is­so acon­te­ces­se no Egip­to ou na Ará­bia Sau­di­ta”, pon­de­rou o pro­fes­sor de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de do Te­xas, Stephen Vla­deck.

Co­mo já ti­nha avi­sa­do in­sis­ten­te­men­te a Ca­sa Bran­ca en­quan­to o Con­gres­so ame­a­ça­va com o ve­to, a lei per­mi­ti­ria pro­ces­sar, por exem­plo, mi­li­ta­res ame­ri­ca­nos em tri­bu­nais es­tran­gei­ros, co­mo o que ten­tou a fa­mí­lia do jor­na­lis­ta es­pa­nhol Jo­sé Cou­so na Es­pa­nha pa­ra pro­ces­sar os sol­da­dos que dis­pa­ra­ram o pro­jéc­til que aca­bou com a vi­da do ci­ne­gra­fis­ta em Bag­dad em 2003.

Pe­ran­te es­te pa­no­ra­ma, o do­ce mo­men­to que sig­ni­fi­ca­va ob­ter a pri­mei­ra su­per­mai­o­ria do man­da­to de Oba­ma abriu pas­sa­gem pa­ra a amar­ga re­a­li­da­de, apa­ren­te­men­te ig­no­ra­da por de­ze­nas de se­na­do­res e con­gres­sis­tas, de que a lei não era um me­ro afa­go às ví­ti­mas do 11/9, mas a acei­ta­ção da jus­ti­ça uni­ver­sal.

“O que é cer­to na es­co­la ele­men­tar é cer­to no Con­gres­so dos Es­ta­dos Uni­dos, a ig­no­rân­cia não é uma des­cul­pa, par­ti­cu­lar­men­te qu­an­do se tra­ta de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal e da se­gu­ran­ça dos nos­sos di­plo­ma­tas e mi­li­ta­res”, ex­pli­cou na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra vi­si­vel­men­te zan­ga­do o por­ta-voz da Ca­sa Bran­ca, Josh Ear­nest.

Ear­nest cha­mou de “ver­go­nho­so” o com­por­ta­men­to de um ter­ço do Se­na­do que la­men­tou no pró­prio dia da apro­va­ção as “con­sequên­ci­as não pro­po­si­tais da lei”, ou dos mem­bros da Câ­ma­ra que la­men­ta­ram qua­se de ma­nei­ra ime­di­a­ta o “sim” que de­ram.

A ra­zão da­da pe­los le­gis­la­do­res não pô­de ser mais pró­pria da bu­ro­crá­ti­ca Washing­ton: a Ca­sa Bran­ca não fez lobby su­fi­ci­en­te pa­ra ex­pli­car as ra­mi­fi­ca­ções da lei aos as­sis­ten­tes dos ocu­pa­dos se­na­do­res, mui­tos dos quais ten­ta­rão a re­e­lei­ção nas elei­ções de 8 de No­vem­bro.

A re­cei­ta pa­ra emen­dar a ofen­sa foi tam­bém um clás­si­co da ca­pi­tal ame­ri­ca­na: a mo­di­fi­ca­ção ou mor­te da lei du­ran­te a cha­ma­da “ses­são do pa­to man­co”, que acon­te­ce após as elei­ções de 8 de No­vem­bro e pe­ran­te a re­no­va­ção do Exe­cu­ti­vo e o Le­gis­la­ti­vo, qu­an­do su­as se­nho­ri­as já sa­be­rão se man­te­rão a ca­dei­ra por al­guns anos mais.

REUTERS

Con­gres­so nor­te-ame­ri­ca­no já es­tá ar­re­pen­di­do de ter apro­va­do a lei so­bre jus­ti­ça uni­ver­sal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.