Go­ver­no e FARC ga­ran­tem so­lu­ções pa­ra a paz

Po­pu­la­res re­jei­ta­ram o acor­do de Ha­va­na por ser am­bí­guo e dis­tan­ci­a­do da uni­da­de na­ci­o­nal

Jornal de Angola - - MUNDO - ALTINO MA­TOS |

O Pre­si­den­te Ju­an San­tos, e o lí­der das FARC, Rodrigo Eche­ver­ri, ma­ni­fes­ta­ram on­tem a pos­si­bi­li­da­de de in­tro­du­zir no­vos me­ca­nis­mos no acor­do de paz, mas ne­nhum de­les foi fron­tal pa­ra re­co­nhe­cer o er­ro de ig­no­rar a opo­si­ção nas ne­go­ci­a­ções, a prin­ci­pal cau­sa do não ao acor­do, no de­sig­na­do referendo da paz no país.

O re­sul­ta­do da con­sul­ta po­pu­lar de do­min­go mos­trou um país di­vi­di­do e um po­vo ci­en­te das su­as res­pon­sa­bi­li­da­des, que, à sua vez, par­ti­ci­pou de for­ma or­dei­ra e ir­re­pre­en­sí­vel no pro­ces­so de pa­ci­fi­ca­ção do Es­ta­do. O “não” à apli­ca­ção do acor­do de Ha­va­na ven­ceu com 50,22 por cen­to, e o “sim” ob­te­ve 49,78. A Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral re­co­nhe­ceu que o ní­vel de abs­ten­ção foi mui­to al­to, com 62,57 por cen­to dos vo­tos.

Ju­an Ma­nu­el San­tos acre­di­ta que as di­fe­ren­ças que le­va­ram a po­pu­la­ção a re­jei­tar o acor­do de Ha­va­na vão ser ul­tra­pas­sa­das nos pró­xi­mos di­as. “Ga­ran­to que a paz com as FARC vai ser man­ti­da e, da mi­nha par­te e de to­dos os meus co­la­bo­ra­do­res, pro­me­to em­pe­nho to­tal na con­ti­nui­da­de das ne­go­ci­a­ções em Ha­va­na”, es­cla­re­ceu o Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no, vi­si­vel­men­te agas­ta­do com o re­sul­ta­do. A equi­pa de ne­go­ci­a­ções do Go­ver­no re­ce­beu ins­tru­ções pa­ra con­se­guir ime­di­a­ta­men­te so­lu­ções re­le­van­tes que le­vem não só a um des­fe­cho cé­le­re, mas que ga­ran­tam a acei­ta­ção do acor­do de paz por to­dos os co­lom­bi­a­nos.

As in­di­ca­ções do Pre­si­den­te Ju­an Ma­nu­el San­tos es­tão ali­nha­das com o ape­lo do ex-Che­fe de Es­ta­do Ál­va­ro Uri­be, que pe­diu “a to­das as for­ças po­lí­ti­cas e à po­pu­la­ção pa­ra man­te­rem a ca­be­ça fria, pa­ra con­ti­nu­a­rem a acre­di­tar na paz e pa­ra pro­te­ge­rem as FARC.”

Ál­va­ro Uri­be, ago­ra se­na­dor, fez cam­pa­nha pe­lo “sim”, po­si­ção de­fen­di­da pe­la sua for­ça po­lí­ti­ca, o Cen­tro De­mo­crá­ti­co. “É pre­ci­so apre­sen­tar um gran­de pac­to na­ci­o­nal, por­que nos pa­re­ce fun­da­men­tal que em no­me da paz não se cri­em ris­cos aos va­lo­res que a tor­nam pos­sí­vel”, dis­se Uri­be.

A co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal foi apa­nha­da de sur­pre­sa pe­la vi­tó­ria do “não”, a jul­gar quer por or­ga­nis­mos, quer por in­di­vi­du­a­li­da­des, co­mo o Pre­si­den­te fran­cês, Fran­çois Hol­lan­de, o Pre­si­den­te dos EUA, Ba­rack Oba­ma, a chan­ce­ler ale­mã, An­ge­la Mer­kel, e o lí­der da igre­ja ca­tó­li­ca, Pa­pa Fran­cis­co, que ad­mi­ti­ram uma vi­tó­ria do “sim”.

As Na­ções Uni­das es­tão a ser acu­sa­das de fa­lha­rem na ava­li­a­ção das con­di­ções de apli­ca­ção do acor­do de Ha­va­na, por ig­no­ra­rem as ma­ni­fes­tas in­qui­e­ta­ções dos par­ti­dá­ri­os do “não” e li­mi­ta­rem-se a dar cré­di­to ao dis­cur­so do Go­ver­no e das FARC, que ne­go­ci­a­ram o acor­do de Ha­va­na. O lí­der da guer­ri­lha, Rodrigo Lon­doño Eche­ver­ri, co­nhe­ci­do por “Ti­mo­chen­ko”, man­tém a sua von­ta­de de paz e a sua ple­na dis­po­si­ção de tra­ba­lhar so­men­te com a pa­la­vra paz, co­mo ar­ma de cons­tru­ção em di­rec­ção a um fu­tu­ro gran­di­o­so pa­ra a Colôm­bia. “As For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (FARC) la­men­tam pro­fun­da­men­te que o po­der des­tru­ti­vo dos aque se­mei­am ódio e ran­cor te­nha in­flu­en­ci­a­do a opi­nião da po­pu­la­ção co­lom­bi­a­na”, dis­se Ti­mo­chen­ko, ao re­a­gir à re­jei­ção do acor­do de paz.

“O po­vo co­lom­bi­a­no que so­nha com a paz po­de con­tar con­nos­co. A paz vai triun­far”, ga­ran­tiu o lí­der das FARC. O acor­do de paz de Ha­va­na foi as­si­na­do no dia 26 de Se­tem­bro pe­lo Go­ver­no e as FARC. A re­jei­ção do acor­do es­tá a ser in­ter­pre­ta­da co­mo uma fa­lha gra­ve do Go­ver­no, que ig­no­rou a con­tri­bui­ção da opo­si­ção e o con­se­quen­te afas­ta­men­to nas ne­go­ci­a­ções de Ha­va­na.

Pa­ra dar a vol­ta à si­tu­a­ção, o Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no, Ju­an Ma­nu­el San­tos, op­tou por uma con­sul­ta po­pu­lar pa­ra con­se­guir o apoio do po­vo, mas não foi bem su­ce­di­do. A opo­si­ção acu­sou as au­to­ri­da­des do país de ma­ni­pu­la­ção pú­bli­ca, o que ex­pli­ca a der­ro­ta do “sim”.

A vi­tó­ria do “sim” era a saí­da, em de­fi­ni­ti­vo, de um cli­ma de gu­er­ra ci­vil que já du­rou meio sé­cu­lo en­tre o Go­ver­no e as FARC, e que ma­tou, até ago­ra, mais de 220 mil pes­so­as e for­çou mais de 5 mi­lhões a fu­gir de su­as ca­sas, que têm a es­pe­ran­ça de re­to­mar a vi­da na sua ter­ra na­tal, com a en­tra­da em vi­gor do acor­do de paz em to­do o ter­ri­tó­rio co­lom­bi­a­no.

A opo­si­ção co­lom­bi­a­na quer con­ver­ter a vo­ta­ção po­pu­lar num referendo so­bre o Pre­si­den­te. A po­pu­la­ri­da­de de Ju­an San­tos che­gou a 21 por cen­to em Maio, se­gun­do uma pes­qui­sa de Gal­lup, no me­nor pa­ta­mar des­de que ele al­can­çou o po­der, em 2010. O ní­vel de abs­ten­ção no referendo tam­bém é uma pre­o­cu­pa­ção, por­que um mí­ni­mo de 13 por cen­to dos elei­to­res re­gis­ta­dos, ou cer­ca de 4,4 mi­lhões de elei­to­res, pre­ci­sa­vam de vo­tar a fa­vor do acor­do pa­ra que o mes­mo fos­se ra­ti­fi­ca­do, o que não acon­te­ceu. O “não” ven­ceu!

AFP

Elei­to­res obri­gam à re­vi­são do acor­do de paz de Ha­va­na con­se­gui­do en­tre o Go­ver­no e as FARC

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.