Ja­po­nês é Pré­mio No­bel da Me­di­ci­na

YOSHI­NO­RI OH­SU­MI Es­tu­do abre ca­mi­nho pa­ra com­pre­en­são da im­por­tân­cia da au­to­fa­gia

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

O ven­ce­dor do Pré­mio No­bel da Me­di­ci­na des­te ano é o pes­qui­sa­dor ja­po­nês Yoshi­no­ri Oh­su­mi, pe­las su­as des­co­ber­tas so­bre os me­ca­nis­mos de au­to­fa­gia, pro­ces­so fun­da­men­tal pa­ra de­gra­dar e re­ci­clar com­po­nen­tes ce­lu­la­res.

O con­cei­to sur­giu ain­da na dé­ca­da de 60, qu­an­do fo­ram fei­tas ob­ser­va­ções de que as cé­lu­las po­di­am “di­ge­rir” os seus com­po­nen­tes in­ter­nos, em es­tru­tu­ras co­nhe­ci­das co­mo li­sos­so­mos, mas foi ape­nas na dé­ca­da de 90, gra­ças aos es­tu­dos de Yoshi­no­ri Oshu­mi, que a ci­ên­cia con­se­guiu iden­ti­fi­car os ge­nes es­sen­ci­ais pa­ra o fe­nó­me­no.

“As des­co­ber­tas de Yoshi­no­ri Oshu­mi le­va­ram a no­vos pa­ra­dig­mas no nos­so en­ten­di­men­to de co­mo as cé­lu­las re­ci­clam o seu con­teú­do”, afir­ma o Ins­ti­tu­to No­bel, num co­mu­ni­ca­do, tor­na­do on­tem pú­bli­co.

“As su­as des­co­ber­tas abri­ram ca­mi­nho pa­ra a com­pre­en­são da im­por­tân­cia fun­da­men­tal da au­to­fa­gia em mui­tos pro­ces­sos fi­si­o­ló­gi­cos, co­mo a adap­ta­ção à fo­me ou res­pos­ta às in­fec­ções”, lê-se no co­mu­ni­ca­do. A au­to­fa­gia é o pro­ces­so ce­lu­lar de de­gra­da­ção dos com­po­nen­tes da pró­pria cé­lu­la, eli­mi­nan­do or­ga­ne­las en­ve­lhe­ci­das. Com es­te me­ca­nis­mo, uma cé­lu­la em es­ta­do de des­nu­tri­ção é ca­paz de re­dis­tri­buir os nu­tri­en­tes dos pro­ces­sos me­nos ne­ces­sá­ri­os pa­ra os es­sen­ci­ais pa­ra a so­bre­vi­vên­cia.

Yoshi­no­ri Oh­su­mi Oh­su­mi ac­tu­ou em pes­qui­sas em vá­ri­as áre­as, mas, qu­an­do es­ta­be­le­ceu o seu pró­prio la­bo­ra­tó­rio, em 1988, fo­ca­li­zou os seus es­fo­ços na de­gra­da­ção pro­téi­ca no va­cúo­lo, or­ga­ne­la cor­res­pon­den­te ao li­sos­so­mo hu­ma­no em cé­lu­las de le­ve­du­ras. Co­mo as es­tru­tu­ras ce­lu­la­res em le­ve­du­ras são mui­to pe­que­nas, di­fí­ceis de se­rem ob­ser­va­das em mi­cros­có­pi­os, o pes­qui­sa­dor ima­gi­nou que, se fos­se ca­paz de in­ter­rom­per o pro­ces­so de de­gra­da­ção ac­ti­vo, en­tão, po­dia ob­ser­var as or­ga­ne­las di­ge­ri­das acu­mu­la­das no va­cúo­lo e foi o que acon­te­ceu.

Ge­nes da au­to­fa­gia

Com a ex­pe­ri­ên­cia, Yoshi­no­ri Oh­su­mi pro­vou que a au­to­fa­gia exis­te em cé­lu­las de le­ve­du­ras, num es­tu­do pu­bli­ca­do em 1992. Dan­do pros­se­gui­men­to às ex­pe­ri­ên­ci­as, o pes­qui­sa­dor expôs cé­lu­las de le­ve­du­ras a pro­du­tos quí­mi­cos que in­tro­du­zi­am mu­ta­ções ge­né­ti­cas. Des­sa for­ma, o pro­ces­so de au­to­fa­gia não ocor­re­ria se de­ter­mi­na­dos ge­nes-cha­ve pa­ra o me­ca­nis­mo fos­sem de­sac­ti­va­dos.

Em me­nos de um ano, con­se­guiu iden­ti­fi­car os pri­mei­ros ge­nes es­sen­ci­ais pa­ra a au­to­fa­gia. Por fim, Yoshi­no­ri Oshu­mi des­co­briu que o fenô­me­no é con­tro­la­do por um cas­ca­ta de pro­teí­nas e com­ple­xos pro­tei­cos, ca­da um a re­gu­lar um es­tá­dio dis­tin­to do pro­ces­so.

“Gra­ças a Yoshi­no­ri Oh­su­mi e ou­tros que se­gui­ram os seus es­tu­dos, ago­ra, nós sa­be­mos que a au­to­fa­gia con­tro­la fun­ções fi­si­o­ló­gi­cas im­por­tan­tes, on­de com­po­nen­tes ce­lu­la­res pre­ci­sam de ser de­gra­da­dos e re­ci­cla­dos”, diz o Ins­ti­tu­to No­bel. “Au­to­fa­gia po­de ra­pi­da­men­te for­ne­cer ener­gia e blo­cos cons­tru­to­res pa­ra a re­no­va­ção dos com­po­nen­tes ce­lu­la­res e, des­sa for­ma, é es­sen­ci­al pa­ra a res­pos­ta ce­lu­lar à fo­me e ou­tros ti­pos de stress.”

Nas­ci­do em 1945, em Fu­ku­o­ka, no Ja­pão, Oh­su­mi ini­ci­ou os seus es­tu­dos na Uni­ver­si­da­de de Tó­quio e pas­sou três anos na Uni­ver­si­da­de Roc­ke­fel­ler, em No­va Ior­que. Des­de 2009, é pro­fes­sor no Ins­ti­tu­to de Tec­no­lo­gia de Tó­quio. Pe­lo re­co­nhe­ci­men­to do seu tra­ba­lho, Yoshi­no­ri Oh­su­mi vai re­ce­ber oi­to mi­lhões de co­ro­as su­e­cas, o equi­va­len­te a cer­ca de dois mi­lhões de dó­la­res.

“Eu es­tou ex­tre­ma­men­te hon­ra­do”, dis­se Oh­su­mi, à agên­cia Kyo­do News, qu­an­do sou­be que era o ven­ce­dor do Pré­mio No­bel da Me­di­ci­na. É o se­gun­do ano con­se­cu­ti­vo que o No­bel de Me­di­ci­na é atri­buí­do a um pes­qui­sa­dor ja­po­nês. No ano pas­sa­do, Sa­toshi Ōmu­ra di­vi­diu o pré­mio com Wil­li­am Camp­bell e Youyou Tu, pe­las des­co­ber­tas que re­vo­lu­ci­o­na­ram o tra­ta­men­to de do­en­ças pa­ra­si­tá­ri­as.

AFP

O Pré­mio No­bel da Me­di­ci­na des­te ano é pro­fes­sor no Ins­ti­tu­to de Tec­no­lo­gia de Tó­quio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.