Vi­o­la e a sua ori­gem

Jornal de Angola - - LAZER -

A vi­o­la (tam­bém cha­ma­da vi­o­la de ar­co ou al­to) é um ins­tru­men­to mu­si­cal com fa­mí­lia com­ple­ta, co­mo o vi­o­li­no (de ar­co e qua­tro cor­das), as­se­me­lhan­do-se vi­su­al­men­te a es­te, in­clu­si­ve na ma­nei­ra de se to­car. No en­tan­to, pos­sui um som mais en­cor­pa­do, do­ce, me­nos es­tri­den­te e mais gra­ve, sen­do o seu re­gis­to in­ter­mé­dio en­tre o vi­o­li­no e o vi­o­lon­ce­lo. Além des­tes três ins­tru­men­tos, a fa­mí­lia dos ins­tru­men­tos de cor­das fric­ci­o­na­das é com­pos­ta tam­bém pe­lo con­tra­bai­xo.

As­sim co­mo ou­tros ins­tru­men­tos de cor­das, as vi­o­las tam­bém po­dem ser am­pli­fi­ca­das elec­tro­ni­ca­men­te. Mui­tos uti­li­zam-na na mú­si­ca po­pu­lar jazz e rock, mas a sua uti­li­za­ção mais co­mum é na clás­si­ca, prin­ci­pal­men­te em nai­pes de cor­das de or­ques­tras, ou em for­ma­ções ca­me­rís­ti­cas co­mo o qu­ar­te­to de cor­das.

A vi­o­la eru­di­ta (co­mo tam­bém é co­nhe­ci­da) é o ins­tru­men­to que mais se as­se­me­lha à voz hu­ma­na. O seu tim­bre faz a voz con­tral­to, en­quan­to o vi­o­li­no faz a so­pra­no, o vi­o­lon­ce­lo a te­nor e o con­tra­bai­xo a bai­xo.

Com as su­as qua­tro cor­das afi­na­das em Lá, Ré, Sol, Dó, a vi­o­la pos­sui um no­tá­vel po­der ex­pres­si­vo de acen­to mais su­a­ve, re­co­lhi­do e me­lan­có­li­co.

Gran­des com­po­si­to­res, clás­si­cos, ro­mân­ti­cos e mo­der­nos, apre­ci­an­do as qua­li­da­des ex­tre­ma­men­te emo­ti­vas des­te ins­tru­men­to, es­cre­ve­ram obras mui­to im­por­tan­tes co­mo con­cer­tos, so­na­tas e sui­tes.

A vi­o­la foi cri­a­da en­tre os sé­cu­los XIV e XV. A pri­mei­ra publicação re­la­ti­va foi: ré­go­la ru­ber­ti­na em 1543, por Ga­nas­si del Fon­te­go.

A vi­o­la co­mo a co­nhe­ce­mos ho­je pos­si­vel­men­te sur­giu da vi­o­la d'amo­re.

O seu ta­ma­nho é um pou­co mai­or que o do vi­o­li­no, as­sim co­mo o seu ar­co, e pe­so di­fe­ren­te. Po­rém, pa­ra se to­car o ins­tru­men­to adop­ta-se uma téc­ni­ca pra­ti­ca­men­te idên­ti­ca.

A pa­la­vra vi­o­la foi uti­li­za­da por mui­to tem­po (an­tes do sé­cu­lo XVI) pa­ra iden­ti­fi­car ge­ne­ri­ca­men­te qual­quer ins­tru­men­to de ar­co. Até fins do sé­cu­lo XVl, ha­via mais de dez ins­tru­men­tos com o no­me de vi­o­la, den­tre as quais a da brac­cio, a bas­tar­da, a d´amo­re e a da gam­ba.

A vi­o­la co­mo co­nhe­ce­mos ho­je, evo­luiu da da gam­ba pa­ra a de brac­cio – de bra­ço, aliás, vi­o­la em ale­mão é brats­che, que é uma cor­rup­te­la de brac­cio, to­ca­da, apoi­a­da um pou­co abai­xo do om­bro, no pei­to.

A par­tir de me­a­dos do sé­cu­lo XVII, as fa­mí­li­as Ama­ti, Gu­ar­ne­ri e Stra­di­va­rius, ita­li­a­nas, pas­sa­ram a pro­du­zir vi­o­las mais pa­re­ci­das com as de ho­je em dia.

A di­fe­ren­ça en­tre os tim­bres da vi­o­la e o do vi­o­li­no é cla­ra­men­te au­dí­vel na sin­fo­nia con­cer­tan­te (K.364) de Mo­zart.

Na mú­si­ca de câ­ma­ra, a vi­o­la sem­pre te­ve um pa­pel fun­da­men­tal e faz par­te da for­ma­ção tra­di­ci­o­nal do qu­ar­te­to de cor­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.