Ti­ger Wo­ods so­nha vol­tar a li­de­rar os Es­ta­dos Uni­dos

Jornal de Angola - - DESPORTO -

O gol­fis­ta Ti­ger Wo­ods, re­cu­pe­ra­do de lon­ga le­são nas cos­tas, dis­se no do­min­go que gos­ta­va de li­de­rar os Es­ta­dos Uni­dos na Ry­der Cup de 2018, de­pois de aju­dar a equi­pa téc­ni­ca no triun­fo des­te ano.

“Sim, ado­ra­va fa­zê-lo. Fi­ca­va hon­ra­do por fa­zê-lo no fu­tu­ro, se mo pe­dis­sem. Mas sob o pon­to de vis­ta de jo­ga­dor, pois gos­to de jo­gar”, es­cla­re­ceu, sen­do que a pró­xi­ma Ry­der Cup se re­a­li­za em 2018 no cam­po de Saint-Qu­en­tin-en-Yve­li­nes, nos ar­re­do­res de Pa­ris.

Wo­ods fez par­te da equi­pa téc­ni­ca que apoi­ou o ca­pi­tão Da­vis Lo­ve no triun­fo nor­te-ame­ri­ca­no, por 1711, so­bre a Eu­ro­pa, que ti­nha ven­ci­do as úl­ti­mas três edi­ções, em 2010, 2012 e 2014.

“Não pos­so agra­de­cer o su­fi­ci­en­te ao Ti­ger, Jim (Furyk) e Tom (Leh­man). To­ma­ram vá­ri­as de­ci­sões cru­ci­ais, de­ram-me gran­de apoio. É ver­da­dei­ra­men­te uma gran­de equi­pa, foi um es­for­ço de equi­pa”, con­gra­tu­lou-se o ca­pi­tão Da­vis Lo­ve após o êxi­to em Chas­ka, no es­ta­do do Min­ne­so­ta.

Ti­ger Wo­ods, de 40 anos, pla­neia vol­tar à com­pe­ti­ção em du­as se­ma­nas no PGA Tour dos Es­ta­dos Uni­dos, em Na­pa, Ca­li­fór­nia, ago­ra que es­tá re­cu­pe­ra­do de uma ope­ra­ção às cos­tas, que o fez per­der to­da a úl­ti­ma épo­ca.

“Ado­ro es­tes ti­pos. Gos­tei de lu­tar com eles. Ago­ra fi-lo de for­ma di­fe­ren­te e fiz o meu pa­pel, o meu tra­ba­lho de for­ma dis­tin­ta e foi mui­to bom”, con­fes­sou o gol­fis­ta, que dis­pu­tou a Ry­der Cup em se­te oca­siões. Co­mo as­sis­ten­te do ca­pi­tão, Wo­ods en­ca­rou o gol­fe de ou­tra for­ma: “Co­mo um jo­ga­dor que tem es­ta­do nes­tas equi­pas, es­tar ago­ra em la­do di­fe­ren­te, co­mo vi­ce-ca­pi­tão, sig­ni­fi­cou mui­to. O que te­mos de de­ci­dir em úl­ti­ma aná­li­se é di­fí­cil”.

“Co­mo jo­ga­dor, tu­do que te­mos a fa­zer é es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra jo­gar. Bas­ta en­trar e ten­tar e fa­zer o nos­so jo­go, es­tar­mos pron­tos qu­an­do ne­ces­sá­rio. Co­mo um não jo­ga­dor, é mui­to com­pli­ca­do. Há mui­tas coi­sas que não per­ce­bia que se es­ta­vam a pas­sar. Foi uma gran­de ex­pe­ri­ên­cia. Apren­di mui­to”, con­cluiu.

AFP

Gol­fis­ta pre­ten­de re­gres­sar em gran­de for­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.