MPLA com for­te pro­ta­go­nis­mo nas re­des so­ci­ais

Jornal de Angola - - OPINIÃO - RUI RA­MOS |

A me­nos de um ano das elei­ções ge­rais de 2017, a lu­ta po­lí­ti­ca in­ten­si­fi­ca-se a to­dos os ní­veis, nas co­mu­nas, al­dei­as, mu­ni­cí­pi­os, pro­vín­ci­as, na diás­po­ra, a ní­vel na­ci­o­nal… e nas re­des so­ci­ais.

A juventude – mai­o­ria ab­so­lu­ta da po­pu­la­ção – apos­tou na in­te­rac­ção que o Facebook per­mi­te na divulgação, aná­li­se, crí­ti­ca e pro­pa­gan­da po­lí­ti­ca.

Uma in­ves­ti­ga­ção – ob­vi­a­men­te com la­cu­nas e re­fe­ren­ci­an­do va­lo­res apro­xi­ma­dos – per­mi­te con­cluir que o MPLA é a or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca mais bem or­ga­ni­za­da, mais con­sis­ten­te e mais ac­ti­va no es­pa­ço ci­ber­né­ti­co.

A pri­mei­ra pá­gi­na do MPLA, MPLA Mo­vi­men­to de Li­ber­ta­ção de An­go­la, cri­a­da em 7 de Outubro de 2010, há seis anos, a que as pes­so­as cha­ma­vam ori­gi­nal­men­te de CAP Facebook, foi a gran­de di­na­mi­za­do­ra da po­lí­ti­ca nas re­des so­ci­ais. Nes­te es­pa­ço uni­ver­sal, fi­ze­ram-se en­tre­vis­tas a his­tó­ri­cos do MPLA e gran­des de­ba­tes. Esta pá­gi­na foi o mo­tor de ar­ran­que dos gran­des de­ba­tes aber­tos a to­das as sen­si­bi­li­da­des an­go­la­nas.

Os de­ba­tes eram ca­rac­te­ri­za­dos por uma gran­de ri­que­za de ar­gu­men­tos, se­ri­e­da­de e res­pon­sa­bi­li­da­de, não se per­mi­tin­do o in­sul­to, o mau tra­to ou a di­fa­ma­ção.

O es­pa­ço ci­ber­né­ti­co da área do MPLA sem­pre le­vou o se­lo da pe­da­go­gia po­lí­ti­ca e da ci­da­da­nia. Não é fá­cil à área do po­der man­ter es­pa­ços que ilus­trem, sem des­gas­te, a obra go­ver­na­ti­va. Mais fá­cil é a prá­ti­ca da crí­ti­ca e da re­cla­ma­ção por parte das opo­si­ções que nun­ca go­ver­na­ram.

Os nú­me­ros

A pá­gi­na da Se­de Na­ci­o­nal do MPLA, com 425.000 ade­sões, dei­xa mui­to pa­ra trás a pá­gi­na da UNITA, com 69.000 ade­sões, e a do Se­cre­ta­ri­a­do Geral da UNITA, com 2.400. Mui­to atrás da UNITA, es­tá a CASACE com 21.400 ade­sões.

A pá­gi­na MPLA@MPLAMo­vi­men­to tem 139.000 ade­sões, a MPLA Par­ti­do da Ver­da­de 84.000, a MPLA Com o Po­vo Ru­mo à Vi­tó­ria 35.000 e a pá­gi­na «es­pe­ci­al» MPLA Co­mi­té do Ac­ti­vis­mo Ci­ber­né­ti­co 6.000 ade­sões. A pá­gi­na Gru­po de Es­tu­do MPLAJMPL-OMA tem 6.000 ade­sões.

As pá­gi­nas de ou­tras or­ga­ni­za­ções po­lí­ti­cas são qua­se mar­gi­nais. A do Blo­co De­mo­crá­ti­co, que foi uma das pi­o­nei­ras do ci­be­res­pa­ço an­go­la­no, que­da-se por pou­co mais de 1.600 ade­sões e pa­re­ce se­mi-aban­do­na­da.

No que res­pei­ta a di­ri­gen­tes po­lí­ti­cos, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos li­de­ra mui­to des­ta­ca­do com a pá­gi­na Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos com 54.000 ade­sões, a Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos e o MPLA com 51.000 e a pá­gi­na So­bre Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos com 38.000.

Na pá­gi­na de Isaías Sa­ma­ku­va, não se con­se­gue ver a in­di­ca­ção das ade­sões, mas a mes­ma mais pa­re­ce um «ce­mi­té­rio de idei­as». Abel Chi­vu­ku­vu­ku fi­ca-se pe­las 6.700 ade­sões e Jus­ti­no Pin­to de An­dra­de, do Blo­co De­mo­crá­ti­co, não atin­ge as 250.

En­tre as or­ga­ni­za­ções dos par­ti­dos, a OMA, or­ga­ni­za­ção fe­mi­ni­na do MPLA, sa­li­en­ta-se com 24.000 ade­sões. A LI­MA, da UNITA, em­bo­ra não exi­ba o nú­me­ro de «ami­gos», re­ve­la, em con­ta­gem uma a uma, pre­sen­ça mais fra­ca.

No sec­tor da Juventude, as pá­gi­nas, pa­ra­do­xal­men­te, têm me­nos ade­sões do que as «pá­gi­nas adul­tas». A JMPLA Na­ci­o­nal jun­ta 5.000 ade­sões e não en­con­trá­mos ne­nhu­ma pá­gi­na na­ci­o­nal da JURA-UNITA, só pá­gi­nas lo­cais com pou­cas ade­sões.

A ní­vel «lo­cal», a su­pre­ma­cia nas re­des so­ci­ais é tam­bém do MPLA, com mais de 100 gru­pos mu­ni­ci­pais, pro­vin­ci­ais e da diás­po­ra, um pou­co por to­do o mun­do, in­te­ra­gin­do em per­ma­nên­cia. A pá­gi­na MPLA Luanda tem 11.000 ade­sões e a do Co­mi­té pro­vin­ci­al de Luanda 38.000.

As ou­tras or­ga­ni­za­ções po­lí­ti­cas têm uma pre­sen­ça mui­to fra­ca nas re­des so­ci­ais.

A ní­vel uni­ver­si­tá­rio, o pa­no­ra­ma ci­ber­né­ti­co an­go­la­no é ri­co, mas não vas­to. A Universidade Agos­ti­nho Ne­to tem 81.000 ade­sões e a Universidade Ca­tó­li­ca 22.000.

O ac­ti­vis­mo do MPLA

É, sem dú­vi­da, o MPLA que se mo­vi­men­ta com mai­or di­na­mis­mo nas re­des so­ci­ais. En­con­trá­mos pelo me­nos 20 pá­gi­nas no Facebook ad­mi­nis­tra­das por mi­li­tan­tes do MPLA ou on­de as po­si­ções pró-MPLA têm uma po­si­ção for­te: MPLA-Mo­vi­men­to Po­pu­lar de Li­ber­ta­ção de An­go­la (CAP-Facebook), 83.500 ade­sões; MPLA e Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, a apos­ta cer­ta pa­ra um fu­tu­ro me­lhor!, 34.500; Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, 54.000; MPLA-Facebook do CAP de Lisboa, 8.000; MPLA – Com o Po­vo Ru­mo à Vi­tó­ria, 11.500; MPLA Co­mi­té do Ac­ti­vis­mo Ci­ber­né­ti­co, 6.000; Cres­cer Mais pa­ra Dis­tri­buir Me­lhor, 3.000; Cír­cu­lo.An­go­la­no.In­te­lec­tu­al; Cír­cu­lo An­go­la­no In­te­lec­tu­al*, An­go­la; Ce­nas do Mus­se­que, 8.500, esta pá­gi­na tem uma ori­en­ta­ção an­ti-MPLA; An­go­la em Mo­vi­men­to, 82.500; MPLA-Co­mi­té Pro­vin­ci­al de Luanda, 38.000; Eco­no­mia An­go­la­na, 8.100 ade­sões.

Ou­tras pá­gi­nas aber­tas ao de­ba­te são An­go­la, 16.000 ade­sões; An­go­la­nos, 11.000; An­go­la Po­de, 4.000; Ges­to­res e Em­pre­en­de­do­res, 4.000.

O iní­cio

Não é mui­to an­ti­ga a re­a­li­da­de ci­ber­né­ti­ca par­ti­dá­ria an­go­la­na, com os seus dez anos de exis­tên­cia. Mas, gra­ças ao di­na­mis­mo, à mi­li­tân­cia e ao en­tu­si­as­mo de um ex­ten­so gru­po de mi­li­tan­tes do MPLA, cres­ceu ra­pi­da­men­te. As elei­ções ge­rais de 2012 fo­ram an­te­ce­di­das de pro­fun­dos de­ba­tes nas re­des so­ci­ais. O MPLA, atra­vés de de­ze­nas de mi­li­tan­tes ac­ti­vos, lan­çou pá­gi­nas de dis­cus­são, res­pon­sá­veis pe­los mais in­ten­sos de­ba­tes que An­go­la co­nhe­ceu até ho­je. A pá­gi­na do Blo­co De­mo­crá­ti­co, cri­a­da um pou­co an­tes, foi ul­tra­pas­sa­da ra­pi­da­men­te pe­la di­nâ­mi­ca da do MPLA. Tam­bém aqui, no es­pa­ço ci­ber­né­ti­co, o MPLA ga­nhou a "ba­ta­lha" dos qua­dros.

Os pi­o­nei­ros do es­pa­ço ci­ber­né­ti­co do MPLA fo­ram Pau­lo Vaz da Con­cei­ção, Agui­nal­do Bap­tis­ta, Car­los Von Haff, Má­rio Von Haff, Ot­to Von Haff, a que se jun­ta­ram Evy Eden Mar­tins, Da­vid Pe­dro Man­da­vid, João Kas­sin­da, Al­fre­do Ca­ri­ma, Ma­tos Mo­ta, Lu­an­di­no Carvalho, Dja­mi­la Sil­va, Dja­mi­la Ja­mes, Su­se­te An­tão, Lí­gia Fra­ga, Se­bas­tião Costa, Hum­ber­to Lou­ren­ço, Isa­bel Tor­men­ta, Ne­li­to Li­fe­la, Nelson de An­dra­de Pi­men­ta, Nil­sa Er­nes­to Po­li­tó­lo­ga, Cle­ver Ma­ga­lhães, Jor­ge Fon­se­ca San­tos, Si­dó­nio Carvalho Pais, Ce­les­te Ce­li­nha, Yu­ri Guimarães, Ola­vi­nho, Ade­mar Ran­gel, Rai­mun­do Sal­va­dor, An­tó­nio Jor­ge, Do­ra Fon­te, Jor­ge Fon­se­ca San­tos, Jor­ge Sei­xas Joc­ka Ndin­je, Mar­ti­nho Jú­ni­or, Ro­sa de Sa­rom e Lu­ci­a­no Mar­tins, en­tre mui­tos ou­tros mi­li­tan­tes, sim­pa­ti­zan­tes e ami­gos.

Eram in­ter­nau­tas mui­to di­nâ­mi­cos. Foi um mo­vi­men­to de ac­ti­vis­mo po­lí­ti­co que jun­ta­va o vir­tu­al e o re­al, um ca­so úni­co e exem­plar em An­go­la, e não mui­to co­mum no mun­do, nu­ma al­tu­ra em que a pá­gi­na do MPLA acom­pa­nha­va qua­se em di­rec­to a campanha elei­to­ral de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos nas pro­vín­ci­as, ainda que as tec­no­lo­gi­as não ti­ves­sem as «per­for­man­ces» das de ho­je.

Dia e noi­te, os de­ba­tes eram ace­sos e as ade­sões eram in­ces­san­tes. Mui­tos mi­li­tan­tes de ou­tros par­ti­dos par­ti­ci­pa­vam nos de­ba­tes na pró­pria pá­gi­na do MPLA, uma cla­ra de­mons­tra­ção da prá­ti­ca do res­pei­to pe­la di­fe­ren­ça de opi­niões e da to­le­rân­cia, o que mui­tas ve­zes não acon­te­cia nas pá­gi­nas da UNITA e do Blo­co De­mo­crá­ti­co, on­de de­fen­so­res de po­si­ções pró-MPLA eram in­sul­ta­dos e blo­que­a­dos.

Fo­ram re­a­li­za­das gran­des en­tre­vis­tas. Te­mas im­por­tan­tes eram al­vo de ace­sos de­ba­tes que du­ra­vam ho­ras, com lu­gar ao con­tra­di­tó­rio e com uma ex­ce­len­te or­ga­ni­za­ção e mo­de­ra­ção. João Kas­sin­da era o sem­pre pre­sen­te mo­de­ra­dor dos de­ba­tes em vol­ta de te­mas centrais da vi­da po­lí­ti­ca an­go­la­na.

Nes­se ano de 2012, à bei­ra das elei­ções, du­ran­te o plei­to e de­pois, o MPLA ven­ceu sem som­bra de dú­vi­da os ou­tros par­ti­dos tam­bém nas re­des so­ci­ais, aglu­ti­nan­do mi­lha­res de ci­da­dãos que vi­am na­que­la pá­gi­na um es­pa­ço de de­mo­cra­cia par­ti­ci­pa­ti­va.

Daí pa­ra cá, o cres­ci­men­to do ac­ti­vis­mo so­bre­tu­do dos mi­li­tan­tes e ami­gos do MPLA nas re­des so­ci­ais cres­ceu ex­po­nen­ci­al­men­te. As pá­gi­nas fo­ram re­for­ça­das com uma per­ma­nen­te ac­tu­a­li­da­de, su­por­te à ac­ção go­ver­na­men­tal e de­ba­tes per­ma­nen­tes. Pá­gi­nas no­vas fo­ram cri­a­das a ní­vel do par­ti­do e da so­ci­e­da­de ci­vil e um pa­pel pre­pon­de­ran­te foi de­sem­pe­nha­do na crí­ti­ca às cha­ma­das “pri­ma­ve­ras ára­bes” na Áfri­ca do Nor­te, qu­an­do um gru­po de jo­vens pre­ten­dia im­por­tar pa­ra An­go­la es­se mo­de­lo de de­ses­ta­bi­li­za­ção.

Se os par­ti­dos po­lí­ti­cos da opo­si­ção de­mons­tram uma fra­ca for­ça or­ga­ni­za­ti­va nas re­des so­ci­ais, há pá­gi­nas pes­so­ais que se for­ma­ram, cres­ce­ram e ho­je ocu­pam um es­pa­ço pró­prio no pro­ces­so de­mo­crá­ti­co, co­mo são os ca­sos de Ana Mar­go­so, Adri­a­no Sa­piña­la, Ema­nu­el Ma­la­qui­as e Jus­ti­no Pin­to de An­dra­de. Re­gi­nal­do Sil­va, Pau­la Si­mons, Ma­ria Luísa Rogério, Is­ma­el Ma­teus, Cel­so Ma­la­vo­lo­ne­ke, Ale­xan­dra Si­meão, Di­nho Chin­gun­ji, Do­min­gos das Ne­ves, Lu­ci­a­no Ca­nhan­ga, Yu­ri Simão, Ar­min­do Lau­re­a­no, Vic­tor Hu­go Men­des, Cus­sen­da­la Artur e Edu­ar­do Cus­sen­da­la, por ou­tro la­do, têm pá­gi­nas com mui­tos se­gui­do­res.

É so­bre­tu­do nas re­des so­ci­ais que a juventude se ex­pri­me. Ne­las, ca­bem as re­por­ta­gens e as ima­gens em di­rec­to nu­as e cru­as, as de­nún­ci­as, as re­cla­ma­ções e o mar­ke­ting po­lí­ti­co na sua ex­pres­são mais mo­der­na. Nas re­des so­ci­ais, to­dos são jor­na­lis­tas e co­men­ta­do­res, a ân­sia e a ne­ces­si­da­de de co­mu­ni­car mas­si­va­men­te em tem­po re­al es­tão pre­sen­tes, nu­ma ma­ni­fes­ta­ção inequí­vo­ca e res­pon­sá­vel de ci­da­da­nia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.