CNE san­ci­o­na co­mis­sá­ri­os por vi­o­la­rem re­gu­la­men­tos

Por­ta-voz Jú­lia Fer­rei­ra in­for­ma que a ins­ti­tui­ção vai ou­vir e san­ci­o­nar os even­tu­ais cul­pa­dos

Jornal de Angola - - PARTADA - RO­DRI­GUES CAMBALA e NEUSA MENEZES |* * Com An­gop

Um pro­ces­so dis­ci­pli­nar de­ve ser ins­tau­ra­do aos seis co­mis­sá­ri­os da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral (CNE) acu­sa­dos de fa­zer uma pe­ti­ção à As­sem­bleia Na­ci­o­nal usan­do in­de­vi­da­men­te do­cu­men­tos tim­bra­dos da ins­ti­tui­ção e vi­o­lar os re­gu­la­men­tos in­ter­nos, foi on­tem anun­ci­a­do. Se­gun­do a por­ta-voz da CNE, Jú­lia Fer­rei­ra, que fa­la­va à im­pren­sa no fi­nal de uma reu­nião ple­ná­ria ex­tra­or­di­ná­ria do or­ga­nis­mo, uma co­mis­são dis­ci­pli­nar de­ve ser cri­a­da pa­ra ou­vir e san­ci­o­nar os cul­pa­dos. Os re­gu­la­men­tos in­ter­nos da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral pre­vêem san­ções co­mo ad­mo­es­ta­ção, di­mi­nui­ção de sa­lá­ri­os e sus­pen­são tem­po­rá­ria. Os co­mis­sá­ri­os em cau­sa, na qua­li­da­de de ci­da­dãos, po­di­am fa­zer tal pe­ti­ção ao Par­la­men­to, mas sem nun­ca en­vol­ver, nem usar o no­me da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral, que é um ór­gão que de­li­be­ra por con­sen­so.

Um pro­ces­so dis­ci­pli­nar de­ve­rá ser ins­tau­ra­do aos seis co­mis­sá­ri­os da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral (CNE) acu­sa­dos de usar in­de­vi­da­men­te do­cu­men­tos tim­bra­dos da ins­ti­tui­ção e vi­o­lar os re­gu­la­men­tos in­ter­nos, foi on­tem anun­ci­a­do, em Lu­an­da.

Se­gun­do a por­ta-voz da CNE, Jú­lia Fer­rei­ra, no fi­nal de uma reu­nião ple­ná­ria ex­tra­or­di­ná­ria do or­ga­nis­mo, uma co­mis­são dis­ci­pli­nar de­ve­rá ser cri­a­da pa­ra ou­vir e san­ci­o­nar os cul­pa­dos.

Os re­gu­la­men­tos in­ter­nos pre­vêem san­ções co­mo ad­mo­es­ta­ção, a di­mi­nui­ção de sa­lá­ri­os, sus­pen­são tem­po­rá­ria, e as pe­nas po­dem ser agra­va­das em ca­so de rein­ci­dên­cia, mas sem­pre com o ob­jec­ti­vo de re­e­du­car “pe­da­go­gi­ca­men­te” o in­frac­tor. Uma co­mis­são de inqué­ri­to foi ins­tau­ra­da, após to­mar co­nhe­ci­men­to da exis­tên­cia de um do­cu­men­to in­ti­tu­la­do “Pe­ti­ção pa­ra re­so­lu­ção de dú­vi­das e omis­sões sus­ci­ta­das pe­la in­ter­pre­ta­ção e apli­ca­ção da lei 8/15 de 15 de Ju­nho, Lei do Re­gis­to Elei­to­ral Ofi­ci­o­so”, di­ri­gi­do à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, subs­cri­to por al­guns mem­bros da CNE, com o ob­jec­ti­vo de ob­ter in­for­ma­ções cla­ras so­bre os au­to­res da pe­ti­ção e so­bre os fac­tos.

A por­ta-voz afir­mou que das di­li­gên­ci­as e au­di­ções efec­tu­a­das aos in­qui­ri­dos a ní­vel na­ci­o­nal, pro­vin­ci­al e mu­ni­ci­pal, al­gu­mas das cer­ca de 600 pes­so­as com as­si­na­tu­ras ane­xas de­ci­di­ram não fa­zer o pro­nun­ci­a­men­to, mas a mai­o­ria dis­se des­co­nhe­cer a exis­tên­cia do do­cu­men­to. Se­gun­do ain­da a por­ta-voz, fi­cou pro­va­do que seis dos 17 co­mis­sá­ri­os na­ci­o­nais subs­cre­ve­ram a pe­ti­ção.

Su­põe-se que as seis pes­so­as di­rec­ta­men­te en­vol­vi­das de­ci­di­ram ane­xar à pe­ti­ção en­vi­a­da à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, pa­ra dar cre­di­bi­li­da­de, as as­si­na­tu­ras ad­qui­ri­das em con­tex­tos di­fe­ren­tes, sem que os ac­to­res ti­ves­sem to­ma­do con­tac­to com o do­cu­men­to. As as­si­na­tu­ras po­de­rão ter si­do re­co­lhi­das de lis­tas de pre­sen­ças em reu­niões com co­mis­sá­ri­os pro­vin­ci­ais e mu­ni­ci­pais, re­a­li­za­das pe­la pró­pria CNE, em con­tex­tos di­fe­ren­tes.

Jú­lia Fer­rei­ra fez igual­men­te men­ção a 12 in­di­ví­du­os cu­jos no­mes cons­tam da pe­ti­ção que não são mem­bros nem fun­ci­o­ná­ri­os da CNE e que es­tão por lo­ca­li­zar, mes­mo de­pois da pu­bli­ca­ção de edi­tais no Jor­nal de An­go­la. A por­ta-voz afir­mou que exis­te ma­té­ria de na­tu­re­za dis­ci­pli­nar con­tra os seis subs­cri­to­res por violação do re­gu­la­men­to, dos prin­cí­pi­os bá­si­cos so­bre as nor­mas de con­du­ta do pon­to de vis­ta de de­co­ro, de ur­ba­ni­da­de e de res­pei­to.

Além das dis­po­si­ções res­pei­tan­tes à for­ma de ac­tu­a­ção, tam­bém se en­ten­de que fe­ri­ram a ima­gem, o bom no­me e a in­te­gri­da­de do ór­gão. “Te­mos nor­mas mui­to pró­pri­as em re­la­ção à for­ma co­mo ca­da um de nós de­ve es­tar, res­pei­tar e ob­ser­var, pre­do­mi­nan­do os prin­cí­pi­os da uni­da­de in­ter­na, neu­tra­li­da­de, im­par­ci­a­li­da­de, por a CNE ter pa­pel de ár­bi­tro e os par­ti­dos po­lí­ti­cos de jo­ga­do­res”, de­cla­rou.

Os co­mis­sá­ri­os em cau­sa, na qua­li­da­de de ci­da­dãos, po­di­am fa­zer tal pe­ti­ção, mas sem nun­ca en­vol­ver, nem usar o no­me do ór­gão, que de­li­be­ra por con­sen­so. No qua­dro da ava­li­a­ção do re­gis­to rlei­to­ral, o ple­ná­rio de on­tem re­co­men­dou uma mai­or par­ti­ci­pa­ção dos par­ti­dos po­lí­ti­co no pro­ces­so de su­per­vi­são.

Ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to

O mi­nis­tro do Co­mér­cio ape­lou on­tem à po­pu­la­ção an­go­la­na a afluir em mas­sa aos pos­tos de re­gis­to elei­to­ral ins­ta­la­dos em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, pa­ra pro­ce­de­rem à ac­tu­a­li­za­ção pre­sen­ci­al dos da­dos elei­to­rais. Fi­el Cons­tan­ti­no, que fa­la­va em Lu­an­da mo­men­tos de­pois de ter fei­to a sua pro­va de vi­da, no âm­bi­to de um pro­gra­ma do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, dis­se que as pes­so­as que ain­da se apre­sen­tam cép­ti­cas de­vem mes­mo as­sim efec­tu­ar a sua ac­tu­a­li­za­ção, “por­que po­dem que­rer mu­dar de ideia na fa­se da vo­ta­ção”, al­tu­ra em que já se­rá tar­de.

O mi­nis­tro lem­brou que o re­gis­to elei­to­ral é um de­ver cí­vi­co e dos mais im­por­tan­tes que to­dos os ci­da­dãos na­ci­o­nais de­vem fa­zer, por se tra­tar de um pro­ces­so sim­ples e que é a con­di­ção pri­má­ria pa­ra se po­der exer­cer o di­rei­to de vo­to. Além do mi­nis­tro do Co­mér­cio, a bri­ga­da de re­gis­to elei­to­ral pro­ce­deu igual­men­te à ac­tu­a­li­za­ção dos da­dos dos fun­ci­o­ná­ri­os afec­tos àque­le Mi­nis­té­rio.

A par­tir de se­gun­da-fei­ra, vai ser atin­gi­da a ci­fra de qua­tro mil ope­ra­do­res no pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral, que ar­ran­cou a 25 de Agos­to des­te ano. A in­ten­ção é cri­ar mai­or apro­xi­ma­ção dos ci­da­dãos ao re­gis­to elei­to­ral. Nes­ta al­tu­ra, mais de dois mi­lhões de elei­to­res fi­ze­ram já a ac­tu­a­li­za­ção dos seus da­dos.

A mi­nis­tra da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher pe­diu on­tem às mu­lhe­res pa­ra pro­ce­de­rem à ac­tu­a­li­za­ção dos da­dos elei­to­rais e tra­ba­lha­rem na sen­si­bi­li­za­ção dos seus fa­mi­li­a­res e de ou­tros mu­ní­ci­pes pa­ra a ade­são ao pro­ces­so de re­gis­to pre­sen­ci­al.

Fi­lo­me­na Del­ga­do, que fa­la­va no ac­to do pro­ces­so de re­gis­to que jun­tou vá­ri­as mu­lhe­res de di­fe­ren­tes es­tra­tos so­ci­ais, no pa­vi­lhão mul­tiu­so da Ci­da­de­la, rei­te­rou que as mu­lhe­res são a mai­o­ria no país e de­vem afluir em mas­sa aos pos­tos de ac­tu­a­li­za­ção.

SAN­TOS PE­DRO

Por­ta-voz da CNE diz que as san­ções vão des­de a ad­mo­es­ta­ção à sus­pen­são tem­po­rá­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.