Iden­ti­da­de de um po­vo

Jornal de Angola - - PARTADA - FI­LI­PE ZAU |* * Ph. D em Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção e Mes­tre em Re­la­ções In­ter­cul­tu­rais

Na sequên­cia de um tex­to que pu­bli­quei, em 5 de Ou­tu­bro úl­ti­mo, no Jor­nal de An­go­la e ain­da no con­tex­to da aná­li­se dos ei­xos de for­ça pa­ra a si­tu­a­ção co­lo­ni­al em Áfri­ca, de­ci­di ago­ra de­bru­çar-me so­bre “a do­mi­na­ção im­pos­ta por uma mi­no­ria es­tran­gei­ra, ‘ra­ci­al’ e cul­tu­ral­men­te di­fe­ren­te, em no­me de uma su­pe­ri­o­ri­da­de ra­ci­al (e ou ét­ni­ca) e cul­tu­ral dog­ma­ti­ca­men­te afir­ma­da, a uma mai­o­ria au­tóc­to­ne ma­te­ri­al­men­te in­fe­ri­or”. Tal co­mo an­te­ri­or­men­te, ser­vi­ram-me de su­por­te as aná­li­ses de Ge­or­ge Ba­lan­di­er (et­nó­lo­go, an­tro­pó­lo­go e so­ció­lo­go fran­cês) e de Guy Ro­cher (so­ció­lo­go ca­na­di­a­no), que, so­bre a ques­tão em jo­go, per­mi­ti­ram-se re­flec­tir mais ma­du­ra­men­te so­bre os pro­ces­sos da co­lo­ni­za­ção por­tu­gue­sa, on­de tam­bém se in­se­re um “con­jun­to de pseu­do-jus­ti­fi­ca­ções de com­por­ta­men­tos es­te­re­o­ti­pa­dos”.

As prin­ci­pais mo­ti­va­ções pa­ra a ela­bo­ra­ção des­te tex­to de­vem-se ao fac­to de, no pró­xi­mo mês, An­go­la co­me­mo­rar (pa­ra má­goa de al­guns nos­tál­gi­cos), o seu 41º aniversário da In­de­pen­dên­cia e de, es­te ano, se com­ple­ta­rem 180 anos, des­de a da­ta em que, ofi­ci­al­men­te, foi abo­li­do o trá­fi­co de es­cra­vos nas co­ló­ni­as por­tu­gue­sas (10 de De­zem­bro de 1836). Co­mo re­fe­re o preâm­bu­lo do de­cre­to: “o in­fa­me trá­fi­co dos ne­gros é cer­ta­men­te uma nó­doa in­de­lé­vel na his­tó­ria das Na­ções mo­der­nas (...). Emen­dar pois o mal fei­to, fa­zer com que mais se não fa­ça, é de­ver da hon­ra por­tu­gue­sa, e é do in­te­res­se da Co­roa de vos­sa ma­jes­ta­de”. Mas, ape­sar de o ano de 1836 ser um mar­co de re­fe­rên­cia pa­ra os le­gis­la­do­res, só en­tre 18451848 se co­me­ça­ram a sen­tir os efei­tos da sua apli­ca­ção prá­ti­ca. Co­mo re­fe­re Va­len­tim Ale­xan­dre, a par­tir do tra­ta­do an­glo-por­tu­guês de Ju­lho de 1842, “o trá­fi­co pas­sa­va a ser um con­tra­ban­do pe­ri­go­so pa­ra os tra­fi­can­tes, i.e., pa­ra a mai­o­ria dos co­mer­ci­an­tes e das ca­sas das gran­des mes­ti­ças das pra­ças de Lu­an­da e de Ben­gue­la e pa­ra aque­les seus cli­en­tes que se atre­ves­sem a cor­rer os ris­cos de for­çar o ‘blo­queio’ na­val”.

Mas, co­mo con­tra­ban­de­an­do se ga­nha­va mais, do que quan­do o co­mér­cio de es­cra­vos era fei­to sob co­ber­tu­ra le­gal, o trá­fi­co ne­grei­ro au­men­tou con­si­de­ra­vel­men­te até à pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo XIX, até que a Lei bra­si­lei­ra de 4 de Se­tem­bro de 1850 (tam­bém co­nhe­ci­da por Lei Eu­sé­bio de Qu­ei­rós), pas­sou a con­si­de­rar a im­por­ta­ção de es­cra­vos pa­ra o Bra­sil tam­bém co­mo ac­to de pi­ra­ta­ria. Cu­ri­o­sa­men­te, Eu­sé­bio de Qu­ei­rós Cou­ti­nho Ma­to­so da Câ­ma­ra, ma­gis­tra­do, mi­nis­tro da Jus­ti­ça (18481852) e au­tor da lei que, no Bra­sil, proi­biu o trá­fi­co ne­grei­ro, nas­ceu em São Pau­lo de Lu­an­da (rei­no do Ndon­go), em 1812 e fa­le­ceu no Rio de Ja­nei­ro, em 7 de Maio de 1868. O seu avô e o seu pai exer­ce­ram am­bos, em Lu­an­da, os car­gos de ou­vi­dor-ge­ral da Co­mar­ca de An­go­la. Po­rém, o ca­pi­tão-general de An­go­la, Ni­co­lau Cas­te­lo Bran­co, pre­ven­do a abo­li­ção do trá­fi­co ne­grei­ro, re­la­ta­va o se­guin­te, atra­vés do ofí­cio nº 49, de 23 de Fe­ve­rei­ro de 1825:

“Ca­be­rá ago­ra aqui dar a Vª Ex.ª uma se­gu­ran­ça ab­so­lu­ta de que, no dia da abo­li­ção do co­mér­cio da es­cra­va­tu­ra, de­ve a nos­sa Na­ção con­si­de­rar co­mo im­pos­sí­vel e inú­til a sua con­ser­va­ção nes­tes do­mí­ni­os; im­pos­sí­vel, por­que sem os di­rei­tos da es­cra­va­tu­ra não se po­de­rá por ma­nei­ra al­gu­ma man­ter um cor­po de tro­pas e pa­gar aos em­pre­ga­dos pú­bli­cos; e inú­til por­que des­de en­tão, além do mar­fim e de uma pou­ca ce­ra não ha­ve­rá mais gé­ne­ro al­gum de ex­por­ta­ção, e sem dú­vi­da An­go­la fi­ca­rá re­du­zi­da às mais des­van­ta­jo­sas cir­cuns­tân­ci­as da­que­las em que se acha S. To­mé, de on­de de­sa­pa­re­ce­ram os bran­cos, ten­do ain­da aque­le país a van­ta­gem da pro­du­ção do ca­fé, que ape­nas prin­ci­pia a ter An­go­la, uni­ca­men­te no dis­tri­to de En­co­ge”.

Isa­bel Cas­tro Hen­ri­ques, num tex­to in­ti­tu­la­do “A Ro­ta dos Es­cra­vos. An­go­la e a re­de do co­mér­cio ne­grei­ro (séc. XV a XIX)” re­fe­re que “o juí­zo so­bre os Afri­ca­nos é an­te­ri­or à sua ba­na­li­za­ção e apoi­a­se em pre­con­cei­tos so­má­ti­cos, al­guns dos qu­ais, co­mo a de­nún­cia dos na­ri­zes acha­ta­dos, se en­con­tra já na Bí­blia”. Os ne­gros, ao não se co­a­du­na­rem com os pa­drões eu­ro­peus de be­le­za, pas­sa­vam a ser as­so­ci­a­dos ao in­for­tú­nio, à tris­te­za, à cor dos di­a­bos no in­fer­no.

Nos tex­tos de Go­mes Ea­nes de Zu­ra­ra, co­mo re­fe­re ain­da Isa­bel Cas­tro Hen­ri­ques, os ne­gros en­con­tram-se to­tal­men­te ar­re­da­dos dos va­lo­res e das for­mas das es­pé­ci­es hu­ma­nas: “Es­sas ‘coi­sas’ não po­dem ser in­te­gra­das na es­pé­cie hu­ma­na, vis­to apre­sen­ta­rem for­mas de pa­ren­tes­co com as fi­gu­ras di­a­bó­li­cas, não per­ten­cen­do nem ao céu, nem à ter­ra, mas sim ao ctó­ni­co, ao sub­ter­râ­neo, on­de ha­bi­tam des­de sem­pre as for­ças di­a­bó­li­cas. A nu­dez se­ria, na ló­gi­ca dos Por­tu­gue­ses, a pro­va com­ple­men­tar mas su­fi­ci­en­te des­te ca­rác­ter di­a­bó­li­co, pois Deus mar­cou com pê­los aque­las par­tes que o ho­mem de­ve co­brir.” Tam­bém, o dra­ma­tur­go Gil Vi­cen­te, quan­do des­cre­via cam­po­ne­ses fei­os, do­ta­va-os de pe­les es­cu­ras e na­ri­zes gros­sei­ros. De­di­cou uma pe­ça a uma cer­ta “Ma­ria Par­da”, sen­do “par­do” a ex­pres­são ex­traí­da do mun­do ani­mal – ao re­me­ter pa­ra a pe­le das éguas – que pas­sou a ser tam­bém uti­li­za­da pa­ra de­sig­nar tan­to os mes­ti­ços co­mo os ame­rín­di­os. Do ca­tá­lo­go dos mu­a­res sur­giu tam­bém o ter­mo “mu­la­to”, pa­ra re­fe­ren­ci­ar o mes­ti­ço des­cen­den­te da re­la­ção en­tre ne­gro e bran­co.

Quan­to à ori­gem do ter­mo “mu­la­to”, se­gun­do Jo­sé Ra­mos Ti­nho­rão em “Os ne­gros em Por­tu­gal; Uma pre­sen­ça si­len­ci­o­sa”, es­tá re­la­ci­o­na­da com o ma­cho da mu­la, “o ani­mal hí­bri­do e es­té­ril no mes­mo gé­ne­ro, pro­ve­ni­en­te do cru­za­men­to de ju­men­to com égua ou de ca­va­lo com ju­men­ta. A ex­ten­são des­sa de­sig­na­ção aos des­cen­den­tes de bran­cos e ne­gros de­ve ter ti­do po­rém ori­gem não ape­nas no fac­to de tais mes­ti­ços hu­ma­nos re­sul­ta­rem tam­bém de um cru­za­men­to de ra­ças, mas de os ca­va­los e mu­a­res se­rem co­mum­men­te bai­os, ou de cor cas­ta­nha de to­na­li­da­de pró­xi­ma do par­do da pe­le hu­ma­na (…)”. Pes­so­al­men­te, sou ain­da do tem­po em que os ne­gros di­fi­cil­men­te saíam à rua em Por­tu­gal, sem se­rem de­vi­da­men­te “aca­ri­nha­dos”. Na me­lhor das hi­pó­te­ses, lo­go pe­la ma­nhã, pe­lo “ó pre­ti­nho dá cá um gos­to, pa­ra me da­res sor­te (…)”. Na for­ma mais con­tun­den­te pe­lo “ó pre­to vai mas é pa­ra a tua ter­ra, pá!!”.

Ho­je, com a pas­sa­gem de mui­tos es­tu­dan­tes afri­ca­nos e de mui­tos jo­ga­do­res de fu­te­bol ne­gros e mes­ti­ços (afri­ca­nos ou não)… pa­re­ce que a di­a­bo­li­za­ção deu lu­gar a um mai­or sen­ti­do de al­te­ri­da­de e, com sur­pre­sa e não me­nos ad­mi­ra­ção, já vi até no Ros­sio, pe­que­nos gru­pos de po­lí­ti­cos e in­te­lec­tu­ais a so­li­da­ri­za­rem-se com as cau­sas so­ci­ais, ide­o­ló­gi­cas e até par­ti­dá­ri­as de di­fe­ren­tes gru­pos de an­go­la­nos, sem, apa­ren­te­men­te, olha­rem pa­ra o mai­or ou me­nor grau de me­la­ni­na. Cla­ro que, com is­to, não que­ro di­zer que dei­xou de ha­ver ra­cis­mo em Por­tu­gal, quan­do até, em ou­tras par­tes do mun­do, co­mo nos EUA, re­cru­des­ce­ram os con­fli­tos ra­ci­ais.

Con­tu­do, não pos­so, pa­ra­le­la­men­te, dei­xar de re­flec­tir so­bre uma cons­ta­ta­ção do já fa­le­ci­do po­e­ta, di­plo­ma­ta e pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de do Mi­nho, Luís Gas­par da Sil­va, tam­bém mem­bro fun­da­dor do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Por­tu­guês, no seu li­vro “Uto­pia seis des­ti­nos”, edi­ta­do em 1997, pe­la Qua­tro Mar­gens Edi­to­ra. Re­fe­ria Gas­par da Sil­va, a pro­pó­si­to das vá­ri­as ac­ções de ca­rác­ter di­plo­má­ti­co a de­sen­vol­ver, que, no do­mí­nio da So­ci­o­lo­gia, ha­ve­ria a ne­ces­si­da­de de “(…) fa­zer de­sa­pa­re­cer de­fi­ni­ti­va­men­te a ideia re­ac­ci­o­ná­ria de que o afri­ca­no não é com­ple­ta­men­te nor­mal, mas po­de ser as­si­mi­la­do.”

Sen­do a iden­ti­da­de de um po­vo o seu prin­ci­pal ga­ran­te de so­be­ra­nia, co­mo afir­ma­va Oswal­do Ser­ra VanDú­nem, ex-em­bai­xa­dor de An­go­la em Por­tu­gal, é cla­ro que a acul­tu­ra­ção não dei­xa, pa­ra to­dos nós, de ser mo­ti­vo de es­pe­ci­al pre­o­cu­pa­ção, quan­do já se pas­sa­ram mais de 40 anos so­bre a da­ta da in­de­pen­dên­cia de An­go­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.