PAIGC e PRS di­ver­gem so­bre go­ver­no de in­clu­são

Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz pros­se­gue con­sul­ta com os prin­ci­pais par­ti­dos po­lí­ti­cos gui­ne­en­ses

Jornal de Angola - - MUNDO -

For­tes di­ver­gên­ci­as con­ti­nu­am a mar­car o ce­ná­rio po­lí­ti­co na Gui­néBis­sau, cer­ca de um mês de­pois da as­si­na­tu­ra, em Bis­sau, dos acor­dos pa­ra a so­lu­ção da cri­se.

O PAIGC, prin­ci­pal for­ça po­lí­ti­ca do país e o PRS, o pri­mei­ro da opo­si­ção, con­ti­nu­am a en­fren­tar di­fi­cul­da­des pa­ra che­ga­rem a um con­sen­so so­bre o for­ma­to a atri­buir ao go­ver­no de in­clu­são a ser for­ma­do com ba­se nas pro­pos­tas avan­ça­das pe­la mis­são dos Che­fes de Es­ta­dos en­vi­a­dos, es­pe­ci­al­men­te a Bis­sau, pe­la Ce­de­ao, pa­ra a pro­cu­ra de so­lu­ções pa­ra os pro­ble­mas po­lí­ti­cos que, de um tem­po a es­ta par­te, es­te país en­fren­ta.

Os Che­fes de Es­ta­do da Gui­né Co­na­cry e da Ser­ra Le­oa, res­pec­ti­va­men­te Alpha Con­dé e Er­nest Bai Ko­ro­ma, es­ti­ve­ram à fren­te da mis­são que re­sul­tou na as­si­na­tu­ra, a 10 de Se­tem­bro, de um acor­do que es­ta­be­le­ce a for­ma­ção de um go­ver­no de in­clu­são, re­pre­sen­ta­do por to­das as par­tes en­vol­vi­das na con­ten­da que opõe apoi­an­tes do Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz e o PAIGC.

Num en­con­tro que o Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz man­te­ve na quin­ta­fei­ra, com re­pre­sen­tan­tes do PAIGC e do PRS, pa­ra aná­li­se das pro­pos­tas da Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca dos Es­ta­dos da Áfri­ca do Oes­te, de acor­do com as nos­sas fon­tes, fo­ram iden­ti­fi­ca­dos si­nais evi­den­tes de for­tes dis­cre­pân­ci­as en­tre as du­as prin­ci­pais for­ças po­lí­ti­cas da Gui­né-Bis­sau, em re­la­ção ao que de­ve­rá ser o go­ver­no de in­clu­são.

De acor­do com as fon­tes que vi­mos ci­tan­do, as du­as par­tes apre­sen­tam-se in­fle­xí­veis e pou­co in­cli­na­das a ce­dên­ci­as no seu po­si­ci­o­na­men­to, dei­xan­do su­ben­ten­der que ain­da não é des­ta que os gui­ne­en­ses vão che­gar a en­ten­di­men­to.

O PAIGC, por exem­plo, de­fen­de a cri­a­ção de um go­ver­no in­clu­si­vo for­ma­do com ba­se no res­pei­to aos prin­cí­pi­os cons­ti­tu­ci­o­nais da Re­pú­bli­ca da Gui­né-Bis­sau e que lhe se­ja atri­buí­do o di­rei­to de di­ri­gir o fu­tu­ro exe­cu­ti­vo, na sua qua­li­da­de de par­ti­do ven­ce­dor das elei­ções le­gis­la­ti­vas de 2014.

Domingos Si­mões Pe­rei­ra, lí­der do par­ti­do, con­si­de­rou o en­con­tro com o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca mais uma opor­tu­ni­da­de que se abriu, ten­do em vis­ta o re­tor­no à le­ga­li­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal, “atri­buin­do-se a quem de di­rei­to a com­pe­tên­cia de for­mar o go­ver­no de in­clu­são, con­for­me pre­vis­to nos acor­dos me­di­a­dos pe­la Ce­de­ao.” “A Cons­ti­tui­ção gui­ne­en­se é cla­ra nes­te as­pec­to. O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca é o pri­mei­ro ma­gis­tra­do da na­ção, mas ca­be ao ven­ce­dor das elei­ções le­gis­la­ti­vas o di­rei­to ex­clu­si­vo de de­ci­dir quem go­ver­na”, afir­mou.

A seu ver, es­se as­sun­to nun­ca es­te­ve em cau­sa. “Re­pre­sen­ta ape­nas um di­rei­to que o po­vo con­sa­grou ao par­ti­do mai­o­ri­tá­rio”, re­fe­riu Domingos Si­mões Pe­rei­ra. Por sua vez, o Par­ti­do de Re­no­va­ção So­ci­al (PRS) diz con­cor­dar com a for­ma­ção do go­ver­no in­clu­si­vo, mas aler­ta que a in­clu­são sig­ni­fi­ca uma in­te­gra­ção de to­dos os par­ti­dos in­te­res­sa­dos.

Mas, e de acor­do com de­cla­ra­ções pres­ta­das à im­pren­sa pe­lo se­cre­tá­rio-ge­ral do PRS, Flo­ren­ti­no Men­des Pe­rei­ra, o seu par­ti­do não vê mo­ti­vos pa­ra pôr em cau­sa a le­gi­ti­mi­da­de do ac­tu­al Go­ver­no li­de­ra­do por Ba­ci­ro Djá. O ac­tu­al pri­mei­ro-mi­nis­tro é o lí­der da fac­ção do PAIGC dos “15”, que, no iní­cio do ano em cur­so, fo­ram ex­pul­sos das fi­lei­ras des­te par­ti­do, por ale­ga­da in­dis­ci­pli­na e de­so­be­di­ên­cia.

Na sequên­cia des­tes acon­te­ci­men­tos, o Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz, exo­ne­rou o che­fe do Exe­cu­ti­vo in­di­ca­do pe­lo PAIGC e no­me­ou Ba­ci­ro Djá em seu lu­gar.

É na sua in­di­ca­ção sem o aval do PAIGC que re­si­de ac­tu­al­men­te o gran­de po­mo da dis­cór­dia, que na prá­ti­ca es­tá na ori­gem da su­bi­da, em ex­po­nen­ci­al, da cri­se que há cer­ca de um ano pa­ra­li­sa a Gui­né-Bis­sau.

O PAIGC e a so­ci­e­da­de ci­vil con­si­de­ram ile­gal o ac­tu­al Go­ver­no li­de­ra­do por Ba­ci­ro Djá, mas o Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça con­si­de­rou-o le­gí­ti­mo. De re­cor­dar que, an­tes do seu afas­ta­men­to do PAIGC, Ba­ci­ro Djá ocu­pou, no Go­ver­no de Domingos Si­mões Pe­rei­ra, o car­go de mi­nis­tro jun­to da Pre­si­dên­cia e do Con­se­lho de Mi­nis­tros.

Após a que­da de Domingos Si­mões Pe­rei­ra da che­fia do Go­ver­no, Ba­ci­ro Djá exer­ceu du­ran­te 24 ho­ras, a fun­ção de pri­mei­ro-mi­nis­tro da Gui­né-Bis­sau, ten­do si­do exo­ne­ra­do do car­go em fun­ção de uma de­ci­são do Tri­bu­nal Su­pre­mo da Gui­né-Bis­sau, que con­si­de­rou in­cons­ti­tu­ci­o­nal a sua no­me­a­ção.

AFP

Che­fe de Es­ta­do faz ape­lo aos par­ti­dos e à so­ci­e­da­de ci­vil pa­ra so­lu­ção rá­pi­da da cri­se po­lí­ti­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.