Lí­der da Colômbia ven­ce No­bel da Paz

Co­mi­té de es­co­lha pres­ta tri­bu­to aos co­lom­bi­a­nos e es­pe­ra o fim da guer­ra

Jornal de Angola - - PARTADA -

O co­mi­té no­ru­e­guês de­ci­diu pre­mi­ar o Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no, Ju­an Ma­nu­el San­tos, com o No­bel da Paz 2016 pe­los seus “es­for­ços pa­ra pôr fim aos mais de 50 anos de guer­ra ci­vil no país”. De fo­ra de um pré­mio que foi tam­bém “pa­ra o po­vo co­lom­bi­a­no” fi­cou o lí­der das FARC, Ro­dri­go Lon­do­no.

O Pre­si­den­te da Colômbia foi dis­tin­gui­do on­tem com o Pré­mio No­bel da Paz 2016, pe­los es­for­ços em prol da paz no seu país, após mais de 50 anos de guer­ra ci­vil, anun­ci­ou o Co­mi­té No­bel da No­ru­e­ga, em Os­lo.

Ju­an Ma­nu­el San­tos, de 65 anos e ex-mi­nis­tro da De­fe­sa no Go­ver­no do Pre­si­den­te Ál­va­ro Uri­be, re­ce­be o ga­lar­dão má­xi­mo atri­buí­do pe­lo Co­mi­té No­bel no­ru­e­guês por cau­sa da sua lu­ta in­tran­si­gen­te em prol das ne­go­ci­a­ções de paz en­tre o Go­ver­no e a guer­ri­lha das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colômbia (FARC).

O con­fli­to ar­ma­do no país cau­sou pe­lo me­nos 220 mil mor­tos e qua­se se­te mi­lhões de des­lo­ca­dos em 52 anos e não tem um fim à vis­ta.

Ape­sar de ter si­do al­can­ça­do um acor­do de paz his­tó­ri­co, es­te foi re­jei­ta­do em re­fe­ren­do. O “não” ga­nhou com 50,21 por cen­to dos vo­tos con­tra 49,78 por cen­to do “sim” ao ces­sar­fo­go, num es­cru­tí­nio em que a abs­ten­ção atin­giu os 62 por cen­to.

“Is­to não sig­ni­fi­ca ne­ces­sa­ri­a­men­te que o pro­ces­so es­te­ja mor­to”, dis­se o Co­mi­té No­bel no­ru­e­guês em co­mu­ni­ca­do, ao jus­ti­fi­car a atri­bui­ção do No­bel da Paz à luz dos es­for­ços en­ce­ta­dos por Ju­an Ma­nu­el San­tos nes­se sen­ti­do.

Ape­sar do re­sul­ta­do da con­sul­ta po­pu­lar, os ne­go­ci­a­do­res do acor­do, cu­jas conversações de­cor­rem des­de há qua­tro anos em Cu­ba, já en­ce­ta­ram con­tac­tos pa­ra ela­bo­ra­ção de um no­vo pla­no que pos­sa ob­ter o con­sen­so na­ci­o­nal. De acor­do com o jú­ri, o pré­mio é tam­bém “um tri­bu­to ao po­vo da Colômbia que, ape­sar das gran­des di­fi­cul­da­des e os abu­sos, não per­deu a es­pe­ran­ça de uma paz jus­ta, to­das as par­tes que con­tri­buí­ram com o pro­ces­so de paz” e to­das as ví­ti­mas de uma guer­ra que cus­tou a vi­da de pe­lo me­nos 220 mil co­lom­bi­a­nos e obri­gou mais a saí­da de mais de seis mi­lhões de pes­so­as das su­as ca­sas.

O Co­mi­té no­ru­e­guês re­ce­beu es­te ano um nú­me­ro re­cor­de de can­di­da­tu­ras: 228 pes­so­as e 148 or­ga­ni­za­ções. No ano pas­sa­do, o pré­mio foi atri­buí­do ao Quar­te­to pa­ra o Diá­lo­go Na­ci­o­nal na Tu­ní­sia, gru­po de or­ga­ni­za­ções que per­mi­tiu sal­va­guar­dar a tran­si­ção de­mo­crá­ti­ca na Tu­ní­sia, on­de de­cor­re­ram os pri­mei­ros pro­tes­tos da Pri­ma­ve­ra Ára­be, va­ga de ma­ni­fes­ta­ções que aba­lou vá­ri­os paí­ses do mun­do ára­be em 2011.

A tem­po­ra­da dos pré­mi­os No­bel 2016 co­me­çou na se­gun­da-fei­ra com o anún­cio do No­bel da Me­di­ci­na, atri­buí­do ao ja­po­nês Yoshi­no­ri Oh­su­mi pe­la des­co­ber­ta do me­ca­nis­mo de au­to­fa­gia ce­lu­lar. O No­bel da Fí­si­ca foi atri­buí­do na ter­ça-fei­ra a Da­vid J. Thou­less, e a F. Dun­can M. Hal­da­ne e J. Mi­cha­el Kos­ter­litz pe­las des­co­ber­tas teó­ri­cas das tran­si­ções da fa­se to­po­ló­gi­ca e das fa­ses to­po­ló­gi­cas da ma­té­ria. Já o No­bel da Quí­mi­ca foi atri­buí­do quar­ta­fei­ra a Je­an-Pi­er­re Sau­va­ge, J. Fra­ser Stod­dart e Ber­nard L. Fe­rin­ga pe­la “con­cep­ção de equi­pa­men­tos de sín­te­se mo­le­cu­lar”.

O No­bel da Eco­no­mia vai ser co­nhe­ci­do na se­gun­da-fei­ra e o da Li­te­ra­tu­ra, cu­ja en­tre­ga foi es­te ano adi­a­da, é anun­ci­a­do dia 13.

AFP

Pre­si­den­te Ju­an Ma­nu­el San­tos re­a­fir­ma de­se­jo de aca­bar com o con­fli­to ar­ma­do ape­sar do “não” po­pu­lar no re­fe­ren­do ao acor­do de paz

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.