MBAN­ZA MAGINA

Fa­mí­li­as mais vul­ne­rá­veis do Zaire trans­fe­ri­das pa­ra ca­sas evo­lu­ti­vas

Jornal de Angola - - PARTADA - FER­NAN­DO NE­TO |

Um gru­po de 50 fa­mí­li­as re­si­den­tes em zo­nas de ris­co nos bair­ros pe­ri­fé­ri­cos da ci­da­de de Mban­za Con­go foi re­a­lo­ja­do em ca­sas evo­lu­ti­vas na al­deia de Mban­za Magina. Com cer­ca de 600 re­si­dên­ci­as, a lo­ca­li­da­de ad­qui­re ho­je uma no­va ima­gem, com vá­ri­as me­lho­ri­as, co­mo a co­lo­ca­ção de ilu­mi­na­ção pú­bli­ca ao lon­go da es­tra­da prin­ci­pal.

Além de fa­mí­li­as re­si­den­tes em zo­nas con­si­de­ra­das de ris­co, par­te das 50 ca­sas evo­lu­ti­vas, cons­truí­das em am­bos os la­dos da es­tra­da de aces­so a Mban­za Magina, no âm­bi­to do pro­gra­ma de fo­men­to ha­bi­ta­ci­o­nal, foi dis­tri­buí­da a re­gres­sa­dos da vi­zi­nha Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go.

A al­deia de Mban­za Magina, cu­jas ru­as es­tão ain­da por as­fal­tar, fi­ca cin­co qui­ló­me­tros a no­ro­es­te da ci­da­de de Mban­za Con­go. Nos úl­ti­mos 14 anos, viu es­ta­be­le­ci­do o for­ne­ci­men­to de elec­tri­ci­da­de e água po­tá­vel e cons­truí­do um pos­to de saú­de e es­co­las. A po­pu­la­ção, com­pos­ta na sua mai­o­ria por mu­lhe­res, re­cla­ma, so­bre­tu­do, da fal­ta de mo­a­gei­ras pa­ra trans­for­mar a gran­de quan­ti­da­de de man­di­o­ca pro­du­zi­da.

A ro­ma­ria de mu­lhe­res e cri­an­ças que an­tes se as­sis­tia pa­ra acar­re­tar água do rio Lu­e­ji ter­mi­nou. Um cha­fa­riz e uma la­van­da­ria, cons­truí­dos no qua­dro do Pro­gra­ma de Com­ba­te à Fo­me e à Po­bre­za, ga­ran­tem o abas­te­ci­men­to às fa­mí­li­as.

Com um re­ser­va­tó­rio de cin­co mil me­tros cú­bi­cos, ins­ta­la­do nu­ma ele­va­ção de on­de a água des­ce por gra­vi­da­de, o cha­fa­riz é aber­to du­as ve­zes ao dia du­ran­te três ho­ras. Um gru­po ge­ra­dor de 2.000 mil kva as­se­gu­ra o for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca das 17 às 8h00 do dia se­guin­te.

A mai­o­ria das ca­sas é fei­ta de ado­be quei­ma­do, umas co­ber­tas de ca­pim e ou­tras de cha­pas de zin­co. Mban­za Magina, cu­ja via de ter­ra ba­ti­da foi ter­ra­pla­na­da, é uma tí­pi­ca al­deia an­go­la­na, on­de se mis­tu­ra o rús­ti­co e o mo­der­no.

O uso de ma­te­ri­al de fa­bri­co ar­te­sa­nal, co­mo o ado­be quei­ma­do, na cons­tru­ção de ca­sas evo­lu­ti­vas, ser­ve tam­bém pa­ra pro­mo­ver no seio das co­mu­ni­da­des no­vos mé­to­dos de edi­fi­ca­ção de re­si­dên­ci­as e ou­tras in­fra-es­tru­tu­ras, de for­ma sim­ples, mas que ofe­re­cem me­lho­res con­di­ções de se­gu­ran­ça e de co­mo­di­da­de.

Ape­sar dos avan­ços so­ci­ais re­gis­ta­dos, Mban­za Magina é uma lo­ca­li­da­de pa­ca­ta, com um am­bi­en­te pro­pí­cio pa­ra quem pro­cu­ra fu­gir da agi­ta­ção dos aglo­me­ra­dos hu­ma­nos. Quem ali che­ga de ma­nhã, en­con­tra ca­sas com as por­tas aber­tas, com as fa­mí­li­as a pre­pa­ra­rem-se pa­ra ir à la­vou­ra, prin­ci­pal ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca da co­mu­ni­da­de.

Ao cru­za­rem-se lo­go pe­la ma­nhã, os al­deões saú­dam-se com a ha­bi­tu­al ex­pres­são ki­kon­go “lwashi­ka­ma?” – “acor­dou bem?” em por­tu­guês.

“Ter­ra de xa­rás”

O re­ge­dor An­dré Domingos Adri­a­no le­vou a equi­pa de re­por­ta­gem à ca­sa do so­ba Se­bas­tião Ma­ton­do, um an­cião na ca­sa dos 70 anos, que en­con­trá­mos a ma­ta­bi­char na com­pa­nhia da mu­lher e de du­as fi­lhas.

À som­bra de uma ár­vo­re, o ve­lho so­ba con­tou que o lo­cal foi o es­co­lhi­do por ele­men­tos do clã Kiwan­ga, idos de Kim­pe­se, no mu­ni­cí­pio do Cuim­ba, co­mu­na da Ser­ra de Kan­da, an­tes da che­ga­da dos por­tu­gue­ses.

Magina, em ki­kon­go, sig­ni­fi­ca “xa­rá”, en­quan­to Mban­za, qu­er di­zer ter­ra. A de­sig­na­ção “ter­ra de xa­rás” ad­vém da ca­deia mon­ta­nho­sa que a cir­cun­da. Na vi­gên­cia do an­ti­go rei­no do Con­go, a co­mu­ni­da­de de Mban­za Magina gran­je­ou o res­pei­to do rei, que tro­ca­va, com os seus an­te­ces­so­res, idei­as so­bre vá­ri­os as­sun­tos so­ci­ais per­ti­nen­tes da vi­da co­lec­ti­va.

Se­bas­tião Ma­ton­do dis­se que a al­deia re­gis­tou gran­des mu­dan­ças após a in­de­pen­dên­cia e, so­bre­tu­do, des­de a con­quis­ta da paz. A po­pu­la­ção es­tá sa­tis­fei­ta pe­lo aces­so à água po­tá­vel, elec­tri­ci­da­de, cui­da­dos pri­má­ri­os de saú­de e es­co­las pa­ra as cri­an­ças. Os ha­bi­tan­tes lo­cais pe­dem o as­fal­ta­men­to da es­tra­da de aces­so, a cri­a­ção de opor­tu­ni­da­des de em­pre­go e a ins­ta­la­ção de mo­a­gei­ras.

“O Go­ver­no de­ve-se pre­o­cu­par em as­fal­tar a es­tra­da. Os tá­xis que ope­ram nes­ta zo­na são mo­to­ri­za­das e co­bram 300 kwan­zas pe­la cor­ri­da até Mban­za Con­go”, dis­se o re­ge­dor Domingos Adri­a­no.

A po­ei­ra ao lon­go da es­tra­da é uma das prin­ci­pais re­cla­ma­ções dos ha­bi­tan­tes da zo­na. A par­tir das 18h00, os mo­to-ta­xis­tas che­gam a co­brar mil kwan­zas pe­lo trans­por­te de pas­sa­gei­ros, va­lor exor­bi­tan­te pa­ra os ha­bi­tan­tes de Mban­za Magina, cu­jos ren­di­men­tos pro­vêm das la­vras e da ca­ça.

Mban­za Magina es­tá sub­di­vi­di­da em dez zo­nas, ca­da uma com um so­ba, au­xi­li­a­do por um con­se­lhei­ro (tam­bém tra­ta­do de se­cu­lo) e um se­cre­tá­rio. As três fi­gu­ras con­for­mam a má­xi­ma es­tru­tu­ra do po­der tra­di­ci­o­nal em ca­da zo­na, en­car­re­ga­da de re­sol­ver as di­ver­sas que­re­las nas co­mu­ni­da­des. Pro­ble­mas co­mo violação se­xu­al de me­no­res, vi­o­lên­cia do­més­ti­ca ou acu­sa­ção de prá­ti­cas de fei­ti­ça­ria são en­ca­mi­nha­dos à Po­lí­cia e ao Lum­bu, tri­bu­nal tra­di­ci­o­nal, que fun­ci­o­na

O aces­so ao em­pre­go cons­ti­tui uma das prin­ci­pais pre­o­cu­pa­ções dos jo­vens de Mban­za Magina, que re­cla­mam das em­pre­sas de cons­tru­ção ci­vil por re­cru­ta­rem pes­so­al a par­tir de Lu­an­da.

“Al­guns jo­vens des­ta re­gião do­mi­nam a ar­te da al­ve­na­ria, mas são ig­no­ra­dos pe­las em­pre­sas. Quan­do tra­ba­lham co­mo aju­dan­tes nas obras, o em­pre­go du­ra pou­co tem­po”, afir­mou o re­ge­dor Domingos Adri­a­no.

Ma­ria Mai­o­mo­na, 58 anos, pi­sa­va bom­bó num pi­lão tra­di­ci­o­nal à por­ta de ca­sa. Re­cla­mou da fal­ta de mo­a­gens na al­deia. “Saí­mos da la­vra já can­sa­das e te­mos de pi­sar o bom­bó pa­ra trans­for­mar em fu­ba e fa­zer fun­ji pa­ra o jan­tar”, re­fe­riu.

Cul­tu­ra mi­le­nar

A ca­ça de ani­mais sel­va­gens é uma ac­ti­vi­da­de lu­cra­ti­va em Mban­za Magina, mer­cê da abun­dân­cia e da di­ver­si­da­de da fau­na. A ar­te é trans­mi­ti­da de ge­ra­ção em ge­ra­ção, mas Domingos Adri­a­no afir­mou que al­guns cos­tu­mes se­cu­la­res dei­xa­ram de ser ob­ser­va­dos.

Quan­do ca­çam um ani­mal, os jo­vens apres­sam-se a te­le­fo­nar pa­ra os com­pra­do­res, re­ce­bem di­nhei­ro e re­gres­sam à co­mu­ni­da­de, o que pa­ra ele não é cor­rec­to, por­que a prá­ti­ca tra­di­ci­o­nal da re­gião re­za que a car­ne de­ve ser par­ti­lha­da com os vi­zi­nhos.

Mui­tas ve­zes, os jo­vens não con­se­guem cli­en­tes nas ma­tas, em­ba­lam a car­ne e vi­a­jam clan­des­ti­na­men­te pa­ra a ci­da­de de Mban­za Con­go, on­de ven­dem, fu­gin­do as­sim à tra­di­ci­o­nal di­vi­são co­mu­ni­tá­ria.

Ao som dos tam­bo­res

A dan­ça é uma das ex­pres­sões cul­tu­rais que so­bre­vi­veu ao tem­po. O exem­plo dis­so po­de ser vis­to atra­vés do gru­po “Mban­za Magina”, que já ac­tu­ou nou­tras pro­vín­ci­as do país. Quan­do os seus mem­bros se reú­nem pa­ra en­sai­ar, atra­em mui­tos vi­zi­nhos e tran­seun­tes, que não re­sis­tem ao som dos ba­tu­ques.

Ou­tras tra­di­ci­o­nais vão sen­do dei­xa­das pa­ra trás com o tem­po. A cir­cun­ci­são an­tes era fei­ta nu­ma ce­ri­mó­nia re­a­li­za­da num lo­cal dis­cre­to e dis­tan­te da al­deia, on­de os man­ce­bos per­ma­ne­ci­am re­co­lhi­dos du­ran­te dois me­ses a re­ce­ber en­si­na­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra a vi­da adul­ta. Ho­je, os jo­vens re­cor­rem aos hos­pi­tais.

GAR­CIA MAYATOKO|MBAN­ZA MAGINA

Na al­deia de Mban­za Magina pro­vín­cia do Zaire cu­jas ru­as es­tão ain­da por as­fal­tar foi es­ta­be­le­ci­do o for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca e água po­tá­vel e cons­truí­do um pos­to de saú­de

GAR­CIA MAYATOKO | MBAN­ZA MAGINA

O re­a­lo­ja­men­to em ca­sas evo­lu­ti­vas de ci­da­dãos que vi­vi­am em zo­nas de ris­co deu uma no­va ima­gem à al­deia e ou­tra qua­li­da­de de vi­da à po­pu­la­ção

GAR­CIA MAYATOKO | MBAN­ZA MAGINA

So­ba Se­bas­tião Ma­ton­do es­tá sa­tis­fei­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.