CO­MU­NI­CA­ÇÃO

Re­co­men­da­da mai­or in­te­rac­ção en­tre jor­na­lis­tas e sec­tor da Saú­de

Jornal de Angola - - PARTADA -

A de­pu­ta­da e jor­na­lis­ta de for­ma­ção, Luí­sa Da­mião, de­fen­deu, em Lu­an­da, a ne­ces­si­da­de de uma mai­or in­te­rac­ção en­tre os pro­fis­si­o­nais da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e de saú­de, pa­ra que “a in­for­ma­ção vei­cu­la­da pos­sa ser a mais viá­vel pos­sí­vel.”

Ao dis­ser­tar na quin­ta-fei­ra so­bre “A prá­ti­ca dos me­dia na abor­da­gem da saú­de pú­bli­ca em An­go­la”, no III workshop so­bre co­mu­ni­ca­ção em saú­de “Pre­ve­nir pa­ra vi­ver”, que de­cor­reu até on­tem no Cen­tro de For­ma­ção de Jor­na­lis­tas, Luí­sa Da­mião sa­li­en­tou que os dois sec­to­res não de­vem an­dar dis­so­ci­a­dos. “A co­mu­ni­ca­ção e edu­ca­ção pa­ra a saú­de de­vem ser pri­o­ri­da­de, já que cons­ti­tu­em uma fer­ra­men­ta ade­qua­da pa­ra es­cla­re­cer, in­for­mar, pre­ve­nir e edu­car o ci­da­dão”, afir­mou.

Luí­sa Da­mião, que é tam­bém se­cre­tá­ria pa­ra a In­for­ma­ção e No­vas Tec­no­lo­gi­as da Or­ga­ni­za­ção da Mu­lher An­go­la­na (OMA), ad­vo­gou que os mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al de­vem tra­ba­lhar, ca­da vez mais, em es­tra­té­gi­as de co­mu­ni­ca­ção pa­ra a cul­tu­ra de pre­ve­nir e edu­car os ci­da­dãos pa­ra uma vi­da com qua­li­da­de con­tí­nua. “Uma boa co­mu­ni­ca­ção é de su­ma im­por­tân­cia, pa­ra bons re­sul­ta­dos no do­mí­nio da saú­de”, re­for­çou.

A de­pu­ta­da do MPLA enal­te­ceu o tra­ba­lho que tem si­do de­sen­vol­vi­do pe­la Fun­da­ção Lwi­ni em prol das fa­mí­li­as an­go­la­nas e re­al­çou que mui­tas são as pes­so­as que con­se­gui­ram dar um sal­to na vi­da de­pois de con­tac­ta­rem a ins­ti­tui­ção. “Co­nhe­ço o tra­ba­lho que tem si­do de­sen­vol­vi­do pe­la Fun­da­ção Lwi­ni um pou­co por to­do o país e se­ria bom que ou­tras ins­ti­tui­ções tam­bém co­o­pe­ras­sem.”

Luí­sa Da­mião elo­gi­ou, igual­men­te, a equi­pa do Por­tal Saú­de An­go­la, pe­lo tra­ba­lho que de­sen­vol­ve “em prol de uma co­mu­ni­ca­ção flui­da en­tre jor­na­lis­tas e pro­fis­si­o­nais de saú­de” e re­al­çou que a equi­pa em re­fe­rên­cia, que or­ga­ni­za os en­con­tros, não tem me­di­do es­for­ços pa­ra man­ter a re­gu­la­ri­da­de do even­to que reú­ne, nos úl­ti­mos três anos, es­tu­dan­tes e pro­fis­si­o­nais de saú­de e da co­mu­ni­ca­ção em An­go­la. “Fi­co fe­liz em sa­ber que ape­sar da si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra que o país atra­ves­sa, a equi­pa con­se­guiu, mais uma vez, reu­nir pes­so­as li­ga­das à saú­de e à co­mu­ni­ca­ção pa­ra tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as nas du­as áre­as”, re­al­çou. En­co­ra­jou os men­to­res do pro­jec­to a con­ti­nu­a­rem a tra­ba­lhar pa­ra uma An­go­la me­lhor, tan­to no do­mí­nio da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al co­mo da saú­de.

In­for­ma­ção cor­rec­ta

O re­pre­sen­tan­te da Di­rec­ção Na­ci­o­nal de Saú­de Pú­bli­ca, Eu­sé­bio Ma­nu­el, afir­mou que sen­do An­go­la cons­tan­te­men­te afec­ta­da por do­en­ças trans­mis­sí­veis e não trans­mis­sí­veis, “é ne­ces­sá­rio que as in­for­ma­ções di­vul­ga­das se­jam fei­tas cor­rec­ta­men­te.”

O res­pon­sá­vel elu­ci­dou que uma in­for­ma­ção mal ela­bo­ra­da po­de pro­vo­car uma gran­de ca­tás­tro­fe, sus­cep­tí­vel de con­du­zir a me­di­das “por ve­zes não apro­pri­a­das.” E pa­ra evi­tar is­so, dis­se, “os téc­ni­cos do sec­tor de­vem ter mai­or aten­ção e res­pon­sa­bi­li­da­de.” Se­gun­do Eu­sé­bio Ma­nu­el, o Mi­nis­té­rio da Saú­de é o ór­gão nor­ma­ti­vo que ori­en­ta e ela­bo­ra as re­gras pa­ra o con­tro­lo das do­en­ças e con­ta com a co­la­bo­ra­ção da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, seu par­cei­ro di­rec­to, en­quan­to veí­cu­lo im­por­tan­te pa­ra trans­mis­são des­sas re­gras e dos es­tu­dos so­bre as do­en­ças.

“Os en­con­tros en­tre a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e o Mi­nis­té­rio da Saú­de de­vem con­ti­nu­ar, com vis­ta às in­for­ma­ções se­rem le­va­das de for­ma cor­rec­ta e co­e­ren­te aos in­te­res­sa­dos”, afir­mou. O en­con­tro en­tre jor­na­lis­tas e pro­fis­si­o­nais de saú­de, se­gui­do de uma Fei­ra da Saú­de e Bem-es­tar, de­cor­reu de quin­ta-fei­ra até on­tem. Fo­ram par­ti­ci­pan­tes jor­na­lis­tas, pro­fis­si­o­nais de saú­de, ges­to­res de uni­da­des sa­ni­tá­ri­as, de­le­ga­dos de in­for­ma­ção mé­di­ca e es­tu­dan­tes de Ci­ên­ci­as da Co­mu­ni­ca­ção e da Saú­de. No pri­mei­ro dia, fo­ram abor­da­dos os te­mas “Li­de­ran­ça 4.0 apli­ca­da à ges­tão da saú­de”, “Prá­ti­ca dos mé­dia na abor­da­gem da saú­de pú­bli­ca em An­go­la” e “Fun­da­ção Lwi­ni: pa­pel so­ci­al jun­to das fa­mí­li­as an­go­la­nas”. Cons­ta­vam da pau­ta de dis­cus­sões de on­tem os te­mas “Pa­pel dos me­dia no com­ba­te à epi­de­mia da fe­bre-ama­re­la”, “Ane­mia fal­ci­for­me: uma abor­da­gem co­mu­ni­ca­ti­va e clí­ni­ca”, “Se­gu­ros de saú­de: con­tri­bu­to pa­ra a me­lho­ria do sis­te­ma na­ci­o­nal de saú­de” e “Mu­de a sua ali­men­ta­ção, mu­de a sua vi­da”.

AN­GOP

Pa­ra Luí­sa Da­mião a co­mu­ni­ca­ção e edu­ca­ção pa­ra a saú­de são fer­ra­men­tas pri­o­ri­tá­ri­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.