As For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas sim­bo­li­zam a uni­da­de na­ci­o­nal

JOÃO LOURENÇO Mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal pre­si­diu ao ac­to cen­tral do ani­ver­sá­rio das FAA no Ambriz

Jornal de Angola - - PARTADA - ADALBERTO CEITA |

Não há me­lhor exem­plo de uni­da­de na­ci­o­nal que as For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, dis­se on­tem o mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal, João Lourenço, pa­ra quem as FAA são tam­bém a ex­pres­são mais al­ta de re­con­ci­li­a­ção. Ao pro­fe­rir o dis­cur­so na Es­co­la de For­ma­ção de Fu­zi­lei­ros no Ambriz, que aco­lheu o ac­to cen­tral das co­me­mo­ra­ções do 25.º ani­ver­sá­rio da fun­da­ção das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas. Se­gun­do o mi­nis­tro, as FAA cons­ti­tu­em mo­ti­vo de or­gu­lho na­ci­o­nal e en­car­nam, na sua es­sên­cia, os va­lo­res mais ele­va­dos do pa­tri­o­tis­mo e da ci­da­da­nia. “A na­tu­re­za hu­ma­na das nos­sas For­ças Ar­ma­das faz de­las uma au­to­ri­za­da re­pre­sen­ta­ção na­ci­o­nal, por­quan­to in­cor­po­ra em si o nos­so di­ver­si­fi­ca­do mo­sai­co ét­ni­co-ra­ci­al, cul­tu­ral e de tra­di­ções das nos­sas he­roi­cas lu­tas de re­sis­tên­cia. ”, dis­se.

Em An­go­la a ex­pres­são mais al­ta de re­con­ci­li­a­ção e o me­lhor exem­plo de uni­da­de na­ci­o­nal en­con­tra­mos nas For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, con­si­de­rou on­tem, no mu­ni­cí­pio do Ambriz, pro­vín­cia do Ben­go, o mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal.

João Lourenço, que dis­cur­sa­va no ac­to cen­tral das co­me­mo­ra­ções do 25.º ani­ver­sá­rio da fun­da­ção das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, de­cor­ri­da na Es­co­la de For­ma­ção de Fu­zi­lei­ros, re­fe­riu que as FAA cons­ti­tu­em mo­ti­vo de or­gu­lho na­ci­o­nal e en­car­nam, na sua es­sên­cia, os va­lo­res mais ele­va­dos do pa­tri­o­tis­mo e da ci­da­da­nia.

“A na­tu­re­za hu­ma­na das nos­sas For­ças Ar­ma­das faz de­las uma au­to­ri­za­da re­pre­sen­ta­ção na­ci­o­nal, por­quan­to in­cor­po­ra em si o nos­so di­ver­si­fi­ca­do mo­sai­co ét­ni­co-ra­ci­al, cul­tu­ral e de tra­di­ções das nos­sas he­rói­cas lu­tas de re­sis­tên­cia e de de­fe­sa da nos­sa In­de­pen­dên­cia e da So­be­ra­nia Na­ci­o­nal”, dis­se.

O mi­nis­tro lem­brou que o be­ne­fí­cio mais ób­vio pa­ra um país, ao cons­ti­tuir as su­as for­ças ar­ma­das, é a ga­ran­tia da de­fe­sa da in­vi­o­la­bi­li­da­de do seu ter­ri­tó­rio, ac­tu­an­do co­mo fac­tor de per­su­a­são con­tra even­tu­ais ame­a­ças ex­ter­nas.

No ca­so an­go­la­no, dis­se, as For­ças Ar­ma­das tam­bém são um ins­tru­men­to de po­lí­ti­ca ex­ter­na do Es­ta­do, po­den­do ser usa­das sem­pre que o in­te­res­se na­ci­o­nal for ame­a­ça­do e em mis­sões de ma­nu­ten­ção de paz, de acor­do com a Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca e à luz dos tra­ta­dos in­ter­na­ci­o­nais e re­gi­o­nais que An­go­la as­su­miu ou ve­nha a as­su­mir.

“Cons­ti­tuí­das por uma po­pu­la­ção emi­nen­te­men­te jo­vem, as FAA são tam­bém uma ins­ti­tui­ção com res­pon­sa­bi­li­da­des acres­ci­das no pro­ces­so de en­si­no, for­ma­ção e ins­tru­ção con­tí­nua dos ci­da­dãos cha­ma­dos a ser­vir a ins­ti­tui­ção mi­li­tar e a so­ci­e­da­de no seu to­do”, re­al­çou.

Além de su­bli­nhar que a ar­te e ci­ên­cia mi­li­ta­res são mui­to com­ple­xas e es­tão em per­ma­nen­te evo­lu­ção, o mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal ape­lou os efec­ti­vos pa­ra que te­nham cons­ci­ên­cia des­ta re­a­li­da­de e te­nham sem­pre pre­sen­te a ne­ces­si­da­de da sua su­pe­ra­ção per­ma­ne­nen­te.

João Lourenço ad­mi­tiu que a de­fe­sa na­ci­o­nal tem cus­tos ele­va­dos pa­ra qual­quer país, so­bre­tu­do quan­do as For­ças Ar­ma­das de­pen­dem do Or­ça­men­to Ge­ral dos Es­ta­do. Com efei­to, apon­tou a im­plan­ta­ção das in­dús­tri­as de de­fe­sa e a au­to-pro­du­ção ali­men­tar das tro­pas co­mo um ob­jec­ti­vo cons­tan­te a al­can­çar. “Em tem­po de paz, as FAA não têm de ser ne­ces­sa­ri­a­men­te oci­o­sas e mui­to me­nos im­pro­du­ti­va”, de­fen­deu o mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal.

Mais or­ga­ni­za­ção

João Lourenço exor­tou as FAA a pros­se­gui­rem na sen­da da me­lho­ria cons­tan­te dos ní­veis de or­ga­ni­za­ção e fun­ci­o­na­men­to, sem­pre sob di­rec­ção e co­or­de­na­ção do Po­der Po­lí­ti­co ins­ti­tuí­do. Ga­ran­tiu que, não obs­tan­te os cons­tran­gi­men­tos de na­tu­re­za eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra, o Exe­cu­ti­vo tu­do fa­rá pa­ra o êxi­to do pro­gra­ma de re­e­qui­pa­men­to e mo­der­ni­za­ção em cur­so nas FAA. “É ne­ces­sá­rio agir com res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ra que o pou­co que se ad­qui­ra es­te­ja à dis­po­si­ção dos téc­ni­cos e es­pe­ci­a­lis­tas com as qua­li­fi­ca­ções ne­ces­sá­ri­as, pa­ra uma cor­rec­ta ex­plo­ra­ção e ren­ta­bi­li­za­ção do ar­ma­men­to e da téc­ni­ca que for­mos ad­qui­rin­do, com vis­ta ao au­men­to do seu po­ten­ci­al com­ba­ti­vo e ope­ra­ci­o­nal”, de­fen­deu.

Ser­vir a Pá­tria

O che­fe do Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, Geraldo Sa­chi­pen­go Nun­da, lem­brou que as FAA er­gue­ram-se à cus­ta do sa­cri­fí­cio dos fi­lhos mais no­bres de mui­tas fa­mí­li­as an­go­la­nas e de paí­ses ami­gos. Mui­tas des­sas fa­mí­li­as, dis­se, nun­ca mais vi­ram os seus fi­lhos re­gres­sar à ca­sa, por­que tom­ba­ram na lu­ta pe­la de­fe­sa da so­be­ra­nia, da in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al e pa­ra a con­quis­ta da paz e da es­ta­bi­li­da­de.

O ge­ne­ral de exér­ci­to ren­deu tam­bém homenagem aos com­pa­nhei­ros de guer­ra que re­gres­sa­ram com ci­ca­tri­zes e mu­ti­la­ções, ten­do con­si­de­ra­do a sua in­ser­ção e pro­tec­ção so­ci­al uma das mai­o­res pri­o­ri­da­des do Es­ta­do an­go­la­no.

“As FAA são par­te in­te­gran­te da so­ci­e­da­de, que é a ra­zão da sua exis­tên­cia. De­ve­mos ter uma con­du­ta ir­re­pre­en­sí­vel e dig­na do ju­ra­men­to que fi­ze­mos à Pá­tria”, exor­tou o ge­ne­ral, pa­ra quem “um mi­li­tar nun­ca de­ve­rá usar a sua con­di­ção pa­ra im­por-se con­tra os ci­da­dãos ou cau­sar mo­lés­tia à po­pu­la­ção”.

SAN­TOS PE­DRO

Mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal pre­si­diu ao ac­to cen­tral do ani­ver­sá­rio das FAA

EDUARDO PE­DRO

João Lourenço pro­fe­riu o dis­cur­so no ac­to cen­tral das co­me­mo­ra­ções do 25.º ani­ver­sá­rio da fun­da­ção das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.