Ma­gis­tra­do apre­sen­ta Lei do Pro­ces­so Cons­ti­tu­ci­o­nal

Jornal de Angola - - POLÍTICA - EDNA DALA |

O juiz con­se­lhei­ro do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal Onofre dos San­tos vai re­a­li­zar vá­ri­os en­con­tros nas fa­cul­da­des de Di­rei­to em Lu­an­da e nas províncias do Hu­am­bo e da Huí­la, pa­ra apre­sen­tar a Lei do Pro­ces­so Cons­ti­tu­ci­o­nal Ano­ta­da, lan­ça­da on­tem no an­fi­te­a­tro da Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da. Em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, Onofre dos San­tos dis­se que pre­ten­de in­te­ra­gir com os es­tu­dan­tes de Di­rei­to e ad­vo­ga­dos. O li­vro, com 120 pá­gi­nas, é fru­to das su­as ano­ta­ções, ali­cer­ça­das na ex­pe­ri­ên­cia que te­ve du­ran­te os se­te anos de tra­ba­lho no Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal.

Du­ran­te a apre­sen­ta­ção do li­vro, fei­ta pe­lo ana­lis­ta po­lí­ti­co Be­lar­mi­no Van-Dúnem, Onofre dos San­tos des­ta­cou que a obra tem in­te­res­se na apli­ca­ção da lei pro­ces­su­al, em par­ti­cu­lar pa­ra to­dos aque­les que pre­ten­dem na­ve­gar no Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal. O li­vro foi pre­fa­ci­a­do pe­lo pre­si­den­te do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal, Rui Fer­rei­ra. Onofre dos San­tos ex­pli­cou que tem co­mo pú­bli­co al­vo os ad­vo­ga­dos e es­tu­dan­tes de Di­rei­to por­que são eles que le­vam as ques­tões pa­ra os tri­bu­nais e in­ter­pre­tam o in­te­res­se das pes­so­as que têm pro­ble­mas a apre­sen­tar.

Os es­tu­dan­tes, fri­sou, es­tão a pre­pa­rar-se pa­ra se­rem ad­vo­ga­dos e têm in­te­res­se em co­me­çar a apli­car o que apren­de­ram e são os que mais pre­ci­sam do li­vro co­mo ins­tru­men­to de tra­ba­lho. O di­rei­to pro­ces­su­al não é “um di­rei­to pa­ra de­fi­nir o que é cons­ti­tu­ci­o­nal e o que não é, mas sim uma for­ma pa­ra po­der apre­sen­tar aos tri­bu­nais os pe­di­dos pa­ra apre­ci­a­ção de ma­té­ria cons­ti­tu­ci­o­nal que exi­ge uma cer­ta for­ma de se fa­zer e as con­di­ções que de­vem ser pre­en­chi­das. Daí a ne­ces­si­da­de de se co­nhe­cer a lei pro­ces­su­al”.

Co­mo exem­plo lem­brou que o Có­di­go de Pro­ces­so Ci­vil tem cen­te­nas de ar­ti­gos, en­quan­to a lei do pro­ces­so cons­ti­tu­ci­o­nal tem 75 ar­ti­gos, que re­me­tem tam­bém pa­ra o Có­di­go de Pro­ces­so Ci­vil. A fle­xi­bi­li­da­de da lei, su­bli­nhou, obri­ga a uma in­ter­pre­ta­ção mui­tas ve­zes ca­so a ca­so, exi­gin­do que se co­nhe­ça bem a lei.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.