O fu­tu­ro in­cer­to do mai­or mer­ca­do de pei­xes do mun­do

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AN­TO­NIO HERMOSÍN |

A imi­nen­te mu­dan­ça do mer­ca­do de Tsu­ki­ji em Tó­quio, a mai­or fei­ra de pei­xes do mun­do, es­tá no ar de­vi­do à con­ta­mi­na­ção do sub­so­lo na sua no­va se­de, após uma sé­rie de er­ros po­lí­ti­cos que po­de­ri­am ter con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas tan­to pa­ra o tu­ris­mo co­mo pa­ra os co­mer­ci­an­tes.

Mi­lha­res de tu­ris­tas es­tran­gei­ros e con­su­mi­do­res lo­cais lo­tam di­a­ri­a­men­te as de­ca­den­tes vi­e­las de Tsu­ki­ji, en­tre pei­xa­ri­as e res­tau­ran­tes que exi­bem cai­xas de mais de 450 es­pé­ci­es au­tóc­to­nes de pei­xes, ma­ris­cos, mo­lus­cos e ou­tros pro­du­tos fres­cos e pre­pa­ra­dos.

Mas o mer­ca­do es­tá com os seus di­as con­ta­dos na sua lo­ca­li­za­ção cen­tral en­tre o bair­ro de Gin­za e a foz do rio Su­mi­da, on­de se en­con­tra há oi­to dé­ca­das.

Den­tro do pro­ces­so de re­no­va­ção que a ca­pi­tal ja­po­ne­sa es­tá a vi­ver pa­ra re­ce­ber os Jo­gos Olím­pi­cos de 2020 e em ple­na ex­plo­são do tu­ris­mo es­tran­gei­ro, o go­ver­no de­ci­diu trans­fe­rir o mer­ca­do pa­ra Toyo­su, uma ilha ar­ti­fi­ci­al na baía de Tó­quio e pró­xi­ma da Vi­la Olím­pi­ca, on­de con­ta­rá com ins­ta­la­ções mais am­plas e mo­der­nas.

O pro­jec­to sus­ci­tou a re­jei­ção de mui­tos tu­ris­tas, de par­te da po­pu­la­ção lo­cal e dos tra­ba­lha­do­res do mer­ca­do, uma opo­si­ção que cres­ceu com uma sé­rie de com­pli­ca­ções e er­ros de ges­tão que atra­sa­ram in­de­fi­ni­da­men­te a mu­dan­ça ini­ci­al­men­te pre­vis­ta pa­ra No­vem­bro.

A re­pro­va­ção pú­bli­ca fi­cou ain­da mai­or de­pois que fo­ram de­tec­ta­das subs­tân­ci­as tó­xi­cas nas águas sub­ter­râ­ne­as sob a no­va se­de, que são pro­ce­den­tes de uma fá­bri­ca de gás que an­te­ri­or­men­te es­ta­va si­tu­a­da no mes­mo ter­re­no, e o seu pos­sí­vel im­pac­to so­bre a sa­lu­bri­da­de do mer­ca­do.

Tsu­doi Fu­kuha­ra, pro­pri­e­tá­ria de uma lo­ja de ta­ma­goya­ki (ome­le­te ja­po­ne­sa), afir­mou à Agên­cia Efe que es­tá “pre­o­cu­pa­da” com o pro­ble­ma do ter­re­no con­ta­mi­na­do, pois são ins­ta­la­ções on­de se­rão ar­ma­ze­na­dos ali­men­tos.

A in­cer­te­za so­bre a mu­dan­ça po­de tra­zer-lhe per­das eco­nó­mi­cas, pois ela já pa­gou pe­la re­no­va­ção de seu equi­pa­men­to, por is­so rei­vin­di­ca ao go­ver­no de Tó­quio “que es­cla­re­ça a si­tu­a­ção o mais rá­pi­do pos­sí­vel” e ex­pli­que se vai com­pen­sar os co­mer­ci­an­tes.

Pe­los mes­mos mo­ti­vos, Ma­sa­to Miya­ke, res­pon­sá­vel por uma pei­xa­ria, con­si­de­ra “im­pos­sí­vel” que o mer­ca­do pos­sa fi­car em Toyo­su, e, além dis­so, des­ta­cou a ne­ces­si­da­de de “pro­te­ger a tra­di­ção” que re­pre­sen­ta o ve­lho Tsu­ki­ji.

Tan­to a sua lo­ja co­mo ou­tras in­cluí­das na área de­no­mi­na­da Tsu­ki­ji Jo­gai, a área ex­ter­na do mer­ca­do e que re­pre­sen­ta apro­xi­ma­da­men­te um ter­ço do ac­tu­al Tsu­ki­ji, per­ma­ne­ce­rão on­de es­tão, en­quan­to o gros­so do mer­ca­do irá pa­ra Toyo­su.

A “mal­di­ção” da no­va se­de re­mon­ta ao ano de 2008, quan­do as au­to­ri­da­des de Tó­quio en­co­men­da­ram um es­tu­do do sub­so­lo e obras pa­ra a sua des­con­ta­mi­na­ção, mas a ine­fi­cá­cia des­tas me­di­das fez com que os ní­veis de ar­sé­ni­co e ben­ze­no fi­cas­sem ain­da mai­o­res e os cus­tos do pro­jec­to de mu­dan­ça dis­pa­ra­ram.

A no­va go­ver­na­do­ra da ca­pi­tal, Yu­ri­ko Koi­ke, que che­gou ao po­der em Agos­to após si­tu­ar en­tre as su­as pri­o­ri­da­des a trans­pa­rên­cia e a re­vi­são dos cus­tos de to­das as obras pa­ra os Jo­gos de 2020, de­ter­mi­nou uma in­ves­ti­ga­ção cu­jas con­clu­sões apon­tam pa­ra a res­pon­sa­bi­li­da­de de fun­ci­o­ná­ri­os do al­to es­ca­lão da ad­mi­nis­tra­ção an­te­ri­or.

“O go­ver­no fa­lhou gra­ve­men­te na ho­ra de cum­prir com as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des e de dar ex­pli­ca­ções aos ci­da­dãos”, dis­se Koi­ke ao apre­sen­tar no iní­cio des­te mês os pri­mei­ros re­sul­ta­dos da in­ves­ti­ga­ção.

Além dis­so, a go­ver­na­do­ra qua­li­fi­cou a ac­tu­al si­tu­a­ção das ins­ta­la­ções de Toyo­su co­mo “uma ver­go­nha”. O cus­to da mu­dan­ça po­de­ria che­gar a 5,69 bi­liões de dó­la­res nor­te-ame­ri­ca­nos, um va­lor 36% mai­or que o pre­vis­to ini­ci­al­men­te, mas tam­bém tra­rá ao go­ver­no me­tro­po­li­ta­no re­cei­tas nu­me­ro­sas gra­ças à re­qua­li­fi­ca­ção do ter­re­no, no co­bi­ça­do dis­tri­to de Chuo-ku.

As no­vas ins­ta­la­ções tam­bém re­ce­be­ram crí­ti­cas pe­la sua dis­tân­cia - fi­cam cer­ca de dois qui­ló­me­tros a les­te do ac­tu­al Tsu­ki­ji, mas co­nec­ta­das pe­la li­nha do me­tro­po­li­ta­no - e pe­lo seu as­pec­to ex­te­ri­or as­sép­ti­co, que se as­se­me­lha a um gi­gan­tes­co han­gar ou ar­ma­zém in­dus­tri­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.