Guer­ra na Sí­ria e no Ira­que agra­vam ten­são no Mun­do

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ALTINO MATOS |

As guer­ras na Sí­ria, Ira­que e no Iémen são al­guns dos mo­ti­vos de ins­ta­bi­li­da­de mi­li­tar e po­lí­ti­ca que tor­nam o Mun­do ac­tu­al mais pe­ri­go­so que no pe­río­do da Guer­ra Fria. A si­tu­a­ção, aler­tam es­pe­ci­a­lis­tas, ten­de a agra­var-se, ca­so as po­tên­ci­as não des­per­tem pa­ra ul­tra­pas­sar as di­fe­ren­ças e cor­ri­gir os seus po­si­ci­o­na­men­tos.

A cri­se na Lí­bia, a guer­ra no Su­dão do Sul, as mo­vi­men­ta­ções de gru­pos ter­ro­ris­tas pe­lo Mun­do e su­ces­si­vos ata­ques con­tra ci­vis e o au­men­to de re­fu­gi­a­dos, se­guem-se na com­ple­xa gre­lha de acon­te­ci­men­tos que pro­vo­cam des­con­fi­an­ça, ins­ta­bi­li­da­de e con­fli­tos mi­li­ta­res em vá­ri­as re­giões. Es­pe­ci­a­lis­tas em se­gu­ran­ça, po­lí­ti­cos e go­ver­nan­tes da Eu­ro­pa e Es­ta­dos Uni­dos, ci­ta­dos na im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal, pe­dem o abran­da­men­to das po­lí­ti­cas pe­ri­go­sas e que a di­plo­ma­cia fun­ci­o­ne co­mo fac­tor cha­ve pa­ra re­ti­rar o Mun­do do cli­ma de gran­de ten­são, que ame­a­ça pa­ra uma guer­ra mun­di­al.

Se­gun­do a im­pren­sa, as fon­tes que­rem um Con­se­lho de Se­gu­ran­ça mais equi­li­bra­do e cen­tra­do na es­ta­bi­li­da­de mi­li­tar e po­lí­ti­ca. Pa­ra o mi­nis­tro ale­mão das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Frank-Wal­ter Stein­mei­er, as­sis­te-se a uma fal­ta de con­tro­lo que con­duz os paí­ses a uma ten­são ca­da vez mai­or, prin­ci­pal­men­te en­tre os Es­ta­dos Uni­dos e a Rús­sia. Frank-Wal­ter Stein­mei­er, um dos no­mes ci­ta­dos pe­la im­pren­sa eu­ro­peia, fez tais de­cla­ra­ções ao jor­nal ale­mão “Bild”, quan­do apre­ci­a­va os úl­ti­mos acon­te­ci­men­tos no Mun­do, que tor­nam qua­se im­pos­sí­vel re­la­ções cor­da­tas en­tre Es­ta­dos, por­que tu­do es­tá de­pen­den­te das di­plo­ma­ci­as dos Go­ver­nos de Washing­ton e Mos­co­vo. “É uma ilu­são pen­sar que se tra­ta da an­ti­ga Guer­ra Fria. A épo­ca ac­tu­al é di­fe­ren­te, mais pe­ri­go­sa”, de­cla­rou o mi­nis­tro ale­mão das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, com gran­de pre­o­cu­pa­ção.

“O ris­co de um con­fron­to mi­li­tar é con­si­de­rá­vel, a qual­quer mo­men­to po­de acon­te­cer o pi­or”, ad­ver­tiu o ex­di­plo­ma­ta ale­mão Wolf­gang Is­chin­ger, que foi en­vi­a­do es­pe­ci­al da Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Se­gu­ran­ça e a Co­o­pe­ra­ção na Eu­ro­pa (OSCE) pa­ra a Ucrâ­nia. Frank-Wal­ter Stein­mei­er re­fe­riu que “es­te ris­co nun­ca foi tão gran­de em dé­ca­das e a con­fi­an­ça en­tre o Oes­te e o Les­te nun­ca foi tão frá­gil”.

Os Es­ta­dos Uni­dos, que sus­pen­de­ram no iní­cio da se­ma­na as ne­go­ci­a­ções com a Rús­sia so­bre o ces­sar-fo­go na Sí­ria, acu­sa­ram na sex­ta-fei­ra os Go­ver­nos de Mos­co­vo e Da­mas­co de cri­mes de guer­ra na ci­da­de de Ale­po. As au­to­ri­da­de de Da­mas­co e de Mos­co­vo re­jei­tam as acu­sa­ções, e acu­sam Eashing­ton e seus ali­a­dos.

As re­la­ções en­tre as du­as gran­des po­tên­ci­as tem-se de­te­ri­o­ra­do des­de o fra­cas­so da tré­gua im­pul­si­o­na­da pe­los dois paí­ses em Se­tem­bro e que du­rou ape­nas uma se­ma­na.A Rús­sia ve­tou no sá­ba­do, no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, uma pro­pos­ta da Fran­ça de ces­sar-fo­go em Ale­po, ci­da­de in­ten­sa­men­te bom­bar­de­a­da pe­la co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal, li­de­ra­da pe­los Es­ta­dos Uni­dos, e por aviões sí­ri­os e do seu ali­a­do rus­so.

A guer­ra na Sí­ria dei­xou mais de 300.000 mor­tos des­de que co­me­çou com pro­tes­tos pa­cí­fi­cos re­pri­mi­dos em 2011. A ONU apre­se­nou um qua­dro dra­má­ti­co e aler­tou pa­ra o pi­or se os prin­ci­pais pro­ta­go­nis­tas não che­ga­rem a um en­ten­di­men­to nos pró­xi­mos di­as, de­vi­do a fal­ta de ali­men­tos e as­sis­tên­cia mé­di­ca aos fe­ri­dos. Os ata­ques a ci­vis es­tão ca­da vez mais in­ten­sos, se­gun­do a ONU.

Vi­et­na­me e Cu­ba

A Rús­sia es­tá a es­tu­dar pla­nos pa­ra re­to­mar a sua pre­sen­ça mi­li­tar no Vi­et­na­me e em Cu­ba, on­de Mos­co­vo já te­ve ba­ses mi­li­ta­res, se­gun­do o vi­ce-mi­nis­tro da De­fe­sa, Ni­ko­lai Pan­kov.“Es­ta­mos a tra­tar des­se as­sun­to”, dis­se Ni­ko­lai Pan­kov, no Par­la­men­to da Rús­sia, se­gun­do as agên­ci­as in­ter­na­ci­o­nais. O vi­ce-mi­nis­tro rus­so re­fe­riu que ac­tu­al­men­te o Mi­nis­té­rio da De­fe­sa es­tá a re­pen­sar de­ci­sões pas­sa­das so­bre o en­cer­ra­men­to des­sas ba­ses, mas não avan­çou mais de­ta­lhes. A Rús­sia de­sac­ti­vou a ba­se de es­pi­o­na­gem de Lour­des, em Cu­ba, e a ba­se na­val vi­et­na­mi­ta de Cam Rahn no iní­cio do sé­cu­lo XXI, co­mo par­te de uma re­du­ção da pre­sen­ça mi­li­tar rus­sa no Mun­do, após a der­ro­ca­da da União So­vié­ti­ca.

Mas, des­de en­tão, a po­lí­ti­ca ex­ter­na de Mos­co­vo tor­nou-se mais ac­ti­va, o que tem pro­vo­ca­do de­sa­ven­ças com os Es­ta­dos Uni­dos e os seus ali­a­dos, em fun­ção dos con­fli­tos na Ucrâ­nia e na Sí­ria e da pre­sen­ça de sol­da­dos da Or­ga­ni­za­ção do Tra­ta­do do Atlân­ti­co Nor­te (OTAN) no Les­te da Eu­ro­pa, en­tre ou­tras ques­tões.

A Rús­sia mo­vi­men­tou mís­seis Is­kan­der-M, com ca­pa­ci­da­de nu­cle­ar, no en­cla­ve de Ka­li­nin­gra­do, na fron­tei­ra com a Po­ló­nia e a Li­tuâ­nia, in­for­mou o Mi­nis­té­rio da De­fe­sa, ten­do es­cla­re­ci­do que era par­te de exer­cí­ci­os de ro­ti­na. “Es­tas uni­da­des fo­ram en­vi­a­das mais de uma vez à re­gião de Ka­li­nin­gra­do, co­mo par­te do trei­no do Exér­ci­to”, dis­se o por­ta-voz da De­fe­sa, Igor Ko­nashen­kov. Um ofi­ci­al de in­te­li­gên­cia dos EUA dis­se que a Rús­sia co­me­çou a mo­ver os Is­kan­der-M pa­ra o en­cla­ve no Bál­ti­co, um ges­to pa­ra ex­pres­sar des­con­ten­ta­men­to com a OTAN.

AFP

For­ças sí­ri­as con­tro­lam mais de me­ta­de da pro­vín­cia de Ale­po na re­gião cen­tral do país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.