Sis­mos in­du­zi­dos

Jornal de Angola - - LAZER -

O sis­mo, tam­bém cha­ma­do de aba­lo sís­mi­co, tre­mor de ter­ra ou ter­ra­mo­to, é o re­sul­ta­do de uma sú­bi­ta li­ber­ta­ção de ener­gia na cros­ta do pla­ne­ta Ter­ra, ge­ral­men­te por con­ta do cho­que en­tre pla­cas tec­tó­ni­cas, o que cria on­das sís­mi­cas.

Exis­tem vá­ri­os ti­pos de sis­mos, co­mo os in­du­zi­dos. Es­tes são sis­mos as­so­ci­a­dos à ac­ção hu­ma­na, quer di­rec­ta ou in­di­rec­ta­men­te. Po­dem-se de­ver à ex­trac­ção de mi­ne­rais, água dos aquí­fe­ros ou de com­bus­tí­veis fós­seis, à pres­são da água das al­bu­fei­ras das bar­ra­gens, gran­des ex­plo­sões ou a que­da de gran­des edi­fí­ci­os.

Ape­sar de cau­sa­rem vi­bra­ções na Ter­ra, es­tes não po­dem ser con­si­de­ra­dos sis­mos no sen­ti­do la­to, uma vez que ge­ral­men­te dão ori­gem a re­gis­tos ou sis­mo­gra­mas di­fe­ren­tes dos ter­ra­mo­tos de ori­gem na­tu­ral.

Al­guns ter­ra­mo­tos oca­si­o­nais têm si­do as­so­ci­a­dos à cons­tru­ção de gran­des bar­ra­gens e do en­chi­men­to das al­bu­fei­ras por es­tas cri­a­das, co­mo por exem­plo, em Ka­ri­ba, na Zâm­bia .

O mai­or sis­mo in­du­zi­do por es­ta cau­sa ocor­reu a 10 de De­zem­bro de 1967, na re­gião de Koy­na, a Oes­te de Ma­dras­ta, na Ín­dia. Te­ve uma mag­ni­tu­de de 6,3 na es­ca­la de Ri­ch­ter.

Es­tes aba­los te­lú­ri­cos tam­bém têm a sua ori­gem na ex­tra­ção de gás na­tu­ral de de­pó­si­tos sub­ter­râ­ne­os. Po­dem ser pro­vo­ca­dos pe­la de­to­na­ção de ex­plo­si­vos mui­to for­tes, co­mo ex­plo­sões nu­cle­a­res, que cau­sam uma vi­bra­ção de bai­xa mag­ni­tu­de. A bom­ba nu­cle­ar de 50 me­ga­to­ne­la­das de­to­na­da pe­la União So­vié­ti­ca em 1961 cri­ou um sis­mo com­pa­rá­vel aos de mag­ni­tu­de 7, pro­du­zin­do vi­bra­ções tão for­tes que fo­ram re­gis­ta­das nos An­tí­po­das, re­gião do Pa­cí­fi­co.

Pa­ra dar efei­to ao Tra­ta­do de Não Pro­li­fe­ra­ção de Ar­mas Nu­cle­a­res, a Agên­cia In­ter­na­ci­o­nal de Ener­gia Ató­mi­ca usa os ins­tru­men­tos da sis­mo­lo­gia pa­ra de­tec­tar ac­ti­vi­da­des ilí­ci­tas, co­mo os tes­tes de ar­ma­men­to ató­mi­co. Com es­te sis­te­ma é pos­sí­vel de­ter­mi­nar exa­ta­men­te on­de ocor­reu uma ex­plo­são.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.