Com­ba­te ao cri­me é ta­re­fa pa­ra to­dos

Lu­an­da é uma ci­da­de se­gu­ra ape­sar da de­ses­tru­tu­ra­ção ur­ba­na e fra­ca ilu­mi­na­ção pú­bli­ca

Jornal de Angola - - PARTADA - AN­DRÉ DA COS­TA |

Mais de 109 mil ar­mas de fo­go em pos­se ilegal dos ci­da­dãos fo­ram re­co­lhi­das até ao ano pas­sa­do em to­do o país, pe­la Po­lí­cia Na­ci­o­nal. O co­mis­sá­rio che­fe Pau­lo de Al­mei­da de­fen­de mais in­ves­ti­men­tos na Co­mis­são Exe­cu­ti­va pa­ra o De­sar­ma­men­to da Po­pu­la­ção Ci­vil pa­ra con­ti­nu­ar a cum­prir a mis­são, que de­ve ser di­na­mi­za­da. O se­gun­do co­man­dan­te ge­ral de­fen­de tam­bém mais in­ves­ti­men­tos na Po­lí­cia Na­ci­o­nal pa­ra com­ba­ter a cri­mi­na­li­da­de. Nes­ta en­tre­vis­ta, fa­la so­bre a re­co­lha do ar­ma­men­to de guer­ra em pos­se das em­pre­sas pri­va­das de se­gu­ran­ça e dos mar­gi­nais. A en­tre­vis­ta te­ve lu­gar no seu ga­bi­ne­te de tra­ba­lho, num cli­ma de bas­tan­te des­con­trac­ção num dia nor­mal de tra­ba­lho.

Jor­nal de An­go­la - Qual é o ba­lan­ço do pro­ces­so de de­sar­ma­men­to da po­pu­la­ção ci­vil?

Pau­lo de Al­mei­da

- Es­te pro­ces­so co­me­çou de­pois da as­si­na­tu­ra dos acor­dos de paz de Lu­sa­ka, em que uma das cláu­su­las era o de­sar­ma­men­to da po­pu­la­ção, sen­do mais in­ci­si­vo nas par­tes be­li­ge­ran­tes, ex-mi­li­ta­res das FA­LA e FAPLA e al­gu­mas mi­lí­ci­as. Na al­tu­ra, fo­ram re­co­lhi­das mais de 350 mil ar­mas. O pro­ces­so ac­tu­al co­me­çou em Abril de 2008 e foi con­ce­bi­do pa­ra dois anos e em três fa­ses dis­tin­tas. A pri­mei­ra fa­se se­ria a mo­bi­li­za­ção e sen­si­bi­li­za­ção da po­pu­la­ção. A se­gun­da fa­se foi de en­tre­ga vo­lun­tá­ria das ar­mas e a ter­cei­ra e úl­ti­ma a re­co­lha co­er­ci­va. As três fa­ses fo­ram ma­te­ri­a­li­za­das.

Jor­nal de An­go­la - Que ba­lan­ço faz so­bre os re­sul­ta­dos al­can­ça­dos até ao mo­men­to?

Pau­lo Al­mei­da

- Os re­sul­ta­dos são po­si­ti­vos, mas sen­ti­mos ain­da que não fo­ram al­can­ça­dos os ob­jec­ti­vos es­tra­té­gi­cos des­se pro­gra­ma, que eram re­mo­ver da cons­ci­ên­cia das pes­so­as o es­pí­ri­to de vi­o­lên­cia, de pos­suir uma ar­ma pa­ra re­a­li­zar ac­ções ofen­si­vas a ou­trem, cri­ar um cli­ma de paz de es­pí­ri­to, vi­ven­do num am­bi­en­te mais or­dei­ro e tran­qui­lo.

Jor­nal de An­go­la - A po­pu­la­ção ade­riu em mas­sa ao pro­ces­so?

Pau­lo de Al­mei­da

- Te­mos mais de 109 mil ar­mas de fo­go re­co­lhi­das, mas exis­tem mui­tos ci­da­dãos que se ne­gam a en­tre­gar a ar­ma de fo­go, co­mo os de­lin­quen­tes e ou­tras pes­so­as que acham que ain­da não es­tão reu­ni­das as con­di­ções de se­gu­ran­ça e têm a ar­ma co­mo de­fe­sa pes­so­al. Há ele­men­tos que têm a ar­ma co­mo uma re­lí­quia, co­mo é o ca­so dos an­ti­gos com­ba­ten­tes, que ti­ve­ram sem­pre ar­mas e não as que­rem en­tre­gar.

Jor­nal de An­go­la - Qual é a so­lu­ção pa­ra ul­tra­pas­sar es­ta si­tu­a­ção?

Pau­lo de Al­mei­da

- Es­ta­mos a tra­ba­lhar pa­ra ver se re­ti­rar­mos de­les es­sas ar­mas e te­mos du­as vi­as a pro­ce­der: ou sen­si­bi­li­zá-los pa­ra en­tre­ga­rem vo­lun­ta­ri­a­men­te ou re­ti­rar­mos co­er­ci­va­men­te. Se op­tar­mos pe­la se­gun­da via, vão ser al­vo de pro­ces­so dis­ci­pli­nar.

Jor­nal de An­go­la - Há uma no­ção de quan­tas ar­mas ain­da es­tão por re­co­lher?

Pau­lo de Al­mei­da

- É di­fí­cil fa­zer es­sa es­ti­ma­ti­va, por­que não tí­nha­mos a per­cep­ção de quan­tas ar­mas pro­li­fe­ra­vam em An­go­la. Fo­ram mui­tos anos em que a po­pu­la­ção os­ten­tou ar­mas du­ran­te o con­fli­to ar­ma­do, que na sua mai­o­ria fo­ram en­tre­gues de for­ma des­con­tro­la­da. Ten­tá­mos fa­zer um es­tu­do pa­ra per­ce­ber quan­tas ar­mas ain­da há por re­co­lher e con­cluí­mos que ha­via uma gran­de fran­ja da po­pu­la­ção que en­tre­gou as ar­mas de fo­go, mas ain­da exis­tem mui­tas ar­mas por re­co­lher.

Jor­nal de An­go­la - Quais são as pro­vín­ci­as on­de fo­ram re­co­lhi­das mais ar­mas de fo­go?

Pau­lo de Al­mei­da - A pro­vín­cia de Lu­an­da su­pe­ra to­das as de­mais na or­dem dos 80 por cen­to. Is­so tem uma jus­ti­fi­ca­ção: Lu­an­da é a ca­pi­tal, com mais ha­bi­tan­tes. De­pois, te­mos Ben­gue­la e a Huí­la, que no iní­cio do pro­ces­so foi a que mais ade­riu e li­de­rou na en­tre­ga vo­lun­tá­ria de ar­mas de fo­go. Ou­tras pro­vín­ci­as são Ma­lan­je, Hu­am­bo, Uí­ge e Bié.

Jor­nal de An­go­la - Boa par­te dos cri­mes vi­o­len­tos que ocor­rem em Lu­an­da é re­a­li­za­da com re­cur­so a ar­mas de fo­go. Qual é a pro­ve­ni­ên­cia des­sas ar­mas? O se­nhor dis­se há di­as que uma das fon­tes é a Po­lí­cia Na­ci­o­nal e as For­ças Ar­ma­das. Man­tém es­sa ideia?

Pau­lo de Al­mei­da

- A pri­mei­ra fon­te des­sas ar­mas é a mi­gra­ção da po­pu­la­ção de vá­ri­as pro­vín­ci­as pa­ra Lu­an­da, ten­do tra­zi­do ar­mas de fo­go. A se­gun­da, são as em­pre­sas pri­va­das de se­gu­ran­ça. Hou­ve um cres­cen­te nú­me­ro des­sas em­pre­sas tu­te­la­das por ele­men­tos que per­ten­ce­ram às for­ças de de­fe­sa e se­gu­ran­ça e apro­vei­ta­ram a re­or­ga­ni­za­ção pa­ra re­co­lhe­rem al­gu­mas ar­mas e ape­tre­cha­rem o seu pes­so­al. Mui­tas em­pre­sas de se­gu­ran­ça não têm es­tru­tu­ra or­ga­ni­za­ti­va su­fi­ci­en­te pa­ra ter um con­tro­lo efi­caz do ar­ma­men­to. Daí que, quer os agen­tes quer o sis­te­ma de or­ga­ni­za­ção, são tão dé­beis que as ar­mas são re­co­lhi­das por ac­ção dos mar­gi­nais.

Jor­nal de An­go­la - Tan­to as For­ças Ar­ma­das quan­to a Po­lí­cia Na­ci­o­nal tam­bém evo­luí­ram...

Pau­lo de Al­mei­da

- Evo­luí­ram, mas o ní­vel de dis­ci­pli­na e de cons­ci­ên­cia não é cem por cen­to. Te­mos de­tec­ta­do in­di­ví­du­os per­ten­cen­tes à Po­lí­cia Na­ci­o­nal e às For­ças Ar­ma­das que, apro­vei­tan­do-se da dis­trac­ção dos ser­vi­ços de guar­da, re­ti­ram ar­mas e ven­dem-nas aos mar­gi­nais, às em­pre­sas de se­gu­ran­ça ou a in­di­ví­du­os sin­gu­la­res, o que cons­ti­tui um ac­to cri­mi­no­so.

“A Po­lí­cia Na­ci­o­nal tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de li­cen­ci­ar, au­to­ri­zar e fis­ca­li­zar as ac­ti­vi­da­des das em­pre­sas pri­va­das de se­gu­ran­ça, in­cluin­do o con­tro­lo do ar­ma­men­to”

Jor­nal de An­go­la - Até que pon­to o sis­te­ma de con­tro­lo do ar­ma­men­to é efi­caz?

Pau­lo de Al­mei­da

- Te­mos de dar a mão à pal­ma­tó­ria e di­zer que os nos­sos sis­te­mas de con­tro­lo e re­gis­to de ar­mas ain­da são de­fi­ci­en­tes. Não é um nú­me­ro as­sus­ta­dor, mas po­de cri­ar si­tu­a­ções de­sa­gra­dá­veis. Há ain­da ou­tra fon­te, que são as ar­mas aban­do­na­das du­ran­te o con­fli­to mi­li­tar. A opo­si­ção, na al­tu­ra do con­fli­to, fa­zia guer­ri­lha e uma das tác­ti­cas da guer­ri­lha é cri­ar re­fú­gi­os pa­ra guar­dar as ar­mas. Mui­tas des­sas ar­mas fo­ram aban­do­na­das, sen­do que uns se es­que­ce­ram de­las, mas ou­tros não. Es­sas ar­mas são usa­das ho­je pa­ra sus­ten­tar al­gu­mas pes­so­as.

Jor­nal de An­go­la - Há ca­sos con­cre­tos de po­lí­ci­as e mi­li­ta­res apa­nha­dos com ar­mas de fo­go. Qual tem si­do a me­di­da apli­ca­da?

Pau­lo de Al­mei­da

- Es­tes ele­men­tos es­tão a con­tas com a jus­ti­ça e a pe­na não é igual à de um ci­vil. Quem des­via ar­mas de guer­ra in­cor­re num cri­me de fó­rum mi­li­tar, cu­ja pe­na é mais pe­sa­da em re­la­ção aos cri­mes co­muns.

Jor­nal de An­go­la - Te­mos ob­ser­va­do um abran­da­men­to na pro­pa­gan­da so­bre o de­sar­ma­men­to da po­pu­la­ção. O que se pas­sa?

Pau­lo de Al­mei­da

- Nos anos pas­sa­dos, sen­ti­mos o im­pac­to da pos­se ilí­ci­ta de ar­mas de fo­go, on­de qual­quer de­sen­ten­di­men­to era so­lu­ci­o­na­do com o uso de ar­mas de fo­go. Ha­via mui­tos aci­den­tes cau­sa­dos por ar­ma de fo­go nos la­res. A ac­ção da co­mis­são de de­sa­ma­men­to fez com que hou­ves­se uma mu­dan­ça ra­di­cal, por­que já não se ou­ve tan­to ti­ro­teio co­mo an­tes. En­tão, as pes­so­as co­me­ça­ram a re­la­xar, per­de­ram a vi­são da im­por­tân­cia des­ta co­mis­são de de­sar­ma­men­to, o que se re­per­cu­te nos apoi­os.

Jor­nal de An­go­la - A co­mis­são re­ce­be me­nos apoio fi­nan­cei­ro?

Pau­lo de Al­mei­da

- O nos­so or­ça­men­to foi dras­ti­ca­men­te re­du­zi­do e não sa­tis­faz o tra­ba­lho da co­mis­são. A mo­bi­li­za­ção ou pres­ta­ção de ser­vi­ços re­quer di­nhei­ro. Exis­tem al­gu­mas ini­ci­a­ti­vas fei­tas com or­ga­ni­za­ções cí­vi­cas e igre­jas, no sen­ti­do de pas­sar a men­sa­gem, mas têm si­do pou­co “agres­si­vas”.

Jor­nal de An­go­la - A co­mis­são de de­sar­ma­men­to já não tem o mes­mo pe­so que ou­tro­ra?

Pau­lo de Al­mei­da

- Quan­do ini­ciá­mos, a co­mis­são era co­or­de­na­da pe­lo pri­mei­ro-mi­nis­tro, a se­gun­da pes­soa do país, e a au­to­ri­da­de era di­fe­ren­te pe­ran­te os de­mais, uma vez que a co­mis­são é cons­ti­tuí­da por mem­bros do Go­ver­no, mi­nis­tros, e de­pois vêm os di­rec­to­res, que se ocu­pam da par­te exe­cu­ti­va e téc­ni­ca. A par­tir do mo­men­to em que ti­ve­mos a no­va Cons­ti­tui­ção no país, dei­xá­mos de ter a fi­gu­ra de pri­mei­ro-mi­nis­tro, e por cau­sa do mui­to tra­ba­lho que o

Vi­ce-Pre­si­den­te tem, de­le­gou-se a ta­re­fa ao mi­nis­tro do In­te­ri­or. Hou­ve de fac­to em­pe­nho, in­te­res­se, di­nâ­mi­ca por par­te do mi­nis­tro do In­te­ri­or, mas en­tre iguais a au­to­ri­da­de não va­za. Mui­tas ve­zes, quan­do o mi­nis­tro con­vo­ca­va as reu­niões, apa­re­ci­am dois ou três mi­nis­tros, o res­to en­vi­a­va di­rec­to­res, che­fes de de­par­ta­men­to e a co­mis­são dei­xou de ter aque­la pu­jan­ça e is­so re­per­cu­te-se nas ac­ções, por­que to­dos têm mis­sões a cum­prir den­tro da co­mis­são.

Jor­nal de An­go­la - O de­sar­ma­men­to da po­pu­la­ção é um pro­ble­ma ex­clu­si­vo da Po­lí­cia Na­ci­o­nal?

Pau­lo de Al­mei­da

- As pes­so­as jul­gam que es­sa ques­tão é um pro­ble­ma so­men­te da Po­lí­cia, mas não é ver­da­de. A co­mis­são é do Go­ver­no e to­das as par­tes en­vol­vi­das de­vem par­ti­ci­par, in­cluin­do a so­ci­e­da­de ci­vil. Mui­tas ve­zes de­le­gou-se a Po­lí­cia pa­ra cum­prir to­das as ta­re­fas da co­mis­são, o que não é cor­rec­to. A co­mis­são na­ci­o­nal é um ór­gão mais co­le­gi­al e de re­co­men­da­ções e não é um ór­gão exe­cu­ti­vo. Quem exe­cu­ta as ac­ções são as ins­ti­tui­ções que fa­zem par­te da co­mis­são: a Po­lí­cia, as For­ças Ar­ma­das, os Ser­vi­ços de In­te­li­gên­cia, os mi­nis­té­ri­os da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos, da Edu­ca­ção, Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio e até o das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, por­que os nos­sos re­la­tó­ri­os e pro­gra­mas são apre­ci­a­dos pe­las Na­ções Uni­das e te­mos bo­as re­fe­rên­ci­as a es­se ní­vel.

Jor­nal de An­go­la - O que se es­tá a fa­zer pe­ran­te es­ta si­tu­a­ção?

Pau­lo de Al­mei­da

- De­ve­mos ter um en­ga­ja­men­to mais par­ti­ci­pa­ti­vo des­tes de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais pa­ra di­na­mi­zar­mos a cam­pa­nha de de­sar­ma­men­to da po­pu­la­ção, por­que sen­ti­mos, nos úl­ti­mos tem­pos, um cer­to cli­ma de in­se­gu­ran­ça mo­ti­va­da por ac­ções co­me­ti­das com ar­mas de fo­go. A ar­ma de fo­go es­tá a vol­tar ou­tra vez à ri­bal­ta e mui­tas des­sas ar­mas es­tão nas mãos de ci­vis. Pre­ci­sa­mos de di­na­mi­zar a co­mis­são de de­sar­ma­men­to pa­ra se con­ti­nu­ar a re­ti­rar as ar­mas em pos­se dos ci­da­dãos.

Jor­nal de An­go­la - Que pas­sos con­cre­tos pre­ten­dem dar pa­ra di­na­mi­zar a co­mis­são de de­sar­ma­men­to?

Pau­lo de Al­mei­da

- Va­mos tra­ba­lhar a men­te das pes­so­as, por­que é im­por­tan­te que os ci­da­dãos te­nham cons­ci­ên­cia mo­ral e edu­ca­ção pa­cí­fi­ca, pa­ra que dei­xem de pos­suir uma ar­ma pa­ra ale­ga­da de­fe­sa pes­so­al.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo le­var a ca­bo es­se pro­ces­so sem apoio fi­nan­cei­ro?

Pau­lo de Al­mei­da

- É pre­ci­so von­ta­de, ter es­pí­ri­to pa­trió­ti­co, na­ci­o­na­lis­ta e so­ci­al pa­ra po­der­mos fa­zer as coi­sas mes­mo sem di­nhei­ro. Es­ta­mos a mo­bi­li­zar al­gu­mas par­ce­ri­as pa­ra nos aju­da­rem nes­se pro­ces­so. Es­ti­ve­mos a tra­ba­lhar com a UNITEL, em­pre­sas de cul­tu­ra, ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al pú­bli­cos e com al­guns ac­to­res com uma cer­ta in­ter­ven­ção cul­tu­ral na so­ci­e­da­de pa­ra po­der­mos sen­si­bi­li­zar os ci­da­dãos.

Jor­nal de An­go­la - A cam­pa­nha é ca­ra?

Pau­lo de Al­mei­da

- Há a mo­vi­men­ta­ção de pes­so­as de um pon­to pa­ra ou­tro, os trans­por­tes e o ma­te­ri­al de pro­pa­gan­da. Há ques­tões lo­gís­ti­cas a pagar, mas não po­mos de par­te a boa von­ta­de de fa­zer as coi­sas acon­te­ce­rem.

Jor­nal de An­go­la - A pos­se de ar­mas por par­te de al­guns ci­da­dãos tem a ver com os ín­di­ces de de­linquên­cia?

Pau­lo de Al­mei­da

- Es­sa é uma ale­ga­ção. O Es­ta­do cri­ou me­ca­nis­mos pa­ra que as pes­so­as te­nham se­gu­ran­ça. Exis­te se­gu­ran­ça ge­ral, em­bo­ra te­nha­mos de re­co­nhe­cer que não é efec­ti­va. Quan­do fa­la­mos em se­gu­ran­ça ge­ral, re­fe­ri­mo-nos aos ór­gãos de se­gu­ran­ça pú­bli­ca, que têm a res­pon­sa­bi­li­da­de de cri­ar um cli­ma de or­dem e tran­qui­li­da­de.

Jor­nal de An­go­la - Ain­da as­sim al­guns ci­da­dãos pre­ten­dem ter uma ar­ma le­ga­li­za­da. Is­so é pos­sí­vel à luz da lei?

Pau­lo de Al­mei­da

- A lei per­mi­te ao ci­da­dão ter uma ar­ma de de­fe­sa pes­so­al des­de que não se­ja ar­ma de guer­ra. Pa­ra ob­ter es­sa ar­ma, os ci­da­dãos de­vem re­que­rer au­to­ri­za­ção à Po­lí­cia Na­ci­o­nal, des­de que reú­nam os re­qui­si­tos exi­gi­dos. Não ven­de­mos ar­mas, ape­nas pas­sa­mos a li­cen­ça de au­to­ri­za­ção. As ar­mas de­vem ser ad­qui­ri­das no es­tran­gei­ro. Quan­do os ci­da­dãos que­rem ter em ca­sa uma ar­ma de guer­ra, ale­gan­do ques­tões de se­gu­ran­ça, é uma ale­ga­ção. Po­de­mos re­co­nhe­cer que a zo­na on­de vi­ve é in­se­gu­ra, mas não po­de­mos per­mi­tir que os ci­da­dãos te­nham ar­mas de guer­ra, por­que só as ins­ti­tui­ções com­pe­ten­tes as po­dem ter.

Jor­nal de An­go­la - Até que pon­to a Po­lí­cia Na­ci­o­nal tem o con­tro­lo das ar­mas de guer­ra usa­das por efec­ti­vos das em­pre­sas pri­va­das de se­gu­ran­ça?

Pau­lo de Al­mei­da

- A Po­lí­cia Na­ci­o­nal tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de li­cen­ci­ar, au­to­ri­zar e fis­ca­li­zar as ac­ti­vi­da­des das em­pre­sas pri­va­das de se­gu­ran­ça, in­cluí­do o con­tro­lo do ar­ma­men­to. Há al­gu­mas de­fi­ci­ên­ci­as nes­se con­tro­lo por­que nem to­das as em­pre­sas de se­gu­ran­ça re­gis­tam ou dão a co­nhe­cer à Po­lí­cia o ar­ma­men­to que pos­su­em. Du­ran­te as ins­pec­ções pe­rió­di­cas, de­tec­ta­mos mui­tas em­pre­sas sem li­cen­ci­a­men­to e es­ta­mos a en­cer­rá-las.

Jor­nal de An­go­la - Quan­do é que as ar­mas de guer­ra se­rão re­ti­ra­das das em­pre­sas pri­va­das de se­gu­ran­ça?

Pau­lo de Al­mei­da

- Quan­do se apro­var a re­gu­la­men­ta­ção, va­mos re­ti­rar as ar­mas de guer­ra de for­ma pau­la­ti­na des­sas em­pre­sas, pe­lo que de­ve­rão ter a ca­pa­ci­da­de de se ape­tre­char. Na­tu­ral­men­te, não va­mos fa­zer uma subs­ti­tui­ção pre­ci­pi­ta­da, por­que as em­pre­sas pri­va­das de se­gu­ran­ça são im­por­tan­tes no con­tex­to da se­gu­ran­ça ge­ral. Es­sa re­ti­ra­da de­ve ser gra­du­al, pa­ra que ca­pa­ci­te­mos tam­bém es­tas em­pre­sas a as­su­mi­rem o seu lu­gar na so­ci­e­da­de.

Jor­nal de An­go­la - Exis­te um horizonte tem­po­ral pa­ra a con­clu­são do pro­ces­so de de­sar­ma­men­to da po­pu­la­ção ci­vil?

Pau­lo de Al­mei­da

- O Exe­cu­ti­vo é que vai de­ci­dir, em fun­ção de ava­li­a­ção que se fi­zer. Co­mo é um pro­gra­ma do Go­ver­no e es­te ces­sa o seu man­da­to em 2017, a par­tir daí tam­bém ces­sa­mos as nos­sas fun­ções. Lo­gi­ca­men­te, o pró­xi­mo Go­ver­no vai de­fi­nir se há ne­ces­si­da­de de con­ti­nu­ar­mos es­te pro­ces­so.

Jor­nal de An­go­la - A que se de­ve o re­cru­des­ci­men­to da on­da de cri­mes em Lu­an­da?

Pau­lo de Al­mei­da

- O cri­me es­tá mui­to as­so­ci­a­do à si­tu­a­ção po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca e so­ci­al. Quan­do ti­ver­mos as con­di­ções eco­nó­mi­cas e so­ci­ais mais es­ta­bi­li­za­das, tam­bém va­mos ter a ten­dên­cia cri­mi­nal re­du­zi­da. Ne­nhum país po­de con­tar ape­nas com as for­ças po­li­ci­ais. Não há po­lí­cia no Mun­do que con­si­ga dar res­pos­ta ca­bal a to­das as si­tu­a­ções cri­mi­nais, por mais mo­der­na que for em ter­mos de equi­pa­men­tos. De­ve ha­ver uma par­ce­ria com a po­pu­la­ção pa­ra aju­dar na de­nún­cia dos cri­mi­no­sos pa­ra fa­cil­men­te os de­ter­mos. Ho­je, mes­mo em sis­te­mas mo­der­nos, as po­pu­la­ções es­tão or­ga­ni­za­das pa­ra apoi­a­rem a ac­ção dos ser­vi­ços de se­gu­ran­ça, por­que co­nhe­cem os mo­vi­men­tos es­tra­nhos nos bair­ros, cri­an­do con­di­ções pa­ra ha­ver uma ac­ção opor­tu­na da Po­lí­cia. De­ve­mos ter uma po­pu­la­ção or­ga­ni­za­da no mu­ni­cí­pio, bair­ro ou quar­tei­rão. Só as­sim po­de­mos ser efi­ci­en­tes.

Jor­nal de An­go­la - É fá­cil com­ba­ter a cri­mi­na­li­da­de nu­ma ci­da­de co­mo Lu­an­da, com bair­ros on­de exis­tem inú­me­ros be­cos e fra­ca ilu­mi­na­ção pú­bli­ca?

Pau­lo de Al­mei­da

- Se so­bre­vo­ar­mos Lu­an­da, ve­re­mos que é uma ci­da­de fe­cha­da em ter­mos de pe­ri­fe­ria. Não é pos­sí­vel fa­zer-se uma se­gu­ran­ça efi­caz com es­ta de­sor­ga­ni­za­ção. A si­tu­a­ção vai me­lho­rar quan­do se ur­ba­ni­zar a pe­ri­fe­ria, os mus­se­ques, com a aber­tu­ra de no­vas es­tra­das. Os cri­mes ocor­rem mais de noi­te e a ci­da­de é pou­co ilu­mi­na­da. O Es­ta­do tem fei­to es­for­ços pa­ra me­lho­rar a es­tra­das se­cun­dá­ri­as e ter­ciá­ri­as e me­lho­rar a ilu­mi­na­ção e a se­gu­ran­ça.

Jor­nal de An­go­la - Con­si­de­ra Lu­an­da uma ci­da­de se­gu­ra?

Pau­lo de Al­mei­da

- Pe­las con­di­ções es­tru­tu­rais, ain­da so­mos uma ci­da­de se­gu­ra pe­los mei­os que pos­suí­mos. Lou­vo a ati­tu­de e o es­pí­ri­to de mis­são das nos­sas for­ças po­li­ci­ais, por­que não é fá­cil. Te­mos um po­lí­cia pa­ra ca­da du­as mil pes­so­as, quan­do o rá­cio de­ve ser um po­lí­cia pa­ra 250 pes­so­as. A ques­tão da se­gu­ran­ça pú­bli­ca é trans­ver­sal, por is­so, to­dos de­ve­mos tra­ba­lhar sob mo­ni­to­ri­za­ção dos ór­gãos de de­fe­sa e se­gu­ran­ça.

Jor­nal de An­go­la - Há se­te anos, dis­se-nos que a Po­lí­cia era ca­ra e, por is­so, de­fen­dia mai­o­res in­ves­ti­men­tos. Ain­da pen­sa da mes­ma for­ma?

Pau­lo de Al­mei­da

- Con­ti­nuo a de­fen­der mais in­ves­ti­men­tos na Po­lí­cia pa­ra ter­mos mai­or se­gu­ran­ça. A Po­lí­cia é ca­ra. Por exem­plo, se ti­ver­mos de neu­tra­li­zar um in­di­ví­duo que es­tá a cri­ar ter­ror e se ti­ver­mos que es­tra­gar um car­ro pa­ra neu­tra­li­zá-lo, te­mos de fa­zê-lo.

JOÃO GO­MES

Se­gun­do co­man­dan­te-ge­ral Pau­lo de Al­mei­da de­fen­de mais in­ves­ti­men­tos na Po­lí­cia pa­ra o com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de

JOÃO GO­MES

JOÃO GO­MES

Co­mis­sá­rio che­fe Pau­lo de Al­mei­da dis­se que a lei do país per­mi­te ao ci­da­dão ter uma ar­ma de de­fe­sa pes­so­al com ex­clu­são de ar­ma de guer­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.