Réu pe­de per­dão à fa­mí­lia da ví­ti­ma

Jornal de Angola - - POLÍTICA - KÍLSSIA FER­REI­RA |

O réu Émer­son Bruno To­más, de 27 anos, que es­tá a ser jul­ga­do no Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da, no Dis­tri­to Ur­ba­no do Kilamba Kiaxi, por cri­me de ho­mi­cí­dio, mos­trou-se ter­ça-fei­ra ar­re­pen­di­do e pe­diu per­dão à fa­mí­lia le­sa­da, es­cla­re­cen­do que nun­ca te­ve in­ten­ção de ti­rar a vi­da de nin­guém.

O advogado de de­fe­sa re­a­fir­mou que o seu cli­en­te não ti­nha in­ten­ção de ma­tar, e que es­tá pro­fun­da­men­te ar­re­pen­di­do por ter cau­sa­do es­te mal e pe­de per­dão. Ape­lou ain­da ao tri­bu­nal a ter em con­ta que o seu cli­en­te in­ter­fe­riu na bri­ga en­tre a do­na da bar­ra­ca e o de­cla­ran­te, mo­vi­do por um es­pí­ri­to de hu­ma­nis­mo, com o ob­jec­ti­vo de ter­mi­nar o de­sen­ten­di­men­to.

O cau­sí­di­co ale­gou que a si­tu­a­ção só se agra­vou após am­bos, de­cla­ran­te Ma­teus La­ça An­dré e o réu Émer­son Bruno To­más, che­ga­rem ao lo­cal on­de se en­con­tra­va a ví­ti­ma. “O que se­rá que fez mu­dar a si­tu­a­ção? Co­mo é pos­sí­vel o meu cons­ti­tuin­te acal­mar a bri­ga e mi­nu­tos de­pois pe­gar a ar­ma e efec­tu­ar dis­pa­ros?.”

Nas su­as ale­ga­ções fi­nais, o re­pre­sen­tan­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co dis­se que em fun­ção da his­tó­ria e co­mo acon­te­ce­ram os fac­tos nar­ra­dos em au­di­ên­cia de jul­ga­men­to pe­lo pró­prio réu, as­sim co­mo pe­lo de­cla­ran­te Ma­teus La­ça An­dré, e a ma­nei­ra co­mo foi ma­nu­se­a­da a pis­to­la, de­pre­en­de-se que não era in­ten­ção do réu ma­tar a ví­ti­ma. O ma­gis­tra­do des­ta­cou ain­da o fac­to de que, quer o réu, quer a ví­ti­ma, não ti­ve­ram qual­quer dis­cus­são nem bri­ga.

O mes­mo sa­li­en­tou que no Có­di­go Pe­nal exis­te uma fi­gu­ra ju­rí­di­ca que diz que “se o re­sul­ta­do for pa­ra além da in­ten­ção do agen­te o cri­me é pre­te­rin­ten­ci­o­nal”. Por for­ça dis­so, o re­pre­sen­tan­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pro­mo­veu a mu­dan­ça do cri­me de ho­mi­cí­dio vo­lun­tá­rio pa­ra o de ho­mi­cí­dio pre­te­rin­ten­ci­o­nal, nos ter­mos do ar­ti­go 448º do Có­di­go Pro­ces­so Pe­nal.

O mes­mo fri­sou que a in­ver­são do cri­me de­ve-se a que os fac­tos pro­du­zi­dos na au­di­ên­cia de dis­cus­são le­vem a que o réu se­ja con­de­na­do por ho­mi­cí­dio pre­te­rin­ten­ci­o­nal, cu­ja mol­du­ra pe­nal abs­trac­ta vai de 8 a 12 anos de pri­são mai­or.

O re­pre­sen­tan­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pe­diu tam­bém que o réu se­ja con­de­na­do ao pa­ga­men­to de uma in­dem­ni­za­ção à fa­mí­lia da vi­ti­ma. O juiz mar­cou pa­ra o dia 8 de No­vem­bro a lei­tu­ra dos que­si­tos e se pos­sí­vel a lei­tu­ra do acór­dão.

Émer­son Bruno To­más foi ini­ci­al­men­te acu­sa­do do cri­me de ho­mi­cí­dio vo­lun­tá­rio. No dia 29 de No­vem­bro de 2015 o mes­mo ten­ta­va se­pa­rar uma bri­ga en­tre a do­na de uma bar­ra­ca e um cli­en­te, no ca­so o de­cla­ran­te Ma­teus La­ça An­dré. O mo­ti­vo da bri­ga era um va­si­lha­me de cer­ve­ja. Ma­teus La­ça An­dré de­via en­tre­gar o va­si­lha­me em fal­ta e re­ce­ber o tro­co de 500 kwan­zas que es­ta­va na pos­se da ven­de­do­ra. Ao ten­tar re­cu­pe­rar o va­si­lha­me, a al­guns me­tros do lo­cal, on­de a ví­ti­ma se en­con­tra­va a be­ber, o réu te­rá ti­do al­gum de­sen­ten­di­men­to que o obri­gou a fa­zer dis­pa­ros pa­ra o ar, um dos quais atin­giu a ví­ti­ma, Jor­ge Fran­cis­co Bran­dão. Le­va­do pa­ra uma uni­da­de hos­pi­ta­lar, Jor­ge Fran­cis­co Bran­dão veio a fa­le­cer no dia 3 de De­zem­bro.

O de­cla­ran­te Ma­teus La­ça An­dré, tes­te­mu­nha e ami­go da ví­ti­ma, con­tou na au­di­ên­cia pas­sa­da que a se­nho­ra com quem te­ve o de­sen­ten­di­men­to re­cu­sou-se a en­tre­gar o tro­co por­que fal­ta­va uma das du­as gar­ra­fas que de­via en­tre­gar à ven­de­do­ra.

O mes­mo con­fir­mou que foi Émer­son Bruno To­más que lhe sen­si­bi­li­zou e pe­diu que fos­se bus­car o ou­tro va­si­lha­me, ten­do am­bos de­ci­di­do ir jun­tos. Pos­tos no lo­cal, a pou­cos me­tros, o fa­le­ci­do ain­da es­ta­va a con­su­mir a cer­ve­ja. De se­gui­da o réu or­de­nou o fa­le­ci­do que be­bes­se rá­pi­do, ten­do aque­le res­pon­di­do: “Vo­cê não po­de man­dar be­ber rá­pi­do”. O de­cla­ran­te sa­li­en­tou que o réu exal­tou­se e per­gun­tou ao fa­le­ci­do: “sa­bes quem eu sou?”.

Pos­te­ri­or­men­te, Émer­son Bruno To­más se­gu­rou na pis­to­la e efec­tu­ou o pri­mei­ro dis­pa­ro pa­ra o ar, ten­do o car­re­ga­dor caí­do, e ac­to con­tí­nuo apa­nhou o car­re­ga­dor e fez o se­gun­do dis­pa­ro, que atin­giu a ví­ti­ma na ca­be­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.