Ar­min­da de Fa­ria foi uma mu­lher des­te­mi­da

Jornal de Angola - - POLÍTICA - ANA PAU­LO |

Ar­min­da Cor­reia de Fa­ria, fa­le­ci­da no do­min­go, aos 96 anos, foi uma mu­lher des­te­mi­da que ce­do per­ce­beu a in­jus­ti­ça e a opres­são a que es­ta­va su­jei­to o po­vo an­go­la­no no seu pró­prio país e que era ne­ces­sá­rio lu­tar pa­ra a In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, dis­se on­tem o pre­si­den­te da Fun­da­ção Sa­gra­da Es­pe­ran­ça e mem­bro do Bu­re­au Po­lí­ti­co do MPLA, Ro­ber­to de Al­mei­da.

O po­lí­ti­co re­cor­dou que Ar­min­da de Fa­ria, que foi on­tem a en­ter­rar no Ce­mi­té­rio do Al­to das Cru­zes, em Lu­an­da, era uma alu­na exem­plar. Na­tu­ral de Lu­an­da, on­de nas­ceu a 6 de No­vem­bro de 1919, vi­veu os seus pri­mei­ros anos de vi­da no Lu­ca­la, Cu­an­za Nor­te, on­de foi vi­ver com os pais. Em 1931 veio pa­ra Lu­an­da on­de ini­ci­ou os seus es­tu­dos. Fez o cur­so au­xi­li­ar de En­fer­ma­gem em 1941 e cin­co anos de­pois o Cur­so Ge­ral de En­fer­ma­gem no Hos­pi­tal dos Ca­pu­chos, em Lis­boa, ten­do-se es­pe­ci­a­li­za­do em he­mo­te­ra­pia.

Ao ler o elo­gio fú­ne­bre, Ro­ber­to de Al­mei­da su­bli­nhou que de­vi­do ao seu al­to sen­ti­do hu­ma­nis­ta e amor ao pró­xi­mo, Ar­min­da de Fa­ria, ex­di­ri­gen­te da Or­ga­ni­za­ção da Mu­lher An­go­la­na (OMA), exer­ceu com de­di­ca­ção a pro­fis­são du­ran­te vá­ri­os anos co­mo en­fer­mei­ra gra­du­a­da.

Em 1947 to­mou cons­ci­ên­cia dos pro­ble­mas na­ci­o­nais, dan­do os pri­mei­ros pas­sos em ac­ções com o na­ci­o­na­lis­ta Má­rio Pin­to de An­dra­de, Agos­ti­nho Ne­to, Ilí­dio Ma­cha­do e ou­tros pa­tri­o­tas com vis­ta à eman­ci­pa­ção do po­vo an­go­la­no. De 1952 a 1959 Ar­min­da de Fa­ria ini­ci­ou os tra­ba­lhos na clan­des­ti­ni­da­de com o pa­dre Jo­a­quim Pin­to de An­dra­de, Có­ne­go Manuel das Ne­ves, Ilí­dio Ma­cha­do, An­dré Fran­co de Sou­sa, An­tó­nio Re­be­lo de Macedo, Hi­gi­no Ai­res, Jo­a­quim En­ri­ques Mon­tei­ro “Chu­chu­do” e ou­tros.

Em 1956 a na­ci­o­na­lis­ta in­gres­sou nas cé­lu­las clan­des­ti­nas do Mo­vi­men­to pe­la In­de­pen­dên­cia de An­go­la (MIA), com Ilí­dio Ma­cha­do e An­dré Fran­co de Sou­sa. Em 1960 foi de­ti­da sen­do acu­sa­da da fu­ga de To­más Fer­rei­ra, um dos pri­mei­ros co­man­dan­tes do MPLA. Na con­cre­ti­za­ção da fu­ga par­ti­ci­pa­ram tam­bém as na­ci­o­na­lis­tas Ma­da­le­na Eli­sa Mon­tei­ro, Di­na Ste­la e Luí­sa Aze­ve­do.

Em re­pre­sen­ta­ção da OMA, Ire­ne Web­ba dis­se que na clan­des­ti­ni­da­de, Ar­min­da de Fa­ria des­ta­ca­va-se pe­la fi­de­li­da­de aos prin­cí­pi­os do MPLA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.