For­ças Ar­ma­das 2025

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LAURINDO AL­BER­TO MAR­GA­RI­DA AN­TÓ­NIO JA­NUÁ­RIO AN­TÓ­NIO

“As For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas são a ins­ti­tui­ção mi­li­tar na­ci­o­nal per­ma­nen­te, re­gu­lar e apar­ti­dá­ria, in­cum­bi­da da de­fe­sa mi­li­tar do país, or­ga­ni­za­das na ba­se da hi­e­rar­quia, da dis­ci­pli­na e da obe­di­ên­cia aos ór­gãos de so­be­ra­nia com­pe­ten­tes, sob a au­to­ri­da­de su­pre­ma do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e Co­man­dan­te-em-Che­fe, nos ter­mos da Cons­ti­tui­ção e da Lei, bem co­mo das con­ven­ções in­ter­na­ci­o­nais de que An­go­la se­ja par­te”, as­sim dis­põe o nú­me­ro um do Ar­ti­go 207.º da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca, so­bre For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas (FAA). Pa­ra a pre­ser­va­ção da sua se­gu­ran­ça, so­be­ra­nia e in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al o Es­ta­do an­go­la­no ac­tua por via de mei­os ade­qua­dos e re­ser­va-se ao di­rei­to de re­cur­so à for­ça le­gí­ti­ma pa­ra re­por a paz ou a or­dem pú­bli­ca. Es­te de­si­de­ra­to ape­nas po­de ser al­can­ça­do com a pron­ti­dão per­ma­nen­te das for­ças de de­fe­sa e se­gu­ran­ça, cu­jo pro­ces­so de for­ma­ção, ape­tre­cho em mei­os e téc­ni­cas não po­dem ser mi­ni­mi­za­dos sob ne­nhum pre­tex­to.

Há di­as, as FAA com­ple­ta­ram 25 anos de exis­tên­cia, cum­prin­do o pa­pel cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te con­sa­gra­do de um dos ba­lu­ar­tes do Es­ta­do de Di­rei­to De­mo­crá­ti­co, nu­ma al­tu­ra em que os desafios se re­no­vam a ca­da dia. O fun­da­men­tal é que o pro­ces­so de mo­der­ni­za­ção da­que­la im­por­tan­te en­ti­da­de que aju­da An­go­la a pre­ser­var a sua so­be­ra­nia, in­te­gri­da­de e in­de­pen­dên­cia, si­ga em fren­te com re­sul­ta­dos à vis­ta. In­de­pen­den­te­men­te da si­tu­a­ção de paz e es­ta­bi­li­da­de por que pas­sa o país e gran­de par­te da re­gião em que An­go­la se in­se­re, as for­ças ar­ma­das de­vem man­ter os ní­veis de pre­pa­ra­ção.

Co­mo dis­se o che­fe do Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral das FAA, Ge­ral­do Sa­chi­pen­go Nun­da, des­cre­ven­do o qua­dro ac­tu­al: “Ho­je, te­mos uma ca­pa­ci­da­de de for­ma­ção de no­vos mi­li­ta­res, num ci­clo nor­mal de cer­ca de seis mil ho­mens em ca­da tur­no de for­ma­ção de re­cru­tas. Por­tan­to, qua­tro cen­tros de ins­tru­ção do Exér­ci­to, um cen­tro de for­ma­ção da For­ça Aé­rea e ou­tro da Ma­ri­nha de Guer­ra, de for­ma­ção de sol­da­dos. Pos­suí­mos ain­da es­co­las de for­ma­ção de sar­gen­tos. Ca­da um dos três ra­mos das FAA con­ta com uma aca­de­mia e es­ta­mos a tra­ba­lhar pa­ra que elas se­jam ca­da vez me­lho­res”.

Ape­nas com for­ças ar­ma­das mo­der­ni­za­das e ca­pa­zes de cum­prir as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des à luz da Cons­ti­tui­ção an­go­la­na se po­de as­se­gu­rar a de­fe­sa da so­be­ra­nia e in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nais, a in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al e dos po­de­res cons­ti­tu­ci­o­nais. E, por via dos po­de­res le­gi­ti­ma­dos pe­lo vo­to po­pu­lar, as­se­gu­rar a lei e or­dem pú­bli­ca, a li­ber­da­de e se­gu­ran­ça da po­pu­la­ção, con­tra agres­sões e ou­tro ti­po de ame­a­ças ex­ter­nas e in­ter­nas. Fe­liz­men­te, An­go­la ca­mi­nha bem quan­do se tra­ta do pro­ces­so de mo­der­ni­za­ção das FAA que mui­to re­cen­te­men­te co­me­mo­ra­ram mais um ani­ver­sá­rio da sua cons­ti­tui­ção.

Os desafios das FAA di­ver­si­fi­ca­ram-se e, ao la­do da pre­ser­va­ção da in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al e so­be­ra­nia na­ci­o­nal, fe­nó­me­nos co­mo o ter­ro­ris­mo, a imi­gra­ção ilegal e os cri­mes trans­fron­tei­ri­ços obri­gam os seus efec­ti­vos a as­su­mir ao la­do dos de­mais ór­gãos de de­fe­sa e se­gu­ran­ça na­ci­o­nal um pa­pel ac­ti­vo na sua con­ten­ção. Aten­den­do à im­pre­vi­si­bi­li­da­de das cri­ses mi­li­ta­res e hu­ma­ni­tá­ri­as, dos fe­nó­me­nos cli­ma­té­ri­cos e ou­tras si­tu­a­ções em que a ma­nu­ten­ção da or­dem se tor­ne ur­gen­te e vi­tal, acre­di­ta­mos que os efec­ti­vos das FAA de­vem igual­men­te pre­pa­rar-se pa­ra as si­tu­a­ções des­cri­tas.

A par­ti­ci­pa­ção pe­rió­di­ca em exer­cí­ci­os mi­li­ta­res em que so­bres­sa­em as com­po­nen­tes hu­ma­ni­tá­ria, sal­va­men­to e ma­nu­ten­ção da paz, con­tri­bui pa­ra do­tar as for­ças ar­ma­das an­go­la­nas e con­gé­ne­res re­gi­o­nais de ca­pa­ci­da­de téc­ni­ca e co­nhe­ci­men­to. Acre­di­ta­mos que es­te pro­ces­so, ao la­do de ou­tras ini­ci­a­ti­vas que pro­por­ci­o­nam às FAA ex­pe­ri­ên­cia, co­nhe­ci­men­to e adap­ta­ção ao con­tex­to em que se in­se­rem, são fac­to­res im­por­tan­tes pa­ra a pron­ti­dão com­ba­ti­va e di­an­te de ou­tros ob­jec­ti­vos. O pa­pel que as FAA de­sem­pe­nham na for­ma­ção de efec­ti­vos e uni­da­des de paí­ses ami­gos cons­ti­tui igual­men­te mo­ti­vo de or­gu­lho pa­ra o país na me­di­da em que An­go­la con­tri­bui, as­sim, pa­ra for­ta­le­cer os la­ços de ami­za­de, a paz e a es­ta­bi­li­da­de. Que as FAA atin­jam ní­veis acei­tá­veis de mo­der­ni­za­ção pa­ra que te­nham ca­pa­ci­da­de em ho­mens e mei­os a fim de que, a to­dos os ní­veis, pros­si­ga na de­fe­sa dos in­te­res­ses da Re­pú­bli­ca de An­go­la em con­for­mi­da­de com as leis, ob­jec­ti­vos do país e das nor­mas in­ter­na­ci­o­nais.

Di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia

A di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia é um as­sun­to que es­tá no cen­tro das pre­o­cu­pa­ções das au­to­ri­da­des e da so­ci­e­da­de. Mui­tos em­pre­sá­ri­os es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra con­tri­buir com o seu sa­ber pa­ra di­ver­si­fi­car a pro­du­ção, mas mui­tos de­les não têm ca­pi­tais pa­ra in­ves­tir nos seus pro­jec­tos.

Gos­ta­va de apelar nes­te es­pa­ço aos ban­cos co­mer­ci­ais pa­ra pas­sa­rem a dis­po­ni­bi­li­zar mais cré­di­to à pro­du­ção e de bens e ser­vi­ços no país.

Os ban­cos co­mer­ci­ais são ins­ti­tui­ções im­por­tan­tes pa­ra as eco­no­mi­as, pois, por via do cré­di­to, fa­zem ex­pan­dir o in­ves­ti­men­to, e, com is­so, há cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e mui­tos em­pre­gos. Há mui­tas em­pre­sas an­go­la­nas que pre­ci­sam de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra re­lan­çar di­ver­sas ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas.

É pre­ci­so que se co­me­ce a con­fi­ar na ca­pa­ci­da­de de mui­tos dos nos­sos em­pre­sá­ri­os, so­bre­tu­do da­que­les que já de­ram pro­vas de sa­be­rem ob­ter re­sul­ta­dos na­qui­lo que fa­zem .

Re­gis­to elei­to­ral

Tem ha­vi­do mui­ta ade­são dos ci­da­dãos ao pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral, o que, quan­to a mim, sig­ni­fi­ca que os an­go­la­nos têm cons­ci­ên­cia da im­por­tân­cia dos plei­tos elei­to­rais. Os ci­da­dãos an­go­la­nos têm nas elei­ções que se re­a­li­zam no país ido mas­si­va­men­te às ur­nas pa­ra es­co­lhe­rem os seus go­ver­nan­tes, e is­so é bom pa­ra a de­mo­cra­cia. As elei­ções cons­ti­tu­em uma opor­tu­ni­da­de pa­ra que mi­lhões de ci­da­dãos par­ti­ci­pem na vi­da po­lí­ti­ca. Os ci­da­dãos não de­vem fi­car in­di­fe­ren­tes às elei­ções.

In­fra-es­tru­tu­ras es­co­la­res

É im­por­tan­te que se co­me­ce tam­bém a fa­zer re­a­bi­li­ta­ções às in­fra­es­tru­tu­ras es­co­la­res exis­ten­tes em di­fe­ren­tes es­co­las do país. Fa­la­mos to­dos da ne­ces­si­da­de de mas­si­fi­ca­ção des­por­ti­va , mas es­ta pas­sa pe­la exis­tên­cia de in­fra-es­tru­tu­ras des­por­ti­vas e de bons pro­fes­so­res.

Mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas acham que o pon­to de par­ti­da pa­ra a mas­si­fi­ca­ção do des­por­to são as es­co­las, on­de es­tu­dam mi­lha­res de jo­vens.

Pen­so que os an­go­la­nos de­vem apren­der com ou­tros paí­ses com lar­ga ex­pe­ri­ên­cia ao ní­vel da mas­si­fi­ca­ção do des­por­to.

Cu­ba é um des­ses paí­ses. Cu­ba, pa­ra só ci­tar es­te país, po­dia aju­dar-nos mui­to a re­sol­ver pro­ble­mas ao ní­vel da mas­si­fi­ca­ção des­por­ti­va.

Acho tam­bém que é ne­ces­sá­rio apro­vei­tar os nos­sos qua­dros su­pe­ri­o­res for­ma­dos em vá­ri­as áre­as do des­por­to. É im­pres­cin­dí­vel que se va­lo­ri­zem os nos­sos qua­dros que po­dem tam­bém con­tri­buir pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do nos­so des­por­to. Te­nho co­nhe­ci­men­to de que há an­go­la­nos que po­dem aju­dar a or­ga­ni­zar e a mas­si­fi­car o nos­so des­por­to ao ní­vel de vá­ri­as mo­da­li­da­des, no­me­a­da­men­te o fu­te­bol e o atle­tis­mo.

Te­mos um gran­de tra­ba­lho pe­la fren­te no do­mí­nio da mas­si­fi­ca­ção do des­por­to. É pre­ci­so ar­re­ga­çar as man­gas pa­ra es­te tra­ba­lho, a fim de ob­ter­mos fu­tu­ra­men­te bons re­sul­ta­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.