Ar­te das ru­as in­va­de mu­seus

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AURÉLIE MAYEMBO |

Com uma mos­tra do rei do gra­fi­te bri­tâ­ni­co Banksy em Ro­ma, in­ter­ven­ções do seu ho­mó­lo­go fran­cês JR na pi­râ­mi­de do Lou­vre e uma fes­ta de “ex­plo­ra­ção ur­ba­na” de ou­tros gra­fi­tei­ros na Vil­la Me­di­ci, a “stre­et art” (ar­te de rua) es­tá a in­va­dir os mu­seus, e nes­te mês inau­gu­ra o seu pri­mei­ro es­pa­ço de ex­po­si­ção per­ma­nen­te em Pa­ris.

Es­te es­pa­ço é mais um si­nal de co­mo a ar­te de rua se es­tá a es­ta­be­le­cer co­mo uma for­ma de ar­te re­co­nhe­ci­da - tal­vez co­mo um si­nal de cer­to abur­gue­sa­men­to, de acor­do com al­guns es­pe­ci­a­lis­tas - cer­ca de 50 anos após os pri­mei­ros gra­fi­tei­ros co­me­ça­rem a usar tú­neis do me­tro­po­li­ta­no e mu­ros aces­sí­veis co­mo se fos­sem te­las em bran­co.

“Ho­je con­si­de­ra-se a ar­te de rua co­mo uma re­pre­sen­ta­ção da li­ber­da­de, mas é men­ti­ra”, diz Paul Ar­den­ne, his­to­ri­a­dor de ar­te con­tem­po­râ­nea. Pa­ra es­te especialista em ar­te ur­ba­na, a ima­gem de “ar­tis­tas in­do­má­veis que tra­ba­lham de noi­te ar­ris­can­do-se a se­rem pre­sos pe­la po­lí­cia” é an­tes de tu­do uma “fan­ta­sia”.

Nas­ci­da em No­va Ior­que no fi­nal dos anos 60, a “stre­et art” sem­pre es­te­ve vin­cu­la­da ao van­da­lis­mo e ao pro­tes­to, mas ho­je per­deu par­te des­ta re­pu­ta­ção. Ao mes­mo tempo que per­ma­ne­ceu fi­el às su­as tra­di­ções “pro­vo­ca­do­ras”, co­me­çou a mo­ver­se pa­ra o mun­do mais for­mal de mu­seus, em Ams­ter­dão, São Pe­ters­bur­go e, no ano que vem, em Ber­lim.

“A es­sên­cia da ar­te de rua é a mi­li­tân­cia nos mu­ros, mas pa­ra­le­la­men­te há um tra­ba­lho no estúdio”, des­ta­ca Ni­co­las Lau­ge­ro-Las­ser­re, que em­pres­tou 150 obras da sua co­lec­ção pes­so­al pa­ra a cri­a­ção do pri­mei­ro cen­tro des­te ti­po em Pa­ris.

Os ar­tis­tas vi­vem e vi­a­jam pa­ra dei­xar a sua mar­ca em pa­re­des do mun­do in­tei­ro gra­ças à ven­da das su­as obras, des­ta­ca es­te apre­ci­a­dor.

Al­guns ar­tis­tas, co­mo o ame­ri­ca­no Futura 2000, pi­o­nei­ro do gra­fi­te que ex­põe des­de os anos 80, op­ta­ram por pas­sar dos mu­ros da rua pa­ra os das ga­le­ri­as.

Ao lon­go dos anos, Lau­ge­ro-Las­ser­re acu­mu­lou uma co­lec­ção con­si­de­rá­vel de obras de no­mes co­mo Frank She­pard Fai­rey, que es­ta­va por trás do pos­ter com a pa­la­vra Ho­pe (es­pe­ran­ça) pa­ra a cam­pa­nha pre­si­den­ci­al de Ba­rack Oba­ma de 2008, e o ar­tis­ta ita­li­a­no Blu, que per­mi­tiu que os seus mu­rais em Ber­lim fos­sem pin­ta­dos de pre­to pa­ra que não ge­ras­sem es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria.

A no­va ex­po­si­ção per­ma­nen­te con­ta­rá com obras de Banksy e JR, mas tam­bém de uma va­ri­e­da­de de ar­tis­tas me­nos co­nhe­ci­dos do pú­bli­co em ge­ral.

Ar­te ilegal

Após ter apre­sen­ta­do es­sas obras em di­fe­ren­tes mos­tras, Xa­vi­er Ni­el fun­da­dor da ope­ra­do­ra de te­le­fo­nia Free e do­no da sé­ti­ma for­tu­na da Fran­ça – ex­põe-nas nu­ma es­co­la de for­ma­ção di­gi­tal.

Uma es­co­lha atí­pi­ca: no meio da sa­la de au­la im­pe­ram obras no va­lor de mi­lha­res de eu­ros que os apre­ci­a­do­res po­dem ad­mi­rar gra­tui­ta­men­te em vi­si­tas gui­a­das, pa­ra des­co­brir tan­to a ar­te co­mo o lu­gar, “Art 42”.

Ape­sar des­sa no­va vi­tri­na, a “stre­et art” ain­da é ob­jec­to de “cer­ta re­jei­ção por par­te das ins­ti­tui­ções”, afir­ma Mag­da Danysz, uma ga­le­ris­ta de ar­te con­tem­po­râ­nea ins­ta­la­da em Pa­ris e Xan­gai.

“Em ter­mos de re­co­nhe­ci­men­to, con­ti­nu­a­mos à es­pe­ra de uma gran­de mos­tra so­bre o te­ma”, diz.

“A ar­te ur­ba­na não são três gra­fi­tes num ter­re­no bal­dio. É um fe­nó­me­no ar­tís­ti­co que con­se­guiu ador­nar to­dos os mu­ros do pla­ne­ta”, acres­cen­ta.

An­te es­sas reservas, “quan­to mais se fa­lar da ar­te de rua, me­lhor”, opi­na Meh­di Ben Cheikh, ga­le­ris­ta que lan­çou o pro­jec­to Tour Pa­ris 13, um quar­tei­rão trans­for­ma­do nu­ma enor­me área de ex­po­si­ções tem­po­rá­ri­as, que em 2014 reu­niu cer­ca de 100 ar­tis­tas, an­tes de ser de­mo­li­do.

Ben Cheikh tam­bém es­te­ve en­vol­vi­do no pro­jec­to “Djer­baho­od”, que le­vou de­ze­nas de ar­tis­tas de rua in­ter­na­ci­o­nais pa­ra a ilha tu­ni­si­na de Djer­ba, há dois anos.

Em­bo­ra es­te especialista elo­gie a di­fu­são da men­sa­gem em es­pa­ços fe­cha­dos, há ou­tros que acre­di­tam que o ex­te­ri­or é um ha­bi­tat mais na­tu­ral pa­ra es­te ti­po de ar­te.

“A rua con­ti­nua a ser es­sen­ci­al pa­ra os ar­tis­tas, é o que os ins­pi­ra. Ain­da há mui­tos lu­ga­res no mun­do on­de a ar­te ur­ba­na é ilegal”, con­fir­ma Mag­da Danysz.

A pro­va dis­so é o fa­mo­so Mon­si­eur Chat, que após de­co­rar as pa­re­des de uma es­ta­ção fer­ro­viá­ria de Pa­ris com sim­pá­ti­cos fe­li­nos, ho­je cor­re o ris­co de ser con­de­na­do a três me­ses de pri­são.

Uma ex­po­si­ção de obras ra­ras e ori­gi­nais do ar­tis­ta Banksy pa­ra se­rem lei­lo­a­das no fim do mês

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.