Rei­no Uni­do aler­ta pa­ra iso­la­men­to da Rús­sia

Jornal de Angola - - MUNDO -

Bo­ris John­son abor­dou o de­sem­pe­nho da Rús­sia na Sí­ria, du­ran­te a sua pri­mei­ra de­cla­ra­ção na Câ­ma­ra dos Co­muns des­de que as­su­miu o car­go em Ju­lho, on­de ten­tou fa­zer um en­qua­dra­men­to ope­ra­ci­o­nal da si­tu­a­ção no ter­re­no e so­bre o pa­pel das for­ças bri­tâ­ni­cas na co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal, li­de­ra­da pe­los Es­ta­dos Uni­dos.

O ac­tu­al mi­nis­tro bri­tâ­ni­co das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, co­nhe­ci­do pe­la sua po­si­ção me­diá­ti­ca e de gran­de in­fluên­cia na saí­da do Rei­no Uni­do da União Eu­ro­peia, na al­tu­ra co­mo pre­si­den­te da câ­ma­ra de Lon­dres, ar­gu­men­tou que dis­se ao Pre­si­den­te da Rús­sia, Vla­di­mir Pu­tin, que se ele am­bi­ci­o­na tor­nar o seu país for­te, es­tá a ar­ris­car-se a ga­nhar o des­pre­zo in­ter­na­ci­o­nal.

A Rús­sia es­tá de­bai­xo de san­ções da União Eu­ro­peia e man­tém uma re­la­ção ten­sa com os Es­ta­dos Uni­dos de­vi­do a di­fe­ren­ças pon­tu­ais na in­ter­pre­ta­ção de vá­ri­os as­sun­tos in­ter­na­ci­o­nais, de­sig­na­da­men­te o con­fli­to na Sí­ria. O che­fe da di­plo­ma­cia bri­tâ­ni­ca não men­ci­o­nou que paí­ses es­tão ali­nha­dos com a po­si­ção do Go­ver­no bri­tâ­ni­co em tor­nar a Rús­sia um Es­ta­do com­ple­ta­men­te iso­la­do. Bo­ris John­son re­fe­riu ape­nas que há ne­ces­si­da­de de um de­ba­te pro­fun­do so­bre a si­tu­a­ção na Sí­ria, prin­ci­pal­men­te da ci­da­de de Ale­po. John­son dis­se te­mer o “fim do po­ço da in­dig­na­ção pe­las atro­ci­da­des co­me­ti­das na Sí­ria” e pe­diu que ma­ni­fes­ta­ções se­jam con­vo­ca­das em fren­te à em­bai­xa­da rus­sa em Lon­dres pa­ra con­de­nar as ac­ções de apoio ao Go­ver­no do Pre­si­den­te Bashar al As­sad. Pe­lo me­nos 12 pes­so­as, en­tre elas qua­tro me­no­res, mor­re­ram on­tem de­vi­do aos bom­bar­de­a­men­tos de aviões rus­sos em vá­ri­as par­tes da ci­da­de de Ale­po, no nor­te do país, se­gun­do o Ob­ser­va­tó­rio Sí­rio de Di­rei­tos Hu­ma­nos.

Os ata­ques à re­gião in­ten­si­fi­ca­ram­se des­de o dia 19 de Se­tem­bro, quan­do Bashar al As­sad de­cla­rou in­vá­li­da a tré­gua es­ti­pu­la­da pre­vi­a­men­te pe­los Es­ta­dos Uni­dos e Rús­sia. Ci­vis con­fir­ma­ram à im­pren­sa sí­ria que Ale­po foi al­vo de ata­ques de aviões não iden­ti­fi­ca­dos. O mi­nis­tro bri­tâ­ni­co das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res rei­te­rou que a pre­sen­ça do gru­po ter­ro­ris­ta Jabhat al Nus­ra jun­to das mi­lí­ci­as re­bel­des em Ale­po tem de ser re­sol­vi­do, mas tam­bém não de­ve ser usa­da co­mo mo­ti­vo pa­ra a Rús­sia bom­bar­de­ar a ci­da­de.

Além dis­so, Bo­ris John­son res­pon­sa­bi­li­zou o Go­ver­no de Mos­co­vo pe­lo ata­que a um com­boio de aju­da hu­ma­ni­tá­ria ocor­ri­do no dia 19 de Se­tem­bro.

Após a in­ter­ven­ção do mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res do Rei­no Uni­do, a em­bai­xa­da da Rús­sia em Lon­dres emi­tiu uma no­ta pe­lo Twit­ter, on­de afir­ma que a in­ter­ven­ção rus­sa na Sí­ria li­ber­tou mi­lha­res de pes­so­as e ca­na­li­zou mi­lha­res de to­ne­la­das de aju­da hu­ma­ni­tá­ria. Na mes­ma no­ta, a em­bai­xa­da ques­ti­o­na o pa­pel do Rei­no Uni­do.

Na úl­ti­ma se­ma­na, o Go­ver­no rus­so ve­tou uma re­so­lu­ção do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das, pro­pos­ta pe­la Fran­ça e Es­pa­nha, com o apoio de ou­tras po­tên­ci­as oci­den­tais, na qual se pe­dia um ces­sar-fo­go na Sí­ria, in­cluin­do o fim dos ata­ques a Ale­po.

Des­de o fim da tré­gua no dia 19 de Se­tem­bro, pe­lo me­nos 497 ci­vis mor­re­ram na re­gião de Ale­po, en­tre eles 90 me­no­res e 40 mu­lhe­res, se­gun­do dados de ór­gãos não ofi­ci­ais.

O Con­se­lho de Se­gu­ran­ça man­tém os tra­ba­lhos pa­ra en­con­trar uma so­lu­ção pa­ra a Sí­ria, ain­da que nu­ma pri­mei­ra fa­se se­ja par­ci­al, co­mo ad­mi­ti­ram Fran­ça e Es­pa­nha que apre­sen­ta­ram a pro­pos­ta de tré­gua pa­ra a ci­da­de de Alep­po, on­de mi­lha­res de ci­vis aguar­dam por aju­da ur­gen­te.

O Pre­si­den­te da Rús­sia, Vla­di­mir Pu­tin, dis­se on­tem que a fal­ta de se­gu­ran­ça é o prin­ci­pal pro­ble­ma pa­ra le­var aju­da hu­ma­ni­tá­ria à ci­da­de de Ale­po e ale­gou que os Es­ta­dos Uni­dos “não que­rem ou não po­dem acei­tar a sua pro­pos­ta de que tan­to o Exér­ci­to co­mo a opo­si­ção sí­ria dei­xem a es­tra­da de aces­so à ci­da­de”.

“O prin­ci­pal pro­ble­ma é pro­por­ci­o­nar se­gu­ran­ça en­quan­to é en­vi­a­da aju­da hu­ma­ni­tá­ria. Pro­pu­se­mos que tan­to o Exér­ci­to sí­rio co­mo a opo­si­ção se re­ti­rem da es­tra­da de Cas­tel­lo. Pro­pu­se­mos is­to aos nor­te-ame­ri­ca­nos. Mas, ou não o que­rem ou não po­dem”, afir­mou Pu­tin. A es­tra­da de Cas­tel­lo é a úni­ca pe­la qual a aju­da hu­ma­ni­tá­ria po­de ser en­ca­mi­nha­da à re­gião de Alep­po, par­ci­al­men­te con­tro­la­da pe­los re­bel­des. O Pre­si­den­te rus­so fez es­tas de­cla­ra­ções na pre­sen­ça do Pre­si­den­te da Tur­quia, Re­cep Tayyip Er­do­gan, com quem ha­via de­ba­ti­do a si­tu­a­ção na Sí­ria.

Es­ta é a se­gun­da reu­nião dos dois lí­de­res des­de Agos­to, no qua­dro dos es­for­ços pa­ra nor­ma­li­zar as re­la­ções bi­la­te­rais, mui­to aba­la­das após um ca­ça tur­co ter der­ru­ba­do, em No­vem­bro de 2015, um avião rus­so.

AFP

Mi­nis­tro bri­tâ­ni­co das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res Bo­ris John­son quer so­lu­ção ime­di­a­ta pa­ra a Sí­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.