No­me do pró­xi­mo pri­mei­ro-mi­nis­tro atra­sa acor­do

Jornal de Angola - - MUNDO -

O Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz, o lí­der do Par­la­men­to, Ci­pri­a­no Cas­sa­má, o pri­mei­ro-mi­nis­tro Ba­ci­ro Djá, lí­de­res do PAIGC, do PRS, do “gru­po dos 15” e da so­ci­e­da­de ci­vil e de co­mu­ni­da­des re­li­gi­o­sas gui­ne­en­ses par­ti­ci­pam no en­con­tro em que a gran­de ques­tão é o no­me do par­ti­do e da fi­gu­ra que vai li­de­rar o fu­tu­ro Go­ver­no, que es­tão na ba­se da de­mo­ra na im­ple­men­ta­ção do acor­do.

O PAIGC, par­ti­do mais vo­ta­do nas elei­ções le­gis­la­ti­vas de 2014, man­tém a po­si­ção de che­fi­ar o Go­ver­no in­clu­si­vo e o seu pre­si­den­te, Do­min­gos Si­mões Pe­rei­ra, diz que es­ta res­pon­sa­bi­li­da­de “é cons­ti­tu­ci­o­nal e não po­de ser re­ti­ra­da ao par­ti­do po­lí­ti­co ven­ce­dor das úl­ti­mas elei­ções le­gis­la­ti­vas”.

O PRS, o se­gun­do par­ti­do mais vo­ta­do, ale­ga que o acor­do “foi ru­bri­ca­do pe­lo pri­mei­ro-mi­nis­tro Ba­ci­ro Djá, Che­fe do Go­ver­no con­si­de­ra­do Cons­ti­tu­ci­o­nal pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, que não po­de ser pos­to em cau­sa” . O pri­mei­ro-mi­nis­tro Ba­ci­ro Djá, in­te­gran­te dos 15 de­pu­ta­dos dis­si­den­tes do PAIGC, ar­gu­men­ta que “há uma mai­o­ria inequí­vo­ca no Par­la­men­to que sus­ten­ta o Go­ver­no”e a apon­ta co­mo “a prin­ci­pal ba­se pa­ra for­mar o Exe­cu­ti­vo”.

E na se­ma­na pas­sa­da, o pre­si­den­te do Par­la­men­to, Ci­pri­a­no Cas­sa­má, dis­se ter en­tre­ga­do ao Che­fe de Es­ta­do a pro­pos­ta de uma fi­gu­ra pa­ra li­de­rar o fu­tu­ro Go­ver­no in­clu­si­vo gui­ne­en­se, sem re­ve­lar o no­me.

Os prin­ci­pais ac­to­res da cri­se po­lí­ti­ca na Gui­né-Bis­sau con­cor­da­ram em Se­tem­bro com a cri­a­ção de um no­vo Go­ver­no in­clu­si­vo des­ti­na­do a pôr fim à ac­tu­al cri­se po­lí­ti­ca e ins­ti­tu­ci­o­nal e que le­ve o país até ao fim da ac­tu­al le­gis­la­tu­ra, em 2018.

O acor­do me­di­a­do pe­la CEDEAO es­ta­be­le­ce que as “ta­re­fas es­sen­ci­ais” do Go­ver­no in­clu­si­vo são a revisão da Cons­ti­tui­ção e re­for­mas da lei elei­to­ral, da lei-qua­dro dos par­ti­dos po­lí­ti­cos e do sec­tor mi­li­tar, mas tar­da em ser im­ple­men­ta­do e a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal pe­de “ce­le­ri­da­de” aos sig­na­tá­ri­os do pac­to.

Ao re­a­gir às ne­go­ci­a­ções ini­ci­a­das na noi­te de ter­ça-fei­ra, o Se­cre­tá­ri­oGe­ral ces­san­te da ONU, Ban Ki­mo­on, elo­gi­ou o “diá­lo­go in­clu­si­vo en­tre lí­de­res po­lí­ti­cos, da so­ci­e­da­de ci­vil e de co­mu­ni­da­des re­li­gi­o­sas da Gui­né-Bis­sau” e o con­si­de­ra “o pri­mei­ro pas­so cru­ci­al na im­ple­men­ta­ção do pla­no da CEDEAO pa­ra aca­bar com a cri­se po­lí­ti­ca”.

Ban Ki-mo­on pe­de a to­das as par­tes en­vol­vi­das no diá­lo­go “pro­gres­sos de­ci­si­vos nos pró­xi­mos di­as” e ao seu re­pre­sen­tan­te especial na Gui­né-Bis­sau, Mo­di­bo Tou­ré, pa­ra con­ti­nu­ar a co­o­pe­rar “com to­dos os ac­to­res”, de­sig­na­da­men­te a CEDEAO, União Africana, Co­mu­ni­da­de de Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP) e União Eu­ro­peia.

Em Se­tem­bro, o Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça gui­ne­en­se con­si­de­rou “im­pro­ce­den­te” a pro­vi­dên­cia cau­te­lar in­ter­pos­ta pe­lo Go­ver­no de Ba­ci­ro Djá con­tra a As­sem­bleia Na­ci­o­nal Po­pu­lar e o seu pre­si­den­te após de­ter­mi­nar que “não com­pe­te ao ór­gão obri­gar o pre­si­den­te do Par­la­men­to a con­vo­car a ses­são par­la­men­tar pa­ra a dis­cus­são do Pro­gra­ma do Go­ver­no”.

Um acór­dão da­que­le tri­bu­nal es­cla­re­ce que o Po­der Ju­di­ci­al “não po­de subs­ti­tuir os ór­gãos pró­pri­os ins­ti­tuí­dos, or­de­nan­do-lhes a prá­ti­ca de ac­tos ad­mi­nis­tra­ti­vos que só a es­tes com­pe­tem, sob pe­na de ma­ni­fes­ta e gra­ve vi­o­la­ção do Prin­cí­pio Cons­ti­tu­ci­o­nal de Se­pa­ra­ção de Po­de­res”, ra­zão pe­la qual “a con­du­ta em cau­sa não é sin­di­cá­vel em se­de da ju­ris­di­ção ad­mi­nis­tra­ti­va”.

O Go­ver­no li­de­ra­do por Ba­ci­ro Djá que­ria a in­ter­ven­ção do Po­der Ju­di­ci­al pa­ra for­çar o Po­der Le­gis­la­ti­vo a dis­cu­tir o pro­gra­ma do Po­der Exe­cu­ti­vo nu­ma ses­são ex­tra­or­di­ná­ria, o que con­fi­gu­ra, de acor­do cm o Tri­bu­nal Su­pre­mo, uma cla­ra vi­o­la­ção do Prin­cí­pio da Se­pa­ra­ção de Po­de­res.

Os de­pu­ta­dos que apoi­am o Go­ver­no gui­ne­en­se ame­a­ça­ram avan­çar com o pro­ces­so de des­ti­tui­ção de Ci­pri­a­no Cas­sa­má, que acu­sam de “ati­tu­de de­li­be­ra­da de blo­queio” ao fun­ci­o­na­men­to do Par­la­men­to.

Nu­ma al­tu­ra em que os di­ri­gen­tes gui­ne­en­ses es­tão na Gui­né Co­na­cri a ne­go­ci­ar a for­ma­ção de um Go­ver­no in­clu­si­vo pa­ra pôr fim à cri­se po­lí­ti­ca e ins­ti­tu­ci­o­nal que há mais de um ano as­so­la a Gui­né-Bis­sau, os pro­fes­so­res do país ini­ci­a­ram uma gre­ve de du­as se­ma­nas pa­ra re­cla­mar o pa­ga­men­to dos seus sa­lá­ri­os, blo­que­a­dos por cau­sa da cri­se po­lí­ti­ca.

Uma fon­te do Go­ver­no dis­se à agência de no­tí­ci­as Fran­ce Press que o não pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os dos pro­fes­so­res de­ve-se ao atra­so da vo­ta­ção do or­ça­men­to pe­lo Par­la­men­to, cu­jos tra­ba­lhos es­tão blo­que­a­dos por cau­sa da cri­se po­lí­ti­ca.

As ne­go­ci­a­ções tam­bém de­cor­rem após a Gui­né-Bis­sau e o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) che­ga­rem a um prin­cí­pio de acor­do so­bre as me­di­das a to­mar pe­lo pri­mei­ro pa­ra vol­tar a re­ce­ber apoio fi­nan­cei­ro, a ava­li­ar em De­zem­bro e que po­de­rá per­mi­tir li­ber­tar 6,3 mi­lhões de eu­ros pa­ra o país.

O FMI in­for­mou que Bis­sau pro­me­teu im­ple­men­tar me­di­das pa­ra fe­char o bu­ra­co fis­cal des­te ano, apre­sen­tar o or­ça­men­to de 2016 ao Par­la­men­to, pre­pa­rar o de 2017 e re­sol­ver o res­ga­te da ban­ca co­mer­ci­al do país.

AFP

Cri­se ins­ti­tu­ci­o­nal na Gui­né-Bis­sau im­pe­de apro­va­ção do pro­gra­ma de Go­ver­no no Par­la­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.