Im­pos­to po­de aju­dar a re­du­zir a obe­si­da­de

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

Um re­la­tó­rio da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), di­vul­ga­do na ter­ça-fei­ra em Ge­ne­bra, de­cla­ra que au­men­tar os im­pos­tos das be­bi­das açu­ca­ra­das po­de re­du­zir o con­su­mo e, con­se­quen­te­men­te, os ín­di­ces de obe­si­da­de, de di­a­be­tes ti­po dois e de cá­ri­es den­tá­ri­as.

No re­la­tó­rio dis­tri­buí­do por oca­sião do Dia Mun­di­al de Com­ba­te à Obe­si­da­de, as­si­na­la­do na ter­ça-fei­ra, a agência es­pe­ci­a­li­za­da da ONU re­fe­re que po­lí­ti­cas fis­cais que le­vem ao au­men­to de 20 por cen­to no pre­ço de re­fri­ge­ran­tes e ou­tras be­bi­das com açú­car po­dem ge­rar uma re­du­ção pro­por­ci­o­nal no con­su­mo des­ses pro­du­tos.

O do­cu­men­to é es­pe­cí­fi­co so­bre pro­du­tos com glu­co­se, fru­to­se, su­cro­se ou o açú­car de me­sa co­mum, que são in­se­ri­dos pe­los fa­bri­can­tes ou pe­lo pró­prio con­su­mi­dor em ali­men­tos ou be­bi­das. A agência es­pe­ci­a­li­za­da da ONU lem­bra que o açú­car tam­bém es­tá pre­sen­te de for­ma na­tu­ral no mel, cal­das, su­mos de fru­ta e con­cen­tra­dos de fru­ta.

Sem in­ge­rir tan­to açú­car e ca­lo­ri­as no ge­ral, a OMS ex­pli­ca que a nu­tri­ção dos con­su­mi­do­res po­de me­lho­rar e um nú­me­ro me­nor de pes­so­as po­de sofrer de ex­ces­so de pe­so, obe­si­da­de, di­a­be­tes e cá­ri­es. O di­rec­tor do De­par­ta­men­to pa­ra a Pre­ven­ção de Do­en­ças Cró­ni­cas da OMS, Dou­glas Bett­cher, afir­ma que “se os go­ver­nos au­men­ta­rem os im­pos­tos de pro­du­tos co­mo be­bi­das com açú­car, po­dem salvar vi­das, re­du­zir os custos com tra­ta­men­tos e trans­fe­rir os lu­cros pa­ra o sis­te­ma de saú­de”. Um ba­lan­ço fei­to há dois anos mos­trou que 39 por cen­to dos adul­tos do Mun­do es­ta­vam aci­ma do pe­so. A pre­va­lên­cia da obe­si­da­de mais do que du­pli­cou des­de 1980. Ac­tu­al­men­te, mais de meio bi­lião de adul­tos es­tão obe­sos.

No ca­so das cri­an­ças, 42 mi­lhões de me­no­res de cin­co anos es­tão aci­ma do pe­so ou obe­sas. A mai­o­ria vi­ve na Ásia. O to­tal de di­a­bé­ti­cos tam­bém au­men­ta, ha­ven­do 422 mi­lhões de pes­so­as por­ta­do­ras da do­en­ça, que ma­ta 1,5 mi­lhões por ano.

Fru­tas e ve­ge­tais mais ba­ra­tos

A OMS ex­pli­ca que nin­guém pre­ci­sa de açú­car na di­e­ta. O ní­vel má­xi­mo de con­su­mo diá­rio in­di­ca­do é de 250 mi­li­li­tros de be­bi­da açu­ca­ra­da, o equi­va­len­te a um co­po mé­dio, co­mo su­mos ou re­fri­ge­ran­tes. Pa­ra pre­pa­rar o re­la­tó­rio, a OMS ava­li­ou po­lí­ti­cas fis­cais cri­a­das pa­ra me­lho­rar di­e­tas e pre­ve­nir do­en­ças cró­ni­cas.

Sub­sí­di­os pa­ra re­du­zir pre­ços de fru­tas e ve­te­gais en­tre dez por cen­to e 30 por cen­to le­vou ao au­men­to do con­su­mo des­ses pro­du­tos. Já os im­pos­tos so­bre ali­men­tos e be­bi­das com al­to te­or de açú­car e de gor­du­ras cau­sa­ram a que­da no con­su­mo

Um es­tu­do pu­bli­ca­do na edi­ção mais re­cen­te da re­vis­ta Na­tu­re re­ve­la que o li­mi­te na­tu­ral pa­ra a vi­da hu­ma­na es­tá em tor­no dos 115 anos, sen­do que, mui­to even­tu­al­men­te, al­guém po­de ul­tra­pas­sar es­sa mar­ca, co­mo a fran­ce­sa Je­an­ne Loui­se Cal­men­te, que mor­reu há 19 anos aos 122 anos.

Prin­ci­pal au­tor da pes­qui­sa, Jan Vijg, pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na Al­bert Eins­tein, nos Es­ta­dos Uni­dos, ex­pli­cou ao “Cor­reio Bra­zi­li­en­se” que a aná­li­se foi ins­pi­ra­da no ca­so da fran­ce­sa “su­per­cen­te­ná­ria”, ter­mo usa­do pa­ra des­cre­ver pes­so­as que vi­vem mais de 110 anos.

“Des­de a mor­te de Je­an­ne Loui­se Cal­ment que nin­guém su­pe­rou o seu fei­to”, dis­se Jan Vijg, pa­ra quem “mui­to di­fi­cil­men­te al­guém o fa­rá”, além de que a pro­ba­bi­li­da­de de al­guém ul­tra­pas­sar os 125 anos é bai­xís­si­ma. “Pa­re­ceu-nos es­tra­nho que, du­as dé­ca­das de­pois de Je­an­ne Loui­se Cal­ment mor­rer, nin­guém te­nha che­ga­do per­to de al­can­çar a sua ida­de, ape­sar das me­lho­ri­as em cur­so nos cui­da­dos mé­di­cos e de saú­de em ge­ral”, sa­li­en­tou o in­ves­ti­ga­dor. Em bus­ca de uma res­pos­ta, ele e a sua equi­pa pas­sa­ram a es­tu­dar dados de mor­ta­li­da­de de mais de 40 paí­ses e no­ta­ram que as na­ções mos­tra­ram um de­clí­nio con­tí­nuo nas ta­xas de mor­ta­li­da­de a par­tir de 1900.

Aná­li­ses es­ta­tís­ti­cas

No gru­po das pes­so­as que atin­gi­am os 100 anos, es­se au­men­to do tempo de vi­da não acom­pa­nha­va a ten­dên­cia ge­ral. “Es­sa des­co­ber­ta in­di­ca um pos­sí­vel li­mi­te pa­ra a vi­da hu­ma­na”, com­ple­ta o in­ves­ti­ga­dor.

As aná­li­ses es­ta­tís­ti­cas in­di­cam que a pro­ba­bi­li­da­de de al­guém su­pe­rar os 125 anos é me­nor do que um em 10 mil. Apon­tar um tec­to pa­ra o tempo de vi­da dos se­res hu­ma­nos su­ge­re que os avan­ços da me­di­ci­na tam­bém têm um li­mi­te, sen­do es­se um dos pon­tos mais po­lé­mi­cos do es­tu­do. Pa­ra al­guns es­pe­ci­a­lis­tas, é im­pos­sí­vel pre­ver o im­pac­to de fu­tu­ras des­co­ber­tas na área da saú­de.

Jan Vijg acre­di­ta que es­ses acha­dos de­vem ele­var a ex­pec­ta­ti­va de vi­da mé­dia da Hu­ma­ni­da­de, mas não fa­zer com que pes­so­as che­guem aos 130, 140 ou 150 anos.

AFP

A obe­si­da­de é um pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.