CRI­ME BÁR­BA­RO OCOR­RI­DO NO CA­ZEN­GA Po­lí­cia es­cla­re­ce tri­plo as­sas­si­na­to

Jornal de Angola - - DESPORTO - KÁ­TIA RA­MOS |

Um dos dez pre­su­mí­veis ho­mi­ci­das de três pes­so­as, du­as das quais da mes­ma fa­mí­lia, as­sas­si­na­das du­ran­te um as­sal­to à mo­ra­dia em que vi­vi­am, no bair­ro do Ca­zen­ga, em Lu­an­da, foi on­tem apre­sen­ta­do à co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, seis di­as após a sua de­ten­ção, ocor­ri­da qua­tro ho­ras de­pois do as­sal­to.

O sus­pei­to, de 21 anos e iden­ti­fi­ca­do co­mo Car­los Go­mes, cri­ou um gru­po de as­sal­tos com mais no­ve in­di­ví­du­os, li­ber­ta­dos re­cen­te­men­te no âm­bi­to da úl­ti­ma Lei da Am­nis­tia, que co­nhe­ceu na ca­deia, em 2014.

O de­lin­quen­te, que já era co­nhe­ci­do das au­to­ri­da­des po­li­ci­ais, dis­se à co­mu­ni­ca­ção so­ci­al não se lem­brar do nú­me­ro de as­sal­tos pra­ti­ca­dos pe­lo gru­po em dois me­ses de ac­ti­vi­da­de, an­tes do cri­me que aba­lou a pro­vín­cia de Lu­an­da.

A ca­sa as­sal­ta­da por vol­ta das du­as ho­ras de ma­dru­ga­da do dia 6 des­te mês e lo­ca­li­za­da na rua do Big, não era o al­vo, mas sim uma can­ti­na que se en­con­tra no in­te­ri­or da mo­ra­dia, jun­to à li­nha fér­rea.

Quan­do o gru­po che­gou ao lo­cal, Car­los Go­mes fi­cou do la­do de fo­ra, de on­de ou­viu cin­co dis­pa­ros, que cau­sa­ram mui­tos gri­tos e cho­ros, ten­do de­pois saí­do da mo­ra­dia as­sal­ta­da du­as pes­so­as. “Foi as­sim que dis­pa­rei”, re­ve­lou aos jor­na­lis­tas o de­ti­do, que dis­se ter usa­do uma AKM. Do as­sal­to à can­ti­na, os me­li­an­tes con­se­gui­ram le­var uma pas­ta, na qual es­ta­vam qua­tro mil kwan­zas, e di­ri­gi­ram-se a um par­que, on­de fi­ze­ram a di­vi­são.

Com o mí­se­ro va­lor re­ce­bi­do, Car­los Go­mes com­prou dro­ga, con­su­mi­da no mo­men­to da com­pra e, quan­do che­gou a ca­sa, por vol­ta das 6h00, foi sur­pre­en­di­do por agen­tes do Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal, que o pren­de­ram. No as­sal­to mor­re­ram dois ir­mãos, no in­te­ri­or da re­si­dên­cia, fi­lhos do pro­pri­e­tá­rio, Mi­guel Manuel Pedro, tam­bém ba­le­a­do, e no ex­te­ri­or o in­qui­li­no, Luís Fu­ca, que ge­ria a can­ti­na, quan­do fu­gia com o seu fi­lho Mi­guel Fu­ca, de 13 anos, fe­ri­do gra­ve­men­te na ca­be­ça, en­con­tran­do-se in­ter­na­do no Hos­pi­tal Amé­ri­co Bo­a­vi­da. Am­bos fo­ram ba­le­a­dos por Car­los Go­mes. O cor­po de Luís Fu­ca, na­tu­ral de Ca­bin­da, é en­ter­ra­do ho­je na sua ter­ra na­tal.

O pro­pri­e­tá­rio da re­si­dên­cia, atin­gi­do com seis ti­ros nas cos­tas, já foi ope­ra­do no Hos­pi­tal Mi­li­tar Cen­tral e es­tá em ple­na re­cu­pe­ra­ção.

“A nos­sa in­ten­ção não foi ti­rar a vi­da de nin­guém”, de­cla­rou o su­pos­to as­sas­si­no, acen­tu­an­do que con­se­guiu a ar­ma que usou há um ano, quan­do as­sal­tou um vi­gi­lan­te de uma em­pre­sa de se­gu­ran­ça pri­va­da.

Além da ar­ma, o gru­po usa­va sem­pre mais três pis­to­las nos as­sal­tos que pra­ti­ca­vam, no mu­ni­cí­pio do Ca­zen­ga e no dis­tri­to do Kilamba Kiaxi, mu­ni­cí­pio de Lu­an­da.

Na apre­sen­ta­ção de Car­los Go­mes, o Ga­bi­ne­te de Co­mu­ni­ca­ção e Ima­gem da Po­lí­cia Na­ci­o­nal di­vul­gou o ba­lan­ço das ac­ções de com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de vi­o­len­ta em Lu­an­da de 2 a 10 des­te mês, em cu­jo pe­río­do fo­ram de­ti­das três pes­so­as, uma das quais de na­ci­o­na­li­da­de con­go­le­sa.

No rol de de­li­tos re­gis­ta­dos es­tá o as­sas­si­na­to de um ofi­ci­al da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, na sequên­cia de um as­sal­to a uma es­qua­dra lo­ca­li­za­da no Bi­ta, fei­to por mar­gi­nais, com o ob­jec­ti­vo de li­ber­ta­rem um com­par­sa, con­si­de­ra­do al­ta­men­te pe­ri­go­so. O ata­que à es­qua­dra per­mi­tiu a fu­ga de dez re­clu­sos, se­te dos quais con­ti­nu­am fo­ra­gi­dos.

EDU­AR­DO PEDRO

In­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal apre­sen­tou on­tem um dos pre­su­mí­veis ho­mi­ci­das do Ca­zen­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.