OMA de­ve es­tar pre­pa­ra­da pa­ra ga­ran­tir a vi­tó­ria

João Lou­ren­ço con­ta com a or­ga­ni­za­ção fe­mi­ni­na na mo­bi­li­za­ção da so­ci­e­da­de pa­ra o re­gis­to elei­to­ral

Jornal de Angola - - POLITICAL - YARA SI­MÃO |

A Or­ga­ni­za­ção da Mu­lher An­go­la­na tem, a par­tir de ago­ra, um úni­co ob­jec­ti­vo, pre­pa­rar-se pa­ra con­tri­buir pa­ra a vi­tó­ria do MPLA nas pró­xi­mas elei­ções ge­rais, afir­mou on­tem, em Lu­an­da, o vi­ce-pre­si­den­te do par­ti­do.

João Lou­ren­ço, que dis­cur­sa­va na aber­tu­ra da se­gun­da reu­nião or­di­ná­ria do Co­mi­té Na­ci­o­nal da OMA, dis­se que tu­do o que for fei­to da­qui pa­ra fren­te tem de ter em con­ta a ne­ces­si­da­de de al­can­çar bons resultados no plei­to do pró­xi­mo ano.

“As elei­ções ga­nham-se ago­ra, cum­prin­do com o pres­su­pos­to nú­me­ro um, o de ga­ran­tir que to­dos os mi­li­tan­tes e ou­tros - que não o sen­do for­mal­men­te, por­que não têm car­tão, nem mi­li­tam nos CAP mas sa­bem que vão vo­tar no MPLA - es­te­jam em con­di­ções de exer­cer o seu di­rei­to de vo­to a fa­vor do par­ti­do e do seu can­di­da­to a Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca”, dis­se.

O “nú­me­ro dois” na hi­e­rar­quia do par­ti­do no po­der lem­brou que as mu­lhe­res cons­ti­tu­em a mai­o­ria da po­pu­la­ção an­go­la­na e, con­se­quen­te­men­te, a mai­o­ria dos elei­to­res do país. “Es­tan­do a OMA in­se­ri­da em pra­ti­ca­men­te to­dos os es­tra­tos da so­ci­e­da­de e em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, de­ve re­or­ga­ni­zar a cam­pa­nha de mo­bi­li­za­ção da mu­lher, em par­ti­cu­lar das nos­sas mi­li­tan­tes, das jo­vens es­tu­dan­tes e tra­ba­lha­do­res das ci­da­des e da mu­lher ru­ral, pa­ra que fa­çam a ac­tu­a­li­za­ção do seu re­gis­to elei­to­ral e o re­gis­to pa­ra quem o fi­zer pe­la pri­mei­ra vez”, de­fen­deu.

João Lou­ren­ço re­al­çou o pa­pel da mu­lher an­go­la­na nas áre­as do sa­ber, na ges­tão de im­por­tan­tes em­pre­sas pú­bli­cas e pri­va­das, ten­do su­bli­nha­do que elas cons­ti­tu­em já a mai­o­ria no uni­ver­so de es­tu­dan­tes de pra­ti­ca­men­te to­dos os es­ta­be­le­ci­men­to de en­si­no su­pe­ri­or. “A mu­lher an­go­la­na des­ta­ca-se tam­bém no des­por­to de com­pe­ti­ção, ten­do con­quis­ta­do ao lon­go dos anos su­ces­si­vos os tí­tu­los de cam­peãs afri­ca­nas em mo­da­li­da­des co­mo an­de­bol, pa­ra ci­tar al­guns ape­nas”, lem­brou.

Par­ti­ci­pa­ção em de­ci­sões

O vi­ce-pre­si­den­te do MPLA dis­se que, em ter­mos de par­ti­ci­pa­ção nos prin­ci­pais ór­gãos de de­ci­são po­lí­ti­ca do país, no­me­a­da­men­te o Exe­cu­ti­vo e o Par­la­men­to, as mu­lhe­res não es­tão mal, se com­pa­ra­do com os pa­drões afri­ca­nos e da re­gião da SADC. Re­co­nhe­ceu, no en­tan­to, que “há mais de­graus a su­bir pe­la mu­lher an­go­la­na na es­ca­la do po­der po­lí­ti­co”.

João Lou­ren­ço su­bli­nhou que es­te de­si­de­ra­to é um pro­ces­so que não se al­can­ça ape­nas pe­las quo­tas de­fi­ni­das pe­las or­ga­ni­za­ções re­gi­o­nais, con­ti­nen­tais ou in­ter­na­ci­o­nais, co­mo a SADC, União Afri­ca­na ou as Na­ções Uni­das. Re­sul­ta, so­bre­tu­do, da von­ta­de po­lí­ti­ca dos po­de­res na­ci­o­nais e da pró­pria ca­pa­ci­da­de de a so­ci­e­da­de for­mar, edu­car e pre­pa­rar lí­de­res fe­mi­ni­nas. “A mu­lher an­go­la­na é, por ex­ce­lên­cia, lu­ta­do­ra e, por is­so mes­mo, ven­ce­do­ra, con­quis­tan­do, pal­mo a pal­mo, o di­rei­to que lhe é re­ser­va­do”, dis­se João Lou­ren­ço.

O vi­ce-pre­si­den­te do MPLA ga­ran­tiu que a mu­lher an­go­la­na tem meio ca­mi­nho an­da­do, por­que o MPLA é um par­ti­do sen­sí­vel e aber­to à ne­ces­si­da­de da pro­mo­ção da mu­lher em car­gos de che­fia e mai­or par­ti­ci­pa­ção nos ór­gãos de de­ci­são. “A lu­ta não é ape­nas vos­sa. Não es­tão so­zi­nhas. O pró­prio de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co-so­ci­al de nos­sos paí­ses as­sim o exige. É do in­te­res­se de to­dos que a mu­lher se­ja uma for­ça de tra­ba­lho ac­ti­va, par­ti­ci­pa­ti­va e eco­nó­mi­ca”, dis­se João Lou­ren­ço, pa­ra acres­cen­tar: “Uma aten­ção es­pe­ci­al de­ve ser pres­ta­da às mu­lhe­res em­pre­sá­ri­as e àque­las que exer­cem fun­ções de che­fia e li­de­ran­ça nos vá­ri­os do­mí­ni­os da so­ci­e­da­de, de mo­do a atraí-las pa­ra a causa do MPLA, e tor­nar a OMA ca­da vez mais in­se­ri­da em to­dos os seg­men­tos da so­ci­e­da­de an­go­la­na”.

Com­ba­te à vi­o­lên­cia

João Lou­ren­ço re­co­nhe­ceu o pa­pel da OMA co­mo pi­o­nei­ra des­ta­ca­da na lu­ta con­tra o anal­fa­be­tis­mo, no com­ba­te à vi­o­lên­cia do­més­ti­ca.

O MPLA, dis­se, con­ta com a OMA na lu­ta que a so­ci­e­da­de an­go­la­na tra­va con­tra o trá­fi­co e con­su­mo de dro­gas que des­trói a ju­ven­tu­de, na lu­ta con­tra cri­mes vi­o­len­tos, so­bre­tu­do con­tra a mu­lher e que a to­dos en­ver­go­nha, bem co­mo na lu­ta con­tra to­do o ti­po de vi­o­lên­cia se­xu­al, prin­ci­pal­men­te a me­no­res de am­bos os se­xos.

João Lou­ren­ço dis­se que a mu­ti­la­ção ge­ni­tal fe­mi­ni­na, uma prá­ti­ca que co­me­ça a ser in­tro­du­zi­da no país e que é con­tra a cul­tu­ra e tra­di­ções do po­vo an­go­la­no, cons­ti­tui cri­me con­tra a pes­soa hu­ma­na. “Es­te ti­po de mu­ti­la­ção dei­xa mar­cas fí­si­cas e psi­co­ló­gi­cas, por is­so de­ve me­re­cer o re­pú­dio e ser con­de­na­do”, dis­se João Lou­ren­ço, que con­cluiu: “Te­mos a cer­te­za de que se tra­ba­lhar­mos jun­tos na de­fe­sa dos nos­sos va­lo­res cul­tu­rais, con­se­gui­re­mos ven­cer es­sas prá­ti­cas que mi­nam os ali­cer­ces da nos­sa so­ci­e­da­de”. A se­gun­da reu­nião or­di­ná­ria do Co­mi­té Na­ci­o­nal da OMA ter­mi­na on­tem.

CONTREIRAS PI­PA

Vi­ce-pre­si­den­te do MPLA lem­brou que as mu­lhe­res cons­ti­tu­em a mai­o­ria da po­pu­la­ção an­go­la­na e con­se­quen­te­men­te de elei­to­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.