Ru­mo à pon­te so­bre o rio Kwan­za

Jornal de Angola - - POLITICAL -

bai­xa dos pre­ços do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, que se re­flec­tem, co­mo se sa­be, no ní­vel de vi­da da po­pu­la­ção.

Mas, co­mo que imu­ne às con­sequên­ci­as des­se fe­nó­me­no, a po­pu­la­ção que vi­ve no tra­ça­do do Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Ben­gue­la faz uma apos­ta for­te na agri­cul­tu­ra. A pro­du­ção pa­ra a so­bre­vi­vên­cia deu lu­gar à co­mer­ci­a­li­za­ção e com ela o au­men­to do ren­di­men­to das fa­mí­li­as.

Um agri­cul­tor da vi­la do Lon­gon­jo, no Hu­am­bo, foi la­pi­dar: “Nós te­mos o nos­so pe­tró­leo, que é o mi­lho, ba­ta­ta re­na, hor­tí­co­las, fru­ta e ou­tros pro­du­tos do cam­po”. Na­da mais as­ser­ti­vo: nos mer­ca­dos mon­ta­dos pró­xi­mo das es­ta­ções prin­ci­pais e in­ter­mé­di­as do CFB, a abun­dân­cia e a di­ver­si­da­de de bens agrí­co­las e ani­mais dei­tam por ter­ra qual­quer dú­vi­da so­bre o po­ten­ci­al des­sas re­giões.

Ho­je, ver em di­ver­sas lo­ca­li­da­des do pla­nal­to cen­tral cen­te­nas de bi­ci­cle­tas, mo­to­ri­za­das e mes­mo vi­a­tu­ras de oca­sião tor­nou-se já tri­vi­al. É o re­sul­ta­do dos ren­di­men­tos pro­ve­ni­en­tes dos pro­du­tos do cam­po que,

Sem­pre de com­boio, dei­xá­mos a ci­da­de do Hu­am­bo às seis ho­ras, em di­rec­ção ao Bié, no cen­tro de An­go­la. Em Ca­ma­cu­pa, es­tá lo­ca­li­za­do o cen­tro ge­o­dé­si­co do país. Pa­ra trás, fi­ca­ram mais de 500 qui­ló­me­tros de li­nha fér­rea des­de o Lo­bi­to e o re­gis­to de um fran­co pro­gres­so em to­das as lo­ca­li­da­des si­tu­a­das no tra­ça­do do CFB, res­sal­tan­do-se aqui a cons­tru­ção de im­por­tan­tes in­fra-es­tru­tu­ras so­ci­ais co­mo es­co­las, cen­tros e pos­tos de saú­de, re­si­dên­ci­as pa­ra jo­vens e ou­tros fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos, sis­te­mas de cap­ta­ção e dis­tri­bui­ção de água po­tá­vel e de ener­gia.

A mu­dan­ça é vi­sí­vel. A evo­lu­ção que se re­gis­ta nes­sas áre­as es­tá, par­ti­cu­lar­men­te, li­ga­da ao CFB, já que, de com­boio, o ma­te­ri­al de cons­tru­ção, co­mo o ci­men­to e ou­tros mei­os che­gam com mais fa­ci­li­da­de e em enor­mes quan­ti­da­des ao in­te­ri­or do país.

Ao fa­lar com ve­lhos fer­ro­viá­ri­os e gen­te que ha­bi­ta ao lon­go do ca­mi­nho-de-fer­ro, per­ce­be-se cla­ra­men­te que as as­si­me­tri­as en­tre o li­to­ral e o les­te vão di­mi­nuin­do de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va. Já não há his­tó­ri­as de sau­da­de so­bre o re­gres­so do com­boio “pa­ra bre­ve”, co­mo em 2009, quan­do tes­te­mu­nhá­mos a mo­nu­men­tal obra de mon­ta­gem da li­nha, pois es­te, des­de 2012, pas­sou a fa­zer par­te do quo­ti­di­a­no da gen­te do pla­nal­to cen­tral e do les­te de An­go­la.

Des­ta vez na ci­da­de do Hu­am­bo, já não te­mos um Le­o­nel Ba­ra­ta, das ofi­ci­nas ge­rais do CFB, a fa­lar-nos, com nos­tal­gia do mons­tro em que, en­tão, se trans­for­ma­ra a mai­or em­pre­sa fer­ro­viá­ria do país, por cul­pa dos anos de con­fli­to ar­ma­do. Co­mo o seu co­le­ga Mar­ques Fun­dões, tor­nei­ro e an­ti­go ma­qui­nis­ta, o ho­mem que fa­la­va dos tem­pos em que nas ofi­ci­nas do Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Ben­gue­la era fei­to to­do o ti­po de re­pa­ra­ções de ava­ri­as nas lo­co­mo­ti­vas, car­ru­a­gens, va­gões e ou­tros mei­os, pas­sou há al­guns anos à re­for­ma.

No seu au­ge, as ofi­ci­nas ge­rais do CFB eram úni­cas no país. Es­ta­vam bem equi­pa­das, com téc­ni­cos de gran­de ní­vel e mui­ta gen­te jo­vem com von­ta­de de apren­der ser­ra­lha­ria, elec­tri­ci­da­de, car­pin­ta­ria e ou­tras. Car­los Go­mes, 73 anos, tor­nei­ro de pro­fis­são e an­ti­go ma­qui­nis­ta, ac­tu­al pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do CFB, cu­ja en­tre­vis­ta en­cer­ra a sé­rie de re­por­ta­gens so­bre o im­pac­to do com­boio jun­to da po­pu­la­ção, é pro­du­to des­tas ofi­ci­nas ins­ta­la­das na ci­da­de do Hu­am­bo.

Quan­do o com­boio dei­xou de api­tar no pla­nal­to cen­tral, as ofi­ci­nas ge­rais tor­na­ram-se ino­pe­ran­tes, mas áre­as co­mo pin­tu­ra, elec­tri­ci­da­de, car­pin­ta­ria, ser­ra­lha­ria pas­sa­ram a pres­tar al­guns ser­vi­ços a ter­cei­ros, ga­ran­tin­do mí­ni­mos ren­di­men­tos à em­pre­sa.

Os tem­pos são ou­tros. Vi­si­o­ná­ri­os, os res­pon­sá­veis da em­pre­sa tra­ça­ram uma es­tra­té­gia que per­mi­te o res­ga­te do pa­pel das ofi­ci­nas ge­rais do CFB, a co­me­çar pe­la cons­tru­ção de um cen­tro pa­ra a for­ma­ção de téc­ni­cos nas mais va­ri­a­das es­pe­ci­a­li­da­des e uma li­nha pa­ra a for­ma­ção prá­ti­ca na con­du­ção de veí­cu­los fer­ro­viá­ri­os.

Os ATL (au­to­mó­veis pa­ra trans­por­te de li­nha) são re­pa­ra­dos nas ofi­ci­nas do CFB pa­ra ga­ran­ti­rem, no fu­tu­ro, um trans­por­te mais per­so­na­li­za­do de pas­sa­gei­ros. Com dois con­for­tá­veis quar­tos, WC, co­zi­nha, es­cri­tó­rio, sa­la de vi­si­tas e ou­tras

Che­gar à co­mu­na do Kwan­za, mu­ni­cí­pio de Ca­ma­cu­pa é, se­gu­ra­men­te, uma das eta­pas mais em­pol­gan­tes nu­ma vi­a­gem de com­boio. Ca­ma­cu­pa no­ta­bi­li­za-se tam­bém pe­la sua tra­di­ção na cul­tu­ra do ar­roz, nu­ma al­tu­ra em que sur­gem ini­ci­a­ti­vas em­pre­sa­ri­ais pa­ra a sua re­ac­ti­va­ção em gran­de es­ca­la, cu­jo es­co­a­men­to pa­ra os prin­ci­pais mer­ca­dos en­con­tra, cer­ta­men­te, no com­boio um par­cei­ro pri­vi­le­gi­a­do. Dir-se-ia que ao com­boio na­da es­ca­pa.

So­bre o rio Kwan­za com o mes­mo no­me, foi er­gui­da uma im­po­nen­te pon­te que per­mi­te a pas­sa­gem se­gu­ra do com­boio do mar ao Les­te e vi­ce-ver­sa, pas­san­do pe­las lo­ca­li­da­des do Cu­em­ba e de Mu­nhan­go, ain­da no ter­ri­tó­rio do Bié.

Até che­gar aqui, ain­da atra­ves­sá­mos as áre­as da Chi­pe­ta e de Ca­ta­bo­la, cu­ja po­pu­la­ção tam­bém vi­bra com co­mo­di­da­des são uti­li­za­dos, so­bre­tu­do, por al­tos fun­ci­o­ná­ri­os da em­pre­sa, en­ti­da­des ofi­ci­ais e vi­si­tan­tes. Po­dem ser tam­bém alu­ga­dos pa­ra o trans­por­te de tu­ris­tas já que dis­põem de to­das as co­mo­di­da­des.

Até che­gar ao mu­ni­cí­pio do Cat­chiun­go, o com­boio tem pa­ra­gens mais pro­lon­ga­das nas es­ta­ções do Dan­go, San­ta Iria, San­to Ama­ro, Bo­as Águas e Chi­ca­la Cho­lo­an­go. To­das es­sas re­giões des­ta­cam-se pe­las su­as po­ten­ci­a­li­da­des agrí­co­las. O ce­ná­rio não se al­te­ra mui­to en­tre as vá­ri­as lo­ca­li­da­des. Cam­po­ne­ses pro­ve­ni­en­tes das mais va­ri­a­das co­mu­nas e po­vo­a­ções, mes­mo de mu­ni­cí­pi­os re­la­ti­va­men­te dis­tan­tes, co­mo o Bai­lun­do e o Mun­go, têm ago­ra no com­boio o prin­ci­pal meio de es­co­a­men­to da pro­du­ção do mi­lho, ba­ta­te-do­ce, aba­ca­te, hor­tí­co­las e ou­tros pro­du­tos.

Aí, via de re­gra, a pro­du­ção de bens agrí­co­las, so­bre­tu­do ce­re­ais, é fei­ta em gran­de es­ca­la, não sen­do for­tui­ta a de­sig­na­ção de “ce­lei­ro de An­go­la” da­da ao pla­nal­to cen­tral. Com o com­boio, es­se es­ta­tu­to po­de ser re­for­ça­do, pois a pos­si­bi­li­da­de de os pro­du­tos de­te­ri­o­ra­rem-se no cam­po é re­mo­ta.

Com­boio. Sem­pre de com­boio pe­lo pla­nal­to cen­tral. A mais de 16 a che­ga­da do com­boio, pois uns sa­bem que po­dem ven­der pro­du­tos à sua pas­sa­gem e ou­tros em­bar­cam pa­ra ou­tras lo­ca­li­da­des atra­ves­sa­das pe­la li­nha do Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Ben­gue­la.

Cam­po­ne­ses com quem con­ver­sá­mos no Kwan­za con­fir­mam is­so. Di­zem que an­tes da che­ga­da do com­boio ha­via enor­mes quan­ti­da­des de pro­du­tos agrí­co­las nos cam­pos a aguar­dar por trans­por­te pa­ra os gran­des cen­tros ur­ba­nos. “Ago­ra, ven­de­mos mui­to mi­lho, fei­jão e ar­roz em mui­tas ci­da­des, por­que o com­boio é ba­ra­to e se­gu­ro”, diz uma cam­po­ne­sa, das mui­tas que por mo­men­tos dei­xam as la­vras pa­ra vi­rem até à li­nha fér­rea, tal co­mo em Can­go­na, Can­gum­be, Ca­chi­po­que e Chi­ca­la, a ca­mi­nho do Lu­e­na, a próxima eta­pa des­ta vi­a­gem do

do li­to­ral an­go­la­no ao Lu­au. qui­ló­me­tros do Cat­chiun­go es­tá o mu­ni­cí­pio do Chin­guar, à en­tra­da da pro­vín­cia do Bié, pe­la li­nha do CFB. Não mui­to dis­tan­te da­qui, apa­re­ce o Cu­ta­to. Com uma po­pu­la­ção es­ti­ma­da em cer­ca de 300 mil ha­bi­tan­tes, o Chin­guar é ou­tra im­por­tan­te re­gião agrí­co­la das mui­tas que exis­tem no cen­tro de An­go­la.

Aqui, a ofer­ta de bens no mer­ca­do mon­ta­do não mui­to dis­tan­te da li­nha fér­rea con­fir­ma a abun­dân­cia de bo­as sa­fras, fru­to da re­gu­la­ri­da­de das chu­vas e da cri­a­ti­vi­da­de de um po­vo ta­lha­do pa­ra tra­ba­lhar a ter­ra. Da­qui, o com­boio “re­co­lhe” tu­do pa­ra o Les­te de An­go­la. Mi­lho, fu­ba, fei­jão, hor­ta­li­ça, ba­ta­ta re­na, re­po­lho, cou­ve e ou­tros pro­du­tos do cam­po pre­en­chem as car­ru­a­gens de car­ga.

Mais cri­a­ti­vos, al­guns co­mer­ci­an­tes de oca­sião (can­don­guei­ros) ins­ta­la­ram em po­vo­a­ções si­tu­a­das pró­xi­mo do ca­mi­nho-de-fer­ro, no pla­nal­to cen­tral, aqui­lo que mais se pa­re­ce com au­tên­ti­cas “cen­trais de com­pras” de pro­du­tos agrí­co­las, que de­pois são re­ven­di­dos nas ci­da­des e vi­las a pre­ços ma­ni­fes­ta­men­te es­pe­cu­la­ti­vos. Um qui­lo de fei­jão manteiga ven­di­do a 450 kwan­zas em Ca­ta­bo­la, Ca­ma­cu­pa ou nou­tra zo­na qual­quer do Bié ou Hu­am­bo cus­ta ho­je em Lu­an­da qua­se o do­bro. Es­te é ape­nas um exem­plo da es­pe­cu­la­ção que não fal­ta por es­sas pa­ra­gens.

Ca­da vez mais api­nha­do de gen­te, o com­boio se­gue de­pois pa­ra a vi­la de Cu­nhin­ga na bi­fur­ca­ção pa­ra o An­du­lo e Nha­rêa. Há si­nais cla­ros de pro­gres­so e é im­pos­sí­vel ver nas ru­as gen­te de mão es­ten­di­da a pe­dir es­mo­la. A pas­sa­gem do com­boio é ga­ran­tia se­gu­ra da ven­da de pro­du­tos. A lo­ca­li­da­de de Ca­peio sur­ge de rom­pan­te, an­tes do com­boio per­noi­tar na co­mu­na do Cun­je e on­de es­tá uma es­ta­ção de pri­mei­ra gran­de­za, co­mo as do Lo­bi­to, Cu­bal, Hu­am­bo e Lu­au.

No CFB, tu­do pa­re­ce ter si­do pen­sa­do ao de­ta­lhe. Além dos ser­vi­ços de car­ga e de pas­sa­gei­ros, a pa­ra­gem do com­boio nas es­ta­ções prin­ci­pais per­mi­te a sua com­ple­ta lim­pe­za, as­sim co­mo o re­a­bas­te­ci­men­to, fun­da­men­tal­men­te, de água.

Es­ta­ção fer­ro­viá­ria do Cui­to é uma das mais mo­der­nas er­gui­das ao lon­go do Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Ben­gue­la e ofe­re­ce óp­ti­mas con­di­ções

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.