Clin­ton pre­ci­sa de San­ders pa­ra trans­for­mar as Amé­ri­cas

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LUIS AL­BER­TO FER­REI­RA |

O 31º En­con­tro Na­ci­o­nal de Mu­lhe­res, na ci­da­de ar­gen­ti­na de Ro­sá­rio, aglu­ti­nou cer­ca de 70 mil par­ti­ci­pan­tes do se­xo fe­mi­ni­no. A Po­lí­cia, num ac­to dig­no dos pi­o­res mo­men­tos da di­ta­du­ra fas­cis­ta de Vi­de­la, car­re­gou, à bas­to­na­da, so­bre as mu­lhe­res. A mes­ma in­dig­ni­da­de ha­via si­do co­me­ti­da, al­guns di­as an­tes, em Mar de la Pla­ta. Te­mos, pois, de re­gres­so, uma das ver­sões re­gi­men­tais que da his­tó­ria da Ar­gen­ti­na co­nhe­ce­mos. Is­to acon­te­ce num mo­men­to em que no país as mu­lhe­res se de­ci­di­ram pe­la dis­cus­são pú­bli­ca de pro­ble­mas tão gra­ves quan­to o abor­to, a pros­ti­tui­ção, a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca. Ao mes­mo tem­po, no vas­to ta­bu­lei­ro das Amé­ri­cas ou­tros acon­te­ci­men­tos ga­nha­vam di­men­sões de in­te­res­se pla­ne­tá­rio. Por um la­do, a atri­bui­ção do No­bel da Paz ao Pre­si­den­te da Colôm­bia, Ju­an Ma­nu­el San­tos, con­sequên­cia da sua apli­ca­ção na de­fe­sa de um acor­do de­fi­ni­ti­vo com as guer­ri­lhas po­pu­la­res das FARC e do ELN. Pro­ces­so em que além de Cu­ba to­ma par­te, ago­ra, o Go­ver­no do Equa­dor, des­ta fei­ta pa­ra fa­ci­li­tar as con­ver­sa­ções en­tre o Go­ver­no da Colôm­bia e o ELN, mo­vi­men­to guer­ri­lhei­ro in­de­pen­den­te das FARC. Por ou­tro la­do, so­bres­sai a in­ter­ven­ção do Pre­si­den­te da Ve­ne­zu­e­la, Ni­co­lás Ma­du­ro, em so­lo da Tur­quia, no de­cur­so da Ci­mei­ra Ener­gé­ti­ca des­ti­na­da a reu­nir con­sen­sos so­bre a pro­du­ção e os pre­ços do pe­tró­leo. Opor­tu­ni­da­de que o con­tro­ver­so Pre­si­den­te da Tur­quia, Re­cep Er­do­gan, não su­bes­ti­mou, ao anun­ci­ar o seu pro­pó­si­to de se des­lo­car à Ve­ne­zu­e­la em vi­si­ta de Es­ta­do. Quer tu­do is­to, mas não só is­to, di­zer que vai mu­dan­do o per­fil do tem­po es­pe­cu­la­ti­vo con­ce­di­do, den­tro e fo­ra dos Es­ta­dos Uni­dos, às can­di­da­tu­ras de Hil­lary Clin­ton e Do­nald Trump. Os Es­ta­dos Uni­dos não po­de­rão mais dis­so­ci­ar o seu fu­tu­ro ime­di­a­to de quan­to ocor­re, ago­ra, nas Amé­ri­cas e no res­to do pla­ne­ta. Vá­ri­os pon­tos de re­fle­xão fo­ram, já, es­ta­be­le­ci­dos. O pri­mei­ro gra­vi­ta na ra­di­o­gra­fia ao ma­gis­té­rio de Oba­ma, ver­ba­lis­ta, te­o­ri­za­dor e im­pro­fí­cuo. O se­gun­do cons­ti­tui-se fun­da­men­tal pa­ra a che­ga­da “útil” da se­nho­ra Clin­ton à Ca­sa Bran­ca: Ber­nie San­ders e os 12 mi­lhões de apoi­an­tes de­mo­cra­tas que con­fi­a­ram ne­le e no seu ideá­rio pro­gra­má­ti­co. Es­te úl­ti­mo fau­tor de­sa­fia as pos­si­bi­li­da­des dos de­mo­cra­tas na com­po­si­ção das du­as câ­ma­ras. Sem pre­pon­de­rân­cia no Se­na­do, Hil­lary Clin­ton se­ria ape­nas mais um in­qui­li­no cons­tran­gi­do da Ca­sa Bran­ca _ e as Amé­ri­cas, na sua glo­ba­li­da­de, pou­co ou na­da ga­nha­ri­am. Ber­nie San­ders não sig­ni­fi­ca me­ra alu­são sim­bó­li­ca. In­se­ri­lo na pers­pec­ti­va de uma Clin­ton ino­va­do­ra e an­ti-sis­te­ma é um rep­to que agra­da aos ana­lis­tas. Os apoi­an­tes de San­ders que vo­ta­rem em Hil­lary Clin­ton fá-lo-ão na ex­pec­ta­ti­va de resultados cla­ra­men­te re­tri­bu­ti­vos. Eles que­rem mu­dan­ças no país e no re­la­ci­o­na­men­to glo­bal com as Amé­ri­cas. A mai­or res­pon­sa­bi­li­da­de de Hil­lary con­sis­te, de fac­to, em trans­cen­der com no­vas po­lí­ti­cas o que pa­ra uma par­te dos Es­ta­dos Uni­dos e do mun­do se re­ve­la enig­má­ti­co ou sus­pei­to­so. A atri­bui­ção à Rús­sia de “cem por cen­to das cul­pas” nos bom­bar­de­a­men­tos em cur­so na Sí­ria le­van­ta uma equa­ção de dis­cu­ti­bi­li­da­de próxima do im­pen­sá­vel: há o ris­co de se so­mar tal as­se­ve­ra­ção à fur­ti­va pro­mes­sa de Clin­ton - “du­pli­car a aju­da a Is­ra­el”. O que po­de­ria sig­ni­fi­car o ba­ni­men­to de quais­quer con­ces­sões ao “pro­jec­to” fun­da­ci­o­nal de um Es­ta­do pa­les­ti­ni­a­no. Co­mo trans­for­mar, pois, as Amé­ri­cas, sem trans­for­mar os Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca do Nor­te e pôr ter­mo à in­ge­rên­cia nas seis na­ções re­al­men­te dis­pos­tas a mu­dar a or­dem con­ti­nen­tal dos di­rei­tos hu­ma­nos - na edu­ca­ção, na saú­de, no apoio às co­mu­ni­da­des in­dí­ge­nas, na de­fe­sa dos re­cur­sos na­tu­rais? Al Go­re, que foi vi­ce­Pre­si­den­te no rei­na­do de Bill Clin­ton e de­tém um No­bel da Paz pe­lo seu ac­ti­vis­mo na de­fe­sa do am­bi­en­te, co­me­ça ago­ra a fa­zer-se ou­vir (ao la­do de Clin­ton). É ou­tra fac­tu­ra re­tri­bu­ti­va à es­pe­ra da pre­su­mí­vel in­qui­li­na da Ca­sa Bran­ca.

Os Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca do Nor­te che­gam exaus­tos a es­tas elei­ções pre­si­den­ci­ais. Com ní­ti­da que­bra em si­ner­gi­as do cam­po so­ci­al e eco­nó­mi­co. Sa­be-se ago­ra mui­to mais da tri­vi­a­li­za­ção dos di­rei­tos dos elei­to­res, já frus­tra­dos quan­do da frau­de, na Flo­ri­da, que per­mi­tiu a Ge­or­ge W. Bush um se­gun­do man­da­to e a con­se­quen­te in­va­são do Ira­que. (“Ma­no­bra de di­ver­são”, cha­mou­lhe, na al­tu­ra, Al Go­re). O sis­te­ma elei­to­ral não ces­sa de cau­sar es­tra­nhe­zas. Ao can­di­da­to pre­si­den­ci­al que re­co­lha mais vo­tos não é as­se­gu­ra­do, au­to­ma­ti­ca­men­te, o in­gres­so na Ca­sa Bran­ca. Há to­do um xa­drez de mi­nú­ci­as e in­con­gruên­ci­as fe­de­rais a en­vol­ver o pro­ces­so. Lon­ge da mul­ti­dão. Ser­ge Ha­li­mi, edi­to­ri­a­lis­ta do “Le Mon­de Di­plo­ma­ti­que”, foi co­nhe­cer no ter­re­no o que pen­sam ho­je os nor­te-ame­ri­ca­nos: “O sis­te­ma es­tá vi­ci­a­do” por­que “na­da mu­da em Washing­ton”. Por­que “uma mai­o­ria da po­pu­la­ção con­ti­nua a pa­gar as con­sequên­ci­as de uma cri­se eco­nó­mi­ca que, por ou­tro la­do, na­da cus­tou aos que a pro­vo­ca­ram”. Por­que “os elei­to­res re­pu­bli­ca­nos tam­bém não vi­ram acon­te­cer gran­de coi­sa de­pois de se te­rem mo­bi­li­za­do pa­ra ar­re­ba­tar, pri­mei­ro em 2010 e de­pois em 2014, o con­tro­lo das du­as câ­ma­ras”. Is­to é, Do­nald Trump, em rup­tu­ra “es­pec­ta­cu­lar” com o seu par­ti­do e o ve­lho sis­te­ma, não é ain­da um “de­sa­pa­re­ci­do em com­ba­te”. A pro­pa­gan­da, o triun­fa­lis­mo tác­ti­co, tor­na­ram-se fin­gi­di­ços. Trump, sem per­ce­ber que o fa­zia, e San­ders, cons­ci­en­te de que o fa­zia, agi­ta­ram as águas. Em 1959, a URSS aco­lheu em Mos­co­vo uma Ex­po­si­ção Nor­te­A­me­ri­ca­na. Ga­ba­va-se, pou­co de­pois, o his­to­ri­a­dor Ken­neth Be­er: “Pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria do país, o ci­da­dão mé­dio so­vié­ti­co pô­de fa­zer per­gun­tas so­bre os Es­ta­dos Uni­dos e ob­ter res­pos­tas sin­ce­ras, ape­ga­das à re­a­li­da­de”. Uma das per­gun­tas: “Quan­tos tra­ba­lha­do­res dos Es­ta­dos Uni­dos go­zam de ser­vi­ços mé­di­cos?”. Res­pos­ta: “Apro­xi­ma­da­men­te a quar­ta par­te”. Nes­se ca­so, mui­to re­gre­di­ram os Es­ta­dos Uni­dos, des­de 1959, em ma­té­ria de as­sis­tên­cia mé­di­ca igua­li­tá­ria. Ba­rack Oba­ma po­de­ria, ho­je, ques­ti­o­nar o eu­fó­ri­co Ken­neth Be­er de 1959: “Res­pos­tas ape­ga­das à re­a­li­da­de?!!!”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.